sábado, dezembro 26

José, a Realidade de um Sonho. Lição 13 – CPAD – 4º Trimestre 2015 - Atualizado e Corrigido (Setenta Almas)

José, a Realidade de um Sonho.
Lição 13 – CPAD – 4º Trimestre 2015
Agradeço a todos que nos acompanham nesta página, há anos
Boas festas e Feliz 2016
Apesar de termos deixado de publicar, em algumas semanas, seja por motivos de saúde ou tempo, no ano de 2015. Querendo Deus voltaremos a postar nossos estudos e contamos com apoio de todos amigos leitores.
Texto Áureo
“E disse Faraó a seus servos: Acharíamos um homem como este em quem haja o espírito de Deus?” Genesis 41.38
Estudo e apoio de: Pr Osiel Varela
Leitura Bíblica
   Gênesis 45:1-8
Então José não se podia conter diante de todos os que estavam com ele; e clamou: Fazei sair daqui a todo o homem; e ninguém ficou com ele, quando José se deu a conhecer a seus irmãos.
E levantou a sua voz com choro, de maneira que os egípcios o ouviam, e a casa de Faraó o ouviu.
E disse José a seus irmãos: Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não lhe puderam responder, porque estavam pasmados diante da sua face.
E disse José a seus irmãos: Peço-vos, chegai-vos a mim. E chegaram-se; então disse ele: Eu sou José vosso irmão, a quem vendestes para o Egito.
Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós.
Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega.
Pelo que Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na terra, e para guardar-vos em vida por um grande livramento.
Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus, que me tem posto por pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito.
José  - Zafenate-panéia - צפנת פענח - Tsophnath Pa 'neach pahnay’-akh de origem egípcia, Zefanate-Panéia = “tesouro do repouso glorioso”; nome dado por Faraó a José.
יהוסף - Yêhowceph; uma forma mais completa de 3130; n. pr. m. José = “Javé adicionou”. o patriarca, o décimo primeiro filho de Jacó;
ΙωσηφIoseph; יוסף; n pr m. José = “deixe-o acrescentar”;
רחל – Rachel; o mesmo que no grego - Ραχηλ; n. pr. f. Raquel = “ovelha”; filha de Labão, esposa de Jacó, e mãe de José e Benjamim
ΙακωβIako  - origem hebraica - יעקב ; n.pr.m. Jacó = “que pega no calcanhar ou suplantador”;ele foi o segundo filho de Isaque.
ראובן - Rê’uwben do grego  Ρουβην; n. pr. m. Rúben = “eis um filho”, o filho mais velho de Jacó com Lia. “Voltando, pois, Rúben à cova, eis que José não estava na cova; então rasgou as suas vestes.”
Introdução
A realidade da histórica saga de um jovem hebreu é um dos maiores épicos bíblicos.
Nesta história podemos inferir valores humanos valiosos aos que professam a Fé em Deus.
Intimamente ligada à visão Cristológica nos faz assimilara noções de:
Dotação divina, através de sonhos ou visão
Uma túnica especial em cores
Ciúmes entre a família
Obediência
Perseverança
Prosperidade
Promessa cumprida
Traição
Inveja
Força moral diante de assédio
Ascensão de posição no mundo político
Governabilidade e administração
Perdão
Resgate
Salvação de um povo
Tudo sob a ótica da sabedoria divina.
É esta a realidade que podemos verificar ao estudarmos a vida de José. Aquele que em um capítulo do livro de Genesis está na cova, lançado por seus irmãos, sem expectativa, sequer de vida.
Depois é comprado como escravo – slave.
Passa a ser criado ou mordomo de um capitão egípcio
É assediado pela mulher do mesmo
Resiste e se torna novamente preso.
Nesta hora, se ao ler o capítulo que descreve a historia de José, o leitor poderia pensar, que não haveria mais solução para o personagem bíblico. Mas, ao ler os capítulos seguintes veria que há uma solução real para a vida do homem José. Genesis 37-39;41.
“Depois disse Faraó a José: Pois que Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão entendido e sábio como tu. Tu estarás sobre a minha casa, e por tua boca se governará todo o meu povo, somente no trono eu serei maior que tu. Disse mais Faraó a José: Vês aqui te tenho posto sobre toda a terra do Egito...E disse Faraó a José: Eu sou Faraó; porém sem ti ninguém levantará a sua mão ou o seu pé em toda a terra do Egito. E Faraó chamou a José de Zafenate-Panéia, e deu-lhe por mulher a Azenate, filha de Potífera, sacerdote de Om; e saiu José por toda a terra do Egito.” Gênesis 41:39-45
O que José previu, em relação aos seus irmãos, se inclinarem, para ele, aconteceu. Após vinte anos de sofrimento, agora José percorre todo o Egito arrecadando alimentos.
E até mesmo a sua carruagem ao passar entre os egípcios era anunciada a um grito que significava que todos deveriam inclinar-se à sua passagem. Há uma palavra egípcia que foi usada durante sua nomeação para que toda a a vez que ele passa-se na localidades em busca de terras para Faraó as pessoas se inclinassem:
אברך - ’abrek- provavelmente uma palavra egípcia significando ajoelhar-se; exclamação; (significado incerto) - grito usado para anunciar a carruagem de José; ordem; inclinar-se.
. “E tirou Faraó o anel da sua mão, e o pôs na mão de José, e o fez vestir de roupas de linho fino, e pôs um colar de ouro no seu pescoço. E o fez subir no segundo carro que tinha, e clamavam diante dele: Ajoelhai. Assim o pôs sobre toda a terra do Egito.” Genesis 41.42,43
O Faraó da história de José (Genesis 37.28 e seg.) foi um dos primitivos Reis Hicsos, ou reis pastores. Sabemos muitas particularidades a respeito deste soberano, mas não o seu nome. Ele reinou cerca do ano 1700 a.c. O fato de ele repentinamente elevar o hebreu José a um lugar próximo do seu, mostra-nos o seu absoluto poder, que ele pôde exercer em beneficio do seu favorito ministro e da família deste.
A opressão não principiou durante a vida de José, mas foi efetuada por um faraó pertencente a uma dinastia que ‘não conhecera a José’ (Êxodo 1.8).
O Rei Ahmose foi o monarca que expulsou os hicsos em 1570ac. os Hicsos foram uma linhagem semítica de conquistadores asiáticos que assumiram o controle do país desde a 13ª dinastia. Com a expulsão destes, Ahmose fundou a 18ª dinastia, da qual pertence ‘hatshepsut’.
Foi ele quem mudou drasticamente o tratamento respeitoso então dispensado aos judeus. Essa alteração no comportamento dos egípcios confere com Êxodo. 1: 8-11, onde o novo faraó que não conhecera José estimulou a desconfiança do seu povo em relação a Israel, que passou a ser qualificado como invasor e uma ameaça à segurança nacional.
História da Nação Israelita começou no Egito
Não se pode desligar os fatos históricos, na formatação da Nação de israel.
Cujo nome é o nome dado por Deus a Yacob, ou Jacó, o patriarca descendente direto de Abraão.
A descendência de Jacó será mantida, apesar da história de ciúmes e da venda por seus irmãos, de José que acabou sendo conhecido como José do Egito, tal a importância, seja para os próprios egípcios, quanto para seu povo hebreu, através da vinda de seus irmãos ao Egito pra fugirem da fome que assolava a região onde habitavam e que havia sido combatida de maneira sábia, sob a inspiração divina pelo irmão “desconhecido”, que através do perdão consegue reunir toda a família de Jacó.
Devemos entender que como história de nação, a ser estabelecida por Deus, a história da nação israelita começou no Egito quando da vinda de José e concluída quando da vinda de Jacó, o que resulta na definição:
Eles entraram no Egito em um total de 70 pessoas, incluindo José (Yoseph), o que fora vendido por seus irmãos aos Ismaelitas, sua esposa e dois filhos que já estavam no Egito, e, quando deixaram o Egito, já somavam mais de dois milhões de pessoas.
Há alguma confusão e muitos pensam que Israel fora escravo durante esses 430 anos, previstos por Deus a Abraão. Mas, nem sempre a situação de liberdade fora restrita, para este povo.
Yoseph (José) foi governador do Egito (Vice-Faraó ou príncipe-regente). (Atualizado e corrigido)
Ele próprio manifestou que havia uma relação divina de superioridade em relação a Faraó, a quem ele diz que o Senhor o tinha posto como Pai de Faraó, que se submetera a ter seu Reino governado por um hebreu: 
       “Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus, que me tem posto por pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito.”
José foi um exímio economista e autor de um Plano macro-econômico que trouxe à Faraó o poder de ser dono, literalmente, de todas as terras do Egito, excetuando as terras dos sacerdotes, além de ter o poder de dar as sementes para os seus cidadãos, pequenos e grandes, poderem continuar plantando e trazerem a cota de Um Quinto para armazenamento evitando o desabastecimento do Egito. O que possibilitou um dos passos do Plano divino dito a Abraão, para Jacó descer, ao Egito.

“E partiu Israel com tudo quanto tinha, e veio a Berseba, e ofereceu sacrifícios ao Deus de seu pai Isaque. E falou Deus a Israel em visões de noite, e disse: Jacó, Jacó! E ele disse: Eis-me aqui. E disse: Eu sou Deus, o Deus de teu pai; não temas descer ao Egito, porque eu te farei ali uma grande nação. E descerei contigo ao Egito, e certamente te farei tornar a subir, e José porá a sua mão sobre os teus olhos. Então levantou-se Jacó de Berseba; e os filhos de Israel levaram a seu pai Jacó, e seus meninos, e as suas mulheres, nos carros que Faraó enviara para o levar.” Gênesis 46:1-5
E trouxe os israelitas como convidados de honra (parentes do governador). Com o passar do tempo, José e o Faraó da época dele já haviam falecido e, aos poucos, o prestígio dos israelitas foi acabando.
O antigo Israel passou 430 anos no Egito. Mais da metade desses anos, eles desfrutaram do favor e da boa vontade dos egípcios, mas o restante desses anos eles foram escravizados e terrivelmente maltratados por eles.Os Faraós da Bíblia’ - Tradução e Compilação: Pr Jose Silva IADRN
A história de José, o segundo filho mais jovem Jacó, e seu tempo no Egito.
Yoseph (José) era um dos doze filhos de Ya’aqov (Jacó). Ya’aqov gerou José em sua velhice e ele era, claramente, o seu filho favorito. Isso fez com que os irmãos de José sentissem ciúmes dele.
“E ouvindo-o Rúben, livrou-o das suas mãos, e disse: Não lhe tiremos a vida. Também lhes disse Rúben: Não derrameis sangue; lançai-o nesta cova, que está no deserto, e não lanceis mãos nele; isto disse para livrá-lo das mãos deles e para torná-lo a seu pai.E aconteceu que, chegando José a seus irmãos, tiraram de José a sua túnica, a túnica de várias cores, que trazia.E tomaram-no, e lançaram-no na cova; porém a cova estava vazia, não havia água nela. Voltando, pois, Rúben à cova, eis que José não estava na cova; então rasgou as suas vestes. E voltou a seus irmãos e disse: O menino não está; e eu aonde irei? Então tomaram a túnica de José, e mataram um cabrito, e tingiram a túnica no sangue. E enviaram a túnica de várias cores, mandando levá-la a seu pai, e disseram: Temos achado esta túnica; conhece agora se esta será ou não a túnica de teu filho.” Gênesis 37:21-24;29-32
Em última instância, o ciúme levou seus irmãos a vendê-lo para mercadores árabes e esses o revenderam como escravo aos egípcios. Ao longo do tempo, Yoseph (José) se tornou governador (príncipe) do Egito e foi o segundo homem em autoridade, ficando atrás apenas do Faraó (Rei).
Era costume dar nome novo apara o estrangeiro e assim lhe é dado o nome de Zafenate-Panéia, ou seja, “Aquele que Ra deu” (referência ao deus egípcio - o Sol - principalmente adorado em On - Heliópolis).
José e Apopi I, o faraó hicso, o faraó do seu tempo.
Houve uma fome na terra de Canaã, onde Jacó e seus filhos viviam. Então, Jacó mandou seus dez filhos ao Egito para comprar alimentos.
Quando os dez irmãos de José chegaram ao Egito (Mitsrayim), eles foram levados diante de José que reconheceu seus irmãos, mas eles não o reconheceram (Bereshit/Gênesis 42:1-8). Fonte: “Os hebreus e os filhos de Cham: Kush, Mitsrayim, Put e Kena’an.” Veja Gênesis 10:6
A história do perdão, mesmo sabendo que estes irmãos o haviam vendido, mas entendeu o propósito divino de sua via.
Assim, quando somos sofridos por algum momento ou pessoas, na realidade devemos fazer um retrospecto do que Deus permitiu e como sairemos deste transe, ou melhor, ou piores, foi para completar o desígnio divino que Jose estava dizendo isto, aos seus irmãos: “E disse José a seus irmãos: Peço-vos, chegai-vos a mim. E chegaram-se; então disse ele: Eu sou José vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós.”
O Desenvolvimento e Jornada de José
Na Bíblia:
Apresentação e início da jornada – Ciúme pela escolha
“E Jacó habitou na terra das peregrinações de seu pai, na terra de Canaã. Estas são as gerações de Jacó. Sendo José de dezessete anos, apascentava as ovelhas com seus irmãos; sendo ainda jovem, andava com os filhos de Bila, e com os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e José trazia más notícias deles a seu pai. E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores.” Gênesis 37:1-3.
Um filho especial, com vestes especiais:
“Então tomaram a túnica de José, e mataram um cabrito, e tingiram a túnica no sangue.E enviaram a túnica de várias cores, mandando levá-la a seu pai, e disseram: Temos achado esta túnica; conhece agora se esta será ou não a túnica de teu filho.E conheceu-a, e disse: É a túnica de meu filho; uma fera o comeu; certamente José foi despedaçado.Então Jacó rasgou as suas vestes, pôs saco sobre os seus lombos e lamentou a seu filho muitos dias.E levantaram-se todos os seus filhos e todas as suas filhas, para o consolarem; recusou porém ser consolado, e disse: Porquanto com choro hei de descer ao meu filho até à sepultura. Assim o chorou seu pai.E os midianitas venderam-no no Egito a Potifar, oficial de Faraó, capitão da guarda.Gênesis 37:31-36
Vítima do ciúme e do ódio de seus irmãos por ser o filho predileto de Jacó, José é vendido aos Ismaelitas para ser escravo no Egito, onde ele se torna mordomo na casa de Potifar.
Afastamento:
“E José foi levado ao Egito, e Potifar, oficial de Faraó, capitão da guarda, homem egípcio, comprou-o da mão dos ismaelitas que o tinham levado lá. E o SENHOR estava com José, e foi homem próspero; e estava na casa de seu senhor egípcio.” Gênesis 39:1,2
A Intriga e a Fraude: atraída por José, a mulher de Potifar, Sati, tenta seduzi-lo. José resiste. (A mulher como tentação é um dos estágios da jornada do herói segundo Joseph Campbell.)
O Dano Início da Ascensão, pela Prisão: em uma ocasião, irritada com a rejeição do servo e em posse de suas vestes, Sati acusa José de ter tentado violentá-la e mostra as roupas dele como prova. Potifar acredita nas falsas acusações da esposa e o "lança no cárcere". Genesis. 39: 20.
Na prisão, José interpreta os sonhos de dois ex-criados do Faraó, o padeiro-chefe e o copeiro-chefe.
Designação da prova e vitória do Homem fiel
O Início da Ascensão: enquanto José estava na prisão, o Faraó se vê atormentado por sonhos que nenhum sábio do Egito é capaz de interpretar. Nos sonhos do rei, sete vacas magras devoravam sete vacas gordas e sete espigas de milho secas e mirradas devoravam sete espigas de milho cheias. O copeiro-chefe, já restituído de suas funções, conta ao Faraó sobre um hebreu com quem ele conviveu na prisão que é capaz de interpretar sonhos. O Faraó pede que tragam José à sua presença.
A inspiração divina
José interpreta os sonhos do Faraó, afirmando que as sete vacas gordas e as sete espigas de milho cheias simbolizavam sete anos de fartura no Egito, e as sete vacas magras e as sete espigas secas e mirradas simbolizavam sete anos de fome. A "inspiração divina" pode ser entendida como o artefato "mágico" que ajuda o herói a cumprir sua prova: o adjuvante.
O assento no trono: impressionado com a sabedoria do hebreu, o Faraó dá um anel a José (símbolo da heroicidade) e o nomeia governador (ou Adon) do Egito.
Redenção da Promessa através de José
Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, Mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza.” Gênesis 15:13,14
Vitória da Promessa e da Fé: devemos saber que Abraão está inserido nesta História.
“Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.” Gênesis 12:1,2
José assume o posto como o mais poderoso homem do Egito, submisso apenas à autoridade do Faraó. José simboliza o pacto feito entre o hebreu e o Soberano do Egito.
“E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia.” Gênesis 12.16
O Perdão e Resgate de Jacó: Ele consegue perdoar os irmãos e trazer o seu povo para o país que adotou como casa.
Etimologia
און - ’Own ou (forma contrata) אן ’On- de derivação egípcia; n. pr. loc. Om = “força ou vigor”; cidade no baixo Egíto, terra fronteira de Gósen, centro de adoração ao sol, residência de Potífera (sacerdote de Om e sogro de José)
אסנת - ’Acênath de derivação egípcia; n. pr. f. Asenate = “pertencente a deusa Nate”; a esposa de José; פוטיפרע 06319 Powtiy Phera de origem egípcia; n. pr. m. Filha de Potífera = “aquele que Rá deu”; um egípcio, sacerdote de Om, pai de Asenate, a esposa que Faraó deu a José
אפרים 0669 ’Ephrayim do grego Εφραιμ; n. pr. m. Efraim = “duplo monte de cinzas: Eu serei duplamente frutífero”; segundo filho de José, abençoado por ele e tendo preferência sobre o primogênito Manassés
בטן - boten ou (plural) בטנים; n m PL. nozes de pistachio - iguaria dada por Jacó a José através de seus filhos
בנימין – Binyamiyn em grego βενιαμιν; n. pr. m. Benjamim = “filho da mão direita”; filho mais novo de Raquel e Jacó, irmão legítimo de José
גשן – Goshe;  de origem egípcia; n. pr. loc. Gósen = “aproximando-se”; uma região no norte do Egito, a leste do baixo Nilo, onde os filhos de Israel viveram
desde o tempo de José até a época de Moisés.
מנשה - Mênashsheh do grego Μανασσης; n. pr. m. Manassés = “levando a esquecer”; o filho mais velho de José e progenitor da tribo de Manassés
פוטיפר – Powtiyphar de origem egípcia; n. pr. m. Potifar = “pertencente ao sol”; oficial de Faraó, chefe dos executores, e o senhor a quem José foi vendido como escravo.
Tipologia e José
José é chamado de Sonhador. Rúben como mais velho, tinha maior responsabilidade junto ao pai e por isso hesitou sobre a morte de José.
A caverna onde José fora lançado era uma cisterna seca, sem água.
Os irmãos ainda fizeram uma refeição enquanto tramavam contra seu irmão mais novo, isso é sinal de dureza de coração.
Os ismaelitas faziam rota de Damasco para o Egito para venderem especiarias e escravos.
Judá interfere para proveito próprio com a idéia do sangue de animal (bode) em lugar do sangue de José. Nos lembra o sangue do carneiro em lugar do sangue de Isaque, mas para JESUS não havia substituto.
Ismaelitas ou Midianitas eram os mesmos que hoje denominamos árabes. Ou seja, um povo fora da Aliança Abraâmica com DEUS, para que deles viesse a nascer JESUS. 
As 20 moedas eram o preço normal de um escravo da época, assim como para JESUS foram cobradas trinta, pela sua importância para os compradores.
Leia algumas das possíveis comparações da Tipologia entre José e Jesus Cristo:
José tinha uma túnica especial colorida, que lhe foi tirada por seus irmãos (Gênesis 37: 3,23)
Jesus tinha uma túnica que não foi rasgada, mas lhe foi tirada e disputada em sorte. Mas, foi visto com túnica talar. (Lucas 23.34; Mateus 27.35;Ap. 1.13)
O pai de José manda o á seus irmãos, (Gênesis 37: 13 e 14).
Deus enviou Jesus á Israel, (João 3:17 e 1:11).
Os irmãos de José conspiraram, para matá-lo, (Gênesis 37:18).
Os judeus (irmãos de Jesus) conspiraram para matá-lo, (João 5:16).
José era amado pelo pai, (Gênesis 37: 3 e 4).
Jesus também era amado pelo Pai (Lucas 3:22 e Mateus 3:17).
José foi vendido por seus irmãos, (Gênesis 37:27).
Jesus também foi vendido por seus irmãos, (judeus) (Mateus 26:14).
José foi vendido por 20 moedas eram o preço normal de um escravo da época. Valor do tipo é menor do que do antítipo. (Genesis 37.28)
Para JESUS foram cobradas trinta moedas, pela sua importância para os compradores. (Mateus 26.15)
Deus estava com José, (Gênesis 39:21 a 23 e 41:38 a 39).
Deus estava com Jesus, (Lucas 22:43).
Uma representação vicária e incompleta. Judá interfere para proveito próprio com a idéia do sangue de animal (bode) em lugar do sangue de José. (Genesis 42.22;37.31)
Jesus deu seu próprio sangue, pelos nossos pecados e dos seus irmãos. (Mateus 26.28;Hebreus 9.11-14)
José foi preso, (Gênesis 39:20).
Jesus também foi preso, (Mateus 26:50 e 57).
José sempre servindo o pai, (Gênesis 37:13) a Potifar e a Faraó, (Gênesis 39:11 e 41:10)
Jesus veio para servir, (Mateus 20:28).
José cumpria a vontade do pai, (Gênesis 37:14).
Jesus realizou a vontade do Pai, (Lucas 22:42).
José recebeu todo poder no Egito, (Gênesis 41:41 e 44).
Jesus recebeu do pai todo poder, (João 17:4 e Mateus 28:18).
José tinha uma túnica, (Gênesis 37:3 e 31).
Jesus também tinha uma túnica, (Salmo 22:18 e Mateus 27:35).
José foi chamado Zafenate-Panéia, que significa salvador do mundo, (Gênesis 41:45).
Jesus é o Salvador do mundo, (João 4:42.
José casa-se com uma gentílica, (Gênesis 41:45).
A noiva de Jesus (Igreja) é também dentre os gentios, (João 10:16 e 15:14).
José não foi reconhecido pelos seus irmãos, (Gênesis 43:3 a 7).
Jesus também não foi recebido pelos judeus, (João 1:10 e 11)
A bênção de José chegou no tempo certo para seus irmãos, (Gênesis 45:18 a 23).
A bênção de Jesus também chegará no tempo certo á Israel, (Atos 1:11 e Romanos 11:26).
José apresenta-se á seus irmãos que o reconhece, (Gênesis 45:3)
Jesus aparecerá no monte das Oliveiras e será reconhecido pelos judeus (seus irmãos) como Messias prometido (Zacarias 12:8 a 13, 13:6 e 14:4).
Os irmãos de José inclinaram se perante ele, (Gênesis 43:26 e 28).
Os irmãos de Jesus (os judeus) também se inclinarão perante Jesus, (Romanos 14:11).
Os irmãos de José suplicaram-lhe, (Gênesis 44:16 a 18).
Os judeus, seus irmãos suplicarão a Jesus, (Zacarias 12:10).
No momento de grande aflição os irmãos de José o encontram e ficam livres dos sofrimentos, (Gênesis 42;2 e 43:1 e 2).
Os judeus em momento de grande angustia terão encontro com Jesus e serão livres para sempre. (Zacarias 14:1 a 3)
José manda seus irmãos chegarem a si, (Gênesis 45:4).
Jesus chamará a si seus irmãos, (os judeus) (Zacarias 12:7 e 8)
Todo povo se ajoelhou perante José, (Gênesis 41:43).
Todos os joelhos se dobrarão perante Jesus, (Filipenses 2:10).
José estava acima de todos no Egito, (Gênesis 41:44).
Jesus estará acima de todos e estará no Monte das Oliveiras, (Zacarias 14:4).
Os irmãos de José viram sua gloria inclusive seu pai. (Genesis 45.26,27)
Jesus foi exaltado sobre todos os Nomes. Todos verão a gloria de Jesus. (Filipenses 2.9; Lucas 21.27)
Quadro montado, com acréscimos, à partir, de Compilação de Pr. Ismar Vieira Malta

1ª Parte
As Setentas Almas [que desceram com Jacó, ao Egito] e sua filiação por mulheres de Jacó:
Entendendo a formação dos Setenta da Casa de Jacó que habitaram, primeiramente no Egito. Filhos por esposa e filhos de José.
Então levantou-se Jacó de Berseba; e os filhos de Israel levaram a seu pai Jacó, e seus meninos, e as suas mulheres, nos carros que Faraó enviara para o levar...e vieram ao Egito, Jacó e toda a sua descendência com ele;
E estes são os nomes dos filhos de Israel, que vieram ao Egito, Jacó e seus filhos: Rúben, o primogênito de Jacó.
E os filhos de Rúben: Enoque, Palu, Hezrom e Carmi.
E os filhos de Simeão: Jemuel, Jamim, Oade, Jaquim, Zoar e Saul, filho de uma mulher cananéia.
E os filhos de Levi: Gérson, Coate e Merari.
E os filhos de Judá: Er, Onã, Selá, Perez e Zerá; Er e Onã, porém, morreram na terra de Canaã; e os filhos de Perez foram Hezrom e Hamul.
E os filhos de Issacar: Tola, Puva, Jó e Sinrom.
E os filhos de Zebulom: Serede, Elom e Jaleel.
Estes são os filhos de Lia, que ela deu a Jacó em Padã-Arã, além de Diná, sua filha; todas as almas de seus filhos e de suas filhas foram trinta e três.
E os filhos de Gade: Zifiom, Hagi, Suni, Esbom, Eri, Arodi e Areli.
E os filhos de Aser: Imna, Isvá, Isvi, Berias e Sera, a irmã deles; e os filhos de Berias: Héber e Malquiel.
Estes são os filhos de Zilpa, a qual Labão deu à sua filha Lia; e deu a Jacó estas dezesseis almas.
Os filhos de Raquel, mulher de Jacó: José e Benjamim.
E nasceram a José na terra do Egito, Manassés e Efraim, que lhe deu Azenate, filha de Potífera, sacerdote de Om.
E os filhos de Benjamim: Belá, Bequer, Asbel, Gera, Naamã, Eí, Rôs, Mupim, Hupim e Arde.
Estes são os filhos de Raquel, que nasceram a Jacó, ao todo catorze almas.
E o filho de : Husim.
E os filhos de Naftali: Jazeel, Guni, Jezer e Silém.
Estes são os filhos de Bila, a qual Labão deu à sua filha Raquel; e deu estes a Jacó; todas as almas foram sete.
Todas as almas que vieram com Jacó ao Egito, que saíram dos seus lombos, fora as mulheres dos filhos de Jacó, todas foram sessenta e seis almas.
E os filhos de José, que lhe nasceram no Egito, eram duas almas. Todas as almas da casa de Jacó, que vieram ao Egito, eram setenta.

Gênesis 46:5-27

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical