quinta-feira, janeiro 28

Tesouro em Vasos de Barro.
Lição 5 – CPAD - 1º Trimestre 2010.
Autor:Osvarela
2 Corintíos 4 .7. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.
Leitura Bíblica em Classe:
2 Corintíos 4 .1-12. POR isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade. Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus.Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.
7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.
Textos para Reflexão:
Job.10. 9. Lembra-te, pois, de que do barro me formaste; e queres fazer-me tornar ao pó?
II Tm. 2:20.21. Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro, uns para honra, outros, porém, para desonra. De sorte que se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor e preparado para toda a boa obra.
Glossário:
No original do Novo Testamento a palavra vaso “skênòs” pode significar: Bens, propriedades, móveis.
No singular, é um objeto: um receptáculo, um jarro, um prato, uma ferramenta, um equipamento.
Eras – aeon.
Alabastro (às vezes chamado espato acetinado) é uma designação aplicada a dois minerais distintos: gesso (sulfato de cálcio hidratado) e calcite (um carbonato de cálcio). O primeiro é o alabastro dos dias atuais; o segundo é geralmente o alabastro dos antigos.
Introdução:
Entendendo a base do pensamento simbólico e o uso do exemplo por Paulo:
Esta é uma das características das Escrituras paulinas, o exemplo prático para as comunidades, pelas quais ele passou evangelizando.
1- A cerâmica - Coeva do fogo, a cerâmica — do grego "kéramos”, ou "terra queimada" - é um material de imensa resistência, sendo freqüentemente encontrado em escavações arqueológicas. Esta resistência nos lembra de que ela só é adquirida pelo fogo.
Para o crente se manter de pé necessita passar por provas de fogo, sendo aquecido e fortalecido em sua estrutura, tornando-se resistente para as lutas da vida e tentações.
Assim, a cerâmica vem acompanhando a história do homem, deixando pistas sobre civilizações e culturas que existiram a milhares de anos antes da Era Cristã.
Como a cerâmica Paulo foi resistente, até ao limite daquilo que é perecível e humano, mas foi provado e aprovado pelo fogo, sabendo que o que ele tinha dentro de si era muito mais excelente do que ele próprio: O Evangelho.
Assim O Evangelho resistiu às Eras [aeon] e chegou até nós através de vasos frágeis, mas que foram moldados por Deus, na escolha das coisas frágeis deste mundo para confundir as “fortes”.
II Co.12.9. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.
A força da Igreja de Corinto era forjada, resiliente pela fraqueza desinteressada de Paulo pelas suas próprias coisas, pois ele havia entendido que aquilo que Deus colocara dentro d’ele era o mais importante.
O seu prazer era exaltar Cristo – o tesouro em vaso de barro – Paulo. II Co4.6.
10 Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.
11 Fui néscio em gloriar-me; vós me constrangestes. Eu devia ter sido louvado por vós, visto que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos, ainda que nada sou.
12 Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas.
2- O Barro.
O barro é uma designação genérica na qual foram agrupadas em um sem-número de misturas de argilas com as mais variadas espécies de impurezas.
Desta matéria, é que se elaboram as mais diversas formas cerâmicas dos vasos.
Paulo um homem sábio conhecia o uso dos vasos e sua utilidade na cultura hebraica ou mesmo grego-romana.
O importante era o conteúdo. A beleza exterior poderia ser desfeita ao quebrar do vaso, ou pela ocultação ou lugar onde o vaso estivesse, e muitos vasos só poderiam ser contemplados por alguns poucos, devido a inacessibilidade da sua localização.
1-Conhecia a utilidade do vaso que continha água; Palavra de Deus.
2-Conhecia a utilidade do vaso que continha azeite; Unção do Espírito Santo.
3-Conhecia a utilidade do vaso de alabastro que continha bálsamo de nardo puro [correção]; Fragrância de Cristo.
4-Conhecia a utilidade do vaso que continha vinho. Alegria da salvação.

A cerâmica a mais antiga das indústrias.
"O primeiro artesão foi Deus que, depois de criar o mundo, pegou o barro e fez Adão." (dito popular)
II - A ORIGEM DA CERÂMICA DIVINA.
Formando o vaso.
Gn. 1. 26,27.
E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra. E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
Gn. 2.7. E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.
Deus sabe e achou muito bom quando nos fez o principal vaso da Terra, feito pelo melhor Oleiro - Deus!
Job.33.6. Eis que diante de Deus sou o que tu és; eu também fui formado do barro.
Os vasos, por fora, podem ter aparências diferentes, mas, na realidade a fragilidade é idêntica para todos.
Não há do que se orgulhar, um pode ser ricamente vestido, outro pode ser simples, mas na realidade são frágeis e quebradiços e não podem por si mesmos, mudar a sua forma a não ser passando pelo processo da quebra e das mãos do oleiro.
Alguns se assemelham a lama ressequida, que esmigalham ao primeiro toque.
Outros são duros e resistentes por natureza, outros mais moldáveis, maleáveis, outros, de porcelana muito fina, lindo, mas que racham facilmente. Contudo, não passam de um tipo de barro. No fundo, somos todos pessoas comuns.
Este é o pensamento de Paulo, ao expressar sua posição, sobre seu Ministério.
a- Não era como alguns:
-Falsificador do Evangelho
Tinha verdadeiramente um ministério por misericórdia, como vaso de barro que somos, ainda que alguns se achem vasos de qualidade superior, seja por origem ou por estar em alguma sala importante [local].
-Nada tinha a esconder
-Não era astuto ou dissimulador como muitos
- “...e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade. “
-Podia ser um vaso de honra
, em qualquer lugar, pois tinha plena sua consciência de que poderia ser mostrado em qualquer lugar a qualquer pessoa, ser analisado, e nada encontrariam que pudesse refugá-lo: ele andava na verdade.
- Os que não o aceitavam e nada viam do que ele proclamava, na realidade eram os contradizentes: “Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”.
- Paulo sabia o que havia dentro do vaso, ele sabia muito bem o que enchia seu coração:
“...não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor;”
- Paulo infere o seu encontro com Cristo, a caminho de Damasco;
Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.”
Então ele pronuncia de maneira doutrinária o que o homem é em relação a este poder, que o alcançou:
“7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós”.
Eu sei que sou um rústico vaso de barro e a beleza do que sou é que a glória de Deus me alcançou e reflete em minha vida.
“Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós”.
Como vaso sou inerte, sou levado para todo lado pelas mãos do meu Senhor – Cristo – o que eu quero é que ele me use para que o seu nome seja pregado.
É por isto que posso ser:
“8 Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. 9 Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;10 Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos”;
Vaso é material inerte queimado no fogo, já está mortificado, mas a glória do seu interior, o que tem guardado é para uso do seu Senhor e ele mostrar ao mundo a excelência de seu poder, de suas riquezas...
10 Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;
11 E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal.
12 De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida.
III - Uma visão sobre ser vaso:
Não creio que haja impedimento em ser vaso de barro.
O importante é reconhecer que tal o somos – vaso de barro!
Ser vaso de barro não é ser desonroso, diz Paulo a Tito, mas a ação do vaso é que o qualifica:
Tm. 2.20,21. Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra.
Cont...
Afinal, foi com esta matéria que fomos criados pelo próprio Deus.
Ele já havia criado o Mundo com toda a sorte de materiais possíveis para criar qualquer coisa inclusive o homem.
Mas, Ele, o Senhor Criador de todas as coisas, a Majestade, como diz Paulo, com propriedade escolheu o barro para nos formar.
1- Por quê?
A- Seria mais prático?
Ora! Se ele tinha o poder da sua Palavra eterna para criar todas as coisas com ela, poderia muito bem criar-nos por ela e seria algo. muito bom...good, very good...
Imagina nascido do hálito de Deus, criados pneumatologicamente.
Criados pelo maior Poder: Sua Palavra, pelo verbo...
Mas, não!
Ele buscou na terra o material que para nos criar.
Fico imaginando que ele com seu amor escolheu; ele viu todos os materiais necessários para que formar o homem antropos.
Encontro pelo Espírito Santo uma resposta, para tal gesto de Deus:
Onisciência
No Plano Eternal, a Criação sofrerá uma regeneração e o homem como parte desta Criação será o agente primevo da regeneração.
1- Primeiro pela regeneração espiritual.
2- Segundo pela regeneração carnal.
a-Precisamos entender que o Eterno tem pensamentos a nosso respeito que não conhecemos.
b-Segundo precisamos entender que Deus é Amor.
b1-Conceituado como Amor: sob este prisma Deus teve amor em nos moldar com suas próprias mãos.
Não nos criou pela sua Palavra, pois queria moldar um homem com cada detalhe, vindos de sua Mente tão alta e de sua Sabedoria.
Não nos formou como algo pequeno, mas nos formou um pouco menor que os anjos, nos dando plena capacidade de escolha, o que Paulo fez com sua vida, serve de exemplo, pela dádiva vital do livre-arbítrio.
IV- Homens - Vasos de barro:
Is. 64.8. Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai; nós somos o barro, e tu o nosso oleiro; e todos nós obra das tuas mãos.
Vaso criado e modelado por mãos divinas.
Vasos de barro, vaso terreno, mas superior a Criação, tanto que nos deu os Mandatos:
-Sociais,
-Dominadores
-Intelectuais
-Cultural
-Espirituais.
Vaso de barro, porém, para se colocar em pé foi necessário que o Espírito de Deus, o pneuma, o hálito de Deus fosse soprado em nossas narinas.
Ninguém pense despreze um vaso de barro, pois é isto mesmo que somos, mas se o somos foi Deus quem nos criou assim, e nos usa assim.
Poderia ser vaso de ouro, de cristal, de calcedônia, de berilo, de outros materiais preciosos que a Bíblia cita.
- Vaso de barro em vez de vaso de diamante, você sabe que o diamante é o material mais duro da Terra, vem da terra, mas só pode ser riscado por outro diamante, embora de beleza singular ele é resistente para ser moldado.
V - Por que, escolher o pó da terra para fazer um Vaso?
Pó da terra.
Nada mais é do que a terra solta, que seca, é levada pelo pneuma [Espírito Santo] , o ar. Pode ser levada para toda a parte.
Pó da terra dá liga ao ser molhado com água, símbolo do Espírito.
Pó da terra molhado pode ser moldado.
Pó da terra pode ser refeito e tomar forma nova conforme o desejo do Oleiro, Deus.
Pó da terra se apega as coisas do mundo, mas pode ser retirado com a lavagem da regeneração pala Palavra.
Pó da terra pode estar no Brasil, mas pode estar na índia, no Haiti ou na China e se ligar a qualquer outro pó do mundo criado por Deus.
Vaso de barro pode ser aparentemente, “belo” ao natural, mas só realmente embelezado pela ação do Oleiro, o qual, coloca cor, ornamento, símbolos da ação do Espírito Santo dando Dons aos homens.
A- Mesmo se olharmos para algo tão sublime e belo- a criação da mulher:
Veremos que Deus agiu em igualdade de propósito e ação, manualmente ele formatou a mulher do vaso de barro Adam:
1-Foi um processo indolor, com anestesia celeste.
2-Deus deu um sono profundo ao homem, assim os homens puderam entender que o homem pode ser operado em estado de sono profundo.
3-Iniciou o processo criador, de Eva com uma incisão na parte lateral do corpo do homem, junto as suas costelas [a qual, jamais cirurgião nenhum, o fará].
4-Retirou do homem uma costela.
B- Aí é onde resplandece o Poder Criador:
A partir de uma costela, Deus fez toda a mulher, ensinando aos homens como proceder em recuperar e criar como poder curativo, pele, ossos, todo o gene humano de uma só peça do corpo humano.
Só que Deus se utilizou deste método para criar a mais bela mulher do Mundo – Eva - a mãe de toda a humanidade.
Do vaso de barro vivo só poderia ser obtido um novo vaso de barro vivo.
A Bíblia não fala de Deus soprando nas narinas da mulher.
É onde eu aprendo que a federatividade humana, incluindo a problemática do pecado é transferida ao homem após homem, mulher após mulher, eles eram da mesma carne e o espírito soprado no homem, que o vivificou estava em Adão e agora estava em Eva.
E a fez com tanto amor e cuidado, que ao vê-la, Adão se apaixonou ao primeiro olhar:
É este vaso de barro que o Senhor me deu?
E disse:
“Esta será chamada varoa, pois do varão foi tomada”.
Gn. 2. 18-23. E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele. Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar; E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão. E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.
VI - O vaso e o Oleiro:
A- Deus e o homem:

Is.29.16. Vós tudo perverteis! Acaso o oleiro há de ser reputado como barro, de modo que a obra diga do seu artífice: Ele não me fez; e o vaso formado diga de quem o formou: Ele não tem entendimento?
Is.45. 9. Ai daquele que contende com o seu Criador!
O caco entre outros cacos de barro! Porventura dirá o barro ao que o formou:
Que fazes? ou dirá a tua obra: Não tens mãos?
Vaso de barro pode ser colocado em qualquer lugar pelo seu senhor e dono, pois não tem vontade própria, não se move sem a mão de seu Senhor ou daquele que o Usa não agir.
Pode ficar de boca para baixo, mas continua sendo vaso.
Pode ser coberto para se usar e preservar o que tem dentro dele, mas não pode ser lacrado, pois perde a utilidade, ou só se for a vontade do seu Senhor para usá-lo em tempo aceitável.
Vaso pode dar odor, só daquilo que está dentro dele, pois todos que vêem um vaso molhado de água pura sentem um cheiro gostoso da terra molhada.
Vaso de barro com coisas boas no seu interior produz um odor agradável, seja de azeite, seja de água [ainda dizemos que é inodora, mas o cervo brama pelas águas ao sentir pelo aroma que ela está perto. Sl.42.1. ASSIM como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!]
VII - Vasos vivos.
A- Somos vasos. Vasos vivos.
Vazios ou ocupados?
E se ocupados, o que há dentro de nós?
Ódio, amargura, indiferença, acomodação, egoísmo?
Somos vasos cheios de nós próprios, vasos de barro cheios de barro?
Que, ao contrário, sejamos vasos possuídos e habitados por Jesus
Quando Paulo relata o seu discurso alegorico sobre vasos ele está realizando um pensamento novo no mundo espiritual, mas inerente a forma descritiva das Escrituras, segundo a sua forma de apresentação:
-Literal
-Simbólica
Que é inerente ao Novo testamento, no sentido da cristologia.
Assim, a cristologia de Paulo é um apoio ao seu ministério Apostólico, pois as Escrituras dizem, do Messias, no homem encarnado Jesus, o qual tomou a forma de vaso de barro - homem:
Sl. 78.2. Abrirei a minha boca numa parábola; falarei enigmas da antiguidade.
Mc.4.2.11. E ensinava-lhes muitas coisas por parábolas, e lhes dizia na sua doutrina:... mas os que estão de fora [gentios] todas estas coisas se dizem por parábolas,
I Co.14.21. Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor.
Pv. 16.13; II Tm. 2:20.21
Mt. 13.35. Para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta, que disse: Abrirei em parábolas a minha boca; Publicarei coisas ocultas desde a fundação do mundo...Isto é no sentido figurado da palavra.
Aqui já não se trata de vasos como objetos, mas de pessoas que são vasos.
Tratando-se duma metáfora, se a quisermos interpretar deveremos perguntar: para que serve? Para que serve um vaso?
B- Vaso de barro pode ser enfeite, mas pode ser útil quando é cheio de:
Mas em termos de utilidade prática:
Um vaso como recipiente:
- serve para conter algo,
-seja uma planta,
-um líquido
-ou uma jóia
-sementes
Utilidade espiritual:

-Óleo – Unção do Espírito Santo
-Cheio de água – que fica fresca ao ser tomada por outros vasos
-Vaso de barro pode ser reserva para dar água, óleo, mantimento, vinho a outros vasos.
-Vaso de barro pode ficar desprezado num canto, cheio de teia de aranhas, pode ser lugar de esconderijo de animais peçonhentos como víboras, mas se o seu dono o limpar ele voltará, a ser útil.
-Vaso de barro pode ser novo ou velho sempre pode ser usado
-Vaso de barro pode trincar, mas o Oleiro pode restaurar.
-Um vaso pode servir só como ornamento, só para ser visto.
Escrevendo estas linhas, lembro-me de quanto foram importantes os vasos na história e confirmação arqueológica das escrituras Sagradas.
Estive em Qumram, onde um pastor de cabras encontrou vários rolos das Escrituras, inclusive parte dos escritos do profeta Isaías, em vasos de barro, quando procurava suas rezes, naquela imensidão de topografia arenítica, com várias cavernas.
Alguém cioso da inspiração canonica das Escrituras, em algum período de perseguição, sábiamente escondeu um Tesouro, em Vasos de barro e estes preservaram a palavra de Deus e ao seu tempo certo veio para confirmar a verdade das mesmas.
Era O Tesouro literalmente em vasos de barro.
Assim também nós devemos ter em nossos vasos de barro a excelencia do Poder de Deus para que Ele a seu tempo possa fazer-se revelar para o mundo o tesouro que é d’Ele para sua Gória e salvação de muitos.
É isto que somos vasos a serem portadores da Palavra de Deus:
Somos formados para ser cheios.
Sl.81.10. Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito; abre bem a tua boca, e ta encherei.
C- Aparencia do vaso:
1- Vaso pode ter várias formas:
Jr.18.4. Como o vaso, que ele fazia de barro, se estragou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme pareceu bem aos seus olhos fazer.
No Novo Testamento: de vasos de ouro, de prata, de pau, de barro, de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro, de mármore e de marfim.
O vaso que desceu do céu, na visão de Pedro em Jope: ... um vaso, como se fosse um grande lençol atado pelas quatro pontas...»
Atos 10:11. E viu o céu aberto, e que descia um vaso, como se fosse um grande lençol atado pelas quatro pontas, e vindo para a terra.
D- Vasos enganosos.
Paulo descobriu em seu ministério estes vasos enganosos, e hoje eles ainda estão entrando e saindo da Casa de Deus, com palavras e discursos até agradáveis, mas cheios de engano.
Pv.26.23. Como o vaso de barro coberto de escória de prata, assim são os lábios ardentes e o coração maligno.
1- Vaso que perde o valor:
Lm.4.2. Os preciosos filhos de Sião, comparáveis a ouro puro, como são agora reputados por vasos de barro, obra das mãos de oleiro!
Ora, o texto de II Timóteo nos fala de vasos diferentes, uns honrosos e outros desonrosos.
A diferença entre os vasos reside naquilo que eles contêm.
Não naquilo que aparentam.
II Coríntios 4:6.7. …vaso cheio de vinagre… João 19:29. Esse vaso bem pode representar uma pessoa (vaso) ácida, cheia de amargura, ou seja, um vaso de ira, em contraste com um vaso de misericórdia que se refere àquelas pessoas que têm dentro delas um tesouro.
Esse tesouro é Jesus. Diz Paulo: ...temos este tesouro em vasos de barro...texto compilado – autor citado no final em fontes.
2- Vasos re-utilizados:
Vasos talvez quebrados em pedaços, por uma vivência destrutiva, mas em que o Senhor reúne os fragmentos (cacos) e reconstitui o vaso, pela ação do Espírito Santo.
Vaso para ser acabado e ter resistência tem que ser queimado no fogo, mas na temperatura certa para não queimar o pó da terra do qual foi feito, Deus sabe o teu ponto de resistência ao fogo, espiritualmente são as tribulações e pode ser também o quanto você pode ser usado por ele. “Ele vos batizará com Espírito Santo e com fogo”.
Quando Paulo ordena aos coríntios entregarem aquele membro a Satanás ele estava exatamente dando a entender este processo: calcinação do pó – carne. Não confunda com a chamada “doutrina da aniquilação...”
VIII- O que você tem dentro do seu vaso?
A primeira resposta é que temos Cristo.
Seria a única resposta?
O apóstolo Paulo, era um vaso de barro, mas ele tinha a consciência completa de que, dentro dele, havia um tesouro, que fazia toda a diferença.
Seguindo o pensamento do seu discurso no início desta Epístola aos Corintíos ele sabe que tudo quanto ele havia realizado, ele era apenas o vaso de barro, mas o que refletia era glória de Cristo.
Aliás, todos sabem que Jesus Cristo é o “mitte” do Apóstolo.
Desta forma, Paulo queria dizer do que havia n’ele como vaso:
Jesus Cristo em plenitude.
II Co.4.6.Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo”.
a-A glória do ministério de Deus - Cristo.
b-A glória do ministério de Cristo - Nova Aliança. A face de Jesus Cristo.
c-Evangelho de Jesus Cristo - A luz do evangelho da glória de Cristo
d-O bom cheiro de Cristo: a fragrância do seu conhecimento. “...o bom perfume de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem”.
II Co.2.14-15. E graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento. Porque para Deus somos o bom perfume de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem.
Conclusão:
Paulo: Um vaso falando de vaso:
Atos 9.15-18. “Vai porque este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome aos gentios, e aos reis e aos filhos de Israel”.
Quando Saulo de Tarso teve o encontro modificador de seu vida, ele não sabia o que haveria de ser dali em diante, mas Deus, que já o escolhera anuncia a Ananais, qual seria a utilidade da vida daquele hebreu de hebreus, romano de nascimento, discípulo de Gamaliel:
Jesus foi ao encontro de Saulo e transformou a sua vida.
Passou a ser um recipiente que seria cheio por três anos na Arábia, para depois levar o seu conteúdo e não só para guardá-lo.
O vaso útil para Deus é aquele que leva o seu conteúdo para ser útil aos outros.
Um vaso que leva o Nome de Jesus a outros.
Um vaso que suporta ser atingido por tudo e por todos,, mas inquebrável pois foi feito resistente pelas provações e conhece que precisa manter-se de pé, mesmo sendo atingido, para que o Tesouro não se esvaia de dentro dele e outros percam a chance dada por Deus ao Ministério que nos colocou dentro de nós – Ministério é Evangelho de Cristo em ação.
Fonte:
Orlando Caetano - Leiria – Portugal - Estudos bíblicos
Teólogo; pastor. Pastor 40 anos, em Portugal e em Moçambique.
Psicológo –Coimbra; professor na Escola Superior de Educação de Leiria. Outubro/2007
Artesanato – Projeto experimental. EBA – UMFG – Kurtn Vigator
Bíblia digital – cortesia tio sam
Bíblia Plenitude
Bíblia Chamada
Site Berea



Um comentário:

Osiel Varela disse...

Observação do autor:
O vaso era de alabastro o que ele tinha como conteúdo era bálsamo de nardo puro.

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical