terça-feira, novembro 11

Integridade em Tempos de Crise. 1ª Parte Lição 06 – CPAD

Editado e Estudo: Pr Osvarela
Daniel 6:4
“Então os presidentes e os príncipes procuravam achar ocasião contra Daniel a respeito do reino; mas não podiam achar ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa.”
Leitura Bíblica
Daniel 6:3-5
Então o mesmo Daniel sobrepujou a estes presidentes e príncipes; porque nele havia um espírito excelente; e o rei pensava constituí-lo sobre todo o reino.
Então os presidentes e os príncipes procuravam achar ocasião contra Daniel a respeito do reino; mas não podiam achar ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa.
Então estes homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a acharmos contra ele na lei do seu Deus.
Daniel 6:10-20
Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa (ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.
Então aqueles homens foram juntos, e acharam a Daniel orando e suplicando diante do seu Deus.
Então se apresentaram ao rei e, a respeito do edito real, disseram-lhe: Porventura não assinaste o edito, pelo qual todo o homem que fizesse uma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, por espaço de trinta dias, e não a ti, ó rei, fosse lançado na cova dos leões? Respondeu o rei, dizendo: Esta palavra é certa, conforme a lei dos medos e dos persas, que não se pode revogar.

Então responderam ao rei, dizendo-lhe: Daniel, que é dos filhos dos cativos de Judá, não tem feito caso de ti, ó rei, nem do edito que assinaste, antes três vezes por dia faz a sua oração.
Ouvindo então o rei essas palavras, ficou muito penalizado, e a favor de Daniel propôs dentro do seu coração livrá-lo; e até ao pôr do sol trabalhou para salvá-lo.
Então aqueles homens foram juntos ao rei, e disseram-lhe: Sabe, ó rei, que é lei dos medos e dos persas que nenhum edito ou decreto, que o rei estabeleça, se pode mudar.
Então o rei ordenou que trouxessem a Daniel, e lançaram-no na cova dos leões. E, falando o rei, disse a Daniel: O teu Deus, a quem tu continuamente serves, ele te livrará.
E foi trazida uma pedra e posta sobre a boca da cova; e o rei a selou com o seu anel e com o anel dos seus senhores, para que não se mudasse a sentença acerca de Daniel.
Então o rei se dirigiu para o seu palácio, e passou a noite em jejum, e não deixou trazer à sua presença instrumentos de música; e fugiu dele o sono.
Pela manhã, ao romper do dia, levantou-se o rei, e foi com pressa à cova dos leões.
E, chegando-se à cova, chamou por Daniel com voz triste; e disse o rei a Daniel: Daniel, servo do Deus vivo, dar-se-ia o caso que o teu Deus, a quem tu continuamente serves, tenha podido livrar-te dos leões?
Introdução
Ser íntegro na bonança, ou quando não se está sob pressão, intimidação ou em meio a uma cena ou quadra de vida, que nada se parece com uma guerra, mas em meio a toda forma de paz, e não uma guerra, na qual nossa vida está em jogo, parece ser coisa fácil.
Ser íntegro quando não se está tentado por uma situação adversa, na qual a renuncia a valores que fomos educados e ensinados, sejam valores morais, culturais, ou espirituais, podem ser explicitados sem nenhum prejuízo notório, pois tudo está a nosso favor, a Lei, o rei e os companheiros de nossa atividade também é muito fácil
Agora, ser íntegro em meio a Leis contrárias a nossa forma de pensar, sob pressão dos que nos cercam e nos espionam, ter que demonstrar tudo isto: valores religiosos, culturais, e até mesmo impedido de ser adorador a Deus, e ainda em terra estranha!Esta é lição, que nos é legada por este trecho das Escrituras de Daniel.
Longe de pai e mãe sem saber de sua existência Daniel é um exemplo claro do que a palavra de Deus nos diz, à respeito do ensino divino às nossas crianças: “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.Provérbios 22:6
É nesta hora que se evidencia, nos criados sob os ditames bíblicos, a integridade moral religiosa, espiritual e cultural, mesmo que desagrade a Lei, ao rei e a toda uma nação, na qual porventura estejamos servindo, habitando, e sem visto de saída e passaporte preso, ou confiscado e sabendo que em nossa terra natal, talvez não haja mais nenhum parente ou amigo, pois todos podem ter sido mortos, ou pelo que nos deteve e nos obriga a servi-lo, ou porque o tempo pode ter apagado nossas relações com nossa terra.
Eis, o ponto crucial desta questão.
A Igreja está indo para este chamado “rubicão” que se afunila, e temos que nos preparar para tal, pois esta questão deve ser discutida em pleno século XXI, quando os valores morais, espirituais, culturais se afunilam num viés contrário ao que as Escrituras nos ensinam, no meio da Sociedade atual.
A questão de ter um Deus, crer na sua Palavra, ter como forma de ver o Universo sob a ótica da Criação, ser monoteísta no Criador de todas as coisas, já não é vista como atual e até mesmo já há impedimentos legais para que isto seja cada dia menos propagado, ou até mesmo expresso publicamente (quiçá em alguns meios e até mesmo Nações) .
Quando valores contrários ao entendimento do que se configurava como natural se movem rapidamente para conceitos dúbios e livres (e até mesmo esta liberdade de expressar estes conhecimentos, se torna uma coisa ruim aos que nos cercam e nos taxam de “conservadores” com se isto fosse uma pecha, ou até mesmo uma “doença”) do que seja, sexo, gênero da criatura humana, honestidade, valor de uma vida, e do que conhecemos como santo, incluindo, neste estágio, a questão da existência de um Deus, como ativo e atuante para o bom resultado da família, da Nação e da vida pessoal é este o momento de se estudar e entender Daniel sob a ótica deste capítulo 6. Eis um legado a ser observado, entendido e utilizado de maneira contemporânea, para nós da Igreja de Cristo.
Qual será hoje a principal ideia de Integridade?
Moral?
Cultural?
Religiosa?
Espiritual?
"Quem tem valor sempre será odiado, por ser fiel". Osvarela
A questão de Daniel ia além de ser fiel, ao seu Deus. Eles buscavam ocasião contra ele, para poder tira-lo da posição de destaque que ele alcançara, desde aos seus 20 anos.
Seguindo a regra de ser, em primeiro lugar fiel, ao seu Deus, Daniel, que havia mantido o seu culto pessoal ao Deus de Israel, não escondia a sua predileção única pelo Criador, o Eu Sou.
Não cedera aos encantos de toda a pompa e luxo, no qual certamente vivia, nem cedera as iguarias do rei, ao vinho do rei e seguia triunfando sobre os mais sábios da Babilônia, credito que ele dava integralmente a Deus, o adorando e servindo fielmente todos os dias orando voltado para sua Terra a Jerusalém para onde, tenho certeza, ansiava voltar.
Sabedor de que a inteligência, a sabedoria lhe foram acrescentado e que por isto pudera absorver o conhecimento administrativo, que se aliou a dação divina ele é mantido em altos cargos, dentro do contexto político da Babilônia.
 A Nação que o fizera servo dependera em vários momentos de sua palavra sábia.
A revelação e descortínio, que lhe renderam fama, ele sabia que dependiam de que dissera: “Falou Daniel ...: Seja bendito o nome de Deus ... dele são a sabedoria e a força; E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz. Ó Deus de meus pais, ... porque me deste sabedoria e força; ..., porque nos fizeste saber este assunto do rei. Daniel 2:20-23
Enquanto agradava ao rei dos Céus e ao seu rei terreno Daniel não tinha tempo para se preocupar com as comezinhas conversas uterinas dos covis dos que se aliavam contra ele. Não era uma segurança no cargo, ou na amizade do rei, mas a segurança dele vinha da sua integridade em adorar ao Senhor e servir com fidelidade ao rei.
1 Pedro 2:17Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei.
Mas, se em algum momento ele passasse por dissabor de ser afastado e desprezado pelo rei era o que vinha contra ele nesta quadra de sua vida.
Eclesiastes 8:2 Eu digo: Observa o mandamento do rei, e isso em consideração ao juramento que fizeste a Deus.
A observância, às autoridades constituídas é sempre demonstrada e ensinada nas Escrituras, fazendo que o homem de Deus não tema a Lei, em nenhum momento, quando ele as observa e quando elas não ferem sua relação com Deus.
Paulo escrevendo aos de Roma esclarece, em um período de domínio universal dos romanos, incluindo a Palestina e as regiões, nas quais pregara o Evangelho, ensina aqueles que estão no centro do Império que:
Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal. Portanto é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra. Rm 13:1-7
Muito antes, pelo Espírito Santo (como profeta e revelador do oculto de Deus, e Escritor nomeado para o Canon Sagrado. ele era cheio de unção), Daniel cumpria fielmente este escrito revelado em letras a Igreja, na Plenitude dos Tempos {Gl.4.4}, pelas mãos e grafia de Paulo, O Apóstolo dos Gentios.
Assim, esta noção de integridade, nos ensina o Apóstolo, se dá por alguns critérios:
-A Soberania de Deus sobre os reinos e nações;
-Pela dação das autoridades (potestades) a cada um de nós (como povo, como nação e como cidadão);
-Pela sujeição, a Deus;-Pela sujeição a Autoridade;
-Pela Consciência pura e reta;
-Pelas Obrigações a cada um: “a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.
-Pelo castigo advindo da desobediência, seja a potestade, mas a consciência de que Deus é o Soberano que permite a Autoridade governar;
Obs.: Deve-se depreender, aqui, que a sujeição que Paulo fala era a mesma que Daniel vai demonstrar ao sair do lugar, onde estava por servir ao seu Deus.Daniel falou ao rei: Ó rei, vive para sempre!Daniel 6:21
Daniel mostra assim, ainda que adiantemos, um pouco, a narrativa e edição deste estudo, que mesmo sendo livre pelo Deus Eterno continuava entendendo que o Rei era a autoridade, sob a qual Deus lhe permitira viver e servir. Não saiu dizendo palavras duras contra o rei ou até mesmo contra seus frustrados algozes!

Compreenda que quando Deus te dá um livramento não seja orgulhoso, pois a Glória é toda D’Ele.
Em Seguida a Continuação ...

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical