sábado, abril 30

A Maravilhosa Graça nos Livra da Morte - 2º Trimestre de 2016 – Lição 05 - CPAD - Continuação

A Maravilhosa Graça nos Livra da Morte - Continuação
Estudo e edição: Pastor Osiel Varela
2º Trimestre de 2016 – Lição 05 - CPAD - Maravilhosa Graça - O Evangelho de JESUS CRISTO Revelado Na Carta Aos Romanos
TEXTO ÁUREO
"Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça." Romanos 6.14
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Romanos 6.1-12
A Escravidão da Lei – A Escravidão da Justiça Por Obediência
As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade.” Lamentações 3:22,23
Esta constatação nos leva a entender, que Deus sempre quis o melhor do homem, vivo e eternamente ao seu lado. Por isto dizemos: “graças à Deus” [- ευχαριστια é ação de graças, o agradecimento das Misericórdias de Deus, principalmente em oração. ]
Romanos 6.8,9 - Ora, se já morremos com CRISTO, cremos que também com ele viveremos; sabendo que, havendo CRISTO ressuscitado dos mortos, já não morre; a morte não mais terá domínio sobre ele.
Indultados pela Graça somos livres do poder da Morte sobre a Carne (sarx).
A Morte foi a condenação mitigada, pela hesed, misericórdia divina, advinda do interior de Deus [σπλαγχνον - splagchnon]. Mas, não alterou o Plano divino da Salvação, pois a Graça suplanta a Morte.
O Apóstolo Paulo mantém sua forma de discutir os assuntos doutrinários em forma de antíteses dialogando em diatribe e contradizer um ponto contra outro.
Assim, a Escravidão é posta em foco, seja a escravidão à Lei, quanto a escravidão da obediência à Justiça divina.
Vejamos o quadro, abaixo, em Romanos 6:
6.15 – Escravos [debaixo] da Lei de Moisés
Escravos [debaixo] da Graça.

6.16 – Escravos do Pecado e da Morte          
Escravos da Obediência e da Justiça

6.17 – Passado: escravos do pecado               
Presentes: obedientes de coração

6.18 – Passado: escravos do pecado                
Presente: Libertos para serem escravos da Justiça

6.19 – Passado: apresentando seu corpo para o pecado 
Presente: apresentarem seus corpos para a santificação/santidade

6.20,22 – Passado: escravos do pecado, frutos de impureza, vergonhosos 
Presente: Escravos de Deus, libertos para a santificação/santidade

6.23 – O salário do pecado [resultante da Lei] traz morte 
Presente: gratuito [graça em Cristo] traz vida eterna

Quadro compilado e aplicado, à partir de:Romanos – série Comentário Expositivo – C. Marvin Pate
Romanos 6. 2,4 - De modo nenhum! Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?  Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em JESUS CRISTO fomos batizados na sua morte? De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como CRISTO ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
A grande discussão que nos incentiva sobre a vitória da Graça sobre a condenação letal que o homem foi submetido e, como dissemos anteriormente, mitigada para nos proporcionar a Manifestação [φανεροω - phaneroo] da Graça a todos os homens.
"Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça." Romanos 6.14
A Graça é antes de tudo preservadora da Humanidade e por ela todos podem ser regenerados para o objetivo final: livra a Humanidade da sentença de Morte.
“E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.” Romanos 6:21-23
Ninguém é salvo da Morte eterna, sem receber a graça de Deus. A Salvação é pela Graça, ou seja, é gratuita, e é inalcançável pelos nossos próprios esforços.
A dificuldade de resolver o Axioma [Condenação à Morte versus Vida Eterna, pela Lei ou Pela Graça] é a base doutrinária revelada por Deus pelas letras do Apóstolo, neste trecho da Epístola aos Romanos, sobre a conciliação da ação de Deus e da liberdade do homem, o que deu origem à célebre disputa da GRAÇA e do livre arbítrio. Em 2 Coríntios temos a definição na caneta revelada de Paulo sobre este mistério: Um morreu pela Graça, todos são livres da Morte.
“Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. Assim que daqui por diante a ninguém conhecemos segundo a carne, e, ainda que também tenhamos conhecido Cristo segundo a carne, contudo agora já não o conhecemos deste modo. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” 2 Coríntios 5:14-17
É disto que Paulo vai ensinar ao escrever o capítulo 6, após toda a explicação sobre a Justificação. Ainda restava a dúvida sobre a antiga condenação que trazia a muitos a dúvida, seja por desconhecer a Lei, ou seja, por seguir a Lei, que apontava para seus pecados, sem, contudo, deixá-los livres dos antigos erros. Isto consistia em entender, quem, e quais homens poderiam ser livres dos danos das acusações da Lei, que com suas regras e mandamentos deixava obrigações condenatórias, aos que a seguiam, levando-os a ter forma de reparar com sacrifícios anuais os erros apontados pela Lei.
E para os que estavam sem Lei?
Como reparar, diziam os judaizantes, deveriam circuncidarem-se, obediência total à Lei, sem o que seria impossível alcançarem padrão compatível para livramento da condenação de todos: A Morte.
O Apóstolo então, demonstra e em antíteses apresenta a Graça como totalmente possível para remoção de quaisquer vestígios dos pecados, anteriormente cometidos, e isto, de maneira total e eterna, que diferente da Lei livra todos os homens da Morte Eterna possibilidade, agora revestida de verdade real e compatível pela Graça. Embora, seja através de figuras como: escravidão, sob um preço do pecado e a oferta do corpo antes, ao pecado, mas agora libertos servindo a Deus em santificação [vide quadro, acima].
Pelo texto supra, abaixo transcrito, revela a orientação do Espírito na doutrinação do Apóstolo para entendimento futuro, atual sobre a necessidade de sabermos que estamos mortos para o pecado e como Ele morreu e ressuscitou nós também devemos morrer, para o pecado [enquanto CRISTO morreu fisicamente e sofreu as nossas dores], através da Sua morte não temos mais medo da Morte pois vivemos para Deus através da semelhança com CRISTO.
Romanos 6.7 - Porque aquele que está morto está justificado do pecado. Ora, se já morremos com CRISTO, cremos que também com ele viveremos; sabendo que, havendo CRISTO ressuscitado dos mortos, já não morre; a morte não mais terá domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para DEUS. Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para DEUS, em CRISTO JESUS, nosso Senhor. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências;
Contudo, a Salvação só se aplica unicamente aqueles que aceitarem se orientados pela Palavra de Deus:
“Filho do homem, quando uma terra pecar contra mim, se rebelando gravemente, então estenderei a minha mão contra elaAinda que estivessem no meio dela estes três homens, Noé, Daniel e Jó, eles pela sua justiça livrariam apenas as suas almas, diz o Senhor DEUS. Se eu fizer passar pela terra as feras selvagens, e elas a desfilharem de modo que fique desolada, e ninguém possa passar por ela por causa das feras; E estes três homens estivessem no meio dela, vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nem a filhos nem a filhas livrariam; eles só ficariam livres, e a terra seria assolada. Ainda que Noé, Daniel e Jó estivessem no meio dela, vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nem um filho nem uma filha eles livrariam, mas somente eles livrariam as suas próprias almas pela sua justiça.” Ezequiel 14: 13,14-16;20
ANEXO:
Falando da Graça
Graça de Deus
No âmbito da Teologia, graça consiste no dom sobrenatural, concedido por Deus como meio de salvação.
No cristianismo, graça é o dom gratuito de Deus ao homem num encontro transformante em que a criatura humana é restaurada.
Graça e indulto
Graça e indulto são mecanismos de clemência que extinguem a punibilidade relativa a um crime comum. Desta forma, alguém que recebe graça ou indulto vê a pena que está cumprindo ser apagada. Este ato é concedido pelo Presidente da República, a não ser que ele delegue esse poder a um outro membro que possa assumir essa responsabilidade. A graça e o indulto podem ser plenos ou parciais, dependendo se a punibilidade é extinta completamente ou se a pena é diminuída ou comutada.
A Graça Comum
A graça comum se refere ao imerecido favor, amor e cuidado providencial de Deus, estendidos a toda a raça humana em corrupção, pelos quais Deus derrama Suas bênçãos sobre todos em geral, tanto sobre os salvos quanto sobre os descrentes (Sl 145.8-9). Deus refreia Sua ira contra a humanidade pecadora, concedendo a uma nação ou a uma pessoa o tempo necessário para que se arrependa – o que vem a ser uma extensão da graça comum do Senhor.
A graça comum também pode ser constatada na obra do Espírito Santo, quando este move o coração de uma pessoa ao persuadi-la(lo) e convencê-la(lo) da necessidade de buscar a salvação por intermédio de Jesus Cristo (Jo 16.8-11).
A Graça Especial
Graça = Favor imerecido que Deus concede ao homem.
A segunda maneira de Deus revelar Seu favor é através da graça especial, comumente denominada de graça eficaz, efetiva ou graça salvadora. A graça de Deus é eficaz na medida em que produz salvação na vida dos indivíduos eleitos que depositam sua fé na morte de Cristo e no sangue que Ele derramou na cruz para remissão de seus pecados. A graça eficaz é conhecida por experiência no momento em que Deus, pela instrumentalidade do Espírito Santo, opera de forma irresistível na mente e no coração de uma pessoa, de modo que o indivíduo escolha livremente crer em Jesus Cristo como seu Salvador.
Os crentes em Cristo são chamados, não segundo suas obras de esforço próprio, mas conforme a “determinação e graça” de Deus. 2 Timóteo 1.9
Graça Salvadora
“Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens” Tito 2.11
A Salvação é um Dom Gratuito de Deus, concedido a uma pessoa em virtude da Graça, por meio da fé, sem obrigação de qualquer obra ou mérito da parte do homem, que a recebe. Efésios 2.8-9. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie;”
Graça Servidora – Aquela que nos capacita para servir e nos é dada
A palavra dom (do termo grego charisma: “dádiva ou dom da graça”) se refere a um favor que alguém recebe gratuitamente, sem merecê-lo. Deus, por intermédio do Espírito Santo, providenciou dons espirituais sobrenaturais com o objetivo de equipar e capacitar cada crente em Cristo para o seu ministério [i.e., serviço] na igreja local.
“Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.” 1 Coríntios 12:7-11
Graça Santificadora
No em que a pessoa, pela fé, recebe a Cristo, ele (ou ela) é santificado pela graça de Deus. A palavra santificação significa “tornar santo” ou “separar para Deus” com propósito ou uso sagrado.
“À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: Graça e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Sempre dou graças ao meu Deus por vós pela graça de Deus que vos foi dada em Jesus Cristo.” 1 Coríntios 1:2-4
Graça para o que Sofre - Sofredora
O sofrimento faz parte da condição humana, em virtude do pecado, do envelhecimento do corpo, da desobediência ao Senhor, ou da punição de Deus.
“E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará. E a Adão disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida.” Gênesis 3:16,17
Determinado, na Queda ele [sofrimento] está presente na vida de todos os homens. Em muitas ocasiões vai tentar impedir a atuação da Graça, impelindo aquele que sofre a desistir. Como, Paulo que tinha um “espinho na carne” (i.e., uma debilidade física) que ele, por três vezes, suplicara a Deus para que fosse removido. Cada uma de suas súplicas recebeu esta mesma resposta: “A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2 Co 12.9).
FONTES:
Com citações compiladas e adaptadas de Roger L. Smalling em “O que é a Graça?”
Lições CPAD – 2º Trimestre 2016
Apontamentos do Autor
Dicionário Strong
Romanos – série Comentário Expositivo – C. Marvin Pate
Comentários expositivos Hagnos – Romanos – O Evangelho segundo Paulo – Hernandes Dias Lopes

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical