sexta-feira, julho 24

ALERTA! OREMOS.O Islã cresce? A que custo isto está ocorrendo? Todos os dias, Nasce uma nova leva de Mártires cristãos, no Oriente Médio, Ou Morre?

O Islã cresce? A que custo isto está ocorrendo?
Todos os dias, Nasce uma nova leva de Mártires cristãos, no Oriente Médio, Ou Morre?
É este o fim do cristianismo no Oriente Médio?
 “ISIS e outros movimentos extremistas em toda a região estão escravizando, matando e desenraizando cristãos, sem nenhuma ajuda à vista.”
Compilação e adaptação de parte do Texto de ELIZA GRISWOLD -22 de julho de 2015 The New York Times Magazine
“Mas olhai por vós mesmos, porque vos entregarão aos concílios ... e sereis açoitados, e sereis apresentados perante presidentes e reis, por amor de mim, para lhes servir de testemunho. Mas importa que o evangelho seja primeiramente pregado entre todas as nações. Quando, pois, vos conduzirem e vos entregarem, não estejais solícitos de antemão pelo que haveis de dizer, nem premediteis;... e os farão morrer. E sereis odiados por todos por amor do meu nome; mas quem perseverar até ao fim, esse será salvo. Marcos 13:9-13 “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.” Mateus 5:10,11
A maioria dos iraquianos cristãos chama a si mesmos de assírios, caldeus ou siríaco, nomes diferentes para uma etnia comum enraizada nos reinos da Mesopotâmia que floresceram entre o Tigre e o Eufrates Rios milhares de anos antes de Jesus.
O cristianismo chegou durante o Primeiro Século, de acordo com Eusébio, um historiador da Igreja Primitiva.

A tradição diz que Tomé, um dos Doze Apóstolos, enviou Thaddeus, um judeu convertido cedo, para a Mesopotâmia para pregar o Evangelho.
Os primeiros exércitos islâmicos chegaram da Península Arábica durante o século VII, a Igreja Assíria do Oriente fez o envio de missionários para a China, Índia e Mongólia. A mudança do cristianismo ao islamismo aconteceu gradualmente. Assim como a adoração de cultos orientais, em grande parte deu lugar ao cristianismo, o cristianismo deu lugar ao Islã. Sob a lei islâmica, os Cristãos orientais viviam como as pessoas protegidas, dhimmi: Eles eram subservientes e tinham de pagar a jizya, mas por muitas vezes permitiu observar práticas proibidas pelo Islã, incluindo a comer carne de porco e beber álcool, e por 1.500 anos, as diferentes religiões prosperaram, lado a lado.
Matando Cristãos
Qaraqosh está na planície de Nínive, um terreno de 1.500 milhas quadradas de terras em litígio, que se situa entre o norte curdo do Iraque e seu sul árabe. Até no verão passado, esta era uma cidade florescente de 50.000 moradores, um celeiro do Iraque. Campos de trigo e de frango e fazendas de gado cercado uma cidade cheia de cafés, bares, barbearias, ginásios e outras formas de comércios da vida moderna.
Então, em junho passado, o ISIS tomou Mosul, a menos de  20 milhas a oeste. Os militantes pintaram em árabe vermelho “ N” para Nasrane, um insulto, em lares cristãos. Eles assumiram o abastecimento de água municipal, que alimenta grande parte da Planície de Nínive.
Muitos moradores que conseguiram escapar fugiram para Qaraqosh, trazendo com eles histórias de execuções sumárias e decapitações em massa. A população de Qaraqosh temia que ISIS fosse continuar a aumentando o auto-denominado califado do grupo, que agora se estende desde a fronteira da Turquia com a Síria a sul de Fallujah no Iraque [veja o mapa abaixo, cuja área já foi motivo de artigo deste articulista], uma área quase do tamanho de Indiana. Isto teve repercussões grandes para a população daquela cidade e região, pela atuação dos militantes em suas incursões pelas redondezas. Com New York Times Magazine
Nota: Entenda o símbolo ن (“N”). O símbolo é uma letra do alfabeto árabe, que corresponde ao ‘N’ do alfabeto latino, a primeira letra de “Nasarah”, ou seja, Nazaré, termo depreciativo que os cristãos são denominados no Alcorão. Aletra do alfabeto árabe é escrita ou pintada pelos jihadistas nas casas de moradores cristãos em Mossul. A letra “ن” é a inicial da palavra árabe “Nasrani”, que se refere aos cristãos no Iraque.
A 25ª letra do alfabeto árabe, o que corresponde a um “n”. Esta é a primeira letra da palavra Nasrani (Nazareno), um termo pejorativo em árabe para descrever cristãos.
Os militantes islâmicos têm transformado igrejas em Qaraqosh e outras cidades iraquianas em câmaras de tortura, de acordo com o jornal The Sunday Times. Um líder religioso, chamado de Abu AASI, disse ao jornal que havia muitos presos nas igrejas Bahnam Wa Sara e Al Kiama.
 “Essas duas igrejas estão sendo usados como prisões e para a tortura”, disse ele na clandestinidade. “Há outros presos que não concordam com a visão do ISIS, ma a maioria deles é de cristãos.”
Acredita-se que hoje, apenas 3% da população do Iraque professa o cristianismo.
Eles viviam em relativa liberdade religiosa, mas a cerca de dois anos têm enfrentando severa perseguição do Estado Islâmico, ou ISIS (ISI). Em particular, os cristãos (sic) da etnia Yazidi, são os mais perseguidos. Eles são acusados de serem adoradores do diabo. Milhares foram assassinados. Outros milhares tornaram-se refugiados.
Sabemos que o ISIS considera os cristãos como infiéis, sem direitos humanos”, disse Sekulow.
ISIS - A assassina guerrilha que se auto-intitula Estado Islâmico quer eliminar os cristãos no Oriente Médio, para tanto está marcando as casas e famílias dos cristãos em todo o território que ocupa e dizimando as famílias, seja violando suas filhas, separando filhos dos pais e os entregando a outros grupos como escravos sexuais ou de serviços, quando são do sexo masculino, além de matar idosos ou deixá-los à mingua.
Além de obrigá-los a profissão de fé sob tortura, que muitos não resistem principalmente os pequenos e pelos cruéis métodos aplicados, que deixam os métodos das masmorras da Idade medieval para traz.
Quando não matam as famílias por não terem dominado completamente a região estão marcando as casas com uma marca, como fez o Nazismo com os judeus. Com uma marca que ofende as famílias cristãs.
Os velhos tem sido vitimizados, com ataques as suas casas, e a qualquer símbolo cristão que usem sendo arrancados de seus pescoços cordões com símbolos como crucifixo ao andarem pelas ruas, destes lugares. Uma anciã disse que ao pedir pão um soldado do ISIS lhe disse que lhe daria veneno, em lugar de pão.
Pais (com posse) têm que pagar cerca de US$ 10.000 para resgatar filhos e depois os verem ser retirados de novo de seu convívio. Além de pagar para viverem onde sempre viveram livremente:
Como Age o ISIS
O Estado Islâmico - ISIS invade lojas e qualquer comércio, e os saqueiam. Ao longo das próximas duas semanas, posterior a invasão, os militantes erradicados, a maioria dos moradores encolhidos em suas casas, são identificados, em buscas de casa em casa. É o que acontece após a invasão de uma localidade ou aldeia na região do Iraque, ou de outros países onde os assassinos chegam – vide mapa – assim, ocorreu em Qaraqosh. 
Homens armados percorriam Qaraqosh a pé e em pick-ups. Eles marcaram as paredes de plantas industriais e as cercas de propriedades agrícolas e das empresas como "Propriedade do Estado islâmico.'' O ISIS marcava, assim sua chegada, não apenas a Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, mas também Ramadi e Fallujah. (Durante a Guerra do Iraque, a luta nestes três locais foram responsáveis ​​por 30 por cento das baixas norte-americanas) .
Em Qaraqosh, como em Mosul, ISIS ofereceu aos moradores uma escolha: Eles poderiam quer converter ou pagar a jizya , o imposto cobrado cabeça contra todos "Povo do Livro“: os cristãos, zoroastristas e judeus. Se eles se recusam, eles são mortos, violados ou escravizados, sua riqueza tomada como despojos de guerra.
Eles estão sendo vítimas de uma hedionda limpeza étnica e religiosa por militantes sunitas linha-dura do Estado Islâmico (ISIS), que fuzilam os fiéis ou os obrigam a abandonarem a cidade, caso não se convertam ao Islã ou paguem o imposto a jizya.
Se espalha, aonde, o ISIS chega a noticia de que o Grupo está disposto a oferecer o que eles chamam de '' exílio e dificuldades '' para as últimas pessoas em Qaraqosh, ou regiões atacadas. 
Os moradores serão expulsos de suas casas sem nada, mas pelo menos eles podem sobreviver. Um mulá local, “gentilmente” leva, indo de porta em porta, a boa notícia. Aqueles que querem sair são levados para uma “inspeção médica” uma forma dissimulada, antes de liberá-los para tomar-lhes todo tipo de pertence pessoal e qualquer resquício de identificação cristã. E que é também uma forma de separar as famílias. Mães de seus filhos, esposos de esposas, idosos de seus filhos e parentes, e assim por diante. Oremos.
Veja este relato: 
“Ninguém tinha certeza para onde este primeiro ônibus estava indo. Como os jihadistas encaminharam os mais fracos e mais vulneráveis para o primeiro de dois ônibus, uma mulher de 49 anos de idade, Sahar, protestou, dizendo que ela estava separada do marido, Adel. Embora ele fosse um homem 61 anos, ele era saudável e forte e que tinha sido retido. Um guerrilheiro tranquilizou-a, dizendo: “Estes outros seguirão depois.” Sahar, Aida e seu marido cego, Khadr, embarcou no primeiro ônibus. O motorista, um homem que não se identificou, andou pelo corredor. Sem dizer uma palavra, ele levou Christina dos braços de sua mãe. “Por favor, em nome de Deus, a me dê de volta,” Aida implorou.
O motorista disse que levaria Christina para o centro médico. Em seguida, ela voltou sem a criança. Aida manteve-se implorando por Christina. Finalmente, o motorista entrou novamente. Ele voltou de mãos vazias. Como as demais pessoas no ônibus, a mãe chorou e orou ao deixar a cidade. Aida contou essa história antes, com pequenas variações. Como ela, seu marido e outra testemunha contou isso para mim, ela estava implorando para sua filha quando o próprio Emir (autoridade do autoproclamado Califado do ISIS) apareceu, flanqueado por dois soldados do ISIS. Ele estava, há instantes, segurando Christina, sua pequena filha, contra seu peito. Aida abriu caminho para fora do ônibus. “Por favor, dê-me a minha filha”, disse ela.
O Emir inclinou a cabeça em seus guarda-costas.
“A terá no ônibus antes de matá-la”, disse um deles.
Christina estendeu a mão para a mãe.
“A Obterá no ônibus antes de massacrar sua família”, repetiu ele.
O ônibus roncou forte no rumo ao norte para fora da cidade, Aida sentou amassada em um assento ao lado de seu marido. Muitas das pessoas dos 40 passageiros, se voltaram sobre ela, e começaram a chorar. Nós choramos por Christina e nós mesmos”, disse Sahar.
O ônibus fez uma acentuada curva à direita em direção ao Rio Khazir que marca a fronteira da área que o ISIS tinha tomado. Vários minutos depois, o motorista parou e mandou todos saírem, os deixando ali mesmo.
Liderados por um pastor de ovelhas, que tinha viajado este caminho com o seu rebanho, o grupo remanescente de doentes e idosos começou a caminhar para o Rio Khazir. A viagem levou 12 horas. Mais um grupo de famílias divididas e sem futuro!
Ah! Um segundo ônibus também partiu do bloqueio daquele “exame de saúde” mas a sua lotação era diferente:
O segundo ônibus - um cheio com uma lotação jovem e saudável - seguiu para o norte, também. Mas em vez de virar a leste, ele virou para oeste, em direção a Mosul. Entre seus cativos foi Diyaa. Rana não estava com ele. Ela tinha sido empacotada em um terceiro veículo, uma nova tração nas quatro rodas, junto com uma menina de 18 anos chamada Rita, que tinha vindo a Qaraqosh para ajudar seu pai idoso fugir.”Imagine qual o futuro destas meninas cristãs. Escolhas: morte, ou escravidão sexual.
Historiando:
Há Cem anos atrás, a queda do Império Otomano e a Primeira Guerra Mundial inaugurou o período de maior violência contra os cristãos na região. O genocídio realizado pelos Jovens Turcos em nome do nacionalismo, não da religião, deixou pelo menos dois milhões de armênios, assírios e gregos mortos. Quase todos eram cristãos.
De 1910 a 2010, o número de cristãos no Oriente Médio - em países como o Egito, Israel, Palestina e Jordânia - continuou a diminuir; de 14 por cento da população, os cristãos constituem agora cerca de 4 por cento. (No Irã e na Turquia, eles existem, mas sem estatísticas) No Líbano, o único país da região onde os cristãos detêm o poder político significativo, os seus números têm diminuído ao longo do século passado, para 34 por cento de 78 por cento da população. Baixas taxas de natalidade têm contribuído para esse declínio, bem como ambientes políticos hostis e crise econômica. O medo é também responsável, levando as famílias cristãs migrarem ao ver as suas comunidades sendo alvo de grupos extremistas, cada vez mais em ascensão, bem como a percepção de que suas comunidades estão desaparecendo, as fazem mais vulneráveis. Com a queda de Saddam Hussein, os cristãos começaram a deixar o Iraque em grande número, e a população caiu para menos de 1,5 milhões em 2003, para 500 mil, para hoje.
Bashar Warda, o arcebispo católico caldeu de Erbil, disse:“Desde 2003, nós perdemos padres, bispos e mais de 60 igrejas foram bombardeadas“
Fonte:
É este o fim do cristianismo no Oriente Médio?
Fonte; ISIS e outros movimentos extremistas em toda a região estão escravizando, matando e desenraizamento cristãos, com nenhuma ajuda à vista. Por ELIZA GRISWOLD22 de julho de 2015 The New York Times Magazine
ISIS vende objetos cristãos e transforma igrejas em câmaras de tortura – Voz dos Mártires.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical