quinta-feira, agosto 11

O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO 1ª PARTE Lição 7 - Agosto de 2016

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE


O Evangelho no Mundo Acadêmico e Político
1ª Parte
Lição 7 -  Agosto  de 2016
Estudo subsídio Pr. Osvarela
TEXTO ÁUREO
"A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus." 1 Co 2.4,5
Daniel 2.24-28
24 - Por isso, Daniel foi ter com Arioque, ao qual o rei tinha constituído para matar os sábios da Babilônia; entrou e disse-lhe assim: Não mates os sábios de Babilônia; introduze-me na presença do rei, e darei ao rei a interpretação.
25 - Então, Arioque depressa introduziu Daniel na presença do rei e disse-lhe assim: Achei um dentre os filhos dos cativos de Judá, o qual fará saber ao rei a interpretação.
26 - Respondeu o rei e disse a Daniel (cujo nome era Beltessazar): Podes tu fazer-me saber o sonho que vi e a sua interpretação? 
27 - Respondeu Daniel na presença do rei e disse: O segredo que o rei requer, nem sábios, nem astrólogos, nem magos, nem adivinhos o podem descobrir ao rei.
28 - Mas há um Deus nos céus, o qual revela os segredos; ele, pois, fez saber ao rei Nabucodonosor o que há de ser no fim dos dias; o teu sonho e as visões da tua cabeça na tua cama são estas:
Etimologia usada para o Estudo:
דרדע - Darda; n. pr. m. Darda = “pérola de conhecimento”; um filho de Maol, um dentre os quatro homens de grande fama por causa de sua sabedoria, porém superado por Salomão.
חכם - chakam; v. ser sábio; ser ou tornar-se sábio, agir sabiamente; tornar sábio, ensinar sabedoria, instruir; ser feito sábio; tornar sábio; mostrar-se sábio, iludir, mostrar a sabedoria de alguém. sábio (homem)
חכמהchokmah-; n. f. sabedoria; habilidade
γνωσις - gnosis; n. f. conhecimento que significa em geral inteligência, entendimento; conhecimento geral da religião cristã; conhecimento mais profundo, mais perfeito e mais amplo desta religião, que caracteriza os mais avançados; esp. de coisas lícitas e ilícitas para os cristãos; sabedoria moral, tal como é vista em uma vida correta.
σοφια - sophia; n. f. sabedoria, inteligência ampla e completa; usado do conhecimento sobre diversos assuntos; a sabedoria que pertence aos homens; espec. conhecimento variado de coisas humanas e divinas, adquirido pela sutileza e experiência, e sumarizado em máximas e provérbios; a ciência e o conhecimento.
φιλοσοφια - philosophia; n. f. amor à sabedoria.
φιλοσοφος - philosophos; n. m. filósofo, alguém dado à busca da sabedoria ou conhecimento.
עוז ‘òwz; n. m. poder, força; material ou física; pessoal ou social ou política.
A comparação ou discussão do tema, supra, pode ser etimologicamente analisada ao verificarmos a origem da palavra que significa juntar ou reunir um grupo de pessoas.
Então poderemos verificar que a o termo hebraico serve pra explicar estas reuniões, onde as pessoas se reúnem, sejam no mundo acadêmico, político ou religioso.
קהל - qahal; v. reunir, juntar; (Nifal) reunir; por razões religiosas; por razões políticas; (Hifil) convocar uma assembléia: para guerra, julgamento, e ou para fins religiosos. Assembléia, companhia, congregação, convocação; assembléia. Conforme o tempo verbal.
Exórdio
“Que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis; Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam se apoderar da vida eterna. Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos e profanos e às oposições da falsamente chamada ciência,1 Timóteo 6:18-20
A Academia Secular sempre atentou contra a crença que os cristãos seguem.
Seja na questão da Criação, seja na questão de ter fé em um Deus místico e sobrenatural.
Muito embora, a Grécia tivesse a crença e filosofia, a então Ciência, discutia com base no Panteão dos deuses gregos, tudo sobre a Ciência, seja a física, seja a astronomia, ou medicina, passava por discutir a ação dos deuses, de então.
Hoje seriam vistos como não cientistas, pois a Academia {Universidades] têm se manifestado de maneira dura contra qualquer evento que discuta a Ciência, daquelas áreas sob a ótica da Fé cristã.
Haja vista diversas manifestações em Universidades no Brasil e Exterior. Onde os Departamentos que coordenam Eventos e Seminários se opõem a que se discuta o Criacionismo, por exemplo.
O Poder do Evangelho segundo Paulo é maior do que a Sabedoria humana.
Não há porque nos envergonharmos do Evangelho ao ocuparmos um cargo público, ou no meio acadêmico quando divulgamos nossas idéias criacionistas, com base nas Escrituras.
Esta oposição é uma das naturais barreiras a serem enfrentadas pelos cristãos, no seio da sociedade, seja como acadêmicos, ou seja, como agentes públicos, quiçá políticos, ou de cargos de natureza política.
“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé” Romanos 1:16,17
É desta forma que introduzimos texto que publicamos quando houve certo embate sobre a atuação de cristãos em Seminário em uma Universidade brasileira, contra a apresentação do Criacionismo, quando alguns ‘lentes’, ou livres docentes se opuseram ao Seminário, questionando sobre a tese, de que isto não era Ciência.
      “Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.” Romanos 1:22
A Ciência de Deus
Quando a própria Escritura diz que há ciência inescrutável em Deus:
“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!” Romanos 11:33
O Senso Comum é descartado como Ciência, embora a própria Academia o liste como produtor de Conhecimento e transmissor das bases, ainda que subjetivas de Noções de Ciência, ao longo dos Séculos. O Senso Comum é uma parte da Ontologia e do Saber – Epistemologia e da Ciência.
E, quiçá, a própria Ciência já se beneficiou em suas Pesquisas para dirimir questões astronômicas, cronológicas e através da Arqueologia, produto de conhecimentos destes povos, que assim produziam sua Ciência e as transmitiam, seja oralmente ou através de escritas desconhecidas, como hieróglifos e as Tabuinhas Mesopotâmia.
“Os sábios são envergonhados, espantados e presos; eis que rejeitaram a palavra do Senhor; que sabedoria, pois, têm eles?” Jeremias 8:9
Conhecer como se deu a Criação é tema de debates científicos e religiosos.
O Enfrentamento no Areópago
“E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição. E tomando-o, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas? Pois coisas estranhas nos trazes aos ouvidos; queremos pois saber o que vem a ser isto..” Atos 17:18-20
Um dos princípios bíblicos imanentes é o temor à Deus:
“O temor do Senhor é o princípio do conhecimento; os loucos desprezam a sabedoria e a instrução.” Provérbios 1:7
Senso Comum – Conhecendo o Deus da Criação
Conhecer como se deu a Criação é tema de debates científicos e religiosos.
Muitos passaram anos de suas vidas estudando o assunto, seja, pela Ciência ou pela própria busca do assunto nas Escrituras.
O embate secular, embora pós-moderno se dá no campo de ideologias e sofrem, os que aceitam a Doutrina da Criação conforme as Escrituras relatam, com a objeção da Ciência, para com estes, exprimindo desprezo, sem considerar que a própria Ciência se louva em muitas vezes, das palavras bíblicas, para começar algum tipo de pesquisa e a própria ciência se esquece que o Senso Comum é uma parte da Epistemologia.
Ontologia - Ciência do Ser em geral. Parte da metafísica que estuda o ser em geral e suas propriedades transcendentais.
A Ontologia é a parte da metafísica que estuda o ser em geral e as suas propriedades transcendentes. Pode dizer-se que é o estudo do ser por aquilo que é e como realmente é. A ontologia define o ser e estabelece as categorias fundamentais das coisas a partir do estudo das suas propriedades, dos seus sistemas e das suas estruturas. A ontologia também reflete sobre os universais (as propriedades ou os atributos). Estes referentes justificam a forma de se referir aos indivíduos: os Ontólogos ainda debatem sobre a existência dos universais nas coisas ou na mente.
1. Parte da filosofia que tem por objeto o estudo das propriedades mais gerais do ser, apartada da infinidade de determinações que, ao qualificá-lo particularmente, ocultam sua natureza plena e integral.
2. Reflexão a respeito do sentido abrangente do ser, como aquilo que torna possível as múltiplas existências [Opõe-se à tradição metafísica que, em sua orientação teológica, teria transformado o ser em geral num mero ente com atributos divinos.].
Como principio deste Estudo é necessário saber que Teologia e Teontologia, não são a mesma coisa.
Teologia é estudo de deus no sentido de deuses, ou o estudo de todo o tipo de divindade sem que necessariamente, seja o Deus Criador e único.
E incluiu conhecimento geral de Doutrinas, e formas de liturgias e das exegeses e da hermenêutica da divindade.
É por isto que o Teólogo é aquele que se dedica ao estudo das religiões e sua influência sobre a sociedade. Ele pesquisa a história, os fenômenos e as tradições religiosas, interpreta textos sagrados, doutrinas e dogmas religiosos.
Associa essas informações com outras ciências humanas e sociais, como antropologia e sociologia, e identifica as relações entre a religião e diferentes culturas e grupos sociais.
A Teontologia é o estudo do Ser Deus. No caso o Deus Criador. Sua existência, sua ambiência, sua forma e substancia sua personalidade e caráter, até onde é possível entendermos d’Ele ou que Ele nos revele. Osvarela
A Sabedoria e a Atividade Política, Entre os Profetas
A discussão sobre a ação de governantes crentes no meio político. É sem fim. Uns acreditam que os crentes não devam atuar na Política, seja como, governantes, ou como participantes das Casas Legislativas.
Porém, necessitamos rememorar alguns homens de Deus, que atuaram como políticos e governantes, diplomatas, durante sua vida e outros, mesmo no período de Neotestamentário viveram como crentes sem deixar de realizar suas atividades seculares. Compilação de texto do autor em um de seus estudos publicados no site: http://estudandopalavra.blogspot.com.br/
 No Antigo Testamento
“E pareceu bem a Dario constituir sobre o reino cento e vinte príncipes, que estivessem sobre todo o reino; E sobre eles três presidentes, dos quais Daniel era um, aos quais estes príncipes dessem conta, para que o rei não sofresse dano. Então o mesmo Daniel sobrepujou a estes presidentes e príncipes; porque nele havia um espírito excelente; e o rei pensava constituí-lo sobre todo o reino.Daniel 6:1-3
Moisés – príncipe do Egito, por filiação da sua mãe adotiva
José – segundo governante do Egito, mas uma espécie de governante geral, como um Primeiro-Ministro, num governo com um Imperador.
Isaías - Isaías foi um profeta de príncipes, e um príncipe dos profetas. Seus escritos dão a impressão de que ele se movimentava com graça pela cultura de seus dias. Ele falava vigorosa e especificamente sobre as questões de seu tempo.
Na carreira de Isaias, de Jerusalém. Em diversas ocasiões este profeta teve de aconselhar reis em Judá quanto ao curso que devia ser dado à política internacional do reino, como na crise siro-efraimita. Em 738 A.C. Menaém, rei de Israel, e Rezim, rei de Damasco, pagaram tributo à Tiglate-Pileser.
Ação de Isaías como conselheiro de reis e diplomata é fecunda.
Em duas ocasiões teve Isaías de aconselhar Ezequias que se afastasse de coligações. Ezequias subira ao trono em 715 A.C. e empreendera grande reforma religiosa. Assim como as alianças políticas envolviam o reconhecimento das religiões ou das divindades nacionais dos aliados, as reformas religiosas com sua ênfase num culto exclusivo e depurado de Yahweh tinham implicações políticas, nacionalistas e libertárias.
Ouvi, pois, a palavra do Senhor, homens escarnecedores, que dominais este povo que está em Jerusalém. Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, e com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos.” Isaías 28:14,15
Um Presidente Crente.
“Então o rei engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitas e grandes dádivas, e o pôs por governador de toda a província de babilônia, como também o fez chefe dos governadores sobre todos os sábios de babilônia. E pediu Daniel ao rei, e constituiu ele sobre os negócios da província de babilônia a Sadraque, Mesaque e Abednego; mas Daniel permaneceu na porta do rei.” Daniel 2:48,49
Daniel – Governador e Conselheiro real
“Por mim, pois, é feito um decreto, pelo qual todo o povo, e nação e língua que disser blasfêmia contra o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, seja despedaçado, e as suas casas sejam feitas um monturo; porquanto não há outro Deus que possa livrar como este. Então o rei fez prosperar a Sadraque, Mesaque e Abednego, na província de babilônia.” Daniel 3:29,30
Hananias, ou Sadraque - governador
Misael, ou Mesaque - governador
Azarias, ou Abednego - governador
A sabedoria de Daniel é incontestavelmente apresentada em todo o Livro das Escrituras com seu nome. Ali, ao descrever a origem de Daniel e a capacidade intelectual do profeta [para nós cristãos/e historiador para os judeus].
“Jovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei, e que lhes ensinassem as letras e a língua dos caldeus.” Daniel 1:3
Daniel foi escolhido, dentre os príncipes de Judá, para estar na babilônia atuando junto ao rei, como um homem de excelência e ser adredemente preparado para cargos públicos relevantes, na busca do rei em ter um grupo de excelente de administradores reais, e leais a nação babilônica devido a extensão de seu domínio mundial.
O que também mostra que Judá tinha preocupações em formar jovens lideranças para manter o conhecimento, a academia, no sentido das ciências, de maneira que houvesse sempre um agrupamento de jovens, com notáveis dons e capacidades, o que se pode constatar, de maneira idêntica nas Escrituras Neotestamentárias:
Paulo foi ensinado aos pés de Gamaliel, como tantos jovens judeus moradores de Israel, ou filhos de judeus em outras regiões do Mundo romano, como Paulo que era de Tarso.
“Mas, levantando-se no conselho um certo fariseu, chamado Gamaliel, doutor da lei, venerado por todo o povo, mandou que por um pouco levassem para fora os apóstolos; Quanto a mim, sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, e nesta cidade criado aos pés de Gamaliel, instruído conforme a verdade da lei de nossos pais, zelador de Deus, como todos vós hoje sois.” Atos 5:34;  Atos 22:3
Na realidade os fariseus eram um grupo político, na estrutura estatal dos judeus, mesmo sendo “os separados”, que agiam no stricto modo da Lei, o que era natural pela íntima ligação político-religiosa natural a nação de Israel, centrada em uma Teocracia.
Como exemplo da sabedoria de Paulo, podemos verificar em Atos 17, quando ele se junta, ou é levado ao Areópago, o local que dominava a Ciência na Grécia em especial em Atenas, que nada mais era do que um “Comitê de Educação” que os gregos formaram, para centralizar o conhecimento e fora permitido pelo Império dominante, dos Romanos e que fazia parte da organização governamental e Acadêmica da capital grega.
Eram jovens – cultos e inteligentes.
Dominavam várias áreas de conhecimento
Proficientes nas diversas ciências.
Com conhecimento e vocabulário em diversas línguas.
24 - Por isso, Daniel foi ter com Arioque, ao qual o rei tinha constituído para matar os sábios da Babilônia; entrou e disse-lhe assim: Não mates os sábios de Babilônia; introduze-me na presença do rei, e darei ao rei a interpretação.
O texto acima o indica entre os sábios, ou cientistas preparados segundo a visão humana, mas ele tinha além da sabedoria adestrada, a verdadeira sabedoria, como Dom divinamente dado pelo seu Deus.
Um Grupo Acadêmico e Politizado, mas crentes.
A origem destes moços para chegarem a ser ocupantes destes cargos passou pelo exílio advindo da tomada final dos judeus, os filhos de Judá, ou a última parte dos deles, ou seja, do Reino de Judá, na sua terra natal:
“E disse o rei a Aspenaz, chefe dos seus eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real e dos príncipes, Jovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei, e que lhes ensinassem as letras e a língua dos caldeus. E o rei lhes determinou a porção diária, das iguarias do rei, e do vinho que ele bebia, e que assim fossem mantidos por três anos, para que no fim destes pudessem estar diante do rei. E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias; E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar, e a Hananias o de Sadraque, e a Misael o de Mesaque, e a Azarias o de Abednego.” Daniel 1:3-7
No Novo Testamento
“Chegou José de Arimatéia, senador honrado, que também esperava o reino de Deus, e ousadamente foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus. Depois disto, José de Arimatéia (o que era discípulo de Jesus, mas oculto, por medo dos judeus) rogou a Pilatos que lhe permitisse tirar o corpo de Jesus. E Pilatos lho permitiu. Então foi e tirou o corpo de Jesus.E foi também Nicodemos (aquele que anteriormente se dirigira de noite a Jesus), levando quase cem arráteis de um composto de mirra e aloés. ” Marcos 15:43; João 19:38,39
“E havia entre os fariseus um homem, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus. Este foi ter de noite com Jesus... E os servidores foram ter com os principais dos sacerdotes e fariseus; e eles lhes perguntaram: Por que não o trouxestes? Responderam os servidores: Nunca homem algum falou assim como este homem. Responderam-lhes, pois, os fariseus: Também vós fostes enganados? Creu nele porventura algum dos principais ou dos fariseus? Mas esta multidão, que não sabe a lei, é maldita. Nicodemos, que era um deles (o que de noite fora ter com Jesus), disse-lhes: Porventura condena a nossa lei um homem sem primeiro o ouvir e ter conhecimento do que faz? Responderam eles, e disseram-lhe: És tu também da Galiléia?” João 3:1,2; João 7:45-52
Servidores – agentes públicos
Γραμματευς - grammateus; n. m. escriturário, escriba, esp. um servidor público. Secretário, arquivista cujo ofício e influência não é a mesma em cada estado.
 A proximidade do poder facilitou a Neemias reconstruir os Muros e portas de Jerusalém. Pode parecer pouco, a posição de Neemias no cativeiro, ser visto como um serviçal, que servia a mesa do Rei, mas na realidade ele era um importante homem no rol dos funcionários do palácio, e tinha e só assim, poderia servir ao rei, total confiança real para o exercício de suas tarefas.
“Sucedeu, pois, no mês de Nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, que estava posto vinho diante dele, e eu peguei o vinho e o dei ao rei; porém eu nunca estivera triste diante dele. Então fui aos governadores dalém do rio, e dei-lhes as cartas do rei; e o rei tinha enviado comigo capitàes do exército e cavaleiros.” Neemias 2:1; 9
Fonte:
Bíblia Explicada – CPAD
Usos e Costumes dos Tempos Bíblicos – Ralph Gower
Bíblia Dake
Apontamentos do autor
Compilações do autor de seus textos publicados
Isaías: O Profeta Real, Richard D. Emmons

Os profetas em épocas de transformações políticas e sociais - Rev. Joaquim Beato.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical