domingo, fevereiro 6

Três em Uma. - Egito e outros

Egito e Mundo Muçulmano.
Bangladesh. Direitos das Mulheres.
Uma análise do pano de fundo da situação, aparentemente política do Egito.
O pano de fundo destas ações é um só religiosidade!
Personagens.
Os Irmãos Muçulmanos.
Fundados em 1928, proibidos em 1954, os Irmãos Muçulmanos, que representam o mais poderoso e mais bem organizado dos movimentos de oposição à autocracia egípcia, são tolerados “de facto” por um governo que reconhece sua contribuição sócio-educativa a uma sociedade onde metade dos 80 milhões de pessoas sobrevive, mal, abaixo do nível de pobreza.
Reprimido pelo governo, principal movimento de oposição no Egito estava dividido quanto a seu futuro.
O governo de Hosni Mubarak decidiu nos tirar de cena”. Khalil al-Anani, do Centro de Estudos Estratégicos de Al-Ahram no Cairo, um dos mais importantes pesquisadores egípcios sobre o tema, concorda: “Parece que o regime decidiu excluir totalmente os Irmãos do jogo político”. Amr al-Shobaki, da mesma instituição, acaba de publicar uma cuidadosa pesquisa sobre a irmandade pela editora Actes Sud. Ele também acredita que o movimento, tem o apoio de vários milhões de egípcios"
É sob esta visão que uma forte ala político-religiosa dominada pelos Imrãos muçulmanos pode desestabilizar a retomada democrata no Egito.

Yusuf al Qaradawi - é um estudioso do Islã que trabalha na Universidade do Qatar. E principal responsável pelo Conselho Europeu para Pesquisas e Fátuas.
 Deve ser encarada como uma fonte irradiadora de ações, já publicadas neste site, como impedimento de casamentos mistos, com dissolução destes casamentos, sob pena de perda da cidadania egípcia;
Penas duras a todos os que confessam outra fé;
E outras medidas antidemocráticas.
Leia e entenda como eles são fortes e dissimulam sob seus reais projetos de domínio do poder, que podem levar o Egito a se tornar um novo Irã.
A Irmandade Muçulmana não quer "que a insurreição (no Egito) seja apresentada como uma revolução islâmica", explica seu porta-voz Rashad al Bayumi, em entrevista à edição da próxima segunda-feira da revista alemã "Der Spiegel".
"Nos mantivemos num segundo plano" durante as manifestações, por "não querer que sejam apresentadas como uma revolução da Irmandade Muçulmana, islâmica. É um levantamento do povo egípcio", explica al Bayumi.
O número dois da organização islamita lamenta que o regime do presidente Hosni Mubarak "transmita voluntariamente uma visão deformada do movimento e manipule a opinião pública".
"O Ocidente não quer nos ouvir. Não somos diabos. Queremos a paz, não a violência. Nossa religião não é diabólica. Nossa religião respeita os fiéis de outras crenças, esses são nossos princípios", assegura.
Na mesma edição do semanário aparece, também, uma entrevista com o senador republicano americano John McCain, rejeitando a ideia de uma participação dos Irmãos Muçulmanos num governo de transição, porque seria "um erro histórico".
"A Irmandade Muçulmana é um grupo extremista, que tem como principal objetivo a instauração da Sharia, o código de leis islâmicas. É totalmente antidemocrático, em especial no que se refere aos direitos das mulheres", acrescentou McCain.
Eu creio pessoalmente, que infelizmente eles acabarão por dominar a cena política egípcia com ou sem força militar, com ou sem a vontade das partes importantes da sociedade egípcia.
Infelizmente é mais um sinal da Iminência, ou diria: “felizmente?”

Explosão atinge gasoduto no Sinai; Egito fala em sabotagem.

CAIRO - Um gasoduto da cidade de Arish, na península do Sinai, no Egito, explodiu neste sábado, num incidente que não deixou vítimas e foi classificado pela TV estatal como sabotagem.
Em comunicado, a companhia de gás responsável pelo duto disse que a explosão foi causada por um pequeno vazamento. O governo regional, no entanto, não descartou a possibilidade de sabotagem.
O fornecimento de gás para Israel e Jordânia, os dois países conectados pelo duto, foi cortado, segundo agências de notícias. Com isso, foi possível contar o incêndio, que gerou uma fumaça que podia ser vista da Faixa de Gaza, a 70 quilômetros do local.
Fontes da inteligência egípcia, citadas pelas agências internacionais, falam em ação terrorista. Nos últimos dias, radicais islâmicos teriam pedido aos simpatizantes ações do tipo contra Israel, se aproveitando da situação de instabilidade no Egito.
O Egito não é um grande exportador de gás, mas o leva a Israel e Jordânia por gasodutos como o que explodiu neste sábado. Israel importa 40% do gás natural que consome do Egito, e a Jordânia, 80%.
A explosão acontece no momento em que, pelo 12º dia consecutivo, manifestantes se reúnem no centro do Cairo em protesto contra o ditador Hosni Mubarak.

Notícia 2

Menina de 14 anos morre em Bangladesh ao receber 80 chibatadas

Jovem punida por tribunal religioso por 'atos imorais' teria sido estuprada pelo primo, segundo mídia bengali.

Inversão de valores morais
Mulher não representa, ainda hoje, um ser com valor igual aos homens.
São abusadas e ainda são vitimizadas com duras penas físicas e até a morte pelos próprios familiares, ou passam a ser alvo de desprezo das sociedades tribais ou da localidade aonde residem.


Uma adolescente de 14 anos morreu após ter recebido 80 chibatadas em Bangladesh, como punição por ter tido um relacionamento com um primo que era casado.
A sentença tinha sido decretada por um tribunal religioso na cidade em que a jovem vivia, Shariatpur, no sudoeste do país, a 56 quilômetros da capital, Daca.
Hena Begum foi acusada de ter mantido uma relação sexual com seu primo de 40 anos de idade, que era casado.
Ele também foi condenado a receber cem chibatadas, mas conseguiu fugir.
A adolescente desmaiou enquanto recebia condenação das cem chibatadas, e chegou a ser levada para um hospital local, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo seis dias após ter sido internada.
O imã (clérigo muçulmano) Mofiz Uddin, responsável pela fatwah (sentença) contra Hena, e outras três pessoas foram presas. O caso está sendo investigado.
'Atos imorais':  
Atraídos por gritos de socorro de Hena, moradores locais chegaram a acudir a adolescente. Mofiz Uddine -foto abaixo- também se dirigiu ao local, juntamente com professores da madrassa (escola de ensinamentos islâmicos) da região.
Os jornais bengalis informaram que em vez de tomar uma ação contra o autor do suposto estupro, os religiosos trancaram a jovem dentro de um quarto.
No dia seguinte, o mesmo imã e representantes do Comitê da Sharia, o código de leis muçulmanas, acusaram Hena de ter cometido atos de ''sexualidade imoral'' fora do casamento.
Os religiosos disseram à polícia que Hena teria sido pega em flagrante quando mantinha relações sexuais com um morador do vilarejo.
Pessoas da família do primo casado também teriam espancado a adolescente, um dia antes da fatwa ter sido decretada.
Autoridades do vilarejo também exigiram que o pai da jovem pagasse uma multa equivalente a R$ 419.
Comitês que obedecem princípios religiosos vêm se tornando influentes em diferentes países com população de maioria islâmica, mesmo sendo ilegais em muitos deses países.
A sentença contra Hena Begum foi a segunda morte provocada por uma sentença ligada à sharia desde que a prática foi proibida pela Corte Suprema de Bangladesh.
Cerca de 90% dos 160 milhões de habitantes de Bangladesh são muçulmanos, dos quais a maior parte segue uma versão moderada do Islã.
Desdobramento:
[tradução livre da fonte indicada]
A Alta Corte ordenou ontem aos representantes do distrito na Shariatpur para explicar porque falhou em proteger a Hena vítima de estupro de 14 anos de idade, de ser chicoteada até a morte como por uma fatwa na segunda-feira.
O vice-comissário, o superintendente da polícia de Shariatpur e a oficial 'nirbahi ' de Naria - onde ocorreu o incidente - terão de apresentar um relatório a Alta Corte [HC]em 15 dias como aconteceu apesar de o Tribunal de Justiça (HC) tinha oito meses atrás declarado ilegal a fatwa como um delito punível.
Em uma regra própria, a Alta Corte[HC] também os orientou para relatar o que as medidas que tenham tomado a esse respeito.
Uma Vara da Alta Corte composta dos  Juízes [AHM-Suprema Corte] Shamsuddin Chowdhury Manik e Sheikh Md Zakir Hossain emitiu a seguinte regra relatos da imprensa sobre o assassinato de Hena.
Os relatórios disseram que Hena foi estuprada por seu parente Mahbub de 40 de idade, no domingo. 
No dia seguinte, uma "fatwa" foi anunciada em uma arbitragem local, espécie de justiça religiosa dos vilarejos, determinando, que Hena deveria receber 100 chibatadas. 
Ela caiu inconsciente depois de quase 80 chicotadas.
Hena mortalmente ferida foi levada para o complexo de saúde Naria, onde ela sucumbiu aos seus ferimentos.
O advogado Seema Zahur,  deu entrevista coletiva a Imprensa, ontem, antes do pronunciamento, da bancada do Supremo Tribunal [HC], apresentando um relatório sobre o incidente, em nome da Associação Nacional de Mulheres Juristas de Bangladesh .
Enquanto isso, outra turma do Supremo ordenou ontem, a aplicação da lei  e a apresentação de um relatório, no prazo de três semanas,  sobre quais medidas foram tomadas na sequência deste incidente, à luz do seu julgamento sobre a punição extra-judicial.
A bancada
de Justiça composta por Syed Mahmud Hossain e  Juiz especializado em Justiça islâmica, também ordenou que o Ministério da Informação  inicie uma campanha de mídia para criar a consciência entre as pessoas contra a punição extra-judicial.
A banca liderado pelo Juiz Mahmud Hossain Syed, em 08 de julho do ano passado deu o veredicto declarando ilegal qualquer tipo de punição extra-judicial, incluindo aquelas em nome da "fatwa" na arbitragem local.
Depois de três petições, o juiz dirigiu às autoridades competentes para tomar medidas punitivas contra pessoas envolvidas na execução "fatwa" contra as mulheres.
Ele também observou que infligir castigo brutal, que incluía surrar, chicotadas e espancamento através de arbitragem local, por pessoas desprovidas de autoridade judicial constitui violação dos direitos constitucionais.
Rabia Bhuiyan, Sara Hossain e Mahbub Shafique e o defensor Hafizul Alam, os advogados dos peticionários, enviaram a decisão para a Junta, após o incidente envolvendo Hena.
Salish Kendra (ASK), um verdadeiro cão de guarda dos direitos humanos, expressa sua profunda preocupação e choque ontem no assassinato de adolescente vítima de estupro Hena.
Ele exigiu uma ação punitiva contra aqueles que imposuseram ta "fatwa" sobre Hena.
A ASK exortou o Governo a tomar medidas eficazes para impedir a recorrência de tais incidentes. The Daily Star - Dakha

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical