sexta-feira, abril 9

Uma Tragédia...Poderia Ser Evitada? atualizado em 14/04-18:30hs

UMA TRAGÉDIA SEM PRECEDENTES.
Osvarela
Na noite de quarta-feira (6), moradores do Morro do Bumba, no Cubango, foram atingidos por um deslizamento de terra.
Aproximadamente 50 casas teriam sido atingidas. O desabamento, considerado o maior da história de Niterói, segundo a prefeitura, já deixou 17 mortos e dezenas de feridos.
Após vistoria, cerca de 60 imóveis foram interditadas no entorno do desabamento do local.
Trabalham no local 40 homens da Força Nacional, 90 bombeiros e cem policiais, dos batalhões de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, além da Companhia de Cães, do Batalhão Florestal, do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope).
A equipe é reforçada ainda por 24 operadores de máquina.
Oito escavadeiras de grande porte e quatro retroescavadeiras estão sendo usadas na área do deslizamento.
Segundo os bombeiros, as buscas vão continuar durante a noite e só vão parar quando todas as pessoas forem encontradas.
O deslizamento de uma enorme parte de uma comunidade habitacional é o assunto mais aterrador das chuvas que desabaram sobre o Rio de Janeiro.
A tragédia é mais uma das muitas que ocorrem no Brasil por conta da dificuldade em conseguir uma habitação de baixo custo.
Os brasileiros desafortunados se vêem obrigados a construírem suas habitações, a maioria delas, nos últimos tempos, em alvenaria, ou seja, uma construção definitiva em qualquer espaço urbano, próximo ao seu local de trabalho.
Assim, as encostas dos morros, principalmente no Estado do Rio de Janeiro, como em Belo Horizonte, ou em São Paulo, que são regiões onde a topografia é cheia destas formações, com encostas sobre pedras [vide Angra dos Reis], o que provoca em casos de infiltrações deslizamento, da massa de terra conformada às rochas, levando tudo o que estiver sobre a terra, de roldão.
No caso, o que aconteceu no Rio de janeiro, é uma situação que eu conheço bem, por dever de ofício.
Valos entre morros são usados para deposição de lixo urbano, a maioria deles foram simples Depósitos de Lixo.
O lixo é lançado sem qualquer tratamento de adensamento com camadas de terra, como deveriam ser utilizados: como Aterros Sanitários, controlados e monitorados.
E mesmo que o fossem, não são aptos a ter sobre a sua superfície, a construção de edificações, pois elas vão promover:
-lançamento de águas servidas; esgotos; dejetos, e abrir sulcos pelos caminhos abertos para acesso as residências, por onde a água pluvial [das chuva] vai procurar correr e abrir caminho.
Assim, o terreno se torna extremamente vulnerável.
Além do mais, estes Aterros, geralmente clandestinos, ou mesmo municipais, sem tratamento, são literalmente montanhas de matéria orgânica em decomposição [lixo doméstico, orgânico, ou industrial-restos de madeiras...], o que ao longo dos anos formam:
-Bolsões de gás – gás que queima ao entrar em contato com o ar.
A Bíblia fala do Lixão em Jerusalém, que era indicado pela Porta do Monturo - Porta do Lixo - e este foi um exemplo metafórico usado por Jesus sofre a interminável ação da decomposição e da quima do Fogo Espontanâneo, que dia e noite ao entrar na atmosfera dava seu sinal de ação com chamas.
A Bíblia nos ensina sobre tudo, nós é que somos desatentos:
Ne. 2. 13. Assim saí de noite pela porta do vale, até a fonte do dragão, e até a porta do monturo, e contemplei os muros ...estavam demolidos, e as suas portas, que tinham sido consumidas pelo fogo.
Mc.9.44. onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga.
Veja a descrição:

Geena é a transliteração comum para o português de um termo de origem grega: "géenna". Por sua vez, géenna origina-se do termo hebraico Geh Hinnóm (גֵיא בֶן-הִנֹּם) que significa literalmente "Vale de Hinom", e que veio a tornar-se um depósito fora de Jerusalém onde o lixo era incinerado.

Agora o vale é conhecido como Uádi er-Rababi.

A menção de "o vale dos cadáveres e das cinzas", em Jeremias 31:40 (BJ) pode ser também, uma referência a este local.

Lançavam-se ali cadáveres de animais para serem consumidos pelos fogos, aos quais se acrescentava enxofre para ajudar na queima.

Também se lançavam ali os cadáveres de criminosos executados, considerados imerecedores dum sepultamento decente num túmulo memorial. Quando esses cadáveres caíam no fogo, então eram consumidos por ele, mas, quando os cadáveres caíam sobre uma saliência da ravina funda, sua carne em putrefacção ficava infestada de vermes, ou gusanos, que não morriam até terem consumido as partes carnais, deixando somente os esqueletos.

Desabamento no Morro do Bumba (Foto: Marcelo Martins)
-formam uma massa que se liquefaz com o tempo, fica fluida e escorrega em várias situações.Veja a cor da massa: preta.
Conheço o solo do Rio, que tem coloração preta e em alguns locais extremamente arenoso, mas a cor desta massa é sinal da decomposição, do material lançado no local por anos, e que está e estava em decomposição.
-criam instabilidade ao depósito
-criam depósitos de material em liquefação
-ficam sem controle das autoridades, sem medição de movimentação da massa.
-não se controla a edificação de casas sobre elas
-aliás, tem todos serviços, que provoca o adensamento populacional:água, luz e outros serviços...
Tudo isto faz com que a Massa ao longo dos anos se movimente, até chegar ao ponto em que, como ocorreu no Estado do Rio de Janeiro – na Cidade de Niterói [do outro lado da Baía da Guanabara] – em algum momento, pode literalmente “Escorregar”, em direção ao ponto mais baixo, como uma Massa única, um verdadeiro “Tsunami” vertical, o que veio acontecer.
Infelizmente, com o Morro Do Bumba, onde cerca de 200 vidas [estimadas] estão debaixo de toda massa que se transformou o antigo Lixão.
É uma questão de Saúde Pública e de falta Política Habitacional.
Situação mal resolvida pelos Governos da União, Estadual e Municipal.
Infelizmente.
Lamento, mas outros Morros do Bumba, podem vir ocorrer pelo Brasil afora, e até aqui na Região do ABC, onde centenas de pessoas moram sobre estas “bombas” prestes a explodir.
A Declaração [abaixo: Quando eu assumi pela primeira vez, já havia um início de ocupação. A região é muito pobre e as informações que eu tinha eram de que aquele aterro era muito antigo e não representava nenhum risco”.] do Prefeito de Niterói – RJ[na foto ao lado do Gov. Sérgio Cabral], infeliz a meu ver, demonstra que ele foi mal informado ou assessorado sobre a questão e não tomou por duas gestões nenhuma medida pelo menos avaliatória ou de retirada dos moradores do local, caso para o MP, mas este não é momento de acusações, mas de solidariedade, com Niterói e com os vitimados e suas famílias. Deus tenha misericórdia destas...
Ao longo dos anos o risco destes “Lixões” descontrolados, aumenta.
Estado quer desativar aterro:
A Secretária do Meio-Ambiente do Estado do Rio de Janeiro, Marilene Ramos, após vistoria, em 09/04/2010, chegou a tardias conclusões.
Ela afirmou que todo o lixo do Morro do Bumba será levado para o lixão de Itaoca, em São Gonçalo, mas isso é provisório: “Itaoca tem prazo de vigência limitado”. A intenção do estado é desativar o aterro do Morro do Céu e construir um novo lixão.

Veja alguns pronunciamentos:
O engenheiro civil Alberto Sayão, da PUC-Rio:
“O Rio tem condições de topografia, geologia e clima que são favoráveis a esse tipo de coisa. Então a cada dez ou quinze anos mais ou menos nós temos uma ocorrência dessas. Tivemos em 1966 e 1967, depois 1988, daí 1996 e agora”; “Dizer que é inesperado é impossível”.
- volume de chuva que atingiu o estado, principalmente na última semana, foi “excepcional”. “É mais ou menos o que aconteceu em Santa Catarina há um ano e meio atrás. Nesses casos sempre vai ocorrer deslizamento. É impossível que não ocorra. Mas poderia ter sido minimizado o efeito desse temporal. O problema é gestão, é ocupação desordenada”, diz ele.
Geógrafa Ana Lúcia Nogueira de Paiva Britto, pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ):
O número de 13 mil domicílios em áreas de risco na cidade do Rio de Janeiro, informado pelo prefeito Eduardo Paes, não é alto o suficiente para justificar a dificuldade em resolver o problema”.
Leia Algumas Notícias do Caso:
Morador mostra vista do Bumba antes e após deslizamento.

Vista antes do desabamento (Foto: Marcelo Martins)

O morador Marcelo Martins enviou fotos da vista da varanda da casa dele, de frente para o Morro do Bumba, onde na noite desta quarta-feira (7) um deslizamento soterrou dezenas de casas.
Acima, uma imagem de como era a vista da varanda antes da tragédia. A foto acima mostra como ficou a vista da varanda com o entulho que se formou depois que a terra cedeu.

Este post foi publicado em Chuva, Rio de Janeiro, quinta-feira, (08/04/2010), às 11h41.
Doméstica tem mais de 20 parentes desaparecidos
A doméstica Andrea Rodrigues dos Santos era uma das muitas pessoas que aguardavam com angústia alguma informação do Instituto Médico Legal de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, responsável por Niterói.
Ela perdeu mais de 20 parentes no deslizamento de Morro do Bumba, entre tios e primos.
“Eram umas oito casas, todas ali na beira da rua, o deslizamento foi todo em cima das casas deles”, disse ela, acompanhada de cinco parentes.
Até o momento, segundo ela, somente uma tia foi resgatada com vida e está internada no Hospital Azevedo Lima.
O porteiro Rogério Teixeira buscava informação de três sobrinhos mortos no Caramujo, na terça-feira (6).
O irmão dele e pais das crianças, Alexandre da Conceição Teixeira foi resgatado com vida e está no Azevedo Lima, sem risco de morrer.
“Eles quatro estavam dormindo. Meu irmão foi salvo pelos vizinhos, mas as crianças não resistiram. Ele está sendo acompanhado por uma assistente social porque está muito abalado”, contou ele, que, tenta, desde terça conseguir saber se os corpos das crianças estão no Rio ou em Niterói.
'Não tinha conhecimento desse risco todo', diz prefeito de Niterói.
Jorge Roberto afirmou que vai remover famílias em áreas de risco.
PDT administrou a cidade 15 dos últimos 21 anos.
Do G1, no Rio, com informações do Jornal da Globo
O prefeito de Niterói, Jorge Roberto Silveira (PTD), admitiu, na noite desta quinta-feira (8), que sabia que a comunidade do Morro do Bumba, no Cubango, atingida por um deslizamento de terra na noite de quarta-feira (7), tinha sido construída sobre um antigo lixão.
O PDT administrou a cidade 15 dos últimos 21 anos.
A gente sabia que o lixão estava desativado há 30 anos. Quando eu assumi pela primeira vez, já havia um início de ocupação. A região é muito pobre e as informações que eu tinha eram de que aquele aterro era muito antigo e não representava nenhum risco”, disse.
Veja imagem em 360º do Morro do Bumba, local de deslizamento em Niterói
Dezenas de moradias ficaram sob os escombros.
Estimativa é que soterrados cheguem a 200.
Veja a situação no Morro do Bumba com o auxílio da Câmera 360º.
É uma visão geral impressionante.
Clique sobre a imagem e acesse a foto original 360º.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical