sábado, novembro 20

A Oração Sacerdotal de Jesus Cristo.

Lição 08-CPAD-4ºTrimestre 2010.
Autor:Osvarela
Lc.6.12. E aconteceu que naqueles dias subiu ao monte a orar, e passou a noite em oração a Deus.
LEITURA EM CLASSE
João 17.1-4; 15-17; 20-22.
João 17.1-4. JESUS falou assim e, levantando seus olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti; Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste. E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.Eu glorifiquei.
15 Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.
16 Não são do mundo, como eu do mundo não sou.
17 Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.
20 E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim;
21 Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
22  E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um.
Glossário.
Convencer – elegcheoexpor, resistir; envergonhar, por exposição, oposição; No contexto neotestamentário, significa mostrar a alguém o seu pecado e convocá-lo ao arrependimento.
Tirará- airo – conquistar, levar embora;levar à força, remover e tomar; no NT diz respeito a literalidade de Cristo levar o pecado embora [João1.29], de nós os crentes, que procuramos colocar de lado, as atitudes negativa – Ef.4.31] e tomar a cruz de Cristo – Mt.16.24.Pode também ser utilizado, para a ação maligna em arrancar a Palavra de Deus do coração dos ouvinte {ação de Satanás].
Aflições – thlipsis – Pressão, opressão;apertar, sofrimento;colocar muita pressão no livre e liberto do pecado, esta é a ação do mundo: pressionar espiritualmente a Igreja.Uso no contexto, da época, era usada para o ato de esmagar uvas ou azeitonas na prensa.
DESTAQUES:
Oração do Senhorum outro nome para esta Oração de Jesus.
A Tríplice Petição:
A glorificação do Filho, pelo Pai. – vs.1-5;
Santificação dos Apóstolos e discípulos e a da Igreja.- vs.2-19;
A Unidade, ou unificação da Igrejavs. 20-26.
Além destes pontos basais para o entendimento desta Oração Sacerdotal:
Verdadeé a revelação da realidade, entendida por Deus, revelada pelas Escrituras, e por seu Filho. Hb.1.1,3. Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias a nós nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, e por quem fez também o mundo; sendo ele o resplendor da sua glória e a expressa imagem do seu Ser, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo ele mesmo feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade nas alturas,
Santificação – tornar santo, separar para uso sagrado, isto é para Deus. 17 Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade.
Palavra de Deus. JOÃO 1.1. No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 14. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai. 18. Ninguém jamais viu a Deus. O Deus unigênito, que está no seio do Pai, esse o deu a conhecer.
I JOÃO 1.1,2. O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida (pois a vida foi manifestada, e nós a temos visto, e dela testificamos,
INTRODUÇÃO:
Quando lemos a Oração sacerdotal no capítulo 17 do Evangelho segundo São João, temos que entender, que faz parte de um longo discurso[João 13.31-João 17], de Jesus, no qual está incluída a figura sacrossanta, do Espírito Santo, como condutor da Igreja, isto é, dos crentes em Jesus, que lhes falaria toda a Verdade.
Ele o Espírito Santo é quem vai guiar os que crêem em Jesus nesta Verdade.
A palavra utilizada, como guiar – é ‘hodegeo’, que significa e transmite um entendimento apropriado a imagem de alguém conduzindo um estranho num campo desconhecido.
Primeiramente, Jesus nos ensina:
Através da sua Oração por si mesmo, ao Pai.
O Pai é reverenciado por esta atitude de humildade, pelo Filho.
É o que nós primeiramente, aprendemos nesta Oração: Ser humildes, e nos apresentarmos, em primeiro lugar, a Deus em nossas Orações.
JOÃO 17.1-5. Depois de assim falar, Jesus, levantando os olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o Filho te glorifique; assim como lhe deste autoridade sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos aqueles que lhe tens dado. E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, como o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que tu enviaste. Eu te glorifiquei na terra, completando a obra que me deste para fazer. Agora, pois, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse.
Não é uma petição egoísta, mas para glorificação do Pai, é um agradecimento, pelo poder que lhe foi concedido, mesmo encarnado, como homem.
Ao tornar o Pai conhecido aos homens, Jesus o Glorificou.
João 12. 23,24. Respondeu-lhes Jesus: É chegada a hora de ser glorificado o Filho do homem. Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo caindo na terra não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto..
Seria reconhecido como o Salvador do Mundo, de todos os homens, como antítipo do nome de José, no Egito – Gn.41.45. Faraó chamou a José Zafnate-Paneã [Salvador do Mundo -]...
O Temor da Perda do Mestre:
Tranqüilizando o rebanho.
Os discípulos andaram com Jesus por três anos e agora parecem que vão perder o seu pastor e guia, mas Jesus além de entregá-los nas mãos do Pai, os deixará sob a ‘guia’ do Espírito Santo, algo que eles já conheciam, mas não vivenciaram, como vivenciariam após o dia de Pentecostes.
Era uma situação estranha para todos, mas Jesus vendo a estranheza, e a dificuldade dos discípulos em aceitarem a sua ida ao Pai, os orienta, que era necessária a sua partida:
Primeiro para cumprir a sua Obra Redentiva.
E segundo, para permitir a presença de um novo Deus entre os discípulos até a sua volta. “João.16.7. ...convém que eu vá, porque se eu não for, o Consolador, não virá a vós; mas, se eu for, enviar-vos-lo-ei
A Oração Sacerdotal de Jesus é uma peça, única, jamais ouvida pelos homens.
Nela estão contidos:
-A verdadeira caridade
-O verdadeiro pastor
-O cuidado diligente com o presente e com o futuro da Igreja
-A verdadeira face do diálogo com o Pai
-A manifestação do Filho junto ao Pai
-A verdadeira obediência
-Manifestação do nome do Pai ao Mundo e aos homens
Revelação que todos nós, os que cremos em Jesus, e o aceitamos como O Filho de Deus, somos do Pai e fomos dados a Jesus Cristo
Testemunho da crença no Filho enviado pelos seus discípulos
A Glória de Jesus é expressa naqueles que crêem em seu Nome
Jesus:
Plenamente Deus, mesmo ainda sendo homem - 
11 Eu não estou mais no mundo; mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda-os no teu nome, o qual me deste, para que eles sejam um, assim como nós.
12 Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu nome que me deste; e os conservei, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.
Entregando, aqueles aos quais recebeu, para seus, ao Pai, para que o Pai passe a defendê-los: Pela ira do mundo quanto a eles: 14 Eu lhes dei a tua palavra; e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.

Em Jesus, a oração sacerdotal descortina a Sua inteira deidade e a sua inteira humanidade, pela Onisciência e Onipresença, qualidades intrínsecas e únicas de Deus.
24 Pai, desejo que onde eu estou, estejam comigo também aqueles que me tens dado, para verem a minha glória, a qual me deste; pois que me amaste antes da fundação do mundo.
A Onipresença apresentada, ainda no corpo humano – Jesus se apresenta com a mesma qualidadee deidade, do Pai.
Já vê[já está] o seu lugar na Glória, e a a Igreja junto a Ele, na Glória do Pai.
11 Eu não estou mais no mundo
12 Enquanto eu estava com eles
14 Eu lhes dei a tua palavra; e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.
24 Pai, desejo que onde eu estou, estejam comigo também aqueles que me tens dado,... pois que me amaste antes da fundação do mundo.
Somos, como Jesus, cidadãos dos Céus.
16 Eles não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.
Aprendemos a lição, de que, não somos mais do mundo, e por isto, pela Palavra crida, seremos odiados pelo mundo, não pense que o mundo – o sistema – veja você, como uma pessoa pela qual ele possa realizar alguma coisa favorável, se isto acontece, é pela Oração Sacerdotal, através da ação do Pai, pelo Filho, por ver que aceitamos o Filho, como presença do Pai entre nós.
Jesus mostra aos discípulos, que somos, pela crença N’Ele, parte da Igreja, ou seja parte do Ministério da Verdade, no Mundo, no meio de uma geração perdida, ansiando pela Verdade.
Um povo santificado pela Verdade.
Por que a necessidade de sermos protegidos no mundo e do mundo?
João 16.3. E isto vos farão, porque não conheceram ao Pai nem a mim.
Mundo – é um sistema que é regido pelo principado parasita do mal - 15 Não rogo que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno.
A Oração quanto ao futuro da Igreja
A inclusão de todos os santos de todas as épocas, numa só Oração.
20  E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim;
Saiba e ensine que nós estamos incluídos na Oração de Jesus, por isto estamos protegidos, por ela.
Mas, porque a sua ação é contínua, onipresente e tem poder, mesmo através dos séculos, nos alcançando, por causa destas palavras dirigidas ao Pai pelo Filho, no qual cremos e tem nossa garantia, diante do Pai, através do Filho, com a ajuda do Espírito Santo.
Aprendemos, que a presença da Trindade é externada sob esta oração, pela Palavra revelada, pelo convencimento, Obra do Espírito Santo, mas sobre tudo pela Plavra do Filho, Autor da Eterna Salvação, comprando-nos com seu Sangue, na Cruz.
-A oração da unidade da Igreja
-A apresentação do pai ao Mundo como único
-O exercício da Glorificação do Pai
Ansiando voltar para junto ao Pia, pela certeza de ter obedecido ao Pai.
13 Mas agora vou para ti; e isto falo no mundo, para que eles tenham a minha alegria completa em si mesmos.
Mudando o nosso estado de cidadania.
De cidadão do mundo a cidadão dos Céus.
15 Não rogo que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno.
De homens comuns a homens separados, de cidadãos do mundo, a cidadãos dos céus.
Conseqüências:
Santificação
Podemos ser enviados ao mundo para Proclamar a Verdade de Deus o Pai e a nova vida no Filho, a Verdade de Deus no Mundo físico e espiritual, no espaço místico distante dos homens e das potestades.
17 Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade.
18 Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviarei ao mundo.
19 E por eles eu me santifico, para que também eles sejam santificados na verdade.
O processo da santificação do homem Jesus se consuma, por inteiro, na Cruz, mesmo ele sendo santo e nunca tendo pecado, por nós nesta Oração ele revela que somos o objeto da sua santificação.
A Palavra do Pai é a Verdade, através do Verbo encarnado.
Jesus ora ao Pai por ter sido receptor em si mesmo, aqui, é uma Revelação, que encontramos em João 1, quando tocamos na Palavra – Verbo e vimos a sua Glória, como a Glória do Unigênito do Pai, o Único.
13 Mas agora vou para ti; e isto falo no mundo, para que eles tenham a minha alegria completa em si mesmos.
14 Eu lhes dei a tua palavra;
Os ensinos de Jesus é a Palavra doada de Deus para nós, pelo Filho, e isto nos faz ter a mesma alegria, que Jesus teve ao nos ceder o conhecimento revelativo, no qual cremos pela fé em seu Nome, como Filho.
A ação da Palavra.
A Palavra – Jesus – nos leva a:
Receber a glória do Pai
Faz-nos um, como o Pai, e o Filho
Traz Unidade.
Unidade: é estar intrinsecamente ligados, sem divisão, mas como a Trindade, persiste e existe em três personalidades;
Nesta parte da Oração Sacerdotal, Jesus pede pela unidade daquela geração, a sua geração, mas também pelas gerações futuras.
Ele inclui na sua petição:
Não uma unidade institucional, mas uma instituição espiritual, a ser manifesta na vida espiritual da Igreja e proclamará, e testemunhará sobre a missão, que Jesus sabia estar perto a encerrar, a missão divina de Cristo entre os homens.
A Unidade total, será plena, e consumada no céu – vs. 24-26.
A Igreja e Jesus é para ser um corpo, com vários membros, que se completam em si mesmo, através do que liga as juntas.
Jesus está em nós, é a petição, mais linda desta Oração Sacerdotal.
Imagine O Cristo de Deus está em mim, em você em perfeição, nos aperfeiçoando.
Isto faz com que nós sejamos plenamente santificados por Jesus estar em nós e nós nele.
Ilustração:
Certo crente, trabalhador em uma fundição, vivia dizendo: “Ele está em mim e eu estou N’Ele”.
Um engenheiro, líder de sua equipe, o questionava, dizendo: “a física diz que dois corpos não ocupam o mesmo espaço, como isto pode ser possível?”
O trabalhador cristão, retira do forno uma peça em fase, de ‘derretimento’, mas, ainda em sua forma original, e mostra, ao seu chefe, a peça, ígnea e com chamas, fogo e metal estão em uma fase, na qual, se pode distinguir, a ambos, e pergunta: “o metal e o fogo estão juntos, pode –se saber, quem é a chama e que é a peça? Assim sou eu e Jesus, Ele em mim e eu N’Ele! ”.
Que nós sejamos misticamente, sempre unidos a Cristo, pelo seu corpo místico a Igreja.
22 E eu lhes dei a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um;
23 eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, a fim de que o mundo conheça que tu me enviaste, e que os amaste a eles, assim como me amaste a mim.
Esta união é aperfeiçoada, pelo Amor, do Pia ao Filho, que os Une e nos liga ao Pai pelo Filho. Aleluia!
CONCLUSÃO:
7 Agora sabem que tudo quanto me deste provém de ti;
8 porque eu lhes dei as palavras que tu me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste.
A Oração Sacerdotal nos garante uma vida, no mundo, mesmo não sendo do mundo, mas sendo protegidos, como proclamadores, através da nossa garantia, por ter crido no Filho, o qual nos apresentou ao Pai, como deles, e nos protege, com a presença e com o ensino da Verdade, que os traz santificação pela Palavra, que nos limpa, nos santifica, através do convencimento desta Verdade, na ação do Espírito Santo.
Como devemos utilizar esta Oração?
Comprometemos-nos, com:
Os padrões espirituais, contidos em seu texto;
A utilizarmos para exaltar Jesus, em nossas vidas pessoais e como Igreja, da qual somos membro do Corpo;
Para entendermos o Grande Amor, do Pai nos doando o Filho e o amor expresso, na morte e doação da vida pelo Filho, além de nos conceder o Consolador, para ‘que fique conosco’;
Como Jesus, nos ensinou, utilize a sua crença e fé em Jesus para proclamar a outros.
Recebeste de graça, de graça daí...Mt.10.8
Fonte.
Bíblia Plenitude
Bíblia digital – cortesia Tio Sam
Comentário Cultural do Novo Testamento – CPAD
PEBíblica- OSBoyer Editora Vida
Strong 

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical