sexta-feira, outubro 27

A Obra Salvífica de Jesus Cristo - 1ª PARTE Lição 5 – CPAD - 4º TRIMESTRE 2017

A Obra Salvífica de Jesus Cristo - 1ª PARTE
Lição 5 – CPAD - 4º TRIMESTRE 2017
Estudo Subsídio Pastor Prof. OSVARELA
TEXTO ÁUREO
"E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito." João 19.30
Leitura Bíblica Em Classe
João 19.23-30
23 Tendo, pois, os soldados crucificado a Jesus, tomaram as suas vestes, e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e também a túnica. A túnica, porém, tecida toda de alto a baixo, não tinha costura.
24 Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela, para ver de quem será. Para que se cumprisse a Escritura que diz: Repartiram entre si as minhas vestes, E sobre a minha vestidura lançaram sortes. Os soldados, pois, fizeram estas coisas.
25 E junto à cruz de Jesus estava sua mãe, e a irmã de sua mãe, Maria mulher de Clopas, e Maria Madalena.
26 Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho.
27 Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa.
28 Depois, sabendo Jesus que já todas as coisas estavam terminadas, para que a Escritura se cumprisse, disse: Tenho sede.
29 Estava, pois, ali um vaso cheio de vinagre. E encheram de vinagre uma esponja, e, pondo-a num hissope, lha chegaram à boca.
30 E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
Texto auxiliar
 “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim...” (Gl 2.19b-20).
ανασταυροω - anastauroo; v. levantar sobre uma cruz, crucificar
αναστεναζω - anastenazo; v. tirar suspiros profundos fundo do peito, suspirar profundamente.
O "símbolo" do cristianismo
Os elementos anticristãos do mundo secular dariam tudo para conseguir eliminar manifestações públicas da cruz.
Tão forte é esta frase que somos chamados por alguns grupos de Povo da Cruz.
Tal expressão, é utilizada por grupos perseguidores de cristãos, e mesmo, ateus ou perseguidores do Evangelho, que usam imagens fortes para propaganda anti-cristã, com a morte de alguns cristãos, seja de qual confissão for.
Somos realmente o Povo Da Cruz!
E não temos vergonha de anunciar, isto!
A Cruz não tem glamour
É necessário saber que a cruz existia antes do Calvário ter o Filho de Deus em seu topo, pendurado em uma cruz pelos romanos!
Cruz – σταυρος; instrumento bem conhecido da mais cruel e ignominiosa punição, copiado pelos gregos e romanos dos fenícios.
À cruz eram cravados entre os romanos, até o tempo de Constantino, o grande, os criminosos mais terríveis, particularmente os escravos mais desprezíveis, ladrões, autores e cúmplices de insurreições, e ocasionalmente nas províncias, por vontade arbitrária de governadores, também homens justos e pacíficos, e até mesmo cidadãos romanos.
Cruz Latina (crux immissa): É a mais comum de todas as cruzes. Ela era um instrumento de condenação à morte nos tempos de Jesus. Ela nos lembra o supremo sacrifício que Jesus ofereceu pelos pecados de todo mundo. Tradicionalmente ela simboliza a crucificação, no entanto, como é totalmente vazia, também nos lembra a ressurreição e a esperança da vida eterna.
Mas há vária controvérsias sobre o uso da Cruz. Algumas poucas Igreja Evangélicas não usam a Cruz em seus templos e identificação, no Brasil. No Mundo todo a Cruz Vazia é o símbolo do Cristianismo.

A Própria Cruz, em lugar do que nela aconteceu há 19 séculos, se tornou o centro da atenção.
O seu formato, embora concebido por pagãos cruéis para punir criminosos, se tornou sacro e imbuído de propriedades místicas, que alimentam uma sensação de proteção para os que a usam, e para os que fazem seu sinal,(respeitando, muito a reverencia dos cristão que o fazem em frente a suas catedrais, ou capelinhas,), mas a própria Igreja por anos usava a Cruz, ou sinal da Cruz e a própria exibição da cruz, de alguma forma, como garantia de proteção divina, ou mesmo para exorcismo, como se qualquer cruz tenha poderes divinos. Os demônios temem a Cristo, não uma cruz.
É interessante que a própria e legitima cruz se perdeu no tempo, e as escrituras não falam dela, a não ser quando nela estava o seu maior sofredor, que como homem, em sofrimento e flagelado teve que ser ajudado por outro homem, sem, contudo, não ser ajudado, nem pelo Pai, na hora do “Está consumado ou Tetelestai”.
A cruz é universalmente reconhecida como símbolo do cristianismo, é vista no topo das torres de dezenas de milhares de igrejas, nas procissões, sendo frequentemente feita de ouro e até ornada com pedras preciosas. Mas, não há nenhuma interação entre as cruzes preciosas, com a Cruz Gloriosa do Salvador!
Nem ouro, prata, brilhantes, pedras preciosas podem enfeitar a Cruz de Cristo, pois ela é um símbolo que tem sangue como marca, não sangue de animais, de homens, comuns, pois antes de Jesus outros homens morreram na cruz.
Mas, a Crus de Jesus de Nazaré é inigualável, foi o local da morte do Unigênito de Deus.
Embora a sua História não encerrou-se na Cruz, ela foi o preço vicário dado por Deus à Humanidade.
Cruz
A cruz é considerada um símbolo universal. Os egípcios a chamavam ankh
συσταυροω - sustauroo; v. crucificar juntamente com; A morte de Cristo na cruz acabou com a nossa corrupção anterior. Pela morte de Cristo na cruz, tornei-me totalmente separado (morto para) da minha antiga forma de sentir e agir.
χξς chi xi stigma; a vigésima segunda, décima quarta e uma letra arcaica (4742 como uma cruz) do alfabeto grego (intermediária entre a quinta e sexta), usadas como números; representação numérica.
O último clamor de Jesus na cruz, TETELESTAI (“Está consumado!”), é um bom exemplo do Tempo Perfeito usado neste sentido. Em outras palavras, “[a expiação] foi totalmente realizada, de uma vez por todas.
O mitte de toda a História da salvação é o momento da Crucificação. Sem a morte não teria remissão.
A Cruz foi o patíbulo de morte de um Justo. Jesus de Nazaré, mas foi o altar de sacrifício dos pecados do todos os homens.” Osvarela
Toda a Humanidade foi atingida por este momento, impar. Não haverá nunca mais um evento que atingiu e mudou toda a História do Universo.
Atingiu: Céus, Terra, Humanidade, Anjos, Satanás e glorificou ao Pai, que virou por um único instante, no Aeon, [lhe deu "as costas"] desamparou Seu Filho Amado, pois ali estava acumulado o pecado de bilhões, trilhões de homens, do passado, dos que naquele momento presente viviam ou nasciam, e dos que ainda nasceriam e seriam atingidos pelo ato mais profundo de amor, jamais visto pelas Potestades, Impérios e Poderes do Universo Cósmico.
A palavra grega sustauroo; toma significado quando eu entendo que na Cruz de Cristo nós estávamos junto com Ele, embora não fisicamente, mas ajudando a pesar sobre Ele todos os nossos pecados. v. crucificar juntamente com; A morte de Cristo na cruz acabou com a nossa corrupção anterior.
Precisamos entender que, pela morte de Cristo na cruz, tornei-me totalmente separado (morto para) da minha antiga forma de sentir e agir.
Crucificação à qual Cristo foi submetido
“E levaram-no ao lugar do Gólgota, que se traduz por lugar da Caveira. E deram-lhe a beber vinho com mirra, mas ele não o tomou. E, havendo-o crucificado, repartiram as suas vestes, lançando sobre elas sortes, para saber o que cada um levaria. E era a hora terceira, e o crucificaram. E por cima dele estava escrita a sua acusação: O REI DOS JUDEUS. E crucificaram com ele dois salteadores, um à sua direita, e outro à esquerda.” Marcos 15:22-27
Jesus estando entre os céus e a terra representava a posição letal da humanidade, que não tinha mais esperança aqui na terra e não podia libertar-se as estacas que a prendiam na morte, tal como o filho de Deus ficou dependurado, sob um castigo cruel, que era para a minha condenação, era eu quem deveria estar naquela posição.
ουρανος – ouranos; céu; n. m. espaço arqueado do firmamento com todas as coisas nele visíveis;
Universo, mundo -  atmosfera ou firmamento, região onde estão as nuvens e se formam as tempestades, e onde o trovão e relâmpago são produzidos
Os céus siderais ou estrelados;
Região acima dos céus siderais, a sede da ordem das coisas eternas e consumadamente
"E Jesus, dando um grande brado, expirou. E o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo. E o centurião, que estava defronte dele, vendo que assim clamando expirara, disse:  Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus." Marcos 15:37-39
bara’; v. criar, moldar, formar; moldar, dar forma a; criar (sempre tendo Deus com sujeito; referindo-se ao céu e à terra
שמין - shamayin (aramaico); n. m. céu, céus, firmamento; firmamento visível; Céus (como morada de Deus
ακρον - akron; adj. os limites mais distantes, extremidades, pontas, fim, o mais alto, extremo; da terra; do céu
ανωθεν - anothen; adv. de cima, de um lugar mais alto; de coisas que vem do céu ou de Deus
επουρανιος - epouranios; adj. que existe no céu; coisas que têm lugar no céu; regiões celestiais - o céu em si mesmo, habitação de Deus e dos anjos -  os céus inferiores (referência às estrelas) -  os céus, (referência às nuvens -  o templo celeste ou santuário
ουρανιος - ouranios; adj. Celestial -  que reside no céu -  que vem do céu
ουρανοθεν - ouranothen; adv. do céu
perfeitas, onde Deus e outras criaturas celestes habitam
παλιγγενεσια - paliggenesia; n. f. novo nascimento, reprodução, renovação, recreação, regeneração -  por isso renovação, regeneração, produção de uma nova vida consagrada a Deus, mudança radical de mente para melhor. A palavra é freqüentemente usado para denotar a restauração de algo ao seu estado primitivo, sua renovação, como a renovação ou restauração da vida depois da morte; A renovação da terra após o dilúvio; Renovação do mundo que terá lugar após sua destruição pelo fogo, como os estóicos ensinavam.

Paliggenesia- O sinal e gloriosa mudança de todas as coisas (no céu e na terra) para melhor, aquela restauração da condição primitiva e perfeita das coisas que existiam antes da queda de nossos primeiros pais, que os judeus esperavam em conexão ao advento do Messias, e que os cristãos esperavam em conexão com a volta visível de Jesus do céu.

sábado, outubro 21

Salvação - O Amor e a Misericórdia de Deus Lição 4 – CPAD 4º Trimestre - Em Edição

Salvação - O Amor e a Misericórdia de Deus
Lição 4 – CPAD 4º Trimestre
Estudo Pastor Prof. Osvarela
TEXTO ÁUREO
"Vós que, em outro tempo, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia." 1Pe 2.10
 LEITURA BÍBLICA
1 João 4.13-19
13 Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito.
14 E vimos, e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo.
15 Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele, e ele em Deus.
16 E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.
17 Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo.
18 No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.
19 Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.
O Que É Amor
“Amor incondicional significa amor pleno, completo, absoluto, que não impõe condições ou limites para se amar. Quem ama de forma incondicional não espera nada em troca. O amor está em primeiro lugar. O amor incondicional é generoso, altruísta e infinito.”
Para os cristãos, Deus teve um amor incondicional pela humanidade quando entregou Jesus Cristo, o seu único filho, para ser sacrificado. Deus ama de forma incondicional porque ama a todos.
De acordo com a leitura de Paulo transcrita na Bíblia em 1 Coríntios 13:4-7, "o amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta."
Hesede – Checed - חסד
חמלה - chemlah; n. f. misericórdia, piedade, compaixão
רחם - racham; v. amar, amar profundamente, ter misericórdia, ser compassivo, ter afeição terna, ter compaixão. Ter compaixão, ser compassivo; referindo-se a Deus, ao homem.
Βηθεσδα – Bethesda; בית חסדא ; n. pr. Loc. Betesda = “casa de misericórdia” ou “casa da água que flue”.
ελεεω - eleeo; v. ter misericórdia de; ajudar o aflito, levar ajuda ao miserável; experimentar misericórdia. Ελεος - eleos; n. n. misericórdia: bondade e boa vontade ao miserável e ao aflito, associada ao desejo de ajudá-los; de pessoa para pessoa: exercitar a virtude da misericórdia, mostrar-se misericordioso; de Deus para os homens: em geral, providência; a misericórdia e clemência de Deus em prover e oferecer aos homens salvação em Cristo; a misericórdia de Cristo, pela qual, em seu retorno para julgamento, Ele abençoará os verdadeiros cristãos com a vida eterna
ελεημοσυνη - eleemosune; n. f. misericórdia, piedade; esp. como exibido no dar esmola, caridade; o benefício em si mesmo, doação ao pobre, esmola
Amar. αγαπαω, e não φιλεω, é a palavra usada do amor de Deus aos homens, φιλανθροπια é, no entanto, usado uma vez com este sentido, Tt 3.4. αγαπαω é também a palavra ordinariamente usada do amor das pessoas a Deus, mas φιλεω é usada assim uma só vez, 1Co 16.22. αγαπαω é a palavra usada para o amor aos inimigos de alguém.
αγαπαω – agapao; v. com respeito às pessoas; receber com alegria, acolher, gostar muito de, amar ternamente; com respeito às coisas-  estar satisfeito, estar contente sobre ou com as coisas
αγαπη - agape; n. f. amor fraterno, de irmão, afeição, boa vontade, amor, benevolência; banquetes de amor
αγαπτος - agapetos; amado, estimado, querido, favorito, digno ou merecedor de amor
O Amor de Deus pode ser entendido no texto bíblico, supra pelas expressões contidas no próprio Texto:
Nisto conhecemos – O Amor de Deus
E vimos – O Amor de Deus
E testificamos – O Amor de Deus
E nós conhecemos – O Amor de Deus
E cremos – O Amor de Deus
É perfeito – O Amor de Deus
INIGUALÁVEL AMOR
O amor de Deus está em algumas expressões, que revelam o que compartilhamos deste Amor e nos faz Amar, à Deus, e ao próximo.
Na Bíblia o emprego de palavras como "amar", "dar", "obedecer", ou "confiar", nos mostram que, elas significam para nós a mesma coisa e, basicamente, o que significam para Deus, embora seja o seu amor muito maior que o nosso.
Por isso, Deus pode comunicar as Escrituras através de proposições verbalmente racionais. Para que o homem mortal pudesse entende-las como atividades necessárias, ao homem, para entender Amar e o Amor de Deus.
O Amor de Deus não foi apenas de falar, mas foi um amar expresso no verbo “dar”!
                        “...Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.”
Este é o exemplo que devemos seguir, não amar apenas por palavras, mas amar com exemplo prático. Existe a possibilidade do conhecimento analógico, pois é o fato de o próprio Deus selecionou os componentes usados por Ele em sua comunicação com o ser humano. A estreiteza da sabedoria humana não torna possível, o entendimento da profundidade deste Amor de Deus.
Assim, Deus preparou alguns elementos para o homem obter conhecimento analógico através da Sua Revelação, seja no Seu Filho e através das Escrituras, a Revelação Registrada, Revelação transmitida, que de maneira continuada, nos promove a cada Século, Era, ou Anos a ampliação desta Revelação cognitiva do Amor de Deus, que chamamos de Revelação Progressiva, um desvendamento menor para um mais completo.
Pois, o que Deus disse aos outros no passado, diz-nos agora através das Escrituras. Neste tempo de Plenitude Seu Filho nos revelou O Amor do Pai:
Havendo Deus antigamente falado muitas vezes [verbal ou escritural], e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho” Hebreus 1.1
A dádiva suprema que Deus oferece à raça humana é o Seu Amor na forma humana do Seu Filho Jesus.
Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”
João 3.16
O Amor de Deus é Incondicional, à Humanidade.
“O amor condicional requer algum tipo de troca, é finito. O amor é dado apenas com base em determinadas condições (conscientes ou não) satisfeitas por quem ama.”
A única forma de retribuição, ainda que seja, sem comparação, com o Amor de João 3.16 é, Amar a Deus sobre todas as coisas. De forma total, corpo, alma e espírito humano tem que se devotar a Amar a Deus, em primeiro lugar!
O maior privilégio do ser humano é poder conhecer a Deus, glorificá-lo e desfrutar para sempre de sua presença. Essa comunicação privilegiada reflete o amor e a bondade de Deus que, graciosamente, deu-se a conhecer.” Teologia Sistemática - Horton
Amar! Isso é tão relevante que Jesus resumiu a Lei ao seguinte binário:
Assim podemos entender o mistério da redução realizado por Deus pela Boca de Jesus, sobre este Tema:
 “E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.” Mateus 22:37-40
Nós o amamos, mas jamais poderemos amar igual Ele nos amou. É algo inatingível ao ser humano.
Para entendermos o que é Amor Incondicional, leiamos:
“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá ” 1 Coríntios 13:1-8
É sob esta noção ética do amor que Paulo escreve este Hino do Amor!
Há uma certeza que o Amor de Deus é compartilhado conosco, a nível humano, para que possamos praticá-lo, como Deus praticou para com a Humanidade, e ainda está disponível nesta quadra do Plano Divino de Redenção.
Na oração do apóstolo Paulo a favor dos efésios, ele deseja que eles possam "conhecer o amor de Cristo que excede todo conhecimento, para que vocês sejam cheios de toda a plenitude de Deus." (Efésios 3:19)
Plenitude significa completo, pleno ou cheio. É o estado daquilo que foi feito na totalidade, que atingiu a avaliação ou medida máxima.
Plenitude de Deus
No sentido espiritual e religioso, fala-se em plenitude de Deus, que consiste na aceitação dos preceitos divinos para haver a redenção da alma humana. Através de Jesus Cristo, que possui a plenitude divina, o homem busca, também, atingir o estado de plenitude e contínua Paz. Porque Paz com Deus infere saber que é amado por Deus e que não há restrições D’Ele para conosco, porque, Ele nos amou primeiro:
O Apóstolo do Amor, João entendeu pela convivência com Jesus Cristo, o que significa este Amor.
Na Relação horizontal – Homem e seu Próximo.
Ele nos ensina o que é Amor e como deve ser exercido, as suas definições de exercício. E a causa pela qual devemos nos amar!
“Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor...!” 1 João 4:7,8
Amar antes de tudo é um mandamento, seja Amar a Deus, e ao Próximo.
1 João 4.20 Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?
Revela quem ama a Deus, em verdade: - “Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso...”
Confirma como e porque devemos manter um relacionamento justo e santo com nossos irmãos – “1 João 4.21 E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão.” –
A Relação Vertical – Deus – Homem-
19 Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.
O que o Amor produz – “No amor não há temor”
Seus efeitos, na vida  - “...o perfeito amor lança fora o temor”
Mostra quem está escondido em Deus – “...quem está em amor está em Deus, e Deus nele.”
Traz Esperança – “... porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.”
Traz perfeição – “...o que teme não é perfeito em amor”
1 João 4.6 E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.
17 Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo.
18 No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.
19 Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.
20 Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?
21 E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão.
I João continua a nos ensinar a causa fulcral, que nos exige amar a Deus e ao próximo. Pois, se não se cumpre este mandamento não se pode amar.
Então, assim como Paulo, João nos mostra esta regra a ser incorporada na vida de quem quer ser Salvo.
Salvação infere em Amar e vice-versa.
Sendo importante, que O Amor de Deus se mostra eterno, nos amando antes de sermos criados e é fruto da Sua Misericórdia:
Deus sempre quis estar com o homem, como fazia com Adão, no Éden. Com o advento do pecado, já vamos encontrar a face misericordiosa de Deus.
A revelação divina é uma proclamação de vida, mas quando rejeitada, é uma proclamação de morte (Dt 30.15; 2 Co 2.16). Horton, pag.33
Pois, Ele mitigou a pena de Adão, a Morte mediata [Ele criou, o homem, para viver de forma Eterna], e esta misericórdia divina nos livrou da Ira futura, através da misericórdia divina, usando m Plano de Redenção, que teve seu ápice, na Cruz do Calvário.
Tu nos criaste para ti mesmo, e o nosso coração está inquieto até que ache repouso em ti”.
O homem é de Deus, mas para voltar a ter este relacionamento precisa entender o mistério da vinda da Luz ao Mundo:
“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.
E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a    compreenderam.” João 1:1-5
Horton nos informa que, a Revelação de Deus ao homem é um ato discricionário de Deus:
...a revelação que Deus fez de si mesmo visa o benefício do ser humano. Isso não quer dizer, porém, que a revelação divina, por si só, garanta uma resposta positiva a Deus da parte de quem a recebeu. "Precisamente porque a revelação divina visa o benefício do homem, não ousamos obscurecer o seu conteúdo informativo, nem pensar erroneamente que a revelação divina outorga a salvação automática de quem a possua. Ouvir as boas novas reveladas por Deus não nos redime automaticamente".
Graciosamente, Deus revelou-se a si mesmo, bem como os seus caminhos ao ser humano.
Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.” João 1.18
Sua auto-revelação abrange os séculos; é variada na sua forma, e oferece comunhão privilegiada com o Criador.
Mas, o homem dotado de livre-arítrio deve buscar a Deus ao ouvir a sua voz, hoje revelado pelo Filho, Jesus Cristo, para desfrutar de todos direitos produzido pelo Amor de Deus: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.” João 1:12-14
EM EDIÇÃO

            

sábado, outubro 14

A SALVAÇÃO E O ADVENTO DO SALVADOR ADULTOS - LIÇÃO 03 – CPAD – 4º TRIMESTRE 2017



A SALVAÇÃO E O ADVENTO DO SALVADOR
ADULTOS - LIÇÃO 03 – CPAD – 4º TRIMESTRE 2017
Estudo Pastor Prof. Docente Osvarela
TEXTO ÁUREO
"E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade." (Jo 1.14)
LEITURA
João 1.1-14
1 - No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
2 - Ele estava no princípio com Deus.
3 - Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
4 - Nele, estava a vida e a vida era a luz dos homens;
5 - e a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.
6 - Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.
7 - Este veio para testemunho para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.
8 - Não era ele a luz, mas veio para que testificasse da luz.
9 - Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo homem que vem ao mundo,
10 - estava no mundo, e o mundo foi feito por ele e o mundo não o conheceu.
11 - Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.
INTRODUÇÃO
A habitação do Verbo, o Logos divino entre os homens é a  maior História da relação de Deus com os Homens.
A primeira parte da Kenosis é uma lição de humildade a todos nós para entendermos a Salvação. O quanto foi  valiosa para Deus, permitir Seu Unigênito tomar tão extrema decisão:
“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.” Filipenses 2:5-8
Um Deus que realizou Kenosis para atender ao Pai de maneira voluntária e morrer na Terra em uma cruz de maneira horrível para se substituto de toda a Humanidade destinada a Morte Eterna.
κενοω – kenoo; v. esvaziar, tornar vazio, de Cristo, que abriu mão da igualdade com Deus ou da forma de Deus; anular; privar de força, tornar vão, inútil, sem efeito
Kenosis é um conceito na teologia cristã que trata do esvaziamento da vontade própria de uma pessoa e a aceitação do desejo divino de Deus. É encontrado no novo testamento como o esvaziamento de Jesus. 
A Kenosis foi uma auto renúncia, não um perca de sua divindade, e nem uma troca de divindade pela humanidade. Jesus foi inteiramente homem e inteiramente Deus, quando estava na Terra!
A própria expressão traz o sentido do que ocorreu e Paulo descreveu, é tornar vazio e anular a Glória de ser Filho de Deus, igual A Deus Pai, e se tornar humano.
A Salvação é advinda de um Jesus humano, totalmente: “E o Verbo se fez carne”
Dentro desta visão da Kenosis, o Deus, através de Seu Filho, teria que se encarnar e vir ao Mundo como um humano com todas as limitações que o Pecado, o motivo de sua vinda trouxe aos seres humanos.
Ele nasceu, sabendo que seria:
Rejeitado pelos seus
Tentado em carne por Satanás.
Seria preso
Seria torturado, como homem
Seria morto como homem
Seria morto na forma mais cruel daqueles dias da Plenitude, a Crucificação!
Tudo porque o Pai Amou ao Homem:
“E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado; Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” João 3:14-18
Jesus O Cristo veio, para posteriormente à  sua Morte vicária poder ser nosso paracleto junto ao Pai, mas mandou um Paracleto, o Espírito Santo, para estar com aos salvosOsvarela
O advento do Salvador, portanto, é fase essencial para que a Salvação fosse prática, e possível a todos os homens, dentro do Plano Salvífico da Trindade.
1 - No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
2 - Ele estava no princípio com Deus.
3 - Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
Quando João demonstra a presença do Verbo, ele está dizendo aquele que foi Vox Dei na Criação estava entre os homens e os homens não entenderam, nem o receberam, embora em seu corpo humano total, Ele manifestasse a Sua Glória junto aos Homens.
Aos seus 12 anos:
“E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas. E quando o viram, maravilharam-se, e disse-lhe sua mãe: Filho, por que fizeste assim para conosco? Eis que teu pai e eu ansiosos te procurávamos. E desceu com eles, e foi para Nazaré, e era-lhes sujeito. E sua mãe guardava no seu coração todas estas coisas. E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens.” Lucas 2: E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas.
João, o Baptista, anunciado pelo Espírito Santo, foi fiel testemunha. 
Isto, é conformado e demonstrado em seu sucesso na região do Jordão para onde afluíram milhares de todas as classes do Povo de Israel.
“Sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes, veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias. E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando o batismo de arrependimento, para o perdão dos pecados; E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando o batismo de arrependimento, para o perdão dos pecados; Segundo o que está escrito no livro das palavras do profeta Isaías, que diz: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; Endireitai as suas veredas. Todo o vale se encherá, E se abaixará todo o monte e outeiro; E o que é tortuoso se endireitará, E os caminhos escabrosos se aplanarão; E toda a carne verá a salvação de Deus”  Lucas 3: 2,3-6
“E pregava, dizendo: Após mim vem aquele que é mais forte do que eu, do qual não sou digno de, abaixando-me, desatar a correia das suas alparcas. Eu, em verdade, tenho-vos batizado com água; ele, porém, vos batizará com o Espírito Santo. E aconteceu naqueles dias que Jesus, tendo ido de Nazaré da Galiléia, foi batizado por João, no Jordão. E, logo que saiu da água, viu os céus abertos, e o Espírito, que como pomba descia sobre ele. E ouviu-se uma voz dos céus, que dizia: Tu és o meu Filho amado em quem me comprazo.” Marcos 1:7-11
O presente estudo não é para demonstrar ou enaltecer o nascimento do menino Jesus (claro, que o seu nascimento como natalício, pois como Salvador se fez inteiramente necessário), mas para explicar a importância de todos os envolvidos neste nascimento, início e conclusão dos dias previstos pelo Eterno para chegada da Plenitude, ansiada pela Criação, pelos homens em busca de resgate relacional com Deus.
“E subiu também José da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém (porque era da casa e família de Davi), A fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.” Lucas 2:4,5
Contudo, a forma que Deus, O Pai, usou criou embaraço aos homens de daqueles dias, pois esperavam alguém com coroa e espada, e a Salvação veio na simplicidade de um menino nascido numa Manjedoura, e filho de um carpinteiro, com uma jovem senhora do interior do País.
Jesus estando na terra, abriu mão do uso de alguns dos seus atributos divinos. Sem contudo perdê-los.
Jesus ainda era perfeitamente santo, justo, misericordioso, bondoso, justo e amoroso, mas a sua onisciência e onipotência não foram usadas por completo enquanto estava na terra. Pois, não seria cabível em um corpo humano.
O Advento da Salvação
Este Evento eterno-humano, elegeu um Advogado para toda a Humanidade, em substituição a advogados, que agiram a favor de um Povo, tal como, Moisés.
Ιησους – Iesous; da origem heb ישוע ;; n. pr. m. Jesus = “Jeová é salvação
1) Jesus, o filho de Deus, Salvador da humanidade, Deus encarnado
Jesus, O Filho de Deus encarnado nos fez propícios a Salvação de Deus, em Si, para nós e para o mundo.
“Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.” 1 João 2:1,2
Permitindo a todos salvos, saber distinguir espíritos contrários a Salvação:
“Nisto conhecereis o Espírito de Deus: Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus1 João 4:2
“Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo”. 2 João 1:7
“E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já agora está no mundo.” 1 João 4:3
Em Edição

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical