quinta-feira, abril 26

Música! Um Desafio aos Músicos Crentes, que Abre Portas no Mundo Profissional!

Guia de Carreiras:
Música!
Um Desafio aos Músicos Crentes, que Abre Portas no Mundo Profissional!
O Jovem cristão tem oportunidades na sua vida que lhes pode ajudar nas atividades Profissionais, uma delas é a Música.
Aprendida, na maioria das vezes sem custo, ou a um custo desprezível, desde a infância, adolescência.
Alguns descobrem que esta área lhes pode ser, muito útil na vida secular.
Outros não atinam para isto e pensam, que só pode ser utilizada na Igreja, na  Adoração a Deus.
Um destes expoentes, que descobriu esta união possível é hoje um dos maiores Maestros do Mundo Roberto Minczunk, músico oriundo das Asembléias de Deus-SP.
O maestro Roberto Minczunk maestro da OSB que atua no Teatro Municiapl do Rioo de Janeiro - Brasil.
Este artigo, nos mostra como unir a Adoração com a Profissão.
Música:
Vestibular para música exige que o candidato já tenha formação básica.
É possível, porém, atuar apenas com o curso técnico ou treino informal.
Ana Carolina Moreno Do G1, em São Paulo
Quando tinha 14 anos, Danilo Araújo foi convencido a entrar para a fanfarra da Escola Estadual Professora Maria Peccioli Giannasi, na Zona Sul de São Paulo, com o argumento de que ganharia nota extra em matemática. Pediu para tocar guitarra, mas, por falta de vagas, acabou recebendo um trompete. Hoje, dez anos depois, o instrumento continua em suas mãos por pelo menos oito horas diárias. Estudante do segundo ano do curso superior de música na Faculdade Mozarteum de São Paulo, e aluno da Escola de Música do Estado de São Paulo - Tom Jobim (Emesp), Danilo vive apenas da paixão que conheceu ao acaso, na adolescência.
"Toco em eventos, bares de jazz, restaurantes, tenho um quinteto de metais que trabalha com músicas brasileiras, toco em orquestra, faço cachês e dou aula", diz o trompetista de 24 anos, que pretende um dia ser professor universitário e consultor na área.
Danilo Araújo, de 24 anos, estuda música e toca trompete há dez anos (Foto: Ana Carolina Moreno/G1)
Danilo é um exemplo comum na carreira de músico. Segundo o professor Everton Gloeden, que dá aulas de violão erudito na Emesp, a carreira "é mais uma vocação do que uma profissão" e, hoje em dia, os músicos com bacharelado devem estar preparados para atuar tanto na música clássica quanto na popular, além de manter várias fontes de renda.
De acordo com Roberto Bueno, secretário-geral da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) e presidente da regional São Paulo, hoje o país tem cerca de 600 mil pessoas vivendo da profissão. "Mas só cerca de 5% dos músicos, independente de ter faculdade ou não, ganha o que quer e quanto quer, porque já chegaram nos pícaros da glória", diz.
Bueno cita como exemplo a dupla de música sertaneja Chitãozinho e Xororó, dois dos músicos mais famosos do Brasil, que não têm formação formal na área.
Ele explica ainda que outros 5% dos músicos brasileiros têm salário fixo e direitos trabalhistas assegurados porque trabalham em orquestras ou como professores universitários, por exemplo. Outros 5%, segundo ele, são donos de bandas de música, escolas livres ou conservatórios, e também conseguem sobreviver disso. Os demais 85% da categoria atuam como autônomos. Os sindicatos mantêm tabelas de preços dos cachês, mas nem sempre elas são seguidas, diz.
Pianista da Sandy
Eloá Gonçalves, de 26 anos, está na última categoria. A pianista, que concluiu recentemente  seu mestrado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), começou a tocar teclado aos 8 anos e, aos 14, passou às aulas particulares de piano erudito, única opção disponível na pequena cidade em que cresceu. A opção pela faculdade ela fez ao terminar o ensino médio, quando começou a se interessar por jazz e foi aprovada no vestibular do curso de música popular da Unicamp, um dos poucos no Brasil a oferecer uma formação específica na área.
Eloá fez graduação e mestrado em música popular pela Unicamp, e hoje toca piano com a cantora
Sandy (Foto: Augusto Fidalgo/Arquivo pessoal)

"Nem tinha na cabeça a ciência de que existia esse meio acadêmico como forma de trabalho", afirmou ela. Para Eloá, além da base teórica e da orientação para a técnica de produção de arranjos, o curso superior também permite ao estudante conhecer "muito músico bom e ter contato com muita gente".
Hoje, além de fazer parte do quinteto Algaravia, que faz releituras de músicas clássicas, Eloá acompanha a cantora Sandy Leah em shows pelo Brasil. Ela participou também da gravação do primeiro disco solo da cantora, trabalho que conseguiu depois que Lucas Lima, marido e diretor musical do disco da cantora, a viu tocando na faculdade. "Ele fez composição na Unicamp, entrou no mesmo ano que eu", contou ela.
Segundo Eloá, muitos de seus colegas hoje trabalham com MPB ou optaram apenas por atuar na música clássica ou instrumental, mas alguns já acompanham bandas de axé, duplas sertanejas e rock nacional. "Infelizmente no Brasil a gente não tem público para consumir música erudita e instrumental, o músico que quer trabalhar como músico precisa atuar em vários campos diferentes."
A Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) emite quatro tipos de carteira profissional:
1) bacharel em música
2) técnico em música
3) músico aprovado por uma banca examinadora da OMB
4) músico prático
Carteira profissional
Para exercer a profissão, não é necessário ter diploma de curso superior na área, mas a lei 3.857 de 1960 exige que o músico tenha uma carteira profissional emitida pela OMB para se apresentar. Existem quatro categorias diferentes de carteira (veja lista ao lado), e apenas uma delas - a de músico prático - impede o profissional de dar aulas em cursos de ensino superior ou em conservatórios credenciados pelo Ministério da Educação.
De acordo com Bueno, os músicos devem assinar contratos com as casas de eventos e show para garantirem o recolhimento de impostos, mas, em 2011, a regional paulista da OMB realizou cerca de 900 fiscalizações a bares e encontrou irregularidades em 362 delas.
 
Ensaio da Osesp na Sala São Paulo(Foto: Ana Carolina Moreno/G1)
Vestibular exige formação básica
Quem atua na área afirma que a carreira de um músico tem semelhanças como a de um médico. "Quando você estuda medicina e quer ser cirurgião plástico, você não vai estudar cirurgia plástica. Você faz medicina, depois você escolhe e se especializa em uma ou em outra área", explica Ozeas Arantes, de 58 anos, que toca trompa na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), a principal no Brasil.
A diferença entre as duas carreiras, porém, é que a graduação em música serve como aperfeiçoamento e, no caso da medicina, o vestibulando entra na faculdade sem nenhum conhecimento teórico ou prático. O vestibular para música, além das questões de conhecimentos gerais do currículo básico do ensino médio, também tem uma prova de habilidades específicas que exige formação básica em teoria e prática musical.
Para Ozeas, a decisão do governo de retirar, há algumas décadas, a música do currículo básico escolar, privou as crianças e adolescentes da possibilidade de aprender, de forma lúdica, a ideia de proporção de tempo e espaço e noção de equilíbrio.
"O estudo da música ajuda na formação, ensina tempo, ritmo, divisão de compassos, você tem noção de tempo, de sonoridade muito grande, isso ajuda no desenvolvimento do ser humano. Mas foi tirado da nossa escola, infelizmente."
Resta aos pais estimular a musicalidade nos filhos em cursos livres, e investir na formação musical no conservatório. De acordo com o instrumento, a formação técnica pode durar entre três e oito ou nove anos.
Por isso, apesar de já ter dez anos de experiência e ainda ser jovem, Danilo começou tardiamente na carreira. Ele conta que, além da fanfarra, tocava na igreja, e que só aos 16 anos entrou para o conservatório. "Meu próprio professor já me instruía, e eu tive que correr atrás, estudar mais tempo para compensar o atraso e dar tempo de entrar na faculdade." Em 2010, ele prestou o vestibular e passou na primeira tentativa.
O professor Everton afirma que "o músico é um estudioso eterno". Violonista desde os 7 anos, Gloeden tem hoje 54 e afirma que ainda se sente "uma criança tocando em pleno desenvolvimento de aprendizado". Para ele, é aos 60 ou 70 anos que os músicos conseguem atingir o auge de sua técnica, já que a maturidade só aprimora a destreza do profissional.
 
Everton Gloeden é professor de violão e músicopremiado com um Grammy Latino(Foto: Ana Carolina Moreno/G1)
Mercado
Além de dar aulas em duas escolas, Everton tem sua própria classe particular. Mas, nos intervalos, ele estuda as peças que toca em apresentações com seu grupo, o Quarteto Brasileiro de Violões, que em 2011 venceu o Grammy Latino na categoria de melhor álbum clássico, com um CD de músicas do maestro e compositor Heitor Villa-Lobos. Segundo ele, é difícil que um músico atue apenas em uma área, apesar de hoje a tecnologia ter abertos o leque de opções para o músico.
Ele cita, como algumas das áreas onde o profissional pode atuar, além da sala de aula, o cinema e videogames, que sempre precisam de trilha sonora, e os comerciais, para os quais o músico compõe jingles. Com o aquecimento da economia brasileira, Everton afirma que aumentou a demanda por orquestras que tocam ao vivo nos musicais
Quem tem o diploma de bacharel em música também ganha vantagem na hora de ser contratado para acompanhar cantores, principalmente os famosos. Para dar aula na universidade, ele afirma que é imprescindível seguir a carreira acadêmica, com o mestrado e o doutorado.
Ozeas, que é formado pela Julliard School, nos Estados Unidos, e trabalha na orquestra mais prestigiada do Brasil, a Osesp, desde 1977. Ele acompanhou o processo de reestruturação da Osesp, na década de 1990, e afirma que o grande salto de qualidade na profissão e aumentou o interesse dos estudantes. Porém, é necessário muitos anos de prática para alcançar o nível exigido para o trabalho.
Mesmo quem trabalha em um dos empregos mais cobiçados do mercado musical brasileiro, a Osesp, também trabalha em outras frentes. Ozeas afirma que ele e outros músicos da orquestra também dão aulas na Escola Municipal de Música, em São Paulo, além de conservatórios e faculdades. "O músico tem como principal trabalho ser músico de orquestra, mas tem outros trabalhos como aulas, fazer solos, música de câmara... Temos vários solistas que viajam para tocar com outras orquestras", diz.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical