segunda-feira, novembro 26

"CRISTO SERÁ BARRADO SE ENTRAR ENTRAR NO VATICANO HOJE": afirma Inglês

Leia impressionante reportagem do Jornal da Tarde - grupo O Estado (Segunda-feira, 26 novembro de 2007 - VARIEDADES) - com David Yallop, Jornalista inglês, que lança um livro, que segundo ele, vai mostrar o lado nada edificante de um dos Papas mais famosos, que a Igreja Católica Apostólica Romana, já teve.
O assunto é polêmico!
O jornalista inglês lança o livro ‘O Poder e a Glória - O Lado Negro do Vaticano de João Paulo II’. A obra questiona a personalidade e o caráter de um dos maiores mitos da recente história da Igreja Católica.
Bruna Fioreti

David Yallop

O mesmo homem que escreveu sobre o assassinato do papa João Paulo I na década de 1980 diz que decidiu mostrar um lado nada edificante da trajetória de João Paulo II. Baseado em pesquisas e relatos colhidos no Vaticano, o jornalista inglês David Yallop, 70 anos, lança dúvidas sobre o caráter de um dos líderes mais queridos da Igreja Católica em: "O Poder e a Glória - O Lado Negro do Vaticano de João Paulo II". Em visita ao Brasil, o escritor concedeu entrevista exclusiva ao JT e usou palavras duras para classificar Karol Wojtyla, morto em 2005. E afirmou que Bento XVI refaz o percurso do antecessor.
Como teve acesso a informações secretas sobre João Paulo II?
Geralmente, isso vem por investigações, pessoas que trazem informações novas. Mas, nesse caso, foi mais fácil do que eu esperava porque fiz livros ligados a essa história. Além disso, já tinha sido crítico com João Paulo II. Quando ele se tornou papa, em 1978, a primeira coisa que disse foi que seguiria a linha de João Paulo I, mas desfez o programa do antecessor. Eu sabia disso, conhecia o programa. Quando (o livro) Em Nome de Deus foi publicado, em 1984, ficou claro que o Vaticano estava agindo de maneira criminosa com relação ao Banco do Vaticano. Uma enorme quantia em dinheiro sumiu, e o Vaticano acabou repondo uma parcela. Disseram ‘Não somos culpados pelo que aconteceu, mas está aqui o dinheiro (risos).’ Ficou claro que João Paulo II estava protegendo certo tipo de pessoas, continuamente.
Protegendo como?
Muitas vezes chegavam ao papa e diziam que outras pessoas da Igreja eram corruptas e ele ignorava. Qual a maior corrupção de João Paulo II? Não agir. O Banco do Vaticano, em tese, deveria ajudar fundações ligadas à Igreja, mas também é usado para empresários italianos, máfia. Isso desde a década de 1960. O papa não fez nada a respeito disso. Os lucros da máfia vão para drogas, prostituição e outros crimes no mundo todo. O banco é controlado pelo papa. Ele sabe tudo o que está acontecendo ali. Esse papa permitiu que essas coisas acontecessem. Corrupção por não fazer nada, não por estar envolvido.
Afirma que o papa foi corrupto?
Falou a verdade em muitos momentos, mas evitou ser confrontado mais do que qualquer homem que conheço. E suprimiu coisas. Nesse aspecto, foi corrupto.
O livro fala sobre a ação da Igreja contra a pedofilia. Como foi?
Em todo país que há padres católicos há pedofilia. E o papa sabia disso e desde muito antes (da ação). Em 1985, teve acesso a um documento de mais de 200 páginas feito por dois padres que falavam de leis que a Igreja deveria fazer para diminuir a pedofilia. Wojtyla arquivou.
Por quê?
Porque ele não fazia nada. Desde quando era um padre novo na Polônia, tinha a mesma política de abafar escândalos. Para falar como ele ‘em cada casa deveria ter um quartinho onde se resolve esses probleminhas’. Um dos exemplos foi com os Legionários de Cristo, no México, fundado por Marcial Maciel Degollado, descoberto por abusar de garotos na década de 1940. Era assim: se você fosse uma garota no confessionário, o padre colocava as mãos nos seus seios e dizia: ‘Deus pediu para você fazer um bebê comigo’. E uma garota em particular fez um bebê com o religioso. A outros padres também era permitido acariciá-la. Seis ou sete padres se juntaram e a violentaram. Nem recomendaram a ela tomar pílula. Ficou grávida. A Igreja ajudou levando-a para fazer um curso nas Filipinas.
Isso é um padrão, acontece sempre. Esse é o tipo de homem de João Paulo II. Entrevistei uma das vítimas abusadas sexualmente por Maciel e tudo o que queria era um pedido de desculpas. Ele disse ao menino que, se o acariciasse, sua dor de estômago melhoraria. Maciel ainda é vivo, e a organização está florescendo. O papa João Paulo II chegou a elogiá-lo pelo ‘trabalho edificante para a juventude’. Não apenas o protegeu, como o apoiou. É terrível. Se você vai à Igreja, a pessoa mais perigosa lá é o padre. Como deixar uma criança sozinha com um deles?
Outros papas teriam se omitido?
Alguns acobertavam, mas me concentrei em João Paulo I antes de Wojtyla. E ele foi assassinado porque queria fazer o certo, queria implantar o controle da natalidade, reformular o Banco do Vaticano e sabia da corrupção. Antes dele, não havia evidências de que os demais (papas) sabiam.
E Bento XVI segue a mesma linha?
Leia Mais:

Um comentário:

SCS disse...

Muito boa a reportagem. É muito importante colocar esse tipo de informação ao alcançe da sociedade, para que saibam o tipo de ministro que milhões de pessoas se submetem...inclusive recebem essas figuras em seus países aplaudindo e adorando o que eles melhor sabem fazer: idolatria, abusos sexuais, omissões...

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical