domingo, julho 7

EPÍSTOLA DO APÓSTOLO SÃO PAULO AOS FILIPENSES. SEGUNDA PARTE.

LIÇÕES DO 3º [TERCEIRO] TRIMESTRE DE 2013.
TRIMESTRE DE BIBLIOLOGIA PAULINA.
EPÍSTOLA DO APÓSTOLO SÃO PAULO AOS FILIPENSES. 
SEGUNDA PARTE.
O leitor poderá encontrar alguns trechos, editados na primeira parte, mas estes não contradizem com a Primeira Parte que foi, digamos mais complexa teologicamente.
Continuaremos ao longo do trimestre a editar e escrever outros subsídios e Estudos paralelos   as Lições, tendo como objeto esta Epístola de Paulo aos Filipenses.
Boa Leitura.
Filipenses.
Esta carta apostólica é um marco na redação da correspondência entre os apóstolos e a igreja.
Paulo adota um estilo, digamos mais íntimo e fraterno e coloquial.
Tem certamente um padrão definido como as cartas da época.
Paulo, porém introduz um novo padrão.
Após o “salutatio” (saudação. 1.1,2), o apóstolo introduz o uso de ir para “captatio benevolentiae”, ou seja, coloca a intenção da carta [tradicionalmente tinha esta a figura de demonstrar a intenção do escritor, ao leitor da carta] em assegurar qual era a sua para com os de Filipo:
Filipenses 1:7 Como tenho por justo sentir isto de vós todos, porque vos retenho em meu coração, pois todos vós fostes participantes da minha graça, tanto nas minhas prisões como na minha defesa e confirmação do evangelho.
- compartilhar sua profunda afeição pelos filipenses;
- reafirma sua vontade em continuar mesmo distante, a reafirmar o compromisso dos filipenses, estreitado na relação igreja-Evangelho;
- reafirma a saudades, e a forma continuada como os filipenses o auxiliam, mesmo em cadeias, lhe mandando Epafrodito, que mesmo sendo acometido em sua saúde manteve-se como representante da Igreja de Filipo, ao lado do apóstolo, lhe ajudando em suas necessidades;
- Paulo se regozija, e este é a linha que liga toda a Epístola - a alegria, mesmo na prisão.
- Paulo os exorta a manterem a comunhão, o afeto, e compaixão:
Filipenses 2:1-4 PORTANTO, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões,
Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.
Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.
Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
Filipenses é a carta do aprendizado da subsistência na fé em Jesus, O Senhor, O Cristo.
Seu modelo passou a ser padrão ou convenção nos século II e III;
Embora, Paulo caminhe de forma unusual pela redação do corpo da carta, ora entre a narração de situações (“narratio”);
Ora, pelos pedidos ou exigência (“petitio”), até chegar à conclusão, aqui nesta Epístola/Carta uma breve conclusão:
Filipenses 4:21-23
Saudai a todos os santos em Cristo Jesus. Os irmãos que estão comigo vos saúdam.
Todos os santos vos saúdam, mas principalmente os que são da casa de César.
A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com vós todos. Amém..
Ou seja, o escritor compartilha informações sobre sua própria situação e sentimentos atuais, sobre a mesma, no momento da missiva.
Nesta Carta Paulo embora frustrado pela sua prisão, em Roma, e incerto quanto ao seu futuro, encontra neste ambiente e situação duras e penosas, alegria na alegria dos filipenses, em cooperarem, com ele, como fizeram, quando presente entre eles.
Será que podemos aprender esta lição: “sentir-nos presos, como os que estão presos?”
Filipenses 1:13 De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana, e por todos os demais lugares;
É a situação de identidade que une Paulo e a Igreja de Filipos.
VIVENDO A ALEGRIA
A igreja da Integridade Total:
A integridade gera alegria.
Sem estudar o contexto da igreja em Filipos, e da própria cidade de Filipos, quando o Apóstolo Paulo escreve essa epístola se torna quase impossível absorver alguns detalhes desta Epístola.
Paulo escreveu essa carta de Roma aos filipenses entre os anos 62 e 65, no primeiro século da era cristã. No ano 64.
Quem era o Imperador em Roma era Nero este em seu gesto de loucura, coloca fogo na cidade e coloca a culpa daquele incêndio monstruoso nos cristãos.
Desencadeia uma perseguição sem comparação na história da igreja até aqueles dias. Todos que viam um cristão o tinham como alguém culpado do fogo tocado na cidade de Roma, pelo mandado de Nero.
Nesse contexto de domínio romano, acontece uma guerra. Dois grandes comandantes, Otaviano e Antônio, um grego e um romano, estão num campo de batalha e eles entram em confronto. Os romanos vencem aquela guerra e porque vencem, transformam a cidade de Filipos numa espécie de reduto romano, de condado romano. Na verdade, eles, pela lei, decretam que Filipos passe a ser colônia de Roma e aqueles que ficaram do lado de Antônio na guerra passem a morar em Filipos.  A igreja que Paulo organizou em Fillipos está agora vivendo numa situação muito complicada porque eles estão subjugados, sendo gregos, pelos romanos. Texto compilado e editado, por este editor, com base em estudo da Convenção Batista Fluminense.
Paulo percebeu que essa igreja enfrentaria uma perseguição incrível, dias de escuridão, e um inimigo se esforçaria para desencorajá-la e destruí-la. Por cauda da fé em Cristo, essas pessoas já estavam enfrentando privação, e isso iria ser intensificado.
A Igreja em Filipo é conhecida através do texto em Atos dos Apóstolos 16.12-40.
Estabelecida por Paulo na sua Segunda grande viagem Missionária – 51 d.C.
Portanto, era fruto da visão da ida do Apóstolo para a Macedônia, ambos eram zelosos por si, Paulo da igreja e a igreja pelo seu Apóstolo.
Era a igreja hospitaleira, dede a sua origem através de Lídia. Atos.16.14,16
Independe da nossa vontade, do desejo do corpo, da mente natural, o viver do cristão é dominado pela vida que vive em Cristo.
Assim, pode suportar a vida nos extremos:
-Tendo tudo.
-Ou não tendo nada.
Filipenses 4: 12-13
Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.
Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.
Qual a fonte e forma de vida, na qual estão as virtudes, que supre todas as nossas necessidades?
Mais uma vez, Paulo explica que tudo e todas as coisas só se encontram, como valiosas para o cristão, quando este vê em Jesus Cristo, o alvo e desejo de alcançarmos, as coisas, que almejamos, e isto se dá pela vida alcançamos no Cristo de Deus, Jesus.
Este é o que faz fluir em nossa vida,a alegria, que a carta pode transmitir, para toda e qualquer situação, que o cristão possa viver e sobreviverá, por estar em Jesus Cristo, o Dom de Deus à Humanidade, exaltado pelo despojamento, sem a perda da divindade, mas vivendo entre os homens, como homem total.
Este Jesus, realizou a vontade do Pai, se entregando, tal como Isaque, mas indo além pela sua própria vontade de realizar a Obra da Regeneração do corpo humano, em si, para por Si mesmo, transmitir a eternidade a todos que aceitam a sua morte vicária.
Filipenses 4:19 O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.

O apóstolo Paulo está compartilhando com a igreja de Filipos como a alegria no coração dele brotou dos efeitos da adversidade da sua prisão.
Fonte:
CB - Convenção Batista
Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento - CPAD
Bíblia Plenitude - Texto e comentários
Bíblia do Ministro - Edtª. Vida
Apontamentos do autor;
Dicionários diversos;
Cristo na Teologia Paulina - L. Cerfaux
e outros

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical