quinta-feira, março 15

O PROPÓSITO DA VERDADEIRA PROSPERIDADE Lição 12 - CPAD - Março 2012

O PROPÓSITO DA VERDADEIRA PROSPERIDADE
Lição 12 - CPAD                                                      
 Autor do Estudo - Osvarela
II Co.9.6. [...] o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará. Texto Áureo
A Verdadeira Prosperidade Torna-nos Mais Íntimos de Deus, Pois Ela Se Dá Em Amor, E Deus É Amor.
Deus Sem Receber Nada.
Amou e Compartilhou Os Seus Bens com Quem Nunca Lhe Amou.
Investiu O Que Tinha de Melhor Para Nos Dar Tudo!
Leitura Bíblica em Classe:
Rm.10.8-4. Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos,
A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.
Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido.
Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam.
Porque todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo.
Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?
Pensamento:
Após alcançar a Verdadeira Prosperidade, ou entendermos o que ela é, precisamos entender qual o propósito de Deus nesta Prosperidade Verdadeira!
Exórdio:
Fui buscar no livro do Pregador, o entendimento temporal determinado pelos Céus para a conquista, utilização, ou até mesmo perda, de tudo que o homem pode alcançar, ou perder, aqui na Terra, sob a égide do Eterno e Soberano Deus, o qual guia as nossas vidas, mas não nos trata como seres sem atitude própria, sem livre-arbítrio.
Existe um propósito para todas as coisas debaixo dos céus, e neste espaço que vivemos, crescemos e conquistamos, perdemos ou avançamos, há uma linha diretiva guiada pelos nossos atos, que será mais ou menos ativada dependendo de nossas atitudes, ao longo dos dias.
Porém, a Bíblia nos orienta a aprendermos a viver os nossos dias, para alcançarmos corações sábios:
-Na prosperidade
-Na Dificuldade
-E na Verdadeira Prosperidade.
Para não sermos um exemplo típico, de Nabal! (I Sm.25.5-38.)
Eclesiastes...3.1-10.
TUDO tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;
Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;
Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;
Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;
Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;
Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;
Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.
Que proveito tem o trabalhador naquilo em que trabalha?
Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar.
Cotejando, este texto com o Livro de Jó, veremos que as riquezas podem ser passageiras, mas dependem da fé em Deus, e a Sua ação, para serem perenes e se perdidas não haver lamúrias. (Jó 1; 1.21;2.10)
Eu creio que ao escrever estas linhas, alguns leitores que vivenciaram experiências traumáticas, nesta área, que os leva a vivenciar uma vida de mágoas pelas perdas, ou da amarga experiência de não alcançarem o êxito esperado [Jó diz: que o que eu temia me sobreveio, mas muitos não pensam nesta possibilidade], mesmo sendo crentes fiéis.
Assim, como Jó entendeu ao final de sua saga de sofrimentos:
A presença e o querer de Deus são maiores, do que tudo, para nos fazer prosperar, mesmo após a queda mais horrenda, basta Ele querer:
Jó 42.2. Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido.”
Então o Espírito Santo me leva a escrever para uma parcela destes leitores, algumas linhas para incentivá-los a crerem que o Senhor é quem dá a benção duradoura e não lha dá com acréscimo de dores. (Provérbios 10 : 22)
DISCURSO:
A Leitura em Classe corrobora esta posição da Verdadeira Prosperidade, ao citar no versículo 12 – parte final – “porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam.”, não há acepção para a presença de Deus para com todos os homens, esta presença é a expressão do termo “rico para com todos”, ou seja, a sua presença na vida dos que o invocam, se manifesta em suas vidas, com a riqueza de Sua presença.
É inexorável, que a presença de Deus torna as nossas vidas, muitas vezes frustradas, em uma vida rica, apenas pela presença D’Ele em nós, isto é a Verdadeira Prosperidade.
“A nossa prosperidade é diretamente à nossa ligação com Ele, ou ao tempo que invocamos a Sua presença!” Osvarela
Não há verdadeira prosperidade se não formos adoradores reconhecidos que todas as bênçãos descem D’Ele.
A Verdadeira Prosperidade Torna-nos Mais Íntimos de Deus, Pois Ela Se Dá Em Amor, E Deus É Amor.
Deus Sem Receber Nada.
Amou e Compartilhou Os Seus Bens com Quem Nunca Lhe Amou.
Investiu O Que Tinha de Melhor Para Nos Dar Tudo!
A Prosperidade é Exercitada:
“Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar”.
O trabalho foi parte da natureza com a qual Deus criou o homem e lhe deu sabedoria.
Gn.2. 15. E tomou o SENHOR Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar.
No capítulo 1 do Genesis, a Escritura fala da falta do homem para lavrar a terra [1.5].
Por tanto, o exercício da prosperidade verdadeira, inclui o trabalho sistemático do homem, para durabilidade desta prosperidade.
Deus ao determinar tempo pra todas as coisas entendeu que havia a necessidade do homem, ser exercitado, com todo o tipo de coisas:
Por isto determinou, para todos, tempos diversos durante os quais, o homem vivencia, em sua carreira mortal:
-certezas
-Incertezas
-dores
-momentos prazerosos
-momentos nos quais tudo ele tem
-momentos de apegar-se
-momentos em que ele, obrigatoriamente, alheio a sua vontade pessoal tem que se desapegar do que tem, ou adquiriu, com sua prosperidade
-momentos em que as coisas são prósperas
-momentos em que não há prosperidade, apenas trabalho sem resultado
-momentos de sucesso
“Que proveito tem o trabalhador naquilo em que trabalha? Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar.”
Mas, o segredo para a verdadeira prosperidade, que é advinda de Deus é o trabalho continuado do homem crente em Deus.
É como dizer:
A frase usada para se desejar boa sorte no hebraico "B'hatzlacha" (בהצלחה), significando literalmente "tenha sucesso".
Deus nos quer dar uma palavra de ânimo com estes ensinos deste trimestre.
Continuando acreditando, que há uma ação místico-divinal em todo propósito na Obra de Deus, assim esta lição vai nos levar ao conhecimento necessário da finalidade da Verdadeira prosperidade.
Alcançando a Verdadeira Prosperidade Sob Guerra:
Tg. 4.1-4  DE onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Porventura não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?
Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis.
Há uma guerra espiritual em nossos membros, em nossas mentes, quanto ao entendimento do que é a Verdadeira prosperidade?
Este texto de Tiago nos explica algumas defesas e modo de agir, quanto a esta guerra, que pode ser de cunho pessoal, ou de cunho coletivo, atingindo a coletividade dos santos.
16 Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa.  É a religião prática do crente, em relação ao trato entre nós, ao comportamento tendencioso ou faccioso.
14 Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
Ensina-nos a perceber qual é a característica da verdadeira sabedoria na práxis entre irmãos, nos ensinando a fazer o bem.
15 Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica.
Pois muitos há que recebem bens, mas não sabem entender que a verdadeira prosperidade é compartilhar. “vai, vende tudo quanto tens e terás um tesouro nos céus”, como o personagem confrontado por Jesus com esta proposta.
Muitos se sentem tristes em compartilhar, e nunca terão a verdadeira prosperidade, como perdeu aquele personagem bíblico [Mc.10.21-24].
Tem tudo e não podem usufruir da verdadeira Prosperidade com Cristo.
17   Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.
A riqueza (prosperidade) não pode se tornar impedimento para se ter uma relação com Cristo:
1-    A origem das disputas – guerras: é conseqüência direta da busca do deleite [prazeres] quando nossas mentes se preocupam apenas por nós mesmos, em busca de alcançar coisas que nos tragam prazer, sem pensar na doação e no compartilhar o que podemos receber de Deus. 
2-    A origem interna – o interior do homem, na alma há uma guerra em atingirmos a busca de privilégios que nos satisfaçam a alma [coração] - "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?". Jeremias 17:9.
O próprio Jeremias, no livro de Lamentações nos ensina a colocar Deus, para pleitear as nossas causas ao invés de pleitearmos em disputas internas, as nossas causas, seja, por algo prospero, seja por qualquer outra coisa, este pensamento, ao declarar: "Pleiteaste, Senhor, as causas da minha alma, remiste a minha vida."Lm. 3:58.
3-    Sabedoria ao pedir – é o segredo da Verdadeira Prosperidade. Para qual finalidade estamos pedindo Prosperidade?
-Para deleite próprio?
-Para usufruí-las em conjunto com as coisas do mundo?
-Para nos fazermos aceitáveis, diante de uma sociedade consumista, como a de nossos dias?
Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.
E pior! Este sentimento, sobre o qual Tiago, já doutrinava a respeito, seguiu a caminhada da Igreja, ao longo dos séculos, e chegou aos nossos dias.  
Queremos ser prósperos para mostrar a nossa prosperidade;
Alguns se fazem prósperos e ainda alvoroçam os nossos arraiais ao propalarem a sua ‘prosperidade’.
Já ouvi alguns dizerem:’eu estou pedindo que Deus para de mandar,pois eu estou cheio...’não é este o sentimento que devemos buscar, ao alcance da Verdadeira Prosperidade!
Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.
Que adultério é este?
Será o adultério físico coabitação carnal, com outro que não o cônjuge?
Será o adultério de um cônjuge com outra pessoa, mesmo não um não casado?
Será a fornicação?
Solteiro coabitando com solteira?
O texto aqui quer dizer do adultério espiritual!
Como Deus chamou a Israel, usando seus mais variados profetas no texto veterotestamentário.
O adultério, aqui é o espiritual, busca de benéficos ao crente se ligar com uma amizade, tão íntima com o mundo, ele está adulterando com o mundo, conceituado, nesta passagem como: ”O mundo passa com sua concupiscência...”[1 Jo.2.16,17], ou como O Apóstolo dos gentios Paulo fala em Rm.12.2. “Não vos conformeis com este mundo...”
Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação. Tiago 1.17
Cobiça:
Tg. 4.1-4  DE onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Porventura não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?
Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis.
A cobiça pode levar o cristão a danos irreparáveis em sua condição de dependente de Deus, se não houver arrependimento.
A própria salvação é colocada em processo de instabilidade, pois a mancomunar-se com o mundo é adulterar da fé, ou a fé, em busca de uma falsa prosperidade, mesmo que aparentemente palpável, como já demonstramos, aqui em outro texto, no qual o salmista [Sl.73] é tentado e quase engodado pela sua alma, sobre a prosperidade dos ímpios.
É por isto que a cobiça é um entrave para os crentes.
A Bíblia fala isto para os justos.
“Cobiçai e nada tendes...”
A cobiça é impeditiva ao pedir, pois, ela cega os olhos do que busca a prosperidade a qualquer custo, sem a rica presença de Deus. "Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis." Tiago 4:2.
O cobiçoso não que a verdadeira prosperidade, ele é um imediatista e tira Deus do centro de sua busca e confia em si mesmo, ou em terceiros, ou age de acordo, com a noção do mundo.
Conclusão:
Na realidade da vida cristã pura, em Cristo, o exemplo e a afirmação dos santos homens de Deus e do próprio Cristo, nos aponta para um desprendimento de valores destacados pela sociedade, na qual vivemos e mesmo nas eras passadas, contemporâneas a Jesus.
Vida frugal ninguém deseja, mas é o que os Apóstolos vivenciaram.
O que a Igreja primitiva aprendeu, sem que com isto, o próprio ministério Crístico, terreno, não obstante fosse subsidiado por santas e ricas mulheres com seus bens, subtendendo-se pela cultura da época, sob ao abrigo de seus esposos.
Como lemos em: Joanas, Susana, Marias, Martas e outras...
O recado de Paulo é direto, para Timóteo, admoestar e ensinar e até mesmo mandar:
Não ser altivo;
Não por esperança em nossas riquezas;
Riqueza é incerta;
Colocar tudo nas mãos de Deus, pois é Ele quem nos dá tudo, e o melhor abundantemente;
Sejamos caridosos:
Embora aparentemente, a salvação do cristão não dependa de nenhum ato meritório, existem consequências pessoais para a escolha que fizermos.
II Co.9.6. [...] o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará.
A semeadura não é obrigatória em quantidade, mas a colheita será proporcional ao que semearmos!
Porque a semeadura, aparentemente terrena, se transforma com amor, em uma semeadura no Reino vindouro espiritual de Jesus Cristo.
Ela é escatológica, mesmo que assim não a reconheçamos!
Ao não semearmos na vida de alguém ou da Igreja, estamos dizendo, qual o israelita, que não dava nada aos seus, pois tudo seu era anátema. Mt.15.5
O problema é separarmos a nossa prosperidade, como nossa, e esta não poderá servir como depósito espiritual nos Céus [Céu superior ou “EPORANIOS”: esse céu e chamado de o céu dos céus, o lugar onde está o Senhor e os santos, onde os anjos circulam.], no Céu de Deus.
Enriqueçamos em Boas Obras e não só em coisas materiais, ‘é melhor ter um tesouro, nos céus...lá não entra ladrão e a ferrugem e a traça, não o corroem...”
É questão de priorizar:
Vida natural
Vida espiritual
A retração do cristão prosperado por Deus torna-se evidente quando ele faz a segunda escolha.
Está em consonância, ou harmonia, com a prioridade de Deus – Amor
De onde entendemos que o verdadeiramente Próspero está perfeitamente ligado ao pensamento de Deus:
O Propósito da Verdadeira Prosperidade É:
A Expansão do Seu reino, aqui na Terra.
E isto se mostra mais interessante quando olhamos para a Igreja da Macedônia:
Prospera em dar.
Eis um ponto interessante:
Prosperidade na abundancia de necessidade, mas semeando com Amor.
I Corintios 13:3. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
Mente Cheia de Amor:
Ter um afeto natural, para poder sem ter a mente, nas riquezas, repartir, compartilhar de boa mente, ou seja, de bom coração, não fazendo caso algum, como que damos [que mão direita não veja o que a esquerda dá...]
Um problema que aflige aos que têm:
Tornam-se incomunicáveis...
Até em nossos púlpitos, já se arvoram separatistas e incomunicáveis, com os demais, após alcançarem a benção, parecem que isto os torna diferenciados, das ovelhas:
Carros ‘filmados’, separação e triagem para falar com os tais...mas, o importante é Amar ao próximo como a ti mesmo...
1 Tm. 6.17-19.  Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos; Que façam bem enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis;  Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna.
Fonte:
Céu e Inferno – Sola Scriptura
Comentário H-C do Novo Testamento
Notas do autor
Vivos –Estudos Bíblicos
Bíblia Plenitude
Bíblia digital Hábil
Crédito de imagem - Igreja Congregacional Central de Itaboraí - Daniel Jr.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical