quinta-feira, janeiro 10

JESUS – O FILHO DE DEUS -Lição 02/2008 – CPAD


Autor deste comentário: Osvarela
Texto Áureo: I Jo. 4.15: Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele, e ele em Deus.

Exórdio:
Além da questão da Divindade de Jesus Cristo, a sua posição como Filho de Deus, é uma questão que tem sido discutida por séculos, dentro e fora da Igreja.
A posição de Jesus sobre si mesmo, como Filho de Deus, a qual Ele próprio, sempre deixou clara para os seus Discípulos e seus seguidores, e até mesmo para os principais de Israel, tendo inclusive, esta declaração usada como fundamento para sua condenação, no Sinédrio, como em Marcos14. 61.64:Ele, porém...nada respondeu. Tornou o sumo sacerdote a interrogá-lo...És tu o Cristo, o Filho do Deus bendito? Respondeu Jesus: Eu o sou; ...o sumo sacerdote, rasgando as suas vestes, disse: Para que precisamos ainda de testemunhas? Acabais de ouvir a blasfêmia; que vos parece? E todos o condenaram como réu de morte.
Isto posto, vamos procurar estabelecer vínculos desta Filiação Divina, que possam ajudar aos professores da lição 02 – CPAD/2008.
I-Introdução:
João 1. 12,13: Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus;
A outra questão que está posta e se interliga, obrigatoriamente a primeira, é sobre a Unigenicidade, pois Jesus Cristo é chamado de Filho Unigênito de Deus. Tal afirmação bíblica tem trazido controvérsias de entendimento, uma vez que: os que a procuram entender, baseiam-se muitas vezes na questão lingüística, então tem definições e declarações de todo o tipo, umas procuram descaracterizar a divindade de Jesus, pela etmologia da palavra, dizendo que Cristo é também criado.
Usando inclusive o versículo que lemos acima, na abertura deste item.
Outros procuram sem sabedoria estabelecer unicamente a Unigenicidade como hierarquia divina entre a Trindade.
Fico com a explicação do Pastor Ezequias Soares, no tópico II.2 da Lição- pg. 14. Sobre nossa posição, leia a conclusão.
Busquemos então dentro da Bíblia os argumentos divinos sobre a qualidade prima de Jesus Cristo – Filho de Deus.
II-Entendendo Jesus como Filho de Deus:
Não se pode entender a questão de Jesus – Filho de Deus, sem levar em consideração a kenosis – vide nosso comentário da lição 01-2008 - Desta forma é que muitos estudiosos ou pensadores em suas tentativas de definir a humanidade do Filho de Deus, concentraram os seus ensinos na falta da Divindade de Jesus, entre elas a teoria Kenótica que apresentou Cristo como a manifestação do Logos esvaziada da divindade, isto é, negou-se a divindade de Jesus, ou a tornou totalmente distanciada do Jesus-Homem, ora isto torna então o Filho de Deus uma criatura, o que Ele definitivamente, não o é.
“Estas postulações são contrárias à imutabilidade de Deus e não concordam com passagens das Escrituras que dão atributos divinos ao Jesus histórico.” (Louis Berkhof)"Filho de Deus" no Novo Testamento:
Durante todo o Novo Testamento, a expressão "filho de Deus" é aplicada repetidamente, no singular, apenas para Jesus, com a possível exceção de Lucas 3:38 (no final da genealogia de Jesus cuja ascendência volta até Adão), onde podia argumentar-se que Adão está implicitamente sendo chamado de filho de Deus, com o que nós não concordamos, pois cairíamos na mesma situação sobre os casamento na época de Noé. "Filhos de Deus" é aplicado aos outros apenas no plural.
O Novo Testamento chama Jesus de "filho único de Deus" João 1:8, I João 4:9, "Seu próprio filho" Romanos 8:3. Também refere-se a Jesus simplesmente como "o filho", especialmente quando "o Pai" é usado para se referir a Deus, como na frase "a Pai e do Filho" , II João 1:9, Mateus 28:19).
Outro ponto a ser estudado, entendido e necessariamente explicado, é o entendimento da Declaração do Pai, por ocasião do batismo de Jesus, Mateus 3.17.
Eu procuro entender este versículo como, uma declaração de um Pai, no caso o Pai celestial.
Acompanhe o raciocínio:
Mateus 11.27: Todas as coisas me foram entregues por meu Pai; e ninguém conhece plenamente o Filho, [senão o] Pai; e ninguém conhece plenamente o Pai, [senão o] Filho....
Ora, um pai, quando vê seu filho realizando algo notório, principalmente relevante para alguém, algo que só ele pode fazer, diz com todas as palavras, para todos ouvirem: este é meu filho, ou seja este é igual a mim, fez o que precisava ser feito e que só eu poderia fazer, hoje diria, tem o meu DNA.
Ao levarmos este raciocínio para o campo espiritual, o Pai estava dizendo:
Este é o meu Filho, é igual a mim! Tem a mesma essência em tudo é igual a mim, o Pai!
Bem como, é preciso entender a posição de João ao escrever o capítulo 1 e versículo 14, com referência a Jesus, a frase “o Unigênito do Pai” (Jo 1.14), indica que, como o Filho de Deus, Ele era o representante exclusivo do Ser e caráter daquele que o enviou. No original, o artigo definido está omitido tanto antes de “Unigênito” quanto antes de “Pai”, e sua ausência em cada caso serve para enfatizar as características referidas nos termos usados.
III-Entendendo Jesus como Deus:É fundamental o entendimento que Jesus faz parte da Trindade (não abordamos ainda o assunto, mas acho relevante o professor, procurar entender, sobre esta doutrina, para melhor aproveitamento destas Lições, creio que isto não seja dificuldade em nosso arraial Assembleiano).
De certo, é que precisamos ter este entendimento, desta forma veja a questão deslindada, abaixo;.
Lendo as passagens em Tito 2:13-14: 13 aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras.
E a de 2 Pedro 1:1-3: Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco alcançaram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo:Graça e paz vos sejam multiplicadas no pleno conhecimento de Deus e de Jesus nosso Senhor; visto como o seu divino poder nos tem dado tudo..
Vemos duas passagens que podem ser consideradas juntas por causa de sua frase idêntica: “Deus e Salvador” (theou kai soteros).
Em ambas as passagens, “Jesus Cristo” é o objeto da frase. Alguns argumentam que “Salvador” se aplica a Jesus, mas “Deus” é uma referência ao Pai: “Deus (o Pai) e Salvador Jesus Cristo.” Contudo, isto não é apoiado pela construção grega. Esta frase é aplicada a uma pessoa: Jesus Cristo.
Primeiro: esta é a leitura mais natural do texto.
Segundo: os dois nomes ficam sob um artigo, que precede “Deus.” Isto indica que eles têm que ser construídos juntos, não separadamente. E mais, esta frase foi uma fórmula comum e sempre denotou uma divindade, não duas pessoas separadas. Quando ambos Paulo e Pedro usaram a frase, então, “seus leitores sempre a entenderiam como uma referência a uma só pessoa, Jesus Cristo.Simplesmente não ocorreria a eles que ‘Deus’ pudesse significar o Pai, com Jesus Cristo como o ‘Salvador” .
O que isto tudo significa: é que Pedro e Paulo entenderam que Jesus era ambos, “Deus e Salvador”.
Isto é fator preponderante para entendimento de um texto, em Hermenêutica, diria até mesmo básico, pois o leitor ou o hermeneuta, precisa posicionar-se no lugar do ouvinte e do escritor, tal como, no momento em que é feita a declaração pelos autores bíblicos.
Da mesma forma, é necessário o estudo dos Evangelhos, para entender como cada um dos Escritores, apresentam a Jesus Cristo.
Na segunda metade do século 1, algumas comunidades escreveram suas memórias da vida e dos ensinos de Jesus, criando os primeiros evangelhos. Os evangelhos atribuídos a Marcos, Mateus, Lucas e João serão depois considerados inspirados, e incorporados à Bíblia. No evangelho de Marcos a narrativa só começa quando Jesus é reconhecido como filho de Deus, no batismo.
Diz um professor de Teologia da Metodista: Entre as idéias dos primeiros seguidores de Jesus estava, a de que, ele seria um profeta e libertador escatológico, Ou um enviado de Deus e, portanto, seu filho. Mesmo que possamos entender, que é parcial a idéia do professor Nogueira, fica claro, que mesmo a Teologia mais liberal, senão todos, mas, parte deles se dá, por vencidos pela qualidade de Jesus: Filho de DEUS.
IV-Ouvindo a voz de testemunhas e do próprio Pai e do Filho, à respeito:
Podemos ouvir aqueles que estavam presentes na ocasião e no tempo dos fatos:
A Palavra dos Profetas:
Zacarias12.10 :Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o espírito de graça e de súplicas; e olharão para aquele a quem traspassaram, e o prantearão como quem pranteia por seu filho único; e chorarão amargamente por ele, como se chora pelo primogênito.Neste texto temos a palavra yachid, ou seu único filho, veja Gn. 22.2: Prosseguiu Deus: Toma agora teu filho; o teu único.
A Palavra do Pai:
Mateus 3.17: e eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.
A Palavra do próprio Filho:

João 14. 9: Respondeu-lhe Jesus: Há tanto tempo que estou convosco, e ainda não me conheces, Felipe? Quem me viu a mim, viu o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?
João 10.30: Eu e o Pai somos um.
João 17. 5:"Pai, glorifica ao Filho com a glória que possuí em Ti no início, antes que fossem lançados os fundamentos do mundo."
A Palavra dita sobre, Jesus pelos Anjos:
Anjo Gabriel para Maria, na Anunciação:
Lc 1:31,32,35: "Eis que conceberás e darás à luz um filho a quem chamarás pelo nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo...por isso o ente santo que há de nascer, será chamado Filho de Deus."
A palavra de quem estava no Círculo Íntimo de Jesus:

Mateus 16.16: Respondeu-lhe Simão Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Alguém já disse que, Pedro ficou extasiado com a resposta de Jesus: "Não foi a carne e o sangue quem te revelou, mas meu Pai que está nos céus", mas na verdade esta declaração não nasceu de uma elaboração intelectual ou um entusiasmo de sentimento do próprio Pedro mas, veio-lhe dos céus! Nasceu no coração de Deus.
O Círculo Íntimo:
Simão Pedro -Cefas (uma pedra)
Tiago(mais velho;)João (discípulo amado) Boanerges(o filho do trovão) ;André (irmão de Pedro;)Filipe.
A palavra de quem estava presente ao ato de suplício, condenação, da Crucificação, e na Morte de Jesus:
Marcos 15. 39: Ora, o centurião, que estava defronte dele, vendo-o assim expirar, disse: Verdadeiramente este homem era filho de Deus.
O próprio Jesus- Na Hora da sua Morte:

Lucas 23. 46: Jesus, clamando com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito.
A Palavra de quem viu Jesus após a morte:
João 20.28: Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu, e Deus meu!
Conclusão:
Alguém, poderá querer se utilizar o texto de João1. 12,13: Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus. Até mesmo, se utilizando da forma como o texto narra sobre o nascimento destes que, são agora chamados filhos de Deus.
Professor e aluno cuidado! Não confunda, estes são os que passaram pelo processo de : “é necessário, nascer de novo”, leia o texto bíblico de João 3. 3-13: Respondeu-lhe Jesus: Em verdade, em verdade ...que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus...Nicodemos: Como pode...nascer, sendo velho? porventura pode ...entrar no ventre de sua mãe, e nascer ? Jesus: Em verdade...se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo. Jesus é o Filho de Deus, por tudo quanto estudamos na Lição, e como, apresentado aqui, ainda que de maneira sucinta, neste pequeno comentário.
Achamos, por bem, não discorrermos sobre a palavra Unigênito, mas o faremos no decorrer da Lição, neste site e no nosso site de Teologia:
http://nucleosetadvilacurucasandresp.globolog.com.br/
Fonte:
Bíblia Plenitude;
Apontamentos do autor;
Lição – CPAD;
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal – CPAD;
O Cristão – blog de David Brito;
Igreja Shalom: Rev. Edilson B Nogueira;
Kenosis – Texto de Moisés Olímpio Ferreira -A KÉNOSIS DE CRISTO (Uma breve visão histórica, teológica e gramatical)
Wikipedia;
Autor: Osiel Varela – Ministro das Assembléias de Deus – Missão.
Consagrado no Belém em 26/09/1996.
Congrega em Santo André, V. Curuçá. SP.Pr. Nivaldo Rodrigues.Ligado ao Belém.
Professor de Teologia; Pós – graduado em Bíblia.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical