segunda-feira, fevereiro 21

Situação no Oriente Médio - Barril de Pólvora ou de Petróleo se esvaindo..

Oriente Médio.
Enquanto editava esta matéria fiquei sabendo que o Egito autorizou a passagem de dois navios da Marinha Iraniana [uma fragata e um Navio de Suprimentos] a atravessarem, o Canal de Suez, isto é estão a algumas milhas de Israel - yensão aumentada - isto não ocorria desde a Revolução de Khomeini - a Revolução Islâmica de 1979.


O canal de Suez é uma rota naval estratégica, que liga o mar Vermelho ao mar Mediterrâneo, evitando que os navios vindos da Europa e da Ásia tenham que contornar toda a África para comercializar suas mercadorias. 
Ele é fundamental para o comércio de petróleo.
Líbia.
Situação Tensa na Líbia.
Fim de linha para Kadafi [ou Gaddafi]?
Certas coisas estão acontecendo no mundo árabe com nelocidade espantosa, para os analistas políticos e até para nós.
Parece-me entender melhor o versículo:
Mt.24. 27. Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até o ocidente, assim será também a vinda do filho do homem.
No sentido escatológico da velocidade das coisas, que hão de acontecer e estão acontecendo, sem ser fatalista ou oportunista, mas numa releitura bíblica das revelações progressivas das Escrituras, a seu tempo.

Filho de Muhamar Kadafi diz que não atirou contra a multidão.
Contudo a notícias que nos chegam dão conta de que centenas de pessoas foram mortas, num verdadeiro genocídio.
Protestos contra Kadafi chegam à capital da Líbia.
Novas manifestações pressionam pela saída de Kadafi, enquanto o filho de Kadafi, Saif el-Islam Kadafi diz que líder lutará "até o último tiro".
(Foto: Darrin Zammit Lupi/Reuters) Caça líbio em aeroporto de Malta
Dois pilotos da Força Aérea da Líbia desertaram hoje, dia 21.
Eles levaram seus caças para Malta, onde disseram às autoridades que haviam recebido ordens para bombardear manifestantes, segundo fontes do governo maltês.
As fontes disseram que os aviadores – ambos com a patente de coronel – decolaram de uma base perto de Trípoli. 
Eles estão sendo interrogados pela polícia local, e um dos dois pediu asilo político.
Os dois disseram que decidiram voar para Malta após receberem ordens para atacar manifestantes em Benghazi, segunda maior cidade da Líbia, epicentro dos protestos contra o regime de Muammar Gaddafi.
Irã e Israel.
Navios de guerra iranianos no canal de Suez preocupam Israel.

Pela primeira vez nesta semana a Marinha do Irã navegou pelas águas do Mediterrâneo para ajuda humanitária e atravessou o Canal de Suez.
Cargueiro no Canal de Suez, entre o Porto de Saïd e Ismaïla.
AFP
A passagem de dois navios de guerra do Irã pelo canal de Suez, um eixo estratégico entre a Ásia e Europa, foi proibida na quinta-feira pelo Egito. Segundo as autoridades egípcias, os navios estão bloqueados no local.
Para Israel trata-se de mais uma provocação de Teerã.
Nathália Watkins, correpondente da RFI em Israel
Israel acompanha de perto a movimentação dos dois navios de guerra iranianos no canal de Suez, no Egito.
A manobra é tida como um ato de provocação por Israel, que teme a presença das embarcações em suas águas territoriais e também da Faixa de Gaza, território palestino controlado pelo Hamas.
A rede iraniana Press TV informou que as embarcações estão a caminho da Síria. Ela disse ainda que autoridades iranianas estavam em contato com as egípcias para assegurar a passagem dos navios. 
O Ministério das Relações Exteriores do Egito informou na manhã desta sexta-feira que recebeu o pedido de travessia e que o enviou as autoridades competentes. 
Ainda não foi informado quando uma decisão oficial será tomada pelo ministério egípcio da Defesa e pela Autoridade do canal de Suez.
Enquanto isso, a Tunísia e o Egito vivem os lentos e trabalhosos processos pós-revolucionário, no qual novos governos vão sendo formados para tentar dar resposta aos anseios da população.
Com BBC, AP e Reuters
A situação se afunila, para a nossa projeção: Aumento da União do Islã.
Num primeiro momento cheguei a acreditar que o Líbio Gaddafi estava livre destas revoltas, mas parece que a sua situação está degringolando rápida mente.
Os clérigos, os imãs já autorizaram ao povo Líbio resistir ao governo de seu antigo ditador, Muammar, em nome da religião e da Democracia.
Ou seja, ele perdeu importante apoio dos Clérigos de seu País. 
Situação dos Imigrantes e Trabalhadores Brasileiros na Líbia.
Brasileiros esperam sair da Líbia nesta terça, diz filha

Fernanda Flecha, de Belo Horizonte, tem um pai, um tio e um primo em Benghazi. Eles disseram que estão prontos para deixar o país
Denise Motta, iG Minas Gerais | 21/02/2011 20:41
A estudante mineira Fernanda Flecha, 18, vive momentos de apreensão por causa dos protestos na Líbia contra o ditador Muamar Kadafi. 
Seu pai, Victor Flecha, é gerente de Recursos Humanos da Construtora Queiroz Galvão e está na Líbia há um ano. Além do pai, Fernanda tem um tio e um primo em Trípoli, Wilson Flecha e Marcos Quintana, respectivamente.
Foto: AP/330-SQUADRON Ampliar
Protesto em Benghazi, na Líbia
Os dois se comunicam com a família em Belo Horizonte com mais facilidade que Victor. E conseguiram avisar nesta segunda-feira que irão retornar ao Brasil em um voo que parte amanhã à tarde da capital da Líbia. Wilson e Marcos trabalham para a Construtora Odebretch e devem retornar com um grupo de aproximadamente 40 brasileiros, estima a estudante.
Em Benghazi, foco principal de manifestações contra Kadafi, Victor tenta um meio de transporte para Trípoli (capital da Líbia) e houve informações não confirmadas de que haveria um navio para levar funcionários da construtora, de Benghazi a Tripoli, pelas águas do Mar Mediterrâneo. A distância por terra entre os dois locais ultrapassa mil quilômetros.
Bahrein.
Clérigos de Bahraini oram na Rotunda da Pérola depois que os militares saíram em Manama, Bahrein, sábado 19 de fevereiro de 2011. 
O vice-chefe das forças armadas do Bahrein, ordenou aos militares a retirar das ruas da capital. 
Tanques do Exército estão saindo da Praça Pérola de Manama enquanto a monarquia do Bahrein pretende abrir negociações com os manifestantes.
Entenda Um Pouco a Situação atual do Mundo Árabe.
Manifestações pró-democracia vêm se espalhando por diversos países árabes e muçulmanos. Eles tiveram início na Tunísia em dezembro passado e provocaram a deposição do então presidente do país, Zine al-Abidine Ben Ali, no final de janeiro. Em fevereiro, uma série de manifestações provocou a renúncia do presidente do Egito, Hosni Mubarak.
Nos últimos dias, também ocorreram protestos em países como Bahrein, Argélia, Iêmen, Marrocos e Jordânia.
Mundo árabe em convulsão
A onda de protestos que desbancou em poucas semanas os longevos governos da Tunísia e do Egito segue se irradiando por diversos Estados do mundo árabe.
Depois da queda do Líder tunisiano Ben Ali e do egípcio Hosni Mubarak, os protestos mantêm-se quase que diariamente e começam a delinear um momento histórico para a região. Há elementos comuns em todos os conflitos: em maior ou menor medida, a insatisfação com a situação político-econômica e o clamor por liberdade e democracia; no entanto, a onda contestatória vai, aos poucos, ganhando contornos próprios em cada país e ressaltando suas diferenças políticas, culturais e sociais.
No norte da África, a Argélia vive - desde o começo do ano - protestos contra o presidente Abdelaziz Bouteflika, que ocupa o cargo desde que venceu as eleições, pela primeira vez, em 1999; mais recentemente, a população do Marrocos também aderiu aos protestos, questionando o reinado de Mohammed VI. 
A onda também chegou à península arábica: 
-na Jordânia, foi rápida a erupção de protestos contra o rei Abdullah, no posto desde 1999; já ao sul da península, massas têm saído às ruas para pedir mudanças no Iêmen, presidido por Ali Abdullah Saleh desde 1978, bem como em Omã, no qual o sultão Al Said reina desde 1970.
Além destes, os protestos vêm sendo particularmente intensos em dois países.
Na Líbia, país fortemente controlado pelo revolucionário líder Muamar Kadafi, a população entra em sangrento confronto com as forças de segurança; em meio à onda de violência, um filho de Kadafi foi à TV estatal do país para tirar a legitimidade dos protestos, acusando um "complô" para dividir o país e suas riquezas. Na península arábica, o pequeno reino do Bahrein - estratégico aliado dos Estados Unidos - vem sendo contestado pela população, que quer mudanças no governo do rei Hamad Bin Isa Al Khalifa, no poder desde 1999.
Até no Irã!
Além destes países árabes, um foco latente de tensão é a república islâmica do Irã. O país persa (não árabe, embora falante desta língua) é o protagonista contemporâneo da tensão entre Islã/Ocidente e também tem registrado protestos populares que contestam a presidência de Mahmoud Ahmadinejad, no cargo desde 2005.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical