quinta-feira, fevereiro 20

DENÚNCIA - Missionário cristão da Austrália do Sul Preso Na Coreia do Norte - Realizava Trabalho Missionário

Missionário cristão John Short (75), de Barmers na Austrália do Sul, foi preso enquanto realizava um trabalho missionário na Coreia do Norte, conta sua esposa, tornando-se o segundo missionário cristão estrangeiro a ser detido no país.
John Short (75) nasceu em Barmers  - Austrália do Sul 
 Karen Short (ao telefone), esposa do missionário australiano John Short, concede entrevista em livraria cristã em Hong Kong nesta quinta-feira (20).
O missionário australiano de 75 anos foi detido na Coreia do Norte, acusado de ter distribuído literatura religiosa, afirmou sua esposa à AFP, confirmando a informação do jornal australiano Adelaide Advertiser.
Agentes de segurança o prenderam na segunda-feira John Short em um hotel de Pyongyang. Ele já havia sido interrogado no domingo à noite.
Pyongyang considera os missionários estrangeiros agentes subversivos.
Desde sua detenção, o missionário está sendo interrogado em Pyongyang sobre folhetos religiosos em coreano que supostamente transportava.
Segundo seu colega de viagem eles evangelizavam pessoas nas proximidades de templos budistas e Short lhes entregou folhetos.
Segundo a sua esposa Karen, ele sabia dos riscos.
"Sabia que a Coreia do Norte não é um destino turístico, mas quer ajudar os habitantes", disse.
Riscos:
"Se ele foi encontrado em contato como membro de rede diretamente com os norte-coreanos ao entregar material religioso, isto poderia ser muito ruim para ele e para eles", disse Petrov.
"Para os moradores locais: toda a família seria enviado para o gulag (campos de trabalho forçado), com pouca chance de serem liberados se não se arrependerem (seus pontos de vista religiosos, sua fé).
"Para o estrangeiro, eles poderiam enfrentar uma pena semelhante a Kenneth Bae de 15 anos, com trabalho duro 16 horas por dia-a-dia."
A esposa do Sr. Short disse que ele estava visitando a Coréia do Norte, pela segunda vez.
Sua primeira viagem foi há um ano, “então ele sabia o que estava acontecendo” disse ela. Ela disse que ele queria estar lá “junto e perto da população, tanto quanto possível”.
"Não é um país aberto e não recebe bem os cristãos - sim, é o que percebemos, esta é a realidade norte coreana'' disse ela”.
"Mas isso não quer dizer que temos que ficar parados e não fazer nada, porque nos preocupamos com a situação e oramos sobre isso, mas às vezes você tem que fazer mais do que falar” disse a Sra. Short.
Karen Curto confirmou que, durante a primeira viagem do marido para a Coreia do Norte, em fevereiro de 2013, ele tinha mostrado de forma aberta sobre sua fé,  ele tinha lido a Bíblia na frente de acompanhantes do governo. John viajou para a Coreia do Norte com o seu "manager" (empresário) em Pequim, o chinês Wang Chong.
"Ele é um homem da linha de frente - isso é o que ele faz. Mas a Coréia do Norte é muito diferente - é por isso que seu coração era para ir lá. Eu estou pedindo às pessoas para orar por ele".
“E os estrangeiros são normalmente deportados se estão distribuindo material religioso”.
"Mas eu gostaria de esperá-los para filmar uma confissão e, em seguida, realizar uma conferência de imprensa, antes de deixá-lo ir."
Sr. Petrov disse religiões foram sancionados no país, mas as pessoas estavam com medo de participar e os coreanos não tinham nenhuma ideia sobre o cristianismo.
Cristãos sofreram mais na Coréia do Norte sobre a única base de sua fé.
Os três filhos do casal cresceram em Hong Kong, mas agora vivem no exterior.
Seu filho mais jovem Ben Short, que mora no sul da Austrália, se sentiu obrigado a responder aos comentários negativos sobre seu pai que foram publicados no site do jornal Advertiser.com.au
Sob o nome de "Chi", ele escreveu: "@ Greg Obrigado Greg. Aqui Ben Short Sou Filho de John Short. Ele é o herói anônimo da nossa era. Pensamentos e orações".
John Short comprou em Hong Kong a editora religiosa Christian Book Room há 15 anos e publicava calendários e bíblias em chinês e em outras línguas.
Apesar publicidade mundial sobre a prisão de seu marido e de detenção no "reino eremita", Karen Short ainda não recebeu notícias sobre sua saúde e condições.
John Short, um ex-membro do Elizabeth Global Hall Brethren - um grupo de assembleias cristãs independentes em todo o mundo que compartilham doutrinas e práticas bíblicas - , foi preso pelo serviço de Segurança Pública e Imigração da Coreia do Norte neste domingo e pode ser condenado a 15 anos de prisão em regime de trabalhos forçados pelo país de Kim Jong-Jun, por supostamente distribuir material religioso.
Posição
No coração do movimento é um zelo evangelista para espalhar as suas crenças Evangelho a todas as partes do mundo e, especialmente, as partes onde a perseguição religiosa dos cristãos ocorre.
Eles acreditam que a palavra igreja se refere a um grupo de pessoas, não um edifício, e preferem o termo Gospel Hall para onde as pessoas se reúnem para aprender e orar.
Os membros do Gospel Hall acreditam que suas raízes históricas começou com a primeira assembleia de cristãos em Jerusalém em torno AD32.
A Gospel Hall está envolvida, em todo o mundo, na divulgação do evangelho de Jesus Cristo através de vários meios, incluindo pregação, literatura impressa, rádio e visitas a instituições da comunidade, incluindo escolas, prisões e hospitais.
O grupo é grande e forte em toda a Europa e nos Estados Unidos, mas vem crescendo de maneira ampliada, uma grande expansão nos últimos 50 anos através de Canadá, México e América Central e do Sul.
Eles não tem nenhuma autoridade central ou a liderança, se submetem  e fazem referência a Bíblia como a sua autoridade. Cada grupo local age de forma autônoma liderado por um grupo de anciãos.
Semelhança - No ano passado, missionário americano Kenneth Bae foi condenado a 15 anos de trabalhos forçados depois de ser acusado de cometer atos hostis na Coréia do Norte.
Diplomacia e Negociação
Amor às Almas.
E que ele acreditava que a cura começou com o coração das pessoas.
Além disso, que ele escolheu um grupo de mais isoladas, desleixado para as pessoas do mundo.
Algumas dessas pessoas podem saber agora que pelo menos alguém lá fora, se preocupava com eles.
Eu sei que eu não teria coragem.
Acho que o Sr. Curto estava simplesmente fazendo o que sua fé chamado para ele fazer. Os cristãos chamam de a Grande Comissão.
Foi um dos pedidos finais de Jesus aos seus discípulos - que sair e dizer a todos sobre ele.
Uma vez que este homem está fazendo o que ele se sente chamado a fazer, você não pode culpá-lo por isso. Não quando ele não está sofrendo ou difamar qualquer pessoa - que, aliás, alguns cristãos em Adelaide sentem que têm o direito de fazer. Em público.
John está vindo de um lugar de amor, em vez de medo ou ódio.
É algo que ele vem fazendo, parece que, desde 1964, em Hong Kong.  Declaração sobre a ida de John a Coréia do Norte. O assunto está sendo discutido em público  pelos sites e jornais digitais da Austrália.
"John estava preparado para pagar o preço por seu amor do povo coreano".
Tony Abbott disse que o governo australiano fez o que podia para ajudar os cidadãos com problemas.
"Mas eu tenho essa mensagem para os australianos no exterior: você tem que ter o cuidado de obedecer às leis do país em que está'', disse o primeiro-ministro”.
Ms Short disse que seu marido foi para Pyongyang, porque ele queria ajudar os habitantes locais "em um lugar escuro e difícil.''
Ms Short disse que ficou "chocada'' quando soube da prisão de seu marido e ainda desconhece o seu paradeiro.
"Eu sei que ele é corajoso e ele está nas mãos de Deus'', disse a Sra. Short em entrevista na sede da empresa editora cristã de propriedade do casal, e que distribui calendários, bíblias e folhetos em chinês e outros idiomas.
"Eu acredito que, no momento certo, que a coisa certa vai acontecer e ele será liberado.''
Ms Short descreveu seu marido como um homem saudável e apto.
"Eu adoraria que ele fosse para casa, mas eu sei que o meu marido e ele é bem capaz de enfrentar o que ele está enfrentando, eu acredito", disse à rádio Fairfax.
Sr. Short, de Barmers na Austrália do Sul, já foi preso várias vezes, enquanto evangelizava na China continental, ele começou a visitar a China comunista após a morte de Mao Tse Tung (Mao Zedong), em 1976, de acordo com sua biografia em um site cristão, Gospel Attract.
Ele foi proibido de entrar na China por quase dois anos depois de sua segunda prisão em 1996.
Na ocasião, naquela época, as autoridades chinesas o libertaram, mas ele foi preso várias vezes para "falar contra e sobre a brutalidade contra os cristãos chineses'', disse o site.
O Departamento de Assuntos Estrangeiros e do Comércio disse a Sra. Short que o processo e atividade deste caso consular de seu marido é "diferente e difícil.''
"É um Estado fascista e que tem uma visão muito fraca de qualquer distribuição de informação que não coincide com a ideologia do Estado", disse Downer.
"O pior lugar para ser pego fazendo algo assim, é inimaginável."
Austrália não tem embaixada em Pyongyang e a Coréia do Norte fechou sua embaixada em Camberra, em 2008.
A Coréia do Norte não mantém relações diplomáticas com vários países ocidentais e só permite nestes casos, como no de Kenneth Bae (Missionário americano-coreano preso) a negociação através de diplomatas de outros países neutros, ou entidades internacionais, considerados seus amigos. Isto dificulta e demanda tempo em negociações de presos religiosos!
Tony Abbott - primeiro ministro - está em contato com as autoridades suecas, que lidam com interesses consulares da Austrália na Coreia do Norte, para confirmar o bem-estar do Sr. Short.
Veja o que a ONU já publicou sobre atrocidades na Coréia do Norte.
http://adelaidenow.com.au/video/id-01b3VwazrxqVEVpRler1NXeMZvTGB7A2/UN-Reports-ldquoUnspeakable-Atrocitiesrdquo-in-North-Korea
Com várias fontes.
The Australian

Foto Tyrone Siu/Reuters

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical