sábado, março 2

Elias No Monte Da Transfiguração. Lição 09 CPAD - 03/2013

Elias No Monte Da Transfiguração.

Lição 09 CPAD                                                          Editor do Subsídio: Pr. Osiel Varela
Em edição
Texto Áureo.
Mt. 17.2,3.
E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz.
E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele.
Leitura Bíblica em Classe.
Mateus 17:1-8.
SEIS dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte,
E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz.
E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele.
- gr. μεταμορφοω - metamorphoo
vb. 1) mudar de forma, transformar, transfigurar;
1a) a aparência de Cristo foi mudada e resplandecia com brilho divino sobre o monte da transfiguração;
Leitura Classe – cont...
E Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, façamos aqui três tabernáculos, um para ti, um para Moisés, e um para Elias.
E, estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu. E da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o meu amado Filho, em quem me comprazo; escutai-o.
E os discípulos, ouvindo isto, caíram sobre os seus rostos, e tiveram grande medo.
E, aproximando-se Jesus, tocou-lhes, e disse: Levantai-vos, e não tenhais medo.
E, erguendo eles os olhos, ninguém viram senão unicamente a Jesus.
Exórdio.
Esta lição foge ao padrão histórico ou da historiciedade [utilizando narrativa comteporânea, aos atos e eventos vividos pelos profetas Elias e Eliseu]das demais lições, que estudamos até aqui.
a-Ela nos traz a importancia na Teologia e Teogonia crida por nós, sobre a vida e forma de pós-vida e transformação através do exemplo de Jesus dado aos seus discípulos, através do eixo fundamental do Colégio Apostólico ou Apostolar.
b-Ela vai nos inserir na Escritura Neotestamentária numa importante cena para nossa crença na vida futura e mais ainda nos mistérios da vida humana e divina de Jesus – O Cristo – O filho de Deus!
c-Nos insere no Ministerio Cristológico na Galiléia.
I-   Destaque: O Ambiente.
Nós abandonamos por instantes, o ambiente ou a ambiência do reino Natural, no qual Jesus nasceu, viveu e morreu.
E adentramos nos mistérios do místico-divinal, mundo espiritual do Reino de Deus e Seu Filho Amado.
A sua forma como homem e Deus é o conteudo sério a ser abordado, portanto insiro alguns breves comentários sobre este ato do Filho de Deus, na atmosfera da preciencia eternal de Deus -  Elohim – para consubstanciar esta lição.
“..O Reino de Deus está entre vós...”
Marcos 4:11. E ele disse-lhes: A vós vos é dado saber os mistérios do reino de Deus, mas aos que estão de fora todas estas coisas se dizem por parábolas...
Vivenciamos nesta Lição estes mistérios.
Lucas 8:1. E ACONTECEU, depois disto, que andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e os doze iam com ele... ;10:9. E curai os enfermos que nela houver, e dizei-lhes: É chegado a vós o reino de Deus.
II-    Doutrina:
A -Aparência Humana e a Kenosis.
-  gr κενος - kenos
- uma palavra primária; adj. 1) vazio, vão
1a) de lugares, vasos, etc. que nada contém
1b2) sem um dom
1c) metáf. destituído de riqueza espiritual;
Isaías 53:2-3. Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos.
Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.
A forma de Jesus e Sua Divindade são profeticamente esclarecidas, para que possamos entender, a sua aparencia entre os homens, como verdadeiro homem.
Sem deixar de ser Deus, ele apenas esvaziado da Sua Glória, nasceu de uma virgem, cresceu, em estatura, sabedoria [aqui falamos na sua apreensão didática da Lei e Os Profetas – As Escrituras -] como nós encontramos nas Escrituras.
B-A Kenosis é algo inerente a esta lição.
“Esvaziou-se de sua glória eterna para viver entre os homens.”
Pela etimologia que fundamenta o termo fala de acampar, tabernacular, morar, ou moradia e no esvaziar-se ekénose.
Filipenses 2:6-7. Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo [ Jesus, na versão em lingua grega ou hebraica, tornou-se um escravo] , fazendo-se semelhante aos homens;Esvaziou-se de sua glória eterna para viver entre os homens.
Ou seja, O Deus Filho tabernaculou, isto é habitou entre nós como homem.
o objeto implícito da ação realizada de esvaziar-se não é a divindade de Cristo, mas o seu estado de “μορφή του Θεού” forma de Deus, para a “μορφή ενός δούλου”,  a forma de servo, “όλο και στην ομοιότητα των ανδρών” tornando-se em semelhança de homens.
O contexto trata do assunto da humilhação, sendo Cristo o modelo maior da Sua Igreja.
A encarnação foi um ato de amor profundo da parte de Deus, porém, o Logos não deixou de ser verdadeiro Deus. Assim, a forma de servo não deprecia, em nada, a forma de Deus.
Hebreus 4:15. Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.
E habitou com o homem na forma de servo, esvaziou-se para viver a plenitude total do homem finito, nasce, vive e morre!
A palavra –servo- no grego doulos - significa escravo.
Com a sua vida este Mundo, como homem, Jesus - - nos garantiu uma vida nova.
Romanos 6:5-9. Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;
Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele.
Hebreus 10:4-5. Porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire os pecados.
Por isso, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, Mas corpo me preparaste;
Esvaziou-se para para poder cumprir o ProtoEvangelho de Gn. 3.15;
II Pedro 1:4. Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.
Para  conduzir a humanidade  à participar da sua natureza divina – “...assim, como Ele é o seremos...”
Por isto Isaías profetiza um ser sem aparência, que é contrário a expectativa humana, na realidade, o qual citamos acima, ou aqui neste texto. Ed René Kivitz
Por isto, começamos esta Lição, pois a ambiencia do Monte necessita de ter luz, crítica sobre, porque nela Jesus é transfigurado.
Ali Ele mostra que era inteiramente homem e inteiramente Deus.
III-Etimologia:
-  gr κενος - kenos
- uma palavra primária; adj. 1) vazio, vão, destituído de verdade
1a) de lugares, vasos, etc. que nada contém
1b2) sem um dom
1c) metáf. destituído de riqueza espiritual, de alguém que se vangloria de sua fé como uma posse transcendente, ainda que seja sem os frutos da fé
-gr κενοφωνια - kenophonia
- n f. 1) discussão vazia, discussões inúteis
-gr κενοω - kenoo
Para entendermos a questão da origem do termo kenosis, como Deus em Seu Flho se esvaziou da Sua Glória Eternal, na Uniginecidade do Filho feito homem;
vb - 1) esvaziar, tornar vazio
1a) de Cristo, que abriu mão da igualdade com Deus ou da forma de Deus
2) anular
2a) privar de força, tornar vão, inútil, sem efeito
3) anular, esvaziar
- gr. μεταμορφοω - metamorphoo
Para a questão da transfiguração é necessário conhecermos a origem da palavra, que vem conhecemos como modificação de uma estrutura pessoal física em outra, como metamorfose;
vb. 1) mudar de forma, transformar, transfigurar;
1a) a aparência de Cristo foi mudada e resplandecia com brilho divino sobre o monte da transfiguração
- gr. μετα - meta
Hebreus 2:7-9. Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos, De glória e de honra o coroaste, E o constituíste sobre as obras de tuas mãos; Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos.
Como o Filho de Deus voluntariamente se rebaixou – tomou a uma forma menor, a forma da criação, menos, ou “atrás”, no sentido de inferioridade de homem  - preposição primária (com frequência usada adverbialmente); TDNT - 7:766, 1102; prep. com, depois, atrás;
- gr μορφη - morphe
- talvez da raiz de 3313 (da idéia de ajustamento das partes);
n f. 1) a forma pela qual uma pessoa ou coisa é percebida pela visão
2) aparência externa
Sinônimos
– gr. μορφοω - morphoo
- vb 1) formar
gr μορφωσις - morphosis
O Filho de Deus teve que despir-se de toda a envolvente glória, deixar o seu séquito, distanciado, no mundo místico sobrenatural – invisível, como O é, Ele que o tinha ao redor de Si, junto com o Pai, para tomar forma simples de um mortal;
n f. 1) formação, configuração; 2) forma
2a) a forma simples, semelhança
2b) a forma própria de algo ou que expressa verdadeiramente o fato, a forma real
- gr μορφοω - morphoo
vb.1) formar
- gr μορφωσις - morphosis
n f. 1) formação, configuração
2) forma
2a) a forma simples, semelhança
2b) a forma própria de algo ou que expressa verdadeiramente o fato, a forma real
IV– Análise do texto
1-   Entendendo a Transfiguração.
Transfigurou-se diante deles – Jesus mostra legitimamente, que era Deus – a Divindade, que tomou a forma humana em todos os sentidos, em todos os sentimentos, sem perder a forma divina ou a essência divina, que nunca se ausentou de si mesmo. Ver texto de Fp.2 – ‘kenosis’.
- e eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com Ele –
Moisés e Elias estavam conversando com Jesus.
É importante entender esclarecer este encontro.
1º ponto importante –
Jesus primeiramente se transfigurou, tomando forma divina e assim pode conversar com Moisés e Elias;
João 3:13."Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber, o Filho do Homem que está no céu."
Pedro, Tiago e João puderam assistir ao evento místico divino, mas não falaram nem com Moisés nem com Elias.
2º Ponto importante
Ordem dos Acontecimentos na Transfiguração, nos deixa á vontade para entender a região e o Poder de Jesus em falar com Elias e Moisés, no Monte.
Ao estarem no alto monte com o Senhor Jesus, Pedro, Tiago e João viram a transfiguração do Senhor Jesus e viram Elias e Moisés conversando com ele.
Podem nascer duvidas e uso deste trecho e evento das Escrituras quanto à questão da reencarnação.
Entretanto, é notório que o local transcendeu ao espaço físico terreno, para poder conter a presença de Moisés e Elias.
Ali se transformou num espaço celestial, no sentido do paraíso.
1-a- A Presença do Pai
E, estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu. E da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o meu amado Filho, em quem me comprazo; escutai-o.
E os discípulos, ouvindo isto, caíram sobre os seus rostos, e tiveram grande medo.
A Transfiguração foi a reafirmação para os Discípulos sobre a necessidade de conhecerem e experimentarem o Poder de Jesus Cristo, em sua ttalidade.
Jesus tinha 12 discípulos, mas só levou, como em outros fatos marcantes de seu curto, mas profícuo Ministério de 3[três] anos Pedro, Tiago e João, a tríade principal, do Concílio Apostolar, após Jesus ascender aos Céus.
Há momentos que há a necessidade da Revelação de Deus ser compartilhada com poucos homens, por causa da necessidade de Fé, proximidade íntima com Deus, Escolha e Chamada para Movimentos específicos. É por isto que há diversidade de forma de trabalhar entre nós Ministros de Deus.
E, aproximando-se Jesus, tocou-lhes, e disse: Levantai-vos, e não tenhais medo.”
Jesus Cristo é a autoridade soberana e suprema dos céus e da terra, tem a autoridade de fazer a comunicação entre o céu e a terra, tem autoridade sobre a alma dos vivos e dos mortos e tem autoridade sobre o tempo e o espaço. Ele estando presente, tudo é possível.
Interessante que a Bíblia não cita que Moisés ou Elias tenham falado com Pedro, Tiago e João, mas fala que Moisés e Elias estavam "Falando com Ele". Parágrafo compilado e editado – do original de - Anderson Vieira- Religião Cristã.  
Isto significa que a visão que tiveram Pedro, Tiago e João além de não ser um acontecimento deste mundo, estava totalmente sujeita à presença do Senhor Jesus. Jesus os levou a uma experiência sobrenatural divina elevada a ponto de ouvirem a voz do Pai:
"Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi."
2-Os Personagens E a Morte
II Reis 2:10-12. E disse: Coisa difícil pediste; se me vires quando for tomado de ti, assim se te fará, porém, se não, não se fará.
E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho.
O que vendo Eliseu, clamou: Meu pai, meu pai, carros de Israel, e seus cavaleiros! E nunca mais o viu; e, pegando as suas vestes, rasgou-as em duas partes.
João 10:17-18. Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la.
Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai.
Jesus venceria a morte e tinha poder sobre sua própria vida.
-Elias foi transladado.
E o sepultou num vale, na terra de Moabe, em frente de Bete-Peor; e ninguém soube até hoje o lugar da sua sepultura.
-Moises morreu, mas, o próprio Deus tomou conta do seu corpo, e jamais Satanás pode informar seu paradeiro.
Dt. 34:5-6. Assim morreu ali Moisés, servo do SENHOR, na terra de Moabe, conforme a palavra do SENHOR.
Todos os personagens neste texto, presentes no evento, que estavam em corpo como eram [Jesus apareceu e mostrou as marcas em seu corpo de forma visível, após a sua morte – Lc.24.37-43 (40. E, dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e os pés....)], tiveram uma experiência sobre a Morte de forma que só eles, e Deus conheciam, ou conheceram e conheceriam [Jesus, ainda passaria pelo patíbulo da Cruz], qual foi o processo de passar desta vida para o Paraíso.
Além de serem avisados por Deus, como seria o evento de sua Morte.
Isto é um ponto necessário ao completo entendimento desta passagem, para não entrarmos em classe, com duvidas sobre este momento especialmente importante no Ministério Apostolar, conforme veremos a seguir.
Sem atentarmos para a conhecida exegese, deste texto, sobre a representação ou figura de cada personagem.
-Moisés – Lei
-Elias – Profetas
-Jesus - Graça
3-A Transfiguração como Prova do Poder de Jesus
A Transfiguração demonstra a afirmação e poder divino do Deus feito homem - Θεός λήψης άνθρωπος – sem a corrupção edênica natural ao homem.
Veio como aprovação e confirmação de dois amigos de Deus, que viveram sob o cutelo da morte.
a-O primeiro – Moisés sofreu mesmo, como homem mais manso da Terra, e com o qual Deus falava cara-a-cara, o sentimento de passar pelo sombrio lado da presença da Morte [Ser].
Êx. 33:11. “Falava o SENHOR a Moisés face a face, como qualquer fala a seu amigo”
Tal passagem foi atenuada pela amizade e presença de Deus neste momento, que cuidou de Moisés neste momento e tratou até mesmo de criar a sua sepultura e escondê-lo [aqui há revelação].
Dt. 34: 1;5-6. ENTÃO subiu Moisés das campinas de Moabe ao monte Nebo, ao cume de Pisga, que está em frente a Jericó e o SENHOR mostrou-lhe toda a terra desde Gileade até Dã; ;Assim morreu ali Moisés, servo do SENHOR, na terra de Moabe, conforme a palavra do SENHOR. E o sepultou num vale, na terra de Moabe, em frente de Bete-Peor; e ninguém soube até hoje o lugar da sua sepultura.
b-O segundo – Elias - Eliahu – não passou sob a sombra da Morte, sendo trasladado aos Céus – στον ουρανο – num redemoinho.
II Rs 2:11. E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho.
Ambos representativos, como já dissemos, vieram a Jesus Transfigurado e em ambiente celestial, na Terra [gostaria de deixar claro, esta questão,: eles estavam na Terra, mas a ambiência era Celestial, destaque para a transfiguração de Jesus “E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz....”, tal qual o Apóstolo Paulo afirma, a Igreja está assentada com Cristo nas regiões celestiais, este era o ambiente daquele encontro de Revelação sobre a morte de Jesus];
Devemos atentar que o verbo – transfigurar - possa apontar, ou denotar transformação espiritual, em outros textos neotestamentários, aqui neste texto da Lição 09 indica uma transformação visível, afirmando a glória da essência Divinal de Jesus – O Messias – המשיח.
Moisés e Elias, vieram afirmar a sujeição e aceitação, bem como, a condição da vicariedade da morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Lc 9:31. Os quais apareceram com glória, e falavam da sua morte, a qual havia de cumprir-se em Jerusalém.
Estavam conversando sobre a Obra Redentiva e sobre a Vitória de Cristo sobre a Morte.
Mc. 9:8-10. E, tendo olhado em redor, ninguém mais viram, senão só Jesus com eles.
E, descendo eles do monte, ordenou-lhes que a ninguém contassem o que tinham visto, até que o Filho do homem ressuscitasse dentre os mortos.
E eles retiveram o caso entre si, perguntando uns aos outros que seria aquilo, ressuscitar dentre os mortos.
Eles tratavam sobre a ida ao patíbulo da cruz.
V-O Assunto Tratado no Monte–
1-A Morte Redentiva e Vicária.
Sobre a fatal e necessária, mas vitoriosa morte de cruz, que retiraria a Morte Eterna da Vida de todos que aceitam esta vicariedade no Sacrifício do Pai, ao dar Seu único Filho – a Unigenicidade deste Filho se mostrou no Grande Amor de Deus. João 3.16.
Cristo Jesus que, como nosso fiador “dos homens”, representá-los-ia na cruz.
Cl 2:14-15. Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.
E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.
Homens nascidos na esperança da Redenção, sob a Lei e sob os profetas, esta morte ali na transfiguração, mostra que Jesus quebraria o elo da cédula vindicante a todos que N’Ele creem e na Sua Morte substitutiva!
Ef 1:7: Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça,...
Vicária - doar-se em vida e ate a morte, para justificar um exemplo ou testemunho justo.
A palavra vicária significa: “Em substituição de, em vez de...
Continuando...
Ali Elias e Moisés, Os Profetas e a Lei apoiam a Obra e missão de Jesus na Redenção da Humanidade, pelo derramamento de seu sangue.
Talvez, possamos entender melhor o Getsêmani, a partir deste texto!
A palavra Morte neste texto tem o sentido de “êxodo” ou “partida”!
Ou seja, eles falavam sobre a necessidade da Cruz, da Ressurreição e Ascensão, para posterior partida de Jesus – O Cristo – para sua Glória.Atos 1.9.ss
VI -Transfigurados
A lição e a tipologia desta teofania vista pelos discípulos nos remete diretamente a duas questões.
A primeira já discernida em texto, aqui neste subsídio – fala do Poder divino de Jesus e sua reafirmação como o “meu amado Filho, em quem me comprazo” ou seja O Pai tinha prazer em reapresentá-lo, agora aos Discípulos, que já conviviam com Ele – O Filho Do Seu Amor – O entendimento desta apresentação é extremamente importante para a Igreja, como assim?
Ali estavam as colunas – Gl 2.9  E conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como as colunas... – que seriam os condutores da Igreja Primitiva, ali eles tiveram a oportunidade única e impar de verem parte da Glória do Jesus ao qual seguiam, e ouvirem o Pai confirmando à Igreja a Divindade do Cristo!
VI-a-Seis dias antes
Ali os discípulos tiveram a oportunidade de entender o que Jesus dissera Seis dias antes.
Fui despertado para o contexto imediatamente anterior que Marcos, fugindo de suas caracteristicas dos seus escritos insere no texto: “SEIS dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte SEIS dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte”.
O que foi tão importante que o escritor do Evangelho, Marcos ressalta a temporalidade?
Há uma ligação importante para o entendimento do Evento teofânico.
Conhecendo o Cristo.
Jesus inicia o assunto de Sua morte com uma pergunta: “Mc. 8:28. E eles responderam: João o Batista; e outros: Elias; mas outros: Um dos profetas.”
Após os discipulos mostraram opiniões diversas, com ignorância, sobre quem Ele seria, o mesmo Pedro tem a revelação: “Mc. 8:27-29. E saiu Jesus, e os seus discípulos, para as aldeias de Cesaréia de Filipe; e no caminho perguntou aos seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens que eu sou? E eles responderam: João o Batista; e outros: Elias; mas outros: Um dos profetas. E ele lhes disse: Mas vós, quem dizeis que eu sou? E, respondendo Pedro, lhe disse: Tu és o Cristo.”
Na narrativa que se inicia no capítulo 8 e será encerrada no capítulo 9 com a Transfiguração, Jesus fala de maneira clara sobre seu padecimento, sua morte e ressurreição, após 3 dias sepulto, de tal forma, creio clara e intimista e pungente, que Pedro, sem a revelação e sem conhecer o plano [na realidade Pedro ainda via Jesus, à maneira judaica – O Messias estava ali para libertá-los do jugo romano, se morresse o seus sonhos estariam acabado, ledo engano] até quer ‘ajudar’ a Jesus sobre a inecessidade deste ato e é repreendido por Jesus, pois, a s palavras ditas pelo discipulo iam contra o propósito da missão Redentiva de Jesus, para a qual Ele se despira de sua Glória: “Mc. 8:32-33. E dizia abertamente estas palavras. E Pedro o tomou à parte, e começou a repreendê-lo. Mas ele, virando-se, e olhando para os seus discípulos, repreendeu a Pedro, dizendo: Retira-te de diante de mim, Satanás; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas as que são dos homens.”
Jesus nesta passagem ensina sobre a sua última caminhada até Jerusalém, para padecer em nosso lugar:
Mc. 8:31. E começou a ensinar-lhes que importava que o Filho do homem padecesse muito, e que fosse rejeitado pelos anciãos e príncipes dos sacerdotes, e pelos escribas, e que fosse morto, mas que depois de três dias ressuscitaria.
- O Poder do reino de Deus.
O Poder do Reino de Deus seria revelado através de Jesus, pelo Obra Vicária, pela Sua vitória sobre a morte.
Jesus neste contexto fala direta e claramente sobre o que/e como os discípulos veriam do seu Reino: “Mc. 9:1.DIZIA-LHES também: Em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte sem que vejam chegado o reino de Deus com poder.
A Transfiguração foi importante, pois, ela dá visibilidade impar aos discípulos da divindade de Cristo e a oportunidade de ouvir a Voz de Deus sobre a necessidade de ouvirmos a Jesus.
Mas, ali eles tem a visão do pleroma em Jesus.
Veem o homem comum de Isaias 53 ser tomado de uma forma gloriosa, a glória do Deus, que Ele jamais deixou de ser.
Assistiram a uma impressionante transformação do ser humano Jesus tomado de Poder, como Ele afirmara.
Entendem a possibilidade da transformação do corruptível em incorruptível.
I Co. 15:4-5 E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.
E que foi visto por Cefas, e depois pelos doze.
Este fato sem duvida alguma revela ao Apóstolo Paulo e ao escritor aos hebreus, a forma que nós os salvos teremos.
I Co. 15:21-22. Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.
Há escatologia neste Evento visto pelos discípulo da tríade apostolar.
Assim, a esperança e o entendimento deles seria avivado na esperança continuada pela morte de Jesus na Cruz do Calvário e na sua posterior Ressurreição.
I Co. 15:44-54. Semeia-se corpo natural, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual. O primeiro homem, da terra, é terreno; o segundo homem, o SENHOR, é do céu.
Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.
E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória.
Eles anteviram a possibilidade real, ainda que não a compreenderam em sua plenitude, naquele momento, mas seria possível em Cristo e através da Sua morte e ressurreição, como na narrativa do capítulo 8 de Marcos.
A Igreja deve observar esta Lição como o viés da transformação.
É necessário realizarmos toda e qualquer ação social e ajudar em tudo o próximo, como a Bíblia nos ensina, mas a principal transformação do homem é a do reino de Cristo, a transformação pelo poder de Deus e pela Sua Palavra regeneradora e que nos limpa de todo Mal!
Busquemos pregar a todos para transformação do homem natural em uma nova Criatura disponível a todos ao que crerem no Cristo da Cruz, afim de vê-lo em Glória, como diz o Apóstolo Paulo:
Fp. 2:1-11. PORTANTO, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões,
[...] De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.
Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai.
Fonte:
Apontamentos do autor
Bíblia Hábil
Bíblia Plenitude
Ed René Kivitz
Religião Cristã
Dicionários diversos
E textos compilados

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical