quinta-feira, agosto 19

JOÃO BATISTA - O ÚLTIMO PROFETA DO ANTIGO PACTO. LIÇÃO 08 – CPAD - 3º TRIMESTRE - 2010

JOÃO BATISTA - O ÚLTIMO PROFETA DO ANTIGO PACTO.
LIÇÃO 08 – CPAD - 3º TRIMESTRE - 2010 Autor. Osvarela
TEXTO ÁUREO - ‘A Lei e os Profetas duraram até João; desde então, é anunciado o Reino de Deus, e todo homem emprega força para entrar nele’. Lc. 16.16.
Pensamento:
A profecia é um bem que Deus nos concedeu, não sejamos negligentes no seu uso, sob pena de perecermos pela corrupção espiritual, o anúncio destes dias é diferente dos dias de João O Baptista, agora é anunciada a Iminência’. Osvarela.
turbas - s. f. pl.3. Povo. 4. A opinião do povo baixo, do vulgo, do maior número: Ir com as turbas (isto é, seguir a sua opinião). Povo mais simples;povo mais humilde e pobre.Turba- Sf Grande massa de gente; multidão.
turba - s. f.1. Multidão ou magote de gente. 2. União de vozes que cantam em coro.
Em turba: em grande número.
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE.
Mateus 11.7-15.
I- INTRODUÇÃO.
Sua chegada e descrição bíblica.
História bíblica e Geral.
1-Cronologia.
Lucas coloca na cena de seu curto ministério, personagens influentes na morte de seu primo poderoso.
Personagens. O professor poderá destacar a ação destes personagens no conteúdo do Ministério e Vida de João e do Senhor Jesus.
a-No décimo quinto ano do reinado de Tibério César

b-Pôncio Pilatos governador da Judéia,
c-Herodes tetrarca da Galiléia. - Mt.14.3. Porque Herodestinha prendido João e tinha-o manietado e encerrado no cárcere por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe;
d-seu irmão Filipe tetrarca da região da Ituréia e de Traconites,
e-Lisânias tetrarca de Abilene,
f-Anás e Caifás sumos sacerdotes
2-Região de Nascimento e Atuação. Geografia bíblica.
1- ‘...e em toda a região montanhosa da Judéia foram divulgadas todas estas coisas’. Confira com a sua atividade após o início do seu ministério. E toda a província da Judéia e todos os habitantes de Jerusalém iam ter com ele;
2- E ele percorreu toda a circunvizinhança do Jordão
3-Sua missão. E ele percorreu ...pregando o batismo de arrependimento para remissão de pecados; como está escrito no livro das palavras do profeta Isaías: Voz do que clama no deserto
4-Região de sua Atuação.
LUCAS 3.1-4. No décimo quinto ano do reinado de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos governador da Judéia, Herodes tetrarca da Galiléia, seu irmão Filipe tetrarca da região da Ituréia e de Traconites, e Lisânias tetrarca de Abilene, sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes, veio a palavra de Deus a João, filho de Zacarias, no deserto. E ele percorreu toda a circunvizinhança do Jordão, pregando o batismo de arrependimento para remissão de pecados; como está escrito no livro das palavras do profeta Isaías: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai as suas veredas.
EXÓRDIO.
A QUEBRA DO SILÊNCIO PROFÉTICO.
A chegada de João O Baptista e o fim da época do chamado "silêncio profético" (após 400 a.C.)
Abriu a todos os povos, mas principalmente à Nação de Israel a possibilidade redentiva e restauradora, tão anunciada e esperada por todos.
Necessitamos entender o quadro profético como estamos estudando, e o faremos de forma rápida e resumida, neste subsídio.
A Profecia, na forma do AT ou da Tanach em Israel estancou em Malaquias, segundo cremos e segundo um dos seus mais estudiosos historiadores, Flávio Josefo.É necessário dizer isto em função da formação do Cânon e sua utilização por nós evangélicos.
O historiador Flávio Josefo (90 a.D.), escrevendo em grego para gregos diz:
“Porque nós não temos (isto é, como os gregos) miríades de livros discordantes e contraditórios entre si, mas apenas [22] vinte e dois[(24)vinte e quatro e outro número utilizado, veja abaixo, ou leia estudo sobre os livros da Tanach]...”, justamente aceitos. Cinco são os livros de Moisés, que compreendem as leis e as tradições da origem da humanidade até a morte dele. Os profetas que foram depois de Moisés escreveram em treze livros o que sucedera no tempo em que viveram. Os quatro livros restantes encerram hinos a Deus e preceitos para a conduta do homem.”. Contra Apion, 1, 8.
Josefo reconhece as 3 divisões do cânon e os mesmos livros da Bíblia Hebraica(22).
Na opinião dele, nenhum livro canônico foi escrito depois do reinado de Artaxerxes (462-424 a.C.) e ainda afirma que, durante estes séculos, desde Artaxerxes, nada foi alterado nos livros sagrados.
Embora Josefo conhecesse os livros do período interbíblico, não os considerava canônicos. Embora fosse um leitor da Septuaginta, não cria que os chamados apócrifos fizessem parte da Bíblia.
Ele ainda afirmou: “O nosso cânon é formado de Moisés a Malaquias”.
Convém esclarecer, que estamos falando na formação seqüencial clássica de nossos dias, e não da escrituração nominal-cronológica.

Obs: quanto ao número de livros descritos por Josefo, nos é necessário explicar ao leitor, que o número dos livros e também, a qualificação como proféticos ou poéticos ou ainda históricos é diferente, em distribuição e classificação, mas contêm os mesmos 39 livros de nossa atual Bíblia, dispostos nos 22 ou 24 livros no cânon judaico.
Exemplo de classificação Daniel não é um livro profético no cânon hebraico, mas sim um livro histórico.
Atenção: quanto aos 22 livros, você pode encontrar o cânon hebraico, citado como contendo 24 livros, mas por questão de agrupamento, como por exemplo: o livro de Rute agrupado a Juízes e Lamentações com Jeremias tem-se a redução para 22 livros, este agrupamento se estende a outros livros o que reduz numericamente a quantidade, mas o Texto Total e final do AT é o mesmo que o encontrado nos 39 livros do AT, de sua e da minha Bíblia.
I - JOÃO O BAPTISTA E A EXECUÇÃO DO PLANO PROFÉTICO NO PLANO MAIOR DIVINO.
I-1- PLENITUDE DOS TEMPOS.
1- A Caracterização de João como Profeta.
Para podermos entender João como profeta, ao molde do AT, relembremos a consideração do termo ‘prophétês’
É formada por um prefixo – a partícula Pro.
Pro não é temporal.
Quando se fala de profeta, a inferência natural é de alguém que fala do ou advinha/revela, o futuro, por Dom de Deus.
Alguns estudiosos da progressividade da etimologia entendem que, o prefixo ou partícula inicial, ‘Pro’ é uma partícula substitutiva – o profeta fala em nome de Deus – e é uma partícula pro-clamativa [proclamar é uma das funções proféticas – proclamar os oráculos].
Então, o profeta não fala sozinho, mas na sua pro-clamação ele interpela as pessoas, fala para as pessoas, mesmo que elas não queiram ouvir ou não.
Clamar é função do pro-feta, a Deus a favor do povo e ao povo para ouvir a pro-clamação dos oráculos divinos.
- nâbhî, que significa ‘aquele que anuncia ou aquele que proclama a mensagem de outrem’
1-a- Pesquisando.
Só recorrendo aos dicionários é que podemos tentar descobrir alguma orientação mais concreta.
1-1-Pesquisando a respectiva etimologia, damo-nos conta que enquanto o prefixo de origem latina pro- é definido como «elemento de composição culta que traduz a ideia de «antes de, em frente, para diante de» (Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa de José Pedro Machado),
O prefixo latino pro, dentre suas várias acepções, tem a de indicar "para diante", "para a frente" (no tempo e no espaço).
Carlos Goes dá como exemplo - prosseguir, projétil, propender, prognato, propulsar, propelir.
1-2- Pro-Phemi
a-Pro - para frente, em lugar de; é a idéia primeva latina [latimda origem etimológica] de estar em primeiro lugar, ou a frente. Isto era usual em antigas culturas. Mas, uma das idéias é estar diante, face a face, liderar,voltado para...
Mário Eduardo Viaro é professor de língua portuguesa da USP – Revista Língua.
No sentido, como de pro-feteri[lt.] – base etimológica de professor.
O prefixo pro- (diante, com o sentido de "diante de todos, a vista de").
O Que declarava publicamente, que possuía conhecimentos em determinada área de saber e que poderia transmiti-los.
No caso de João Baptista ele pro-clamava, o que lhe havia sido dado como conhecimento revelado pelo Espírito Santo, como se realizava com os profetas anteriores a ele.
b- Considerações sob outros autores e pesquisadores.
Baxter – diz que, segundo a correta etimologia do vocábulo profeta, o prefixo “pro” não denota antecipação como na palavra “prover”, mas significa “lugar de”, como em “pronome”.
Com base nesse primeiro significado, unido ao termo grego “phemi”, cujo sentido é “falar”, podemos definir profeta como uma pessoa que fala no lugar de outra. Esdras Bentho – Teologia e Graça.
Unindo-se todas as correntes poderemos entender o melhor significado sob o aspecto desta Lição.
Pois, João O Baptista foi um pro-phemi antecessor de Jesus Cisto, O Messias do Senhor.
II- PRENUNCIO POR JOÃO - O BAPTISTA.
Lc.1.80. E o menino crescia, e se robustecia em espírito, e esteve nos desertos até ao dia em que havia de mostrar-se a Israel.
Quando leio os textos sagrados referentes a chegada de João, vejo um Novo tempo do Plano de Deus através do Renascimento profético em Israel.
Não há grandes textos de destaque a infância de João O Baptista, um pouco mais descrita é a infância de seu primo.
Ele que teve uma vida curta como seu primo mais poderoso.
A vizinhança se alegrou com a sua geração e esperava o seu nascimento, como no caso, de seu primo mais poderoso.
Destacamos que nasce sob a incredulidade do próprio pai, avançado em idade, como sua mãe Isabel.
1-Primeiro com a aparição do Anjo do Senhor a Zacarias, o sacerdote e pai do futuro ‘Voz clamativa do deserto’.
Lc.1.18-20. Disse então Zacarias ao anjo: Como terei certeza disso? Pois eu sou velho, e minha mulher também está avançada em idade.Ao que lhe respondeu o anjo: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus, e fui enviado para te falar e te dar estas boas novas; e eis que ficarás mudo, e não poderás falar até o dia em que estas coisas aconteçam; porquanto não creste nas minhas palavras, que a seu tempo hão de cumprir-se.
2-Na chegada de Maria, sua prima a casa de sua mãe Isabel.
O trecho: “Bem-aventurada a que creu, pois hão de cumprir-se as coisas que da parte do Senhor lhe foram ditas!” é uma Revelação profética, pois, Maria nada havia dito a Isabel, que ao recebe-la em seu lar.
O único e relevante destaque ao menino se dá em dois momentos.
3- Em terceiro lugar, em paralelo, como um prenúncio deste renascer profético, ouço a Voz da profecia através da mãe do homem comedor de gafanhotos e mel silvestre, Isabel, ao receber o que seria proclamado pelo filho em formação em seu ventre: “Lc. 1.38... e Isabel foi cheia do Espírito Santo, e exclamou com grande voz, e disse: Bendita és tu entre as mulheres, e é bendito o fruto do teu ventre! E de onde me provém isso a mim, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor? Pois eis que, ao chegar aos meus ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada a que creu, pois hão de cumprir-se as coisas que da parte do Senhor lhe foram ditas!”
4-No destaque indireto, no momento especial da circuncisão, no qual se da o nome do menino, foi um momento milagroso aos olhos e ouvidos de todos os presentes, nesta singular e importante cerimônia entre o povo judeu.
O nome a ser dado a um membro da família, principalmente a um menino, e em especial ao Primogênito deveria ter uma relação familiar, invocando-se as características do antepassado, mas Zacarias, naquele momento, ainda mudo, desde o evento da anunciação da chegada de seu filho, escreve numa tabuinha o nome: JOÃO.
O NOME incomum para a família é questionado. Leia o texto bíblico.
Lc.1.57-65. Ora, completou-se para Isabel o tempo de dar à luz, e teve um filho. Ouviram seus vizinhos e parentes que o Senhor lhe multiplicara a sua misericórdia, e se alegravam com ela. Sucedeu, pois, no oitavo dia, que vieram circuncidar o menino; e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. Respondeu, porém, sua mãe: De modo nenhum, mas será chamado João.Ao que lhe disseram: Ninguém há na tua parentela que se chame por este nome. E perguntaram por acenos ao pai como queria que se chamasse.E pedindo ele uma tabuinha, escreveu: Seu nome é João. E todos se admiraram. Imediatamente a boca se lhe abriu, e a língua se lhe soltou; louvando a Deus. Então veio temor sobre todos os seus vizinhos; e em toda a região montanhosa da Judéia foram divulgadas todas estas coisas.
4-1-A Característica Deste Momento Seria Uma Característica da Vida do Profeta.
Palavras como.
a-Temor. Então veio temor sobre todos os seus vizinhos; e em toda a região montanhosa da Judéia foram divulgadas todas estas coisas.
b-Notícia proclamada a todos.
Multidão. Lc.1.1.ss... E toda a multidão do povo estava fora, orando, à hora do incenso.
Ao longo deste trimestre temos lido, do sofrimento dos Jeremias e outros que sofreram em função de sua atuação profética, assim João se enquadra neste contexto do Quadro Profético do AT.
Mt.14.4-12. ...porque João lhe dissera: Não te é lícito possuí-la. E, querendo matá-lo, temia o povo, porque o tinham como profeta. Festejando-se, porém, o dia natalício de Herodes, dançou a filha de Herodias diante dele e agradou a Herodes, pelo que prometeu, com juramento, dar-lhe tudo o que pedisse. E ela, instruída previamente por sua mãe, disse: Dá-me aqui num prato a cabeça de João Batista. E o rei afligiu-se ...ordenou que se lhe desse. E mandou degolar João no cárcere, e a sua cabeça foi trazida num prato e dada à jovem, e ela a levou a sua mãe. E chegaram os seus discípulos ... e foram anunciá-lo a Jesus.
c-Discórdia. Mt.14.3. Porque Herodes tinha prendido João e tinha-o manietado e encerrado no cárcere por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe;
d-Temor.
e-Novidade.
f-Voz - e a língua se lhe soltou;
g-Louvor a Deus - louvando a Deus.
h- Personalidade e Características.
h-1- Na Confirmação de Jesus.
João tem seu ministério profético exaltado, e confirmado por Jesus, seja em qualidade, seja antropologicamente, seja pela sua humildade, por se por como menor do que o Filho do Homem [mas aquele que é o menor no Reino dos céus é maior do que], no entendimento cristológico, de Jesus foi inteiramente homem e inteiramente Deus, e pela forma, com que ele entendeu que não haveria de alcançar o pagamento de sua dívida de pecado, pois só após Jesus morrer, os homens obtiveram este direito no Reino de Deus em sua Plenitude.
E nós, como Igreja temos privilégio disto. Hb.11.39,40. E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados.
Como João está neste quadro de profetas de Israel, sendo o último Profeta da Lei [o batismo de João é um indício disto], ele se enquadra perfeitamente neste conteúdo do Livro do Escritor aos Hebreus.
h-1-a- Maior, porém Menor.
Mt.11.[texto da lição] Mas, então, que fostes ver? Um profeta? Sim, vos digo eu, e muito mais do que profeta; porque é este de quem está escrito: Eis que diante da tua face envio o meu anjo, que preparará diante de ti o teu caminho. Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista; mas aquele que é o menor no Reino dos céus é maior do que ele. E, desde os dias de João Batista até agora, se faz violência ao Reino dos céus, e pela força se apoderam dele. Porque todos os profetas e a lei profetizaram até João. E, se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir.
Elias ou João?
João ou Elias?
João foi chamado e achado, como sendo Elias, pela sua aparência e pelos locais onde pregava, mas sua mensagem embora dura como a de Elias era uma mensagem anunciadora de boas-novas, mas muitos o tinham como tal.
Mc.1.6. E João andava vestido de pêlos de camelo e com um cinto de couro em redor de seus lombos, e comia gafanhotos e mel silvestre...
Local usado por ambos- Região do Jordão - 1 Rs.17. 5.6. Foi, pois, e fez conforme a palavra do SENHOR, porque foi e habitou junto ao ribeiro de Querite, que está diante do Jordão. E os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã, como também pão e carne à noite; e bebia do ribeiro.
Roupas 2 Rs.1. 7,8. E ele lhes disse: Qual era o trajo do homem que vos veio ao encontro e vos falou estas palavras? E eles lhe disseram: Era um homem vestido de pêlos e com os lombos cingidos de um cinto de couro. Então, disse ele: É Elias, o tisbita.
III - O Renascimento Profético Em Israel É A Retomada de Um Elo Quebrado da Cadeia Entre Israel E Deus.
A cadeia do poder e religião, considerando-se Israel um Estado não laico, usual em Israel era formada pela Lei, pelos profetas e este as assembléias dos anciãos.
Sl. 40.9. Preguei a justiça na grande congregação; eis que não retive os meus lábios, SENHOR, tu o sabes.
É a volta da consciência profética a Israel, e com o conseqüente retorno ao arrependimento.
Assim, temos João O Baptista sendo procurado, pelos que buscavam uma solução, e forma de arrependimento de seus pecados.
Mc.1.1.ss... Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. Como está escrito noprofeta Isaías: Eis que eu envio o meu anjo ante a tua face, o qual preparará o teu caminho diante de ti. Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. Apareceu João batizando no deserto e pregando o batismo de arrependimento, para remissão de pecados. E toda a província da Judéia e todos os habitantes de Jerusalém iam ter com ele; e todos eram batizados por ele no rio Jordão, confessando os seus pecados.
IV- Conceito profético e mitte de João O Baptista.
Um dos conceitos a ser considerado para qualificação do Profeta é o reconhecimento pelo Profeta de que a Palavra é o centro [mitte] de toda a mensagem profética.
João reconhece que Jesus é o Centro de Toda a Palavra de Deus, desde a Lei, até aos Profetas, os quais ele agora representava.Ele era Voz do que clama no deserto, sim, ele é a Voz Profética de novo em sua terra.
E neste conteúdo profético estava a maior revelação O Messias!
Assim João revela que há um centro em sua profecia. Mc.1. 7,8. ...e pregava, dizendo: Após mim vem aquele, que é mais forte do que eu, do qual não sou digno de, abaixando-me, desatar a correia das sandálias. Eu, em verdade, tenho-vos batizado com água; ele, porém, vos batizará com o Espírito Santo.
Ou seja, Jesus era o centro da Profecia a Israel pela boca de João O Baptista.
-Como Plenitude do tempo messiânico.
-Como cumprimento das profecias messiânicas.
-Quando leio o capítulo 1 do Evangelho de João - O Apóstolo, posso compreender esta Revelação, através do Ministério Profético reintroduzido em Israel, pelo Senhor nos dias de João O Baptista.
João.1.1,6. No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.
João.1.14. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.
João.1.15. João testificou dele e clamou, dizendo: Este era aquele de quem eu dizia: o que vem depois de mim é antes de mim, porque foi primeiro do que eu.
1- Plenitude profetizada, pela Voz.
João.1.16 E todos nós recebemos também da sua plenitude, com graça sobre graça. 17 Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
Paulo nos fala deste tempo e Plenitude. Gl.4.4. mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,
V- O Profeta Profetizado.
Na realidade ambos profetizados.
Jesus  desde a Lei, por Moisés; Deuteronômio 18.15 O SENHOR, teu Deus, te despertará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis;
João desde os Profetas Anteriores – Isaías e outros - Isaías 40:3. Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do SENHOR; endireitai no ermo vereda a nosso Deus.
V-1-Anunciação E Nascimento do Profeta.
A narrativa bíblica em si mesma é suficiente para o entendimento do fato.
Leia. Lc. 1. 5-25. Existiu, no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote, chamado Zacarias [...] exercendo ele o sacerdócio diante de Deus,..., coube-lhe em sorte entrar no templo ... para oferecer o incenso. E toda a multidão do povo estava fora, orando, à hora do incenso... um anjo do Senhor lhe apareceu...E Zacarias, ... caiu temor sobre ele. Mas o anjo...disse: Zacarias ... a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João. [...] ...porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe. E converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus, e irá adiante dele no espírito e virtude de Elias, para converter o coração dos pais aos filhos e os rebeldes, à prudência dos justos, com o fim de preparar ao Senhor um povo bem disposto.
Todavia ficarás mudo e não poderás falar até ao dia em que estas coisas aconteçam, porquanto não creste nas minhas palavras, que a seu tempo se hão de cumprir. [...]E, saindo ele, não lhes podia falar; e entenderam que tivera alguma visão no templo.[...] E, depois ...Isabel, sua mulher, concebeu e, por cinco meses, se ocultou, dizendo: Assim me fez o Senhor, nos dias em que atentou em mim, para destruir o meu opróbrio entre os homens.
[...]39-45. E, ... Maria foi apressada às montanhas, a uma cidade de Judá, e entrou em casa de Zacarias, e saudou a Isabel. E aconteceu que, ao ouvir Isabel a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre; e Isabel foi cheia do Espírito Santo ... disse: Bendita és tu entre as mulheres, e é bendito o fruto do teu ventre! E de onde me provém isso a mim, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor? ... Bem-aventurada a que creu, pois hão de cumprir-se as coisas que da parte do Senhor lhe foram ditas!
VI- NASCIMENTO – CONFIRMANDO OS PROFETAS.
Aguarde o Tempo de Deus.
Quando recebemos uma promessa de Deus achamos que será imediatamente cumprida.
Zacarias nos dá uma lição: realizemos nossa parte NA Obra de Deus, esperemos o tempo de Deus, e muitas vezes, somos impedidos e devemos por nós mesmo não falar o que Deus nos revelou, para que ao seu tempo, após um período de opróbrio e outro no oculto da promessa, venhamos dar a luz, ou gerar a Benção de Deus e apresenta-la ao mundo, para que Deus seja glorificado, haja temor de Deus entre os que souberem e sejamos abençoadores das multidões.
A magnitude do nascimento de João Baptista reabriu em Israel a Porta Profética travada a mais de 400 anos.
Ml.3.1. Eis que eu envio o meu anjo, que preparará o caminho diante de mim; e, de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o anjo do concerto, a quem vós desejais; eis que vem, diz o SENHOR dos Exércitos.
Is.62.11. Eis que o SENHOR fez ouvir até às extremidades da terra: Dizei à filha de Sião: Eis que a tua salvação vem; eis que com ele vem o seu galardão, e a sua obra, diante dele.
Is.57.14. E dir-se-á: Aplainai, aplainai, preparai o caminho; tirai os tropeços do caminho do meu povo.
Isaías 40:3. Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do SENHOR; endireitai no ermo vereda a nosso Deus.
Is.40.9.11. Tu, anunciador de boas-novas a Sião, sobe a um monte alto. Tu, anunciador de boas-novas a Jerusalém, levanta a voz fortemente; levanta-a, não temas e dize às cidades de Judá: Eis aqui está o vosso Deus. Eis que o Senhor JEOVÁ virá como o forte, e o seu braço dominará; eis que o seu galardão vem com ele, e o seu salário, diante da sua face. Como pastor, apascentará o seu rebanho; entre os braços, recolherá os cordeirinhos e os levará no seu regaço; as que amamentam, ele as guiará mansamente.
VII- Dois jovens e a Profecia.
Sempre que leio a vida destes jovens que revolucionaram o Mundo, me sinto tocado pelo Espírito Santo.
Dois jovens com um destino final rápido e trágico, no sentido de suas humanidades, sendo um deles com total fatalidade mortal e outro com total poder como homem de dar a sua vida e tornar a tomá-la.
Assim foram, João O Baptista e Jesus de Nazaré.
João O Baptista é o nosso assunto neste final de semana.
Trata-se de uma revolução secular nos atos solenes em Israel.
A volta da profecia foi aceita sob todas as óticas e esferas da Nação.
Afinal Deus visitou o seu povo.
É desnecessário dizer, mas relevante a aceitação, mostra de que o Ministério Profético não necessitou de confirmação de outros, mas a própria voz de João O Baptista era confirmadora em si.
Mesmo no deserto, pela naturalidade espiritual de uma dura mensagem [Lc.3.7.ss. vide abaixo] João foi hóspede entre os céus e terra da comunidade israelita daqueles dias, ávida de ouvir a voz do Senhor Sabaot.
Manifestação e Confirmação pelo próprio Cristo.
Mas, então, que fostes ver? Um profeta? Sim, vos digo eu, e muito mais do que profeta;porque é este de quem está escrito: Eis que diante da tua face envio o meu anjo, que preparará diante de ti o teu caminho. Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista; mas aquele que é o menor no Reino dos céus é maior do que ele. E, desde os dias de João Batista até agora, se faz violência ao Reino dos céus, e pela força se apoderam dele. Porque todos os profetas e a lei profetizaram até João. E, se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir.
VIII - ACORRERAM AO DESERTO.
Haveria coisa boa, no deserto?
Sempre estamos dispostos a entender que deserto só é local de coisa difícil ou ruim, mas João O Baptista, Moisés, Jesus serviram-se da mesa do Senhor, no deserto.
Profeta brota e se manifesta no deserto. Osvarela
VIII – 1- OS QUE FORAM TER COM JOÃO EM BETÂNIA, ALÉM DO JORDÃO.
De toda a sociedade em Israel foram ter com João para o batismo do arrependimento, confirmando sua chamada profética.
- Um susto nos corações em relação a atividade religiosa.
Uma boa surpresa, mas havia uma expectativa a ser confirmada, serio ele O Profeta, que era profeta todos já sabiam, mas serio ‘O’?
Lc.3.15. Ora, estando o povo em expectativa e arrazoando todos em seus corações a respeito de João, se porventura seria ele o Cristo,
João 1.21-23. Ao que lhe perguntaram: Pois que? És tu Elias? Respondeu ele: Não sou. És tu o profeta? E respondeu: Não. Disseram-lhe, pois: Quem és? Para podermos dar resposta aos que nos enviaram; que dizes de ti mesmo? Respondeu ele: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías.
- Dos funcionários do Estado judeu, mesmo vassalos. Lc.3.7. 12 E chegaram também unspublicanos, para serem batizados, e disseram-lhe: Mestre, que devemos fazer? 13 E ele lhes disse: Não peçais mais do que aquilo que vos está ordenado.
A- MULTIDÃO Do povo, o mais necessitado e carente desta resposta do Senhor; Lc.3.7.ss.Dizia, pois, João à multidão que saía para ser batizada por ele [...]E a multidão o interrogava, dizendo: Que faremos, pois? E, respondendo ele, disse-lhes: Quem tiver duas túnicas, que reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos, que faça da mesma maneira.
B- PUBLICANOS- Lc.3.12-13. Chegaram também uns publicanos para serem batizados, e perguntaram-lhe: Mestre, que havemos nós de fazer?Respondeu-lhes ele:Não cobreis além daquilo que vos foi prescrito.
C- Da Soldadesca. Lc.3. 14. E uns soldados o interrogaram também, dizendo: E nós, que faremos? E ele lhes disse: A ninguém trateis mal, nem defraudeis e contentai-vos com o vosso soldo.
B- Dos Anciãos;
C- Dos Sacerdotes;
D- Dos Conselhos de anciãos;
E- Do Sinédrio; João 1. 19. E este é o testemunho de João, quando os judeus mandaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para que lhe perguntassem: Quem és tu?
Sacerdotes
Levitas
F- Dos líderes das várias seitas.
Saduceus
Fariseu
Zelotes – acostumados no deserto.
Essênios
IX- Como Considerar João O Baptista Como Último Profeta da Antiga Aliança.
1-João Demonstra.
a-Ter a vidência. Não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai, porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão. 1 Sm.9.9. (Antigamente em Israel, indo qualquer consultar a Deus, dizia assim: Vinde, e vamos ao vidente; porque ao profeta de hoje antigamente se chamava vidente.)
b-Conhecer antecipadamente pelo Espírito Santo. E, estando o povo em expectação e pensando todos de João, em seu coração, se, porventura, seria o Cristo, respondeu João a todos, dizendo: Eu, na verdade, batizo-vos com água, mas eis que vem aquele que é mais poderoso do que eu,
c-Ser porta-voz de uma Mensagem divina.
-Respondeu ele: Eu sou a voz do que clama no deserto:
-Dizia, pois, João à multidão que saía para ser batizada por ele...
E também já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não dá bom fruto é cortada e lançada no fogo.
d-Ter resposta para o povo que vinha consultá-lo, como aos profetas anteriores, a ele.
E a multidão o interrogava, dizendo: Que faremos, pois? E, respondendo ele, disse-lhes:
X- IDENTIFICANDO UM PROFETA.
Quando nos deparamos com o texto de João 1.9.ss, temos a nítida e literal visão de que João, a si mesmo não se auto denomina o Profeta.
O que ele quis dizer com isto, com esta afirmação?
Como ele pode afirmar isto, se estamos estudando a sua atuação como Profeta?
Há um modelo para o agente divino, daquele período profético, o qual serve para denominarmos, o agente divino como Profeta.
Tal assunto, já estudado sobre o que faz e como age um profeta.
Existem peculiaridades, que o fazem ser chamados de profeta.
- Em primeiro lugar.
Os Profetas Eram Pregadores.
Nesta função eles admoestavam ao povo; anunciar os terrores divinos; chamar ao arrependimento.
- Em segundo lugar.
Os Profetas Prediziam.
Assim, João se enquadra como predecessor e anunciador da vinda do Cristo.
- Em terceiro lugar.
Os Profetas Eram Atalaias. Neste sentido servia como acusador da Nação pela violação da Aliança Mosaica.
Prevenir o povo quanto a apostasia. Envolvimento com cultos adúlteros; apontar o formalismo e ritualismo da religião.
Lc.3.7.ss. Dizia, pois, João à multidão que saía para ser batizada por ele: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir?8 Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento e não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai, porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão.
Nestes aspectos João cumpre todos os quesitos do Verdadeiro Profeta do AT.
Ele consegue atrair a si e há um convencimento de todos que se consideravam necessitados de se arrependimento e reencontrar com o Senhor Deus de Israel.
Lc.3.7.ss. Dizia, pois, João à multidão que saía para ser batizada por ele[...]
Lc.3.10. E a multidão o interrogava, dizendo: Que faremos, pois?
Leia os versículos seguintes.
O axioma proposto pelos que o inquiriam é demonstrado na resposta de João O Baptista.
Ele está citando e referindo-se a outro trecho das Escrituras, na Lei, para qual ele estava chamando a atenção dos que conheciam as mesmas.
Os fariseus - João 1. 24. E os que tinham sido enviados eram dos fariseus.
XI- João aponta para o trecho das Escrituras, na Lei, onde há a indicação da vinda DO Profeta.
Este profeta seria O Profeta da Nova Aliança.
O MESSIAS.
João 1. 21. Ao que lhe perguntaram: Pois que? És tu Elias? Respondeu ele: Não sou. És tu oprofeta? E respondeu: Não.
Ele continua e afirma o que ele era, e quem seria mostrado a todos como O Profeta e Messias.
Um Profeta, de maneira indireta, ele o afirma, sob a condicionante da definição, pela qual um Profeta é uma Voz de Deus aos homens.
Ele era a Voz.
João 1. 23. Disse: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías.
Da mesma forma, ao lermos o Texto da leitura em Classe, há a confirmação da boca do Próprio Profeta preanunciado por Moisés.
Deuteronômio 18.15 O SENHOR, teu Deus, te despertará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis;
XI-1- JESUS O CRISTO DE DEUS.
Muitos pensam que Jesus tinha por sobrenome Cristo.
Na realidade Cristo é um título do Messias, que significa Ungido.
Jesus [Yeshoua - Yesous – Jesous – “Ele deverá salvar”]era um nome até de certa forma comum.são encontrados 10 homens com este nome [Yeshoua] no AT. No NT além do próprio Jesus de Nazaré encontramos 3 outros homens com este nome.
Uma corruptela de Josué – Yehoshua [Jeová é Salvação].
Mas com o acréscimo de Cristo, ou Messias ele se torna a figura divina Profetizada pelos Profetas, e o esperado pela Nação de Israel, o sagrado filho de Deus.
A palavra "Cristo" (em grego Χριστός (Christós), ou seja, "Ungido") é uma tradução literal de Messias (Mashiyach).
João 4:25 Eu sei, respondeu a mulher, que há de vir o Messias, chamado Cristo; quando ele vier, nos anunciará todas as coisas.
Em hebraico Cristo quer dizer Messias, em grego Cristo quer dizer Ungido, Jesus o messias, Jesus o Ungido.
A transliteração para a nossa língua retira um pouco do significado da palavra Christos, o significado melhor aproveitado seria: Jesus Cristo, O Messias, ou Jesus, o Ungido, para dar ênfase ao fato de que Jesus era o Ungido por Deus, o prometido Messias, acho importante, mas creio que, Jesus Cristo, pela evolução lingüística já dá a conhecer a todos, que Jesus Cristo é o Messias para Israel e o Ungido para todos os homens. João 4:25.
João 1:41 Ele achou primeiro o seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Achamos o Messias (que quer dizer Cristo)...
24-31. E os que tinham sido enviados eram dos fariseus. Então lhe perguntaram: Por que batizas, pois, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?
A qualificação do Cristo os fariseus sabiam, era maior e com mais autoridade do que a de um Profeta humano, e eles mesmos conhecedores da atividade batismal entre os judeus, com significado de vínculo de mudança de vida ou introdução religiosa, pensaram que João O Baptista era o Cristo, pela audiência e resposta de todo povo, em chegar-se até onde João estava e pela sua mensagem de Arrependimento.
Ledo engano.
Necessitou que João fizesse a apresentação do Cristo, que já estava entre eles, sem contudo se ter revelado.
João 1. 15-17. João testificou dele e clamou, dizendo: Este era aquele de quem eu dizia: o que vem depois de mim é antes de mim, porque foi primeiro do que eu.E todos nós recebemos também da sua plenitude...
Eles não conseguiram entender e discernir a ação, daquilo que estava nas Escrituras.
João 1.26. Respondeu-lhes João: Eu batizo em água; no meio de vós está um a quem vós não conheceis. Aquele que vem depois de mim, de quem eu não sou digno de desatar a correia da alparca [...].No dia seguinte João viu a Jesus...disse: Eis o Cordeiro de Deus... Este é aquele de quem eu disse: Depois de mim vem um varão...porque antes de mim ele já existia. Eu não o conhecia; mas, para que ele fosse manifestado a Israel, é que vim batizando em água.
Esta lição nos da a oportunidade para que sejamos conhecedores da posição da Profecia em Israel e como ela chegou no tempo desejável para pré-anunciar O Profeta.
Para isto, Deus envia de ventres amortecidos, um convocado para restabelecer o Ministério Profético entre seu povo.
Demonstra que Deus não se esqueceu da sua Aliança com Israel e voltou a falar com Israel através de um profeta, afim de, encerrar um ciclo de seu Plano redentivo e iniciar a execução da etapa da plenitude salvífica através do Poderoso Profeta de Nazaré.
João O Baptista, com a autoridade similar de Elias se apresentou, falou e veio morrer em tenra idade pelas mãos de Herodes, tendo sua cabeça sido colocada num prato.
Significa entregue pela vontade de uma tresloucada e adúltera mulher, assim como Elias foi cassado por outra mulher louca e irreligiosa, antagônica de deus – Jezabel.
Profetas estão sempre no tênue fio da vida, passíveis de pela sua atuação e honestidade para com a Palavra e ao Senhor seu Deus sofrerem danos, até mesmo de caráter fatal.
Deus ainda precisa de homens como João O Baptista para anunciarem, agora, a segunda vinda do Messias, não como homem, mas como Rei e Senhor eterno.
Estejamos prontos para tal atividade profética.
FONTE.
Apontamentos do autor.
Publicado em 12 de Dezembro de 2008 as 04:49:52 PM
O TESTEMUNHO DE FLÁVIO JOSEFO SOBRE O CANON PROTESTANTE HEBRAICO. DO AUTOR.
Pr. Esdras Bentho – Teologia e Graça.
Carlos Rocha
Mário Eduardo Viaro é professor de língua portuguesa da USP – Revista Língua
Dicionário de Covarrubias (1611)
Outros no corpo do texto.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical