terça-feira, maio 14

O Lugar Santo Lição 7 – CPAD MAIO 2019

O Lugar Santo
Lição 7 – CPAD MAIO 2019
Estudo Pr. Prof. Osvarela
Texto Áureo
“Porque um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o Santuário.” Hebreus 9.2
Leitura Bíblica Em Classe
Êxodo 25.23,30,31; 26.31-37; 30.1,6-8
25.23,30,31:
23 - Também farás uma mesa de madeira de cetim; o seu comprimento será de dois côvados, e a sua largura, de um côvado, e a sua altura, de um côvado e meio,
30 - E sobre a mesa porás o pão da proposição perante a minha face continuamente.
31 - Também farás um castiçal de ouro puro; de ouro batido se fará este castiçal; o seu pé, as suas canas, as suas copas, as suas maçãs e as suas flores serão do mesmo.
26.31-37:
31 - Depois, farás um véu de pano azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino torcido; com querubins de obra prima se fará.
32 - E o porás sobre quatro colunas de madeira de cetim cobertas de ouro, sobre quatro bases de prata; seus colchetes serão de ouro.
33 - Pendurarás o véu debaixo dos colchetes e meterás a arca do Testemunho ali dentro do véu; e este véu vos fará separação entre o santuário e o lugar santíssimo.
34 - E porás a coberta do propiciatório sobre a arca do Testemunho no lugar santíssimo,
35 - e a mesa porás fora do véu, e o castiçal, defronte da mesa, ao lado do tabernáculo, para o sul; e a mesa porás à banda do norte.
36 - Farás também para a porta da tenda uma coberta de pano azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino torcido, de obra de bordador,
37 - e farás para esta coberta cinco colunas de madeira de cetim, e as cobrirás de ouro; seus colchetes serão de ouro, e far-lhe-ás de fundição cinco bases de cobre.
30.1,6,7,8
1 - E farás um altar para queimar o incenso; de madeira de cetim o farás.
6 - E o porás diante do véu que está diante da arca do Testemunho, diante do propiciatório que está sobre o Testemunho, onde me ajuntarei contigo.
7 - E Arão sobre ele queimará o incenso das especiarias; cada manhã, quando põe em ordem as lâmpadas, o queimará.
8 - E, acendendo Arão as lâmpadas à tarde, o queimará; este será incenso contínuo perante o SENHOR pelas vossas gerações.
Texto Auxiliar ou Tipológico:
“Ora, também a primeira tinha ordenanças de culto divino, e um santuário terrestre. Porque um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o santuário.” Hebreus 9:1,2
Introdução:
Como já falamos anteriormente, Deus sempre propôs habitar entre o Seu povo. Mas há lugar que apenas os sacerdotes podem acessar e tocar e oficiar parte do culto sacrificial.
Assim, temos como este local o Lugar Santo!
מישע - Meysha; n. pr. m. Mesa = “libertação”.
שלחן shulchan;n. m. mesa; referindo-se à mesa do rei, uso privado, uso sagrado.
26. 33 - Pendurarás o véu debaixo dos colchetes e meterás a arca do Testemunho ali dentro do véu; e este véu vos fará separação entre o santuário e o lugar santíssimo.
34 - E porás a coberta do propiciatório sobre a arca do Testemunho no lugar santíssimo,
35 - e a mesa porás fora do véu, e o castiçal, defronte da mesa, ao lado do tabernáculo, para o sul; e a mesa porás à banda do norte.
Véu – nos fala diretamente da separação do homem de Deus, rasgado pelo sacrifício vicário de Jesus na Cruz, mostrou a quebra da antiga aliança e abriu um novo caminho. O próprio Deus rasgou o véu inaugurando o paraíso com os mortos da Cruz, um deles o ladrão que reconheceu Jesus como Salvador.
“Naquele momento, o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo” Mateus 27.51; Marcos, 15.38; e Lucas 23.45.
O véu separará o Lugar Santo do Lugar Santíssimo (Êxodo 26.33).
O propósito do véu.
מסכה maccekah; ato de derramar, libação, metal fundido, imagem fundida, oferta de libação; libação (com sacrifício previsto na aliança); metal fundido, imagem fundida, deuses fundidos;  tecido, coberta, véu, tecido trançado
O véu era uma divisória de separação entre o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo. A etimologia mostra, por si, que está ligado a libação, sacrifício. A palavra “véu” que eu escolhi para uso, acima, neste sentido em língua semítica.
Literalmente significa “separação” ou “cortina” ou “aquilo que oculta”. Este véu deveria ocultar a glória Shekinah da vista dos homens. Ele agia como uma separação entre o homem pecador e o Deus Santíssimo.
רדיד – radiyd, no sentido de estender; n. m. algo estendido, manto largo ou véu grande
Medida do Véu.
Este véu media 10 côvados quadrados, dando-nos uma figura dos Dez Mandamentos. Qualquer homem que pretendesse vir à presença do Santo de Israel tinha que se defrontar com a Lei. Diz Kevin J. Conner
Dentre estes elementos temos a Mesa dos Pães da Proposição, que é o primeiro registro bíblico deste utensílio e da palavra Mesa!
No Lugar Santo:
Havia um Mobiliário Específico:
a. O altar de ouro do incenso
b. A Mesa com os pães da Presença (proposição)
Pães - προθεσις – prothesis; apresentação de algo, colocá-lo à vista, o pão sagrado – doze (12) pães de trigo, correspondentes ao número das tribos de Israel. Eram oferecidos a Deus cada sábado e separados em duas fileiras, deixados por sete dias sobre uma mesa colocada no santuário ou na parte frontal do tabernáculo, e mais tarde no templo; propósito de onde deriva proposição, tinham um objetivo tipológico e cúltico.
Feitos de “flor de farinha” (Levítico 24.5), isto é “da melhor farinha” (NVI), os pães eram postos sobre a mesa no lugar Santo, um sobre o outro, formando duas pilhas de seis pães cada uma.
“Também tomarás da flor de farinha, e dela cozerás doze pães; cada pão será de duas dízimas de um efa. E os porás em duas fileiras, seis em cada fileira, sobre a mesa pura, perante o Senhor. E sobre cada fileira porás incenso puro, para que seja, para o pão, por oferta memorial; oferta queimada é ao Senhor.” Levítico 24:5-7
απαρχη – aparche; entre outros sentidos - A primeira porção da massa de farinha, da qual os pães sagrados eram para ser preparados. Flor de farinha.
סאה - c ^e’ah – grego - σατον; n. f. uma medida de farinha ou cereal; provavelmente igual a 1/3 de efa
c. O Candelabro de Ouro –
Êxodo 30. 8 - E, acendendo Arão as lâmpadas à tarde
Vamos tratar neste estudo, do Lugar Santo, informando certos detalhes, como:
Dentro da tenda havia um candelabro, que iluminava o local, e uma mesa, onde se colocavam 12 pães, e apenas os sacerdotes comiam esses pães no Lugar Santo. É necessário lembrar que da tribo de Levi, os levitas todos teriam de prestar serviço no Tabernáculo, mas apenas da descendência de Arão saíram os sacerdotes, assim mesmo, havia restrição para acesso, a esse lugar. Até no layout se fazia este posicionamento das tribos, Os Levitas (representando os primogênitos de todo Israel - Números 3.41 - e consagrados por Arão, com uma liturgia sacrificial de oferta movida. Eles foram providência de Deus para subsistência do Ministério Araônico, com as ofertas dos primogênitos que excederam ao censo e foram resgatados com ofertas à Arão e seus filhos) ficavam em volta do tabernáculo e as famílias de Moisés e de Arão sempre acampavam ao leste, na frente da entrada. Mesmo na mudança, o tabernáculo permanecia central, com seis tribos na frente e seis tribos seguindo a trás.
“Este é o ofício dos levitas: Da idade de vinte e cinco anos para cima entrarão, para fazerem o serviço no ministério da tenda da congregação; Mas desde a idade de cinqüenta anos sairão do serviço deste ministério, e nunca mais servirão; Porém com os seus irmãos servirão na tenda da congregação, para terem cuidado da guarda; mas o ministério não exercerão; assim farás com os levitas quanto aos seus deveres.” Números 8:24-26
λευιτης Leuites; num sentido restrito, os chamados levitas, não pertencendo à família de Arão, para quem o sacerdócio era reservado com exclusividade, eram assistentes dos sacerdotes. Era seu dever manter os utensílios e o templo limpo, providenciar os pães sagrados, abrir e fechar os portões do templo, cantar os hinos sacros no templo, e fazer muitas outras coisas. Esse era o Lugar Santo, onde apenas os sacerdotes podiam entrar e os levitas não tinham acesso, a não ser no pátio para serviços determinados por Javé.
“Depois tu farás chegar a ti teu irmão Arão, e seus filhos com ele, do meio dos filhos de Israel, para me administrarem o ofício sacerdotal; a saber: Arão, Nadabe, e Abiú, Eleazar e Itamar, os filhos de Arão.” Êxodo 28:1
Tudo era determinado por Deus para que não houvesse, coisas perdidas, ou qualquer tipo, de uso de perecíveis com fungos, como o Pão da Proposição, sob a supervisão dos filhos de Arão e suas descendências em tempo determinado, para que nunca parasse o serviço sacrificial. E isto era disposto por Javé em turnos determinados com vestes sacerdotais próprias.
Tipologicamente a ação sacerdotal se dará por uma autorização de Jesus, O Pão da Mesa:
Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro,e deu dons aos homens. Ora, isto - ele subiu - que é, senão que também antes tinha descido às partes mais baixas da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;” Efésios 4:8-12
É por isto, que precisamos entender e respeitar nossos sacerdotes, conforme Deus chamou e determinou, você pode nem aceitar, mas deve obedecer e respeitá-los par o Ofício diante do senhor. Deus estabelece sacerdotes na Nova Ordem sacerdotal. “Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo sacerdote tal, que está assentado nos céus à destra do trono da majestade, Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou, e não o homem. Porque todo o sumo sacerdote é constituído para oferecer dons e sacrifícios, ...” Hebreus 8:1-3
“Estes são os nomes dos filhos de Arão, dos sacerdotes ungidos, cujas mãos foram consagradas para administrar o sacerdócio.” Números 3:3
Sete dias as vestirá aquele que de seus filhos for sacerdote em seu lugar, quando entrar na tenda da congregação para ministrar no santuário.” Êxodo 29:30
“Na tenda da congregação, fora do véu que está diante do testemunho, Arão e seus filhos as porão em ordem, desde a tarde até a manhã, perante o Senhor; isto será um estatuto perpétuo para os filhos de Israel, pelas suas gerações.” Êxodo 27:21
Este será o ministério dos filhos de Coate na tenda da congregação, nas coisas santíssimas. Quando partir o arraial, Arão e seus filhos virão e tirarão o véu da tenda, e com ele cobrirão a arca do testemunho; E pôr-lhe-ão por cima uma coberta de peles de texugos, e sobre ela estenderão um pano, todo azul, e lhe colocarão os varais. Também sobre a mesa da proposição estenderão um pano azul; e sobre ela porão os pratos, as colheres, e as taças e os jarros para libação; também o pão contínuo estará sobre ela. Depois estenderão em cima deles um pano de carmesim, e com a coberta de peles de texugos o cobrirão, e lhe colocarão os seus varais. Então tomarão um pano azul, e cobrirão o candelabro da luminária, e as suas lâmpadas, e os seus espevitadores, e os seus apagadores, e todos os seus vasos de azeite, com que o servem. E envolverão, a ele e a todos os seus utensílios, na coberta de peles de texugos; e o colocarão sobre os varais.” Números 4:4-10
“E o príncipe da casa paterna das famílias dos coatitas será Elisafã, filho de Uziel. E a sua guarda será a arca, e a mesa, e o candelabro, e os altares, e os utensílios do santuário com que ministram, e o véu com todo o seu serviço.” Números 3:30,31
Entre os utensílios do Tabernáculo, a Mesa de Proposição é um dos itens de importância vital e representativa usado diariamente pelos sacerdotes e levitas.
Havia pessoal próprio para manutenção de cada utensílio do lugar Santo. No caso, da Mesa de Proposição
É o Nível 2 do culto e da adoração e serviço que o crente podia acessar. Porque o nível posterior o Nível 3 só podemos acessar através do nosso Sumo Sacerdote Jesus Cristo, Ele mesmo o Sumo Sacerdote e a oferta perfeita.
Relembrando, o nível um do acesso à Deus se dá da seguinte forma, e através de um sacrifício , O Sangue de Jesus:
O Pátio (Nível 1) Ex. 27.9-19
Era a área externa do templo, onde todos podiam entrar menos os leprosos, os impuros e castrados. Existiam alguns objetos no Pátio, o Altar do Holocausto (Ex.27.1-8) e a Pia com água para lavagem (ou lavatório Ex.30.17-21)
O Tabernáculo de Moisés era uma espécie de tenda móvel, com várias cortinas e coberturas, sobre uma estrutura de madeira.
O Tabernáculo possuía três compartimentos ou lugares aos quais as Escrituras se referem como:
(1) o Pátio Externo.
(2) o Lugar Santo e
(3) o Lugar Santíssimo ou Santo dos Santos;
Santuário (Êxodo 25.8): A palavra “santuário” significa “lugar santo” ou “lugar separado”. Esse Tabernáculo deveria ser um lugar separado para a habitação de um Deus santo.
O candelabro de ouro foi colocado no lado sul do Tabernáculo (Êxodo 40.24), mais especificamente em frente da mesa. Ambos se localizavam no Lugar Santo. A mesa e o candelabro estavam um em frente do outro (Êxodo 26.35).
A Mesa dos Pães da Presença foi colocada no lado norte do Tabernáculo (Êxodo 40.22).
Etimologicamente a palavra Mesa, como vimos, significa LIBERTAÇÂO. Jesus!
Êxodo 25. 23 - Também farás uma mesa de madeira de cetim; o seu comprimento será de dois côvados, e a sua largura, de um côvado, e a sua altura, de um côvado e meio,
30 - E sobre a mesa porás o pão da proposição perante a minha face continuamente.
“E será de Arão e de seus filhos, os quais o comerão no lugar santo, porque uma coisa santíssima é para eles, das ofertas queimadas ao Senhor, por estatuto perpétuo.” Levítico 24:9
Os pães só podiam ser comidos legitimamente pelos sacerdotes, e unicamente no pátio do lugar santo (Lv 24.9). contudo houve uma exceção que foi feita por Aimeleque, quando ele deu a Davi e aos seus companheiros os pães da proposição, que tinham sido retirados de diante do Senhor (1 Sm 21.1 a 6).
“Não tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e os que com ele estavam? Como entrou na casa de Deus, e comeu os pães da proposição, que não lhe era lícito comer, nem aos que com ele estavam, mas só aos sacerdotes?” Mateus 12:3,4
É impossível não tipologizar a Mesa com Pães da Proposição, com a Ceia, mandamento do Senhor Jesus, sendo Ele mesmo Pão, como já indicamos neste estudo. A expressão pães da proposição na Bíblia geralmente traduz o hebraico “lehem hapanim” que significa literalmente “pães do rosto” ou “pães da presença”. Essa designação se refere ao fato de que esses pães eram postos perante a face ou presença de Deus (Êxodo 25:30 E sobre a mesa porás o pão da proposição perante a minha face perpetuamente.)
פנים paniym; em frente de, na presença de, à face de, diante de ou na presença de, da presença de, de diante da face de;
A Mesa dos Pães da Presença simboliza o próprio Senhor Jesus Cristo como o Pão da Vida para seu povo (João 6.25-63), e aponta para a Mesa do Senhor (Ceia) presente na Igreja do Novo Testamento, que é quando todos os crentes em comunhão comem do Corpo de Cristo (1 Coríntios 10.15-21; 11.23-34; Mateus 26.26-28). Esta mesa neotestamentária é o ponto central das nossas reuniões e deve ser reverenciada com entendimento e introspecção por todos que dela participam.
Mesa era feita de Madeira de Acácia, revestida de ouro e colocada no Santuário em localização diretamente oposta ao candelabro de ouro no Lugar Santo. Nessa mesa eram colocados doze pães, símbolo da prosperidade para cada Tribo de Israel, mas que representava também Jesus, os quais deveriam ser partilhados pelos sacerdotes da tribo de Levi. A Mesa dos Pães era coberta com um pano azul, lembrando, como estudamos o céu.
“Deu-lhes a comer o pão do céu. Disse-lhes, pois, Jesus: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo. Disseram-lhe, pois: Senhor, dá-nos sempre desse pão. E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida, ...” João 6:31-35
Jesus é o Pão descido dos Céus, humanizado e perene, tipo do pão da Mesa, que era perecível e terreno.
O Lugar Santo era iluminado pelas Sete lâmpadas
A Mesa Dos Pães Da Presença
Êxodo 25.23-30; 37.10-16; 40.22,23; Levítico 24.5-9
Também farás uma mesa de madeira de acácia; o seu comprimento será de dois côvados, e a sua largura de um côvado, e a sua altura de um côvado e meio.
E cobri-la-ás com ouro puro; também lhe farás uma coroa de ouro ao redor.
Também lhe farás uma moldura ao redor, da largura de quatro dedos, e lhe farás uma coroa de ouro ao redor da moldura.
Também lhe farás quatro argolas de ouro; e porás as argolas aos quatro cantos, que estão nos seus quatro pés.
Defronte da moldura estarão as argolas, como lugares para os varais, para se levar a mesa.
Farás, pois, estes varais de madeira de acácia, e cobri-los-ás com ouro; e levar-se-á com eles a mesa.
Também farás os seus pratos, e as suas colheres, e as suas cobertas, e as suas tigelas com que se hão de oferecer libações; de ouro puro os farás.
E sobre a mesa porás o pão da proposição perante a minha face perpetuamente. Êxodo 25:23-30
E cobriu-a de ouro puro, e fez-lhe uma coroa de ouro ao redor. Fez-lhe também, ao redor, uma moldura da largura da mão; e fez uma coroa de ouro ao redor da moldura. Êxodo 37:11,12
1 - A Mesa: considerações gerais
Fez também a mesa de madeira de acácia; o seu comprimento era de dois côvados, e a sua largura de um côvado, e a sua altura de um côvado e meio.
E cobriu-a de ouro puro, e fez-lhe uma coroa de ouro ao redor.
Fez-lhe também, ao redor, uma moldura da largura da mão; e fez uma coroa de ouro ao redor da moldura.
Fundiu-lhe também quatro argolas de ouro; e pôs as argolas nos quatro cantos que estavam em seus quatro pés.
Defronte da moldura estavam as argolas para os lugares dos varais, para se levar a mesa.
Fez também os varais de madeira de acácia, e os cobriu de ouro, para se levar a mesa.
E fez de ouro puro os utensílios que haviam de estar sobre a mesa, os seus pratos e as suas colheres, e as suas tigelas e as suas taças em que se haviam de oferecer libações.
Êxodo 37:10-16
O segundo objeto da mobília do Tabernáculo a ser construído foi a mesa dos pães da Presença. Esta mesa era feita de madeira de acácia, revestida de ouro e colocada no Santuário em localização diretamente oposta ao candelabro de ouro no Lugar Santo. Nessa mesa eram colocados doze pães, que deveriam ser partilhados pelos sacerdotes da tribo de Levi.
A Mesa montada e construída da união de dois materiais: um, Madeira, simbolizada na Acácia que representa o homem, e outro o Ouro simbolizando a divindade de Jesus. A sua forma do Deus encarnada, totalmente homem e perfeitamente Deus! João 1.14; Filipenses 2.5-9
Jesus O mediador de uma Nova Aliança entre Deus e o homem, teria que ser homem, para suportar todas as fraquezas adâmicas e assim, poder mediar a relação Deus-Homem, sem defeito, como Ele foi perfeito.
A palavra hebraica para “ouro” é derivada de um termo pouco comum significando "cintilar" ou “brilhar”. O ouro, portanto, é um símbolo da divindade ou da natureza divina de Jesus Cristo. Dois elementos foram usados para compor a mesa: ouro e madeira.
זהב- zahab; procedente de uma raiz não utilizada, significando tremular a luz; n. m. ouro – como metal precioso; como uma medida de peso - referindo-se a brilho, esplendor (fig.)
Podemos ver, que esta peça da mobília está relacionada ao ministério do Senhor Jesus Cristo na Igreja.
“..., uma moldura da largura da mão; e fez uma coroa de ouro ao redor da moldura, ...”
E, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, e em sua mão direita uma cana; e, ajoelhando diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, Rei dos judeus.” Mateus 27:29
As bordas da largura de uma mão, apontam para as mãos cravadas de Jesus, na cruz pelos cravos dos romanos, para dependurá-lo! E apontam para a coroa que deveria ser de ouro, mas foi de espinhos. Além de serem uma coroa! Cristo Jesus, nossa mesa da Presença, as duas funções, de rei e sumo sacerdote, estavam unidas. Ele é coroado corno rei e sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque. O homem coroou-o com espinhos (o resultado do pecado e da maldição), mas Deus coroou-o com glória e honra (o selo de que a obra estava consumada). Ver Hebreus 2.6-8; 1 Pedro 5.4 e Hebreus 7.1,2.
“Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos.” Hebreus 2:9
A largura de urna mão era urna espécie de borda entre as coroas e os demais utensílios. Ela também servia como uma proteção para impedir que os objetos caíssem da mesa. Note que somente a mão de Cristo é capaz de nos guardar da queda. As mãos de Jesus são mãos perfuradas com cravos (Zacarias 13.6; João 10.28; Judas 24).
Êxodo 25.23 - Esta é a primeira vez que a palavra "mesa" é mencionada na Bíblia.
Deus preparou a mesa para os sacerdotes em Seu Santuário, prefigurando o fato de que Deus prepararia uma mesa em Cristo para seu povo redimido, os sacerdotes do Santuário eterno.
A Mesa ficava no lado norte do Lugar Santo, em sentido oposto ao candelabro de ouro, de modo que a luz do candelabro iluminava o pão e a mesa.
Esta mesa é chamada por diferentes nomes nas Escrituras:
1. Mesa dos pães da Presença (Êxodo 25.30);
2. Mesa de madeira de acácia (Êxodo 25.23; 37.10);
3. Mesa de ouro puro (Levítico 24.6) - nós devemos estar limpos para participar da mesa do Senhor;
4. Mesa (Êxodo 39.36; 40.4,22);
5. Mesa de ouro (1Reis 7.48), no Templo de Salomão.
Material da Mesa:
Madeira de Acácia – Êxodo 25.23
Medidas da Mesa:
Noventa centímetros de comprimento, quarenta e cinco centímetros de largura e setenta centímetros de altura (Êxodo 25.23)
Elementos do culto que a Mesa recebia.
Levítico 24:5-9Também tomarás da flor de farinha, e dela cozerás doze pães; cada pão será de duas dízimas de um efa.
E os porás em duas fileiras, seis em cada fileira, sobre a mesa pura, perante o Senhor.
E sobre cada fileira porás incenso puro, para que seja, para o pão, por oferta memorial; oferta queimada é ao Senhor.
Em cada dia de sábado, isto se porá em ordem perante o Senhor continuamente, pelos filhos de Israel, por aliança perpétua.
E será de Arão e de seus filhos, os quais o comerão no lugar santo, porque uma coisa santíssima é para eles, das ofertas queimadas ao Senhor, por estatuto perpétuo.
23 - Também farás uma mesa de madeira de cetim; o seu comprimento será de dois côvados, e a sua largura, de um côvado, e a sua altura, de um côvado e meio,
Há algo a ser observado quanto as medidas dos utensílios do Lugar Santo e do Santíssimo:
Determina e indica que Deus coloca a santidade dos objetos do culto e dos lugares de Sua Presença em igualdade de honra e adoração, porque Ele quer que o culto seja igual no púlpito quanto no santuário.
Assim, a Mesa, a grelha do altar de bronze e a Arca da aliança eram da mesma altura. Assim, a grelha do altar de bronze no pátio, a mesa dos pães da Presença no Santo Lugar, a arca da aliança e o trono de misericórdia (propiciatório) no Lugar Santíssimo apresentavam altura semelhante.
A mesma altura significa o mesmo padrão e o mesmo nível estabelecidos diante de Deus. Isso representa que, começando no “trono do juízo” (70 cm), podemos ir para a mesa dos pães da Presença (70 cm) e ter comunhão com Deus e seus sacerdotes, com base no sangue aspergido sobre o trono de misericórdia (a tampa da arca, 70 cm de altura).
E estas são as medidas do altar, em côvados (o côvado é um côvado e um palmo): e o fundo será de um côvado de altura, e um côvado de largura, e a sua borda em todo o seu contorno, de um palmo; e esta é a base do altar. Ezequiel 43:13
O Candelabro – Menorah
30.6 - E o porás diante do véu que está diante da arca do Testemunho, diante do propiciatório que está sobre o Testemunho, onde me ajuntarei contigo.
7 - E Arão sobre ele queimará o incenso das especiarias; cada manhã, quando põe em ordem as lâmpadas, o queimará.
8 - E, acendendo Arão as lâmpadas à tarde
“Também farás um candelabro de ouro puro; de ouro batido se fará este candelabro; o seu pé, as suas hastes, os seus copos, os seus botões, e as suas flores serão do mesmo. E dos seus lados sairão seis hastes; três hastes do candelabro de um lado dele, e três hastes do outro lado dele. Numa haste haverá três copos a modo de amêndoas, um botão e uma flor; e três copos a modo de amêndoas na outra haste, um botão e uma flor; assim serão as seis hastes que saem do candelabro. Mas no candelabro mesmo haverá quatro copos a modo de amêndoas, com seus botões e com suas flores; E um botão debaixo de duas hastes que saem dele; e ainda um botão debaixo de duas outras hastes que saem dele; e ainda um botão debaixo de duas outras hastes que saem dele; assim se fará com as seis hastes que saem do candelabro. Os seus botões e as suas hastes serão do mesmo; tudo será de uma só peça, obra batida de ouro puro. Também lhe farás sete lâmpadas, as quais se acenderão para iluminar defronte dele. Os seus espevitadores e os seus apagadores serão de ouro puro.” Êxodo 25:31-38
EU Sou a Luz do Mundo. É mais uma tipologia que devemos buscar apresentar aos que estudam este assunto – Símbolos da Obra Redentora de Cristo – Ele mesmo se disse e é a Luz do Mundo, estando defronte a área da Lâmpada do Templo, no crepúsculo quando a Luz alumiava de amarelo o belo Templo herodiano.
O Candelabro de Ouro é o próximo objeto a ser fabricado depois da mesa dos pães da Presença e ficava exatamente do lado oposto à mesa de ouro, no lado sul do Lugar Santo, no Santuário (Êxodo 26.35 e 40.4,24).
Diferentemente que se possa pensar, com relação aos candelabros usados desde a antiguidade, com uso de velas, ou tochas nos bicos, o Candelabro do Lugar Santo era uma luminária, sendo a luminária central a representação de Javé, que ilumina todos os homens e o próprio Santíssimo lugar de Sua Habitação celestial. Elas eram abastecidas com o fino óleo de azeite – Unção – foi colocado estrategicamente para iluminar tudo que havia no Santo, e o próprio Lugar Santo do Tabernáculo, na área fechada, como já estudamos da Tenda.
A base para as lâmpadas tinha sete hastes para segurar as lâmpadas (Êxodo 25:31-39). Elas queimavam só o mais puro azeite de oliva e tudo era feito do mais puro ouro.
As hastes tinham o formato da flor de amêndoa com botões e pétalas. É provável que as lâmpadas eram feitas para queimar continuamente.
O Candelabro foi o segundo objeto trabalhado, após a confecção da mesa dos pães de proposição.
Nomes do Candelabro, que encontramos registrados nas Escrituras:
Candelabro (Êxodo 35.14; 40.4,24)
Candelabro de ouro (Êxodo 25.31)
Candelabro de ouro puro (Êxodo 31.8; 39.37; Levítico 24.4).
Candeeiro – (Ex 27.20)
A descrição da forma do Candelabro não indica medidas, assim com a Bacia de bronze (que também foi feita de metais, enquanto a Mesa era de madeira), diferente das demais peças do Lugar Santo, indica detalhadamente (vide texto, acima) a beleza que o artífice – Bezalel e Aoiliabe – deveriam dar na peça única e importante, pois dela vinha a Luz e era abastecida por óleo especialmente preparado para o utensílio.
“Tu pois ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para fazer arder as lâmpadas continuamente.” Êxodo 27:20
Por quê?
A Luz divina não pode ser medida e representada pelos homens.
“E aponta para Jesus: “Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.” João 1:9
“E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre.” Apocalipse 22:5
Candelabro de Ouro
Ele era feito totalmente de Ouro. O ouro utilizado no candelabro nos recorda a divindade e a natureza divina vistas primeiramente em Cristo (a luz do mundo) e em segundo lugar na Igreja (Mateus 5.14) pela seus membros, nós os crentes em Jesus.
Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” Mateus 5:14-16
“Disse-lhes, pois, Jesus: A luz ainda está convosco por um pouco de tempo. Andai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai.” João 12:35
“Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” João 8:1
O Material – Ouro
Fala de um material que simboliza a divindade de Deus e seu preparo, desde a sua garimpagem até sua obtenção pelo fogo, e sua moldagem, também pelo fogo, revelam uma tipologia Crística, ou seja, o seu aparecimento como um ser sem formosura, mas que o sacrifício de Jesus, suas dores e para ser moldado o ouro precisa ser trabalhado com o martelo e com outras ferramentas do ourives. Esse processo de purificação e transformação do ouro é bastante árduo e trabalhoso, mas depois de concluído, o resultado é de rara beleza. Esse processo pode ser comparado à ação de Deus na Igreja, que ao longo da História tem sido aperfeiçoada pelo fogo do Espírito Santo, e desde o princípio foi forjada neste Fogo Pentecostal.
Sua aparência
Os elementos decorativos do Candelabro são tão detalhados que demonstram a beleza e tem vários modos de interpretação tipológico.
Amêndoa
Botão – de flor
Flor
A vara de Arão era de amendoeira e ele mesmo era o primeiro sumo sacerdote. A amendoeira é a primeira árvore a brotar na Palestina
Jesus é o que limpa as varas. Porque Ele é o tipo perfeito de Arão e seu sacerdócio. morreu como a vara morta de Arão, para então ressuscitar trazendo um botão, flores e o fruto da amêndoa.
A Bíblia, não usando cabala ou qualquer outro tipo de espiritualidade das páginas sagradas, contém uma numerologia santa. No Candelabro temos muitos dados numéricos que indicam santidade, divindade, relacionamento de Deus com o homem.
O Candelabro era formado de uma única peça de ouro:

quinta-feira, maio 9

quarta-feira, maio 8

As Cortinas do Tabernáculo Lição 6 - CPAD - Maio 2019


As Cortinas do Tabernáculo
Lição 6 - CPAD - Maio 2019
Escritor do subsídio Pr.Prof Osvarela

Estamos falando da Peça principal - O Tabernáculo!
Texto Áureo:
“Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.” 1 Coríntios 10:11
Leitura Bíblica:
Êxodo 26:1-14
1 E o tabernáculo farás de dez cortinas de linho fino torcido, e azul, púrpura, e carmesim; com querubins as farás de obra esmerada.
2 O comprimento de uma cortina será de vinte e oito côvados, e a largura de uma cortina de quatro côvados; todas estas cortinas serão de uma medida.
3 Cinco cortinas se enlaçarão uma à outra; e as outras cinco cortinas se enlaçarão uma com a outra.
4 E farás laçadas de azul na orla de uma cortina, na extremidade, e na juntura; assim também farás na orla da extremidade da outra cortina, na segunda juntura.
5 Cinquenta laçadas farás numa cortina, e outras cinquenta laçadas farás na extremidade da cortina que está na segunda juntura; as laçadas estarão presas uma com a outra.
6 Farás também cinquenta colchetes de ouro, e ajuntarás com estes colchetes as cortinas, uma com a outra, e será um tabernáculo.
7 Farás também cortinas de pelos de cabras para servirem de tenda sobre o tabernáculo; onze cortinas farás.
8 O comprimento de uma cortina será de trinta côvados, e a largura da mesma cortina de quatro côvados; estas onze cortinas serão da mesma medida.
9 E juntarás cinco destas cortinas à parte, e as outras seis cortinas também à parte; e dobrarás a sexta cortina à frente da tenda.
10 E farás cinquenta laçadas na borda de uma cortina, na extremidade, na juntura, e outras cinquenta laçadas na borda da outra cortina, na segunda juntura.
11 Farás também cinquenta colchetes de cobre, e colocarás os colchetes nas laçadas, e assim ajuntarás a tenda, para que seja uma.
12 E a parte que sobejar das cortinas da tenda, a saber, a metade da cortina que sobejar, penderá de sobra às costas do tabernáculo.
13 E um côvado de um lado, e outro côvado do outro, que sobejará no comprimento das cortinas da tenda, penderá de sobra aos lados do tabernáculo de um e de outro lado, para cobri-lo.
14 Farás também à tenda uma coberta de peles de carneiro, tintas de vermelho, e outra coberta de peles de texugo em cima.
Estamos falando das CORTINAS DO TABERNÁCULO
O Tabernáculo era uma tenda retangular muito grande, feita de várias camadas de cortinas apoiadas em colunas de madeira revestidas com metais preciosos.
À volta da tenda havia um pátio retangular, delimitado por mais cortinas e colunas.
O povo ficava no Pátio do Tabernáculo, onde os sacerdotes ofereciam os sacrifícios no altar dos holocaustos e abençoavam o povo. Uma bacia de bronze com água ficava à entrada da tenda, para os sacerdotes se lavarem antes de entrarem (Êxodo 30:19-21).
A Estrutura do Tabernáculo:
A estrutura do Tabernáculo era formada por 48 tábuas assim distribuídas:
20 tábuas do lado sul
20 tábuas do lado norte
6 tábuas do lado ocidental
2 tábuas para os cantos no final da parte ocidental
Total: 48 tábuas
Estas 48 tábuas formavam um só Tabernáculo.
O número 48 é resultado dos fatores 4 x 12. Quatro e o número da terra, expressando a ideia de uma mensagem universal ou mundial (referência aos quatro cantos da terra). O evangelho deve ser pregado no mundo todo e a todas as pessoas (Marcos 16.15-20; Mateus 28.19,20; Atos 1.8). Todo poder é dado a Cristo tanto no céu quanto na terra. A Igreja é uma instituição tanto local quanto universal, e alcança os quatro cantos da terra.
O número 12 é o número da soberania divina e do governo apostólico (veja comentários sobre o número 12 no capítulo que trata da mesa dos pães da Presença). A Igreja é edificada sobre o fundamento constituído pelos doze apóstolos do Cordeiro
“Farás também as tábuas para o tabernáculo de madeira de acácia, que serão postas verticalmente.
O comprimento de uma tábua será de dez côvados, e a largura de cada tábua será de um côvado e meio.
Dois encaixes terá cada tábua, travados um com o outro; assim farás com todas as tábuas do tabernáculo.
E farás as tábuas para o tabernáculo assim: vinte tábuas para o lado meridional.
Farás também quarenta bases de prata debaixo das vinte tábuas; duas bases debaixo de uma tábua para os seus dois encaixes e duas bases debaixo de outra tábua para os seus dois encaixes.
Também haverá vinte tábuas ao outro lado do tabernáculo, para o lado norte,
Com as suas quarenta bases de prata; duas bases debaixo de uma tábua, e duas bases debaixo de outra tábua,
E ao lado do tabernáculo para o ocidente farás seis tábuas.
Farás também duas tábuas para os cantos do tabernáculo, de ambos os lados.
E por baixo se ajuntarão, e também em cima dele se ajuntarão numa argola. Assim se fará com as duas tábuas; ambas serão por tábuas para os dois cantos.
Assim serão as oito tábuas com as suas bases de prata, dezesseis bases; duas bases debaixo de uma tábua, e duas bases debaixo da outra tábua.
Farás também cinco travessas de madeira de acácia, para as tábuas de um lado do tabernáculo,
E cinco travessas para as tábuas do outro lado do tabernáculo; como também cinco travessas para as tábuas do outro lado do tabernáculo, de ambos os lados, para o ocidente.
E a travessa central estará no meio das tábuas, passando de uma extremidade até à outra.
E cobrirás de ouro as tábuas, e farás de ouro as suas argolas, para passar por elas as travessas; também as travessas as cobrirás de ouro.
Então levantarás o tabernáculo conforme ao modelo que te foi mostrado no monte.
Depois farás um véu de azul, e púrpura, e carmesim, e de linho fino torcido; com querubins de obra prima se fará. Êxodo 26:15-31
9. ... e quarenta bases de prata debaixo delas: duas bases para cada armação, uma debaixo de cada encaixe. Para o outro lado... quarenta bases de prata, duas debaixo de cada armação... Para o lado ocidental do tabernáculo... haverá oito armações e dezesseis bases de prata, duas debaixo de cada armação (Êxodo 26.19, 20, 21, 22, 25).
Em cada uma das 48 tábuas, havia duas bases de prata. Temos assim:
40 bases para as 20 tábuas do lado sul
40 bases para as 20 tábuas do lado norte
16 bases para as 8 tábuas do lado ocidental
Total: 96 bases
A primeira coisa que notamos é que as bases deveriam ser de prata. Cabe aqui a pergunta: de onde veio essa prata? A resposta pode ser encontrada em Êxodo 30.11-16. Nesse texto, vemos que Moisés foi instruído a fazer um recenseamento do povo de Israel. Todos os homens acima de 20 anos deveriam ser contados e pagar ao Senhor um preço pelo resgate de suas vidas.
O valor requerido era a metade de um sido, com base no peso padrão do santuário, que tinha 12 gramas (no hebraico, 20 geras - Números 3.46-51; 18.16). Isso significa que a metade de um ciclo correspondia a 6 gramas ou 10 geras, no hebraico. Este era o padrão de Deus, apontando para os Dez Mandamentos, o padrão divino da Lei de Deus. Essa quantia era uma oferta expiatória pela alma da pessoa. Tanto o pobre quanto o rico deveriam pagar a mesma quantia. O padrão de Deus é igual para todos, pois Ele não faz acepção de pessoas. Cada homem pagaria pelo seu resgate, ninguém poderia pagar por outra pessoa (Salmo 49.7,8). A alma tinha que se redimida com prata, e enquanto cada um trazia sua oferta, Deus prometeu que nenhuma praga viria sobre eles.
Pensando:
É tempo de fim é necessário estar firme como colunas e no espaço fechado das colunas do Tabernáculo, todas de linho torcido, preconizando Jesus, que nos guarda!”
O Tabernáculo de Moisés era uma espécie de tenda móvel, com várias cortinas e coberturas, sobre uma estrutura de madeira.
O Tabernáculo possuía três (3) compartimentos ou lugares aos quais as Escrituras se referem como, divididos pelas cortinas que formavam o Tabernáculo:
(1) o Lugar Santíssimo ou Santo dos Santos;
(2) o Lugar Santo e
(3) o Pátio Externo.
Onde ler sobre - As cortinas e coberturas: Êxodo 26.1-14 36.8-19
1 E o tabernáculo farás de dez cortinas de linho fino torcido, e azul, púrpura, e carmesim; com querubins as farás de obra esmerada.
Dez fala da Lei – Decálogo – Dez Mandamentos
Essas dez cortinas de linho fino eram chamadas “o Tabernáculo”!
“E o tabernáculo farás de dez cortinas de linho fino torcido, ...” Êxodo 26:1
As Cortinas delimitavam o Pátio e toda a área do Tabernáculo.
Elas tinham uma ordem a ser obedecida segundo o modelo do Monte:
A - Cortinas de linho fino (Êxodo 26.1-6 e 36.8-13): Essas cortinas deveriam ser colocadas diretamente sobre a estrutura e compunham o verdadeiro teto do Santuário.
B - Cortinas de Pelo de cabra (Êxodo 26.7-13 e 36.14-18): Essas cortinas, referidas também como “tendas”, seriam colocadas sobre as cortinas de linho fino.
Peles de carneiro tingidas de vermelho (Êxodo 26.14 e 36.19):
Descritas como uma das coberturas; eram as próximas na ordem.
Coberturas de couro (Êxodo 26.14 e 36.19): Essa era a cobertura final, que era avistada por aqueles que estavam do lado de fora do Tabernáculo.
Aparentemente as duas primeiras eram cortinas e as outras duas eram coberturas. “Eles levarão as cortinas internas do Tabernáculo, a Tenda do Encontro, a sua cobertura, a cobertura externa de couro...” Números 4.25
Elas delimitam a minha fé em Cristo, preciso alargar até onde Deus determinar e fechar o meu “pátio” com as cortinas de linho e com colchetes de prata para que não vejam o que estou ofertando ao Senhor e me impeçam de continuar assim.
“Amplia o lugar da tua tenda, e estendam-se as cortinas das tuas habitações; não o impeças; alonga as tuas cordas, e fixa bem as tuas estacas.” Isaías 54:2
Também as minhas palavras devem ser pesadas e colocadas em salvas de prata:
“Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo.” Provérbios 25:11 “As palavras do Senhor são palavras puras, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes.” Salmos 12:6
Prata também pode significar purificação do metal:
“E assentar-se-á como fundidor e purificador de prata; e purificará os filhos de Levi, e os refinará como ouro e como prata; então ao Senhor trarão oferta em justiça.” Malaquias 3:3
Deus descreveu a posição das cortinas e determinou que elas fossem ligadas por um elemento que só era visto por dentro, os colchetes, por fora se via apenas um conjunto, como uma só peça. Noo texto abaixo, está descrito o uso de outras cortinas do conjunto do Tabernáculo, incluindo a área externa, porque o Tabernáculo era um lugar exclusivo para sacerdotes e o sumo-sacerdote fechado pelas cortinas especificadas no texto, acima.
“Farás também o pátio do tabernáculo, ao lado meridional que dá para o sul; o pátio terá cortinas de linho fino torcido; o comprimento de cada lado será de cem côvados. Também as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de cobre; os colchetes das colunas e as suas faixas serão de prata. Assim também para o lado norte as cortinas, no comprimento, serão de cem côvados; e as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de cobre; os colchetes das colunas e as suas faixas serão de prata, E na largura do pátio para o lado do ocidente haverá cortinas de cinquenta côvados; as suas colunas dez, e as suas bases dez. Semelhantemente a largura do pátio do lado oriental para o levante será de cinquenta côvados. De maneira que haja quinze côvados de cortinas de um lado; suas colunas três, e as suas bases três. E quinze côvados das cortinas do outro lado; as suas colunas três, e as suas bases três. E à porta do pátio haverá uma cortina de vinte côvados, de azul, e púrpura, e carmesim, e de linho fino torcido, de obra de bordador; as suas colunas quatro, e as suas bases quatro.” Êxodo 27:9-16
יריעות יריעה- y^eriy ‘ah; n. f. cortina, tecido
- Y^eriy ‘owth; n. pr. f. Jeriote = “cortinas”
חברת- chobereth; junção, algo montado
דק- doq; n. m. véu, cortina; peças de cortina do tabernáculo
καταπετασμα – katapetasma; um tecido estendido, uma cortina; nome dado às duas cortinas do templo de Jerusalém, uma delas na entrada do templo, separando o Santo Lugar do pátio externo, a outra separando o Santo dos Santos do Santo Lugar.
Cortina: peça de pano ou de outro material, suspensa por argolas, trilhos ou por outro meio, para proteger ou adornar janelas, portas, leitos etc.
Por Analogia: conjunto de coisas ordenadas em série; fileira.
אטון- ’etuwn - (provavelmente significando amarrar); n. m. linho, fio, linha.
עמוד- ’ammuwd ou עמד ’ammud; n. m. pilar, coluna – pilar - coluna, vertical
נציב - n^etsiyb ou נצב n^etsib; erigido, algo posicionado, coluna, guarnição, posto, pilar; pilar, coluna - intendente, representante.
Cortina - Peça de pano ou de outro material que se pendura para cobrir algo ou um recinto (protegendo da luz, do olhar etc., ou como separação, divisória etc.), ou para separar um cômodo do outro; Cortinado; Reposteiro
Objeto qualquer que impeça a passagem da luz, obstruindo: obturador de cortina: ex.: cortina de fumaça.
Cortinas eram colocadas sobre o Tabernáculo da seguinte forma:
5 (cinco) ficavam sobre o Lugar Santíssimo e a parede voltada para o oeste, enquanto as outras seis (6) cortinas cobriam o Lugar Santo até a porta.
7 Farás também cortinas de pelos de cabras para servirem de tenda sobre o tabernáculo; onze cortinas farás.
8 O comprimento de uma cortina será de trinta côvados, e a largura da mesma cortina de quatro côvados; estas onze cortinas serão da mesma medida.
Nessa disposição, com os colchetes diretamente sobre o véu, a 11ª a cortina estendia-se além da porta do Santuário.
Era esta cortina que estava dobrada sobre a parte frontal do Tabernáculo.
Podemos inferir por estes números, que esta 11ª a cortina era a única visível para aqueles que estavam do lado de fora do Tabernáculo. As outras dez cortinas permaneciam ocultas à vista, pelas 4 coberturas que já falamos anteriormente.
Jesus Cristo e seu tempo de tabernacular entre os homens, foi dividido em 3 partes, que podem ser analisadas da seguinte forma:
Onde vemos Jesus Cristo? Nas onze cortinas nós temos uma figura dos 33 anos de Cristo em sua caminhada na terra, quando Ele de fato tornou-se pecado por nós. Assim como somente 1/11 das coberturas de pelo de cabra eram visíveis para o observador de fora, também apenas 1/11 da vida de Cristo pôde ser vista através de seu ministério público (três anos e meio).
Dez das onze cortinas estavam ocultas da vista das pessoas, e trinta anos da vida de Cristo estão ocultos a nós.
Enquanto cada uma das onze cortinas (vistas e ocultas) tinha exatamente a mesma medida, os anos ocultos e os públicos eram os mesmos aos olhos de seu Pai.
O comprimento dessas cortinas era de trinta côvados.
Trinta é o número relacionado à idade para a consagração ao sacerdócio. O sacerdote deveria ter trinta anos de idade para poder ministrar (Números 4.3).
Jesus tinha 30 anos de idade quando começou seu ministério sacerdotal (Lucas 3.23)
Cortina fala de separação, impedir ver o que está encoberto, impede acesso além do que ela impede a visão, por isto que, havia uma cortina que separava o Santo do Santíssimo, tanto no Tabernáculo como no Templo.
Deus em Cristo abriu as cortinas internas do Tabernáculo, mas deixou as cortinas externas para impedir a contaminação do Pátio do Tabernáculo, a Igreja.
Cortinas Falam de Comunhão!
“O comprimento de uma cortina será de vinte e oito côvados, e a largura de uma cortina de quatro côvados; todas estas cortinas serão de uma medida.
Cinco cortinas se enlaçarão uma à outra; e as outras cinco cortinas se enlaçarão uma com a outra.”
Mas as Cortinas formavam um conjunto de dez (10) cortinas, o que nos ensina sobre a unidade pelos colchetes de prata, se um desligasse abria brecha para se ver o que se passava no interior. Assim, toda a Igreja precisa estar unida como em Atos 2.42, ter unidade e unicidade.
E juntarás cinco destas cortinas à parte, e as outras seis cortinas também à parte; e dobrarás a sexta cortina à frente da tenda.
Para entrar no Pátio – A Igreja – tem que passar pela Porta! O homem tem que passar pela sexta cortina, é o caminho do homem para a salvação!
As Cortinas serviam para:
Havia cortinas e coberturas dentro do Tabernáculo, penduradas ou caindo em dobras sobre a estrutura.
Alguns diagramas, ou layout, sugerem que as últimas coberturas seriam colocadas em forma de tenda sobre varas.
“As cortinas demonstram a necessidade da Igreja estar interligada, sem nenhuma marca exterior de divisão, quem a vê de fora não vê diferença em cada peça, e a Porta é identificada, tem cores do Sangue de Jesus e da Água viva misturada com as cores de fogo do Espírito Santo, que de longe os passantes veem, e tem interesse de verificar o que é esta chama, mas para usufruir do Tabernáculo da Igreja precisa passar no altar do holocausto da cruz e lavar-se na Bacia do Pátio, pelo batismo!” Osvarela
1 Separar o santo do espaço externo
Indicavam em seus desenhos a questão da adoração: “com querubins as farás de obra esmerada.”
Figura das asas do Altíssimo.
Os querubins bordados nas cortinas de linho fino estendiam suas asas sobre o Santuário, sob o qual o sacerdote ministrava. O sacerdote deveria andar, exercer seu ministério e ter comunhão com Deus sob a sombra das asas dos querubins.
“O SENHOR reina; tremam os povos. Ele está assentado entre os querubins, ...” Êxodo 26:1
2 Delimitava a área de culto
3 Impediam a visão do interior do pátio
4 Dividiam os espaços internos do Tabernáculo
De tal forma, que as cortinas acabavam por determinar a área total do Tabernáculo.
Não se pode separar as cortinas das colunas, uma estava ligada a outra.
Assim as colunas deveriam apoiar as cortinas com elemento de ligação de prata.
A base das colunas eram de prata declarando a todos que a redenção por Cristo é o alicerce da esperança de termos entrada na presença de Deus e de sermos úteis no edifício de Deus - Hebreus 10.19-25. Os que têm Cristo têm alicerce forte, ou ousadia, para entrar na presença de Deus - Efésios 3.12; Hebreus 4.16.
E as bases das colunas eram de cobre; os colchetes das colunas e as suas molduras eram de prata; e o revestimento dos seus capitéis era de prata; e todas as colunas do pátio eram cingidas de prata.
Prata fala do material usado para ser o preço que Judas recebeu pela vida de Jesus: 30 moedas de prata! Significado da prata é redenção.   
Então um dos doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os príncipes dos sacerdotes, E disse: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E eles lhe pesaram trinta moedas de prata, ...” Mateus 26:14,15
A prata era um material a ser buscado: “Se como a prata a buscares e como a tesouros escondidos a procuraresProvérbios 2:4
Eram 60 colunas, incluindo as colunas de entrada do Pátio, porque ali também havia uma cortina especial (a sexta cortina), com coloração determinada por Deus.
“E à porta do pátio haverá uma cortina de vinte côvados, de azul, e púrpura, e carmesim, e de linho fino torcido, de obra de bordador, ...” Êxodo 27:16
Estas colunas pressupõem-se que fossem de madeira de acácia revestida de bronze, com certeza bíblica as suas bases eram de bronze, sustentavam as cortinas de linho fino, assim distribuídas:
Colunas do lado norte: 20
Colunas do lado sul: 20
Colunas do lado ocidental: 10
Colunas do lado oriental: 10
As cortinas eram cingidas com prata.
As colunas em qualquer obra significam estabilidade.
Servem para suportar a edificação. Sem colunas as construções podem ruir, mesmo as “sem colunas”, tem em seu sistema de construção elementos que exercem a função das colunas (aqui como profissional do ramo de engenharia, falo da chamada construção de alvenaria estrutural).
Ou seja, no Tabernáculo as colunas representam o que devemos ser sobre a Rocha: Nós cristãos do Novo Testamento, devemos ser colunas do edifício de Deus.
A própria Igreja é mostrada por Paulo como:
A Igreja é... coluna e fundamento da verdade 1 Timóteo 3.15
“E conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como as colunas,     ...” Gálatas 2:9
“A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá” Apocalipse 3:12
Colunas representam estabilidade, retidão e unidade na obra de Deus. O oposto disso seria a instabilidade nas coisas do Senhor.
As colunas que sustentavam as cortinas de linho fino não eram visíveis para aqueles que permaneciam fora do Tabernáculo”, diz o escritor e teólogo Kelvin Conner.
Interessante ressaltar, como exemplo, que as colunas não eram vistas do lado de fora do Tabernáculo, as colunas não precisam ser vistas, mas são importantes para sustentação da Igreja do Senhor.
Temos visto em nossos dias homens que querem aparecerem mais do que a Igreja, se mostram, o que pode indicar que não sejam colunas verdadeiras, mas se expõem para serem visto e assim, os homens olham para eles e não se lembram que a Glória de Deus, está dentro do Tabernáculo!
Assim como as colunas que sustentavam as cortinas de linho fino não eram visíveis para aqueles que permaneciam fora do Tabernáculo, esses homens, verdadeiros pilares da fé, sustentaram a justiça de Deus em suas vidas com uma atitude de humildade.
Como as colunas do Tabernáculo deveriam permanecer firmes para sustentar as cortinas de linho fino branco e impedir que fossem manchadas pela sujeira da terra, assim os crentes em Cristo devem se manter firmes para sustentar a justiça de Deus e de Cristo de forma que o mundo inteiro possa ver. Os crentes devem permanecer firmes como colunas, sustentando os padrões de Deus e não permitindo que sejam corrompidos com a sujeira deste mundo - Salmo 33.1 ; 71.19.
Ao estudarmos e pesquisarmos podemos ver que na genealogia de Jesus, (na linhagem de José) encontramos 60 colunas, representadas pelos seus antepassados, homens da aliança e a justificação pela fé pode ser vista em suas vidas.: Mateus 1.1-16 e Lucas 3.23-38, ao longo da linhagem de José, podemos contar 60 homens desde Adão até Jesus.
“Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Abraão gerou a Isaque; e Isaque gerou a Jacó; e Jacó gerou a Judá e a seus irmãos; [...] E Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama o Cristo.” Mateus 1: 1,2;16
“E o mesmo Jesus começava a ser de quase trinta anos, sendo (como se cuidava) filho de José, e José de Heli, [...] E Cainã de Enos, e Enos de Sete, e Sete de Adão, e Adão de Deus.” Lucas 3:23;38
Quando relacionamos estes 60 homens, que formam a descendência de Jesus, vemos que, em suas carreiras, em algum momento foram alvo da Justiça de Deus os alcançou, ela está representada como justiça de Deus nas cortinas de linho.
O número 60 combina o significado do número do homem (6) ao número da Lei (10).
Se assim não fora, eles não poderiam fazer parte da genealogia do Filho do Homem, mas mesmo pecadores eles permaneceram num relacionamento de aliança diante de Deus, eles foram unidos pelo mesmo laço. Todos tiveram seus pecados justificados através da morte substitutiva de Jesus. Todos foram homens redimidos pelo sangue da propiciação, mesmo que alguns não tenham conhecido o Tabernáculo terreno, mas o Tabernáculo divino os alcançou.
Exemplo de Sete:
“E a Sete também nasceu um filho; e chamou o seu nome Enos; então se começou a invocar o nome do Senhor.” Gênesis 4:26
É preciso o professor ressaltar que cortinas havia no Tabernáculo.
Não eram iguais e tinham simbologias diferentes, seja pelo local que ocupavam, ou do local a que serviam, na liturgia do serviço cúltico.
Havia, então, três (3) tipos de Cortinas:
1 As Cortinas Externas – para melhor entendimento do Conjunto Das Cortinas devemos verificar:
“A estrutura do Tabernáculo era formada por 48 tábuas (armações de madeira) revestidas de ouro, fixadas em 96 bases de prata e unidas por cinco travessões em cada um dos lados. Na entrada do Tabernáculo havia uma cortina chamada “entrada da tenda”. Essa cortina era feita de linho fino e sustentada por cinco colunas. A porta dava acesso ao Lugar Santo. Na extremidade do Lugar Santo havia uma outra cortina ou véu, sustentada por quatro pilares e guardando a entrada do Lugar Santíssimo ou do Santo dos Santos. Esta cortina é frequentemente mencionada como o “segundo véu”.
Sobre toda essa estrutura havia outras cortinas e coberturas, as quais formavam o teto ou telhado do Tabernáculo.
2 As Cortinas Internas
“Fui de uma tenda para outra, e de um tabernáculo para outro” 1 Crônicas 17.5. entre as internas a supra citada como “segundo véu”.
3 As Cortinas de Cobertura – entenda com o texto seguinte o contexto das cortinas e do próprio Tabernáculo - O Tabernáculo tinha uma tenda de cortinas para protegê-lo:
Podemos explicar desde o pátio externo, passando pelo altar de bronze (ou altar dos holocaustos), seguindo adiante, a pia de bronze colocada no pátio externo, e “entre” a tenda do Tabernáculo e o altar de bronze (Êxodo 40.7), estando assim, alinhada com o altar de bronze estavam o candelabro de ouro e a mesa dos pães.
Cada uma delas tinha cores especiais:
As Cortinas de Cobertura, ou tenda do Tabernáculo:
“Farás também cortinas de pelos de cabras para servirem de tenda sobre o tabernáculo; onze cortinas farás. O comprimento de uma cortina será de trinta côvados (15m), e a largura da mesma cortina de quatro côvados(2,0m); estas onze cortinas serão da mesma medida. E juntarás cinco destas cortinas à parte, e as outras seis cortinas também à parte; e dobrarás a sexta cortina à frente da tenda.” Êxodo 26:7-9
Conforme Êxodo 26.7, eram de:                  
- pelos de cabras
Quem olhava para o tabernáculo via uma cobertura de pelos de cabras, sem muita beleza, embora trabalhada por mãos hábeis, era rústica pela qualidade do pelo do animal.
A Formatação Das Cortinas E Dimensões Do Tabernáculo:
Cada cortina media 28 côvados de comprimento e 4 côvados de largura. Quando elas se uniam, como já descrevemos, formavam uma cobertura de 28 côvados de largura e 40 (4x10) côvados de comprimento, que seca colocada sobre a estrutura.
A estrutura de madeira tinha dez côvados de altura, dez côvados de largura e 30 côvados de comprimento.
As cortinas cobriam toda a estrutura.
Partindo do lado norte (10 côvados), passando pelo lado sul (10 côvados) e pelo teto (10 côvados de largura) teríamos um total de 30 côvados, e assim vemos que as cortinas estavam a um côvado do chão em cada lado da estrutura.
As Cortinas cobriam toda a extensão da estrutura, pendendo 10 côvados sobre a extremidade oeste.
O comprimento total do conjunto de cortinas era de 40 côvados enquanto o comprimento do Tabernáculo era de 30 côvados. Como havia uma porta no lado oriental do Tabernáculo, as cortinas sem dúvida cobriam os dez côvados do muro oeste.
Qual a diferença das cortinas internas e externas?
O Exterior era bem rústico contrastando com a beleza interior. Há aqui um paralelo admirável entre ‘a figura’ e ‘a realidade’. Isto porque Ele esvaziou-Se a Si mesmo e fez-Se servo, conforme Filipenses 2.6-8.
Os olhos humanos não podiam ver n’Ele senão o filho do carpinteiro - Mateus 13.55. Ele estava em Sua face de humilhação.
Vendo apenas o exterior, ou mesmo a tenda de cobertura do Tabernáculo não se podia imaginar a beleza interior.
Poucas foram as pessoas que tiveram o privilégio de o ver por dentro.
Somente os sacerdotes tinham acesso à Tenda. Todos podiam ver o exterior, mas o interior somente alguns.
E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.” João 1:14
Assim como Jesus, poucos puderam ver a Sua natureza interior Lucas 11.15; 23.35.
Sua verdadeira natureza só podia ser reconhecida por aqueles que com profunda fé, d’Ele se aproximavam João 6.69.
Em Mateus 16.15-17 podemos ver pessoas que demonstraram ter tido uma revelação da verdadeira natureza de Jesus.
Em João 20.28 Tomé declarou a Jesus: “Senhor meu e Deus meu” reconhecendo também a verdadeira natureza de Jesus. Eles entraram na tenda e viram a beleza do Seu interior.
As Cortinas Internas
Medidas - as cortinas internas terão a mesma medida: 12,60 metros [28 côvados] de comprimento e 1,80 metros [4 côvados] de largura.
Elas simbolizam o carácter de Jesus.
“Naquele dia o renovo do Senhor será cheio de beleza e de glória; e o fruto da terra excelente e formoso para os que escaparem de Israel.” Isaías 4:2
Deus mandou fazer as cortinas de linho retorcido, estofo azul, púrpura e carmesim.
O linho retorcido (torcido para ter beleza, - torcido e retorcido de dores na Cruz, sem beleza exterior, mas Ele era o fruto da Terra, para servir de exemplo - é símbolo de justiça, o termo aqui é no sentido de ‘ser justo’ - Apocalipse 19.8.
O linho retorcido apontava para alguém que haveria de ter a natureza perfeita. Esse alguém seria sem sombra de dúvida Jesus Cristo. N’Ele seria encontrada a retidão desejada por Deus.
“Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos.” Isaías 53:2
O linho retorcido das cortinas do Tabernáculo também representa a humanidade perfeita de Jesus. Entrar no Tabernáculo a ver as cortinas de linho retorcido, com fios de azul, púrpura e carmesim, era ver, pela fé, toda a beleza que estaria presente no Segundo Adão - Jesus.
A Cor das Cortinas internas:
Quando estudamos sobre o Tabernáculo temos que ler e entender qual é a relação tipológica das cores determinadas por Deus, cada uma delas tem um significado.
As cores que deveriam ser usadas nas dez (10) cortinas, essas quatro (4) cores não foram escolhidas aleatoriamente.
A própria ordem das cores não é acidental. A ordem para que essas mesmas cores fossem usadas aparece 24 vezes no livro de Êxodo.
Essas quatro (4) cores podem também representar os quatro (4) evangelhos, que apresentam Jesus Cristo como o verdadeiro Tabernáculo.
Branco - Evangelho de Lucas: Filho (descendente) de Adão (mas, o Homem sem pecado)
“E Cainã de Enos, e Enos de Sete, e Sete de Adão, e Adão de Deus.” Lucas 3:38
Azul - Evangelho de João: Filho de Deus (Homem Celestial).
“Aquele que vem de cima é sobre todos; aquele que vem da terra é da terra e fala da terra. Aquele que vem do céu é sobre todos.” João 3:31
Roxo - Evangelho de Mateus: Filho de Davi (Homem-Rei)
“Onde está aquele que é nascido rei dos judeus, ...?” Mateus 2:2
Vermelho - Evangelho de Marcos: Filho do Homem (Homem-Servo)
“Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos.” Marcos 10:45
Como estudamos, são os símbolos da Obra Redentora de Cristo, que veio do Céu.
Em cores, temos como símbolo do Céu nas cores das cortinas
O azul é cor celestial, é símbolo do Céu.
E os fios de púrpura entrelaçados na cortina, tornou-se símbolo de Realeza. A púrpura era um tecido caríssimo, usado somente pelos ricos, pelos nobres, tecido próprio dos reis.
Quanto as demais informações de cores, leia mais, no link
Jesus Cristo é Rei, conforme simbolizado pela púrpura.
Os fios carmesins (escarlate) tornaram-se o símbolo do sofrimento.
O carmesim era obtido mediante o esmagamento de um molusco. Vide nossa aula sobre Tabernáculo
O azul, a púrpura e o carmesim apresentam Jesus como o Filho de Deus, e como Rei sobre todas as coisas, mas que deveria seguir o caminho da cruz para realizar a redenção da humanidade.
O Poder das Cortinas no azul celeste – Jesus
“E farás laçadas de azul na orla de uma cortina, na extremidade, e na juntura; assim também farás na orla da extremidade da outra cortina, na segunda juntura.”
“O comprimento de uma cortina será de trinta côvados, e a largura da mesma cortina de quatro côvados; estas onze cortinas serão da mesma medida.”
Um Jubileu – Uma libertação
As cortinas seriam presas por 50 laçadas e 50 colchetes.
Os 50 colchetes de ouro simbolizam os 50 títulos de Jesus nas Escrituras.
Em relação ao número 50, notamos que a cada 50 anos deveria acontecer o ano do Jubileu (Levítico 25.8-12). A festa de Pentecostes era celebrada no 50° dia (Levítico 23.15,16). De fato, a palavra “pentecostes” significa “cinquenta”.
O número 50, portanto, tem o sentido de libertação, liberdade, pentecostes e jubileu.
Apontando para a grande libertação universalmente disponível pelo sacrifício de Jesus, em um período festivo. Ele nos libertou pelo seu próprio serviço.
O efeito do azul
Todos lembram da mulher que tocou nas orlas das vestes de Jesus e que dali Ele sentiu que saiu virtude. A Igreja tem que ter vestes salpicadas de sangue e coberta com o azul de Cristo para da Igreja também sair virtude.
Onde Jesus está é Céu, e a Igreja está assentada nas regiões celestiais com Cristo!
O poder está em todos serem ligados pelos colchetes da justiça e pelo que veio do Céu, representado na cor azul.
E ligou cinco cortinas uma com a outra; e outras cinco cortinas também ligou uma com outra.
Depois fez laçadas de azul na borda de uma cortina, à extremidade, na juntura; assim também fez na borda, à extremidade da juntura da segunda cortina.” Êxodo 36:10,11
1ª PARTE

Seguidores

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical