terça-feira, março 17

Não Darás Falso Testemunho - Lição 11 CPAD -1º TRIMESTRE 2015 - 2ª PARTE [Estudando o 9º Mandamento]

Não Darás Falso Testemunho
Lição 11 CPAD -1º TRIMESTRE 2015 - 2ª PARTE
Estudando o 9º Mandamento
Edição e estudo Pr Osvarela
Texto Áureo                 
Não admitirás falso boato, e não porás a tua mão com o ímpio, para seres testemunha falsa. Êxodo 23:1
Leitura Bíblica
Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Êxodo 20:16
Uma só testemunha contra alguém não se levantará por qualquer iniqüidade, ou por qualquer pecado, seja qual for o pecado que cometeu; pela boca de duas testemunhas, ou pela boca de três testemunhas, se estabelecerá o fato.
Quando se levantar testemunha falsa contra alguém, para testificar contra ele acerca de transgressão,
Então aqueles dois homens, que tiverem a demanda, se apresentarão perante o Senhor, diante dos sacerdotes e dos juízes que houver naqueles dias.
E os juízes inquirirão bem; e eis que, sendo a testemunha falsa, que testificou falsamente contra seu irmão,
Far-lhe-eis como cuidou fazer a seu irmão; e assim tirarás o mal do meio de ti.
Para que os que ficarem o ouçam e temam, e nunca mais tornem a fazer tal mal no meio de ti. Deuteronômio 19:15-20
2ª Parte
Continuidade
Inicio este trecho do estudo do 9º mandamento com a minha citação na 1ª Parte:
A Igreja é a porta-voz da Verdade, e por isto este tema é importante é sobre a relação entre os membros do Corpo de Cristo. Falso testemunho não é algo inexistente entre os da Igreja, embora seja condenável, principalmente após esta lembrança que matou o Seu Cabeça e Senhor!
A Verdade é imanente e intrínseca ao caráter do Deus que concede o Decálogo. 
Eternamente Verdadeiro, Justo e Bom é o Senhor. Assim, todos os ditos decalogados, são cheios da busca e direcionamento aos homens para plenitude da Vida. Para tanto, o cumprimento do mandamento social só pode se realizar através da veracidade completa.
Desta forma, O Senhor ministra o 9º mandamento como uma forma de conciliar todos os interesses pessoais, e de Israel, no momento da dação e constituição do povo Hebreu como Nação.
Além disto, como mandamento de caráter moral ele traspassa a sua ação para todos os homens filhos de Abraão, os geneticamente filhos e os fidelizados pela Fé.
“E recebeu o sinal da circuncisão, selo da justiça da fé quando estava na incircuncisão, para que fosse pai de todos os que crêem, estando eles também na incircuncisão; ... é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nósRomanos 4:11-16
Uma multidão com seus rebanhos de ovinos, bovinos e todos os equipamentos, ferramentas e bens [lembre, que os hebreus saquearam os egípcios, que assim o foram de maneira voluntária], alocados em Tendas, junto com o vulgo, pois viviam assim no deserto, se locomovendo debaixo da nuvem, sem o mínimo de direcionamento e conceito moral seria uma turba e não um Povo.  
Imagine, então, uma Igreja, à caminho do Céu, sem ser adestrada na verdade!
Em meio a esta caminhada, orientado por Jetro, seu sogro, Moises teve que julgar as causas de muitas famílias.
Sem esta definição jurídico-social os seus pares escolhidos para julgamentos de dez (10) a mil (1000) não teriam como julgar as pendencias de negócios, de perda de animais, em meio a jornada, sem demarcações definitivas, o agrupamento dos hebreus andava e levantava suas tendas, ao sabor da Nuvem de Deus.
declara-lhes os estatutos e as leis, e faze-lhes saber o caminho em que devem andar. . . E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que odeiem a avareza”.
Jetro aconselha que ele estabeleça regras vicinais, negociais, morais, tais como estava predito no 9º Mandamento. Ele viu a necessidade de estabelecer, o que deveria regrar a convivência da nova sociedade hebreia, recém saída do cativeiro egípcio.
Êxodo 18:12-27 Então Jetro, o sogro de Moisés, ... E aconteceu que, no outro dia, Moisés assentou-se para julgar o povo; e o povo estava em pé diante de Moisés desde a manhã até à tarde. Vendo, pois, o sogro de Moisés tudo o que ele fazia ao povo, disse: ... Ouve agora minha voz, eu te aconselharei, e Deus será contigo. Sê tu pelo povo diante de Deus, e leva tu as causas a Deus; E declara-lhes os estatutos e as leis, e faze-lhes saber o caminho em que devem andar, e a obra que devem fazer. E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que odeiem a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinqüenta, e maiorais de dez;...E escolheu Moisés homens capazes, de todo o Israel, e os pôs por cabeças sobre o povo; maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinqüenta e maiorais de dez. E eles julgaram o povo em todo o tempo; o negócio árduo trouxeram a Moisés, e todo o negócio pequeno julgaram eles. Então despediu Moisés o seu sogro, o qual se foi à sua terra.
Visão da Reforma:
Lutero, em seu Catecismo Menor, declarava: “Não fale mentiras a respeito do próximo”.
Oitavo Mandamento (q.v. observação, supra):
Que significa isto? Devemos temer e amar a Deus e, por isso, não enganar o nosso próximo com falsidade, traí-lo, caluniá-lo ou fazer acusação falsa contra ele; mas devemos desculpá-lo, falar bem dele e interpretar tudo da melhor maneira. Martinho Lutero
Aplico, aqui, parte de meu estudo sobre o 6º Mandamento, publicado em nosso site.
Nossa convicção é a de que podemos dividir a Lei de Deus, em três áreas:
Os Três Aspectos da Lei de Deus:
1. A Lei Civil ou Judicial — Representa a legislação dada à sociedade ou ao estado de Israel, por exemplo: os crimes contra a propriedade e suas respectivas punições.
2. A Lei Religiosa ou Cerimonial — Esta representa a legislação levítica do Velho Testamento, por exemplo: os sacrifícios e todo aquele simbolismo cerimonial.
3. A Lei Moral — Representa a vontade de Deus para com o homem, no que diz respeito ao seu comportamento e aos seus deveres principais.
Toda a Lei É Aplicável aos Nossos Dias?
Quanto à aplicação da Lei, devemos exercitar a seguinte compreensão:
1. A Lei Civil: Tinha a finalidade de regular a sociedade civil do estado teocrático de Israel.
2. A Lei Religiosa: Tinha a finalidade de imprimir nos homens a santidade de Deus e apontar para o Messias, Cristo, fora do qual não há esperança. Como tal, foi cumprida com Sua vinda.
3. A Lei Moral: Tem a finalidade de deixar bem claro ao homem os seus deveres, revelando suas carências e auxiliando-o a discernir o bem do mal. Como tal, é aplicável em todas as épocas e ocasiões.
Desta forma, podemos entender qual a posição do 9º mandamento, nas relações horizontais - [homem-homem], e na relação vertical [homem-Deus]
“Não admitirás falso boato, e não porás a tua mão com o ímpio, para seres testemunha falsa”. Êxodo 23:1
A posição do 9º Mandamento no aspecto jurídico, como uma lei Civil, regulatória, do comportamento relacional e pessoal, era, e é, muito importante, tendo em vista tratar-se de prova testemunhal, pela qual alguém seria inocentado, ou condenado, a remissão e pagar seu erro.
No aspecto Moral mostra a continua atenção do Senhor Javé em apontar um caminho de comunhão, convivência social, o respeito e cumprimento aos deveres de cada hebreu, para com seus pares, e entre o povo hebreu, de forma, que permitisse a formação de uma Sociedade justa e legitimada pela honradez, na palavra, além das ações. Isto permitiria a continua confiança entre o extrato social hebreu.
“E ser-me-eis homens santos;” Êxodo 22:31
Deus sempre aponta, durante o processo de dação do Decálogo, que este se for seguido e cumprido servirá para moldar o caráter pessoal de acordo com sua vontade santa. Assim, o Decálogo servia e seve para através do comportamento moldar o caráter de santidade dos que o cumprirem. Não deixa de ser um elemento de santificação dos hebreus.
“Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? ... Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. ... E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, ... Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de que te ordenei que não comesses? ... E disse o Senhor Deus à mulher: Por que fizeste isto? E disse a mulher: A serpente me enganou, e eu comi. Gênesis 3:1-13
A relação entre o ser imago dei, com o Senhor Criador, deve ser idêntica na relação antropológica, se isto funciona sobre este ponto de vista, esta forma [relembre Gn. 3] deve ser baseada na pureza da santidade relacional com Deus, assim seja: “De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim. Tiago 3:10, como o texto, acima.
O viés do mandamento interpassa, então, pela questão da palavra dita, com veracidade, que demonstra o caráter espiritual de quem a pronuncia:
“Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa”. Tiago 3:16
Facciosidade se torna demonstrativo de quem fala uma coisa e depois a usa de maneira diversa, escolhendo uma versão que atenda a uma facção escolhida, que se transforma em dubiedade da fala.
“Mas, sobretudo, meus irmãos, não jureis, nem pelo céu, nem pela terra, nem façais qualquer outro juramento; mas que a vossa palavra seja sim, sim, e não, não; para que não caiais em condenação”. Tiago 5:12
De tal forma, isto é fundamento para a lei de vida, que a Epístola de Tiago aponta para a questão humana, quanto ao uso da palavra, como um fator que fundamenta o que pedimos e Deus honra, quando falamos de forma veraz, como no caso do profeta Elias, com base no texto citado de Tiago 3:10 e confirmado pelo texto contextual da Epístola.
Elias pôde orar e ser ouvido, pois era um homem que atendia ao cumprimento deste 9º Mandamento: sim, sim e não,  não...
 “Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto. Irmãos, se algum dentre vós se tem desviado da verdade...Tiago 5:17-19
Este Mandamento se tornou famoso e usual, tendo em vista a questão legal, a questão congregacional, a questão social que ele desperta, em relação ao dito não verdadeiro, com o viés de mentira, que é componente vital embutida na sua forma de aplicação.
A aplicação Neotestamentária é prodiga, quando Jesus realiza a citação alongada e compilada de diversos textos, do mesmo assunto contextual, em relação ao falso testemunho – Lv. 19.12; Nm. 30.2; Dt. 23.21 -, posteriormente utilizada por Tiago, sobre o assunto:
"Vocês também ouviram o que foi dito aos seus antepassados: ‘Não jure falsamente, mas cumpra os juramentos que você fez diante do Senhor’. ... Seja o seu ‘sim’, ‘sim’, e o seu ‘não’, ‘não’; o que passar disso vem do Maligno". Mateus 5:33-37
Já citamos a questão do uso do meio juramento, que envolve a citação, em outro estudo sobre os mandamentos. Os fariseus, que se utilizavam de um atenue linha verbal, para que os hebreus não se sentissem culpados por seus “maus” juramentos, e assim, com esta declaração de Jesus, no Sermão, são surpreendidos, quando Cristo ensina as multidões, por esta declaração, mas isto é outro assunto [q.v.Mt 23.16-22].
Podemos, ainda, inferir que esta declaração realmente tem a haver, com o que estamos ensinando neste Estudo, quanto a relação do 9º Mandamento, com a santidade. Se alguém jurar falsamente pelo nome do Senhor está fadado a uma pena espiritual grave.
É o perigo do dito usual, para usarmos uma desculpa:
“Ah! Eu esqueci!”
“Mas, eu não prometi”, alguns até usam a famosa “simpatia”, falar com dedos cruzados.
É uma trivialidade diária, que compromete relacionamentos e a vida comunal cristã.
“Eu juro, por Deus!”
“Diante de Deus!”
Tudo desvaloriza, a Verdade, num pragmatismo que beira o desprezo, ao 9º mandamento.
A ética bíblica tem validade, seja no AT, como no NT. A Palavra tem poder Eterno e da Revelação contemporânea, isto é Ela se atualiza, em suas Revelações para cada conjunto humano, em sua Época de existência.
São várias situações parecidas. É o uso do relativismo, sobre a importância em se dizer a verdade, usando-se um artificio para mentir. É um falso testemunho da verdade.
O fim justifica o meio. Não para Deus.
A vida na santa habitação, está relacionada ao cumprimento da veracidade.
Pois, Jesus é exaltado neste Mandamento, já que D’Ele João afirmou: “Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo”. João 1:17
E de si mesmo disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida”. João 14:6
Como diz o escritor John M.  Frame: “No Nono Mandamento, O honramos como a verdade de Deus, em quem todas as promessas de Deus são Sim e Amém.
Para a Glória do Pai, que deu o Decálogo, no seu momento de Aliança com os hebreus; “Porque todas quantas promessas há de Deus, são nele sim, e por ele o Amém, para glória de Deus por nós”. 2 Coríntios 1:20
Isto nos leva a entender a sua presença na Lei, como depois sendo homem a cumpriria, pois ele mesmo a dera.

Por isto, o Decálogo apresenta a justiça, a verdade de Cristo. Ele foi e é o cordeiro perfeito de Deus e o perfeito exemplo para a vida Cristã, estamos dizendo que Ele obedeceu perfeitamente a lei de Deus e na sua boca nunca se encontro engano. “...nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca”. Isaías 53:9
SENHOR, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte? Aquele que anda sinceramente, e pratica a justiça, e fala a verdade no seu coração”. Salmos 15:1-2
O salmista e os profetas colocam como primazia, para não pecar a inserção da Verdade, a lei do Senhor em nossos corações.
Creio que isto será o que devemos fazer no dia-a-dia para Glória de Deus em nós.
E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.
E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis”. Ezequiel 36:26-27
Manter a aliança pelo Sangue da Nova Aliança é fundamento para cumprir o 9º Mandamento
“...esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo”. Jeremias 31:33
Bibliografia:
Juramentos - Vicente Cheung
Apud “The Sermon on Mountain” pg 81-88
Apontamentos do autor
Lições e estudos publicados no site:
http://estudandopalavra.blogspot.com
Bíblia online

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical