sábado, setembro 29

A Vida Plena nas Aflições. Lição 14 – CPAD - EM EDIÇÃO

A Vida Plena nas Aflições.
Lição 14 – CPAD Subsído de: Pr. Osvarela
Texto Áureo
“Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Fp 4:12,13)
Texto Básico: Fp 4:10-13
Fp 4:10-13.
Ora, muito me regozijei no Senhor por finalmente reviver a vossa lembrança de mim; pois já vos tínheis lembrado, mas não tínheis tido oportunidade.
Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.
Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.
Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.
Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição.
Ocasião e Data Durante as quais O Apóstolo Paulo Escreveu Tais Palavras:
“É, mas provável que Paulo tenha escrito esta carta durante sua primeira prisão romana, por volta de 61 dC, para agradecê-los pela contribuição que tinha recebido deles. Ele também elogiou calorosamente Epafrodito, que tinha trazido a doação de Filipos e quem Paulo estava enviando de volta”. Bíblia Plenitude.
Etimologia:
Plena - Cheio, completo;
Aflição:

1- Diz-se do estado de quem está aflito, angustiado.

2- Dor física ou moral; ânsia; agonia.
A aflição também pode ser entendida como sendo um grande tormento.
s.f. Grande sofrimento, dor profunda, tormento. Pena moral, ânsia, mágoa.

Aflição vem do latim afflictione;

A aflição é algo inerente ao ser humano, quando ele encontra-se sob grande pressão psicológica, moral ou até mesmo espiritual.

De toda sorte: perseguições, fome, guerras, injustiças, doenças, morte etc.

Mazelas existentes no sistema organizado chamado mundo (- não o mundo físico, ecossistema, mas o mundo reino parasita do Mal - ) porque desde a eternidade Ele se tornou adversário desse reino.

Acompanha os momentos:

De perdas, vivendo-as, antes, durante e depois, das mesmas;

Momentos de padecimento físico;

Momentos de pressão moral e psicológica:
Momentos de pressão moral.
Momentos espirituais, quando o homem, necessita de definições, de convencimento, de entendimento e quando falta estes elementos em sua vida.
Há, porém, algumas aplicações da Aflição que nos podem fazer, vê-la sob o ângulo de ser um instrumento para moldar a vida, até mesmo do homem, mas sobretudo do cristão, o homem espiritual:
Como citamos que a aflição está ligada a pressão, ao esmagar [tipológico] do homem natural, podemos utilizar-nos dos exemplos abaixo, como apropriada forma de formar benefícios pela aflição, Sem contudo negar o sofrimento:
As coisas mais valiosas da vida nos vêm através da pressão.
- O trigo é moído antes de poder tornar-se em pão.
- O incenso precisa ser posto no calor do fogo a fim de desprender o odor.
- O solo precisa ser rasgado pelo arado agudo,antes de receber a semente.
- O coração quebrantado é o que agrada a Deus. As alegrias mais doces são fruto de sofrimento.[parte deste trecho compilado e editado ,os tipos – crédito: Pr Edson Campos

Vida.
BIOLOGIA significa ciência da vida. BIO = vida.
Zoe – ζωή (grego)  - vida plena
Significa "vida" em grego. EVE Desde cedo foi adotado pelos judeus helenizados como uma tradução de EVE. Ele foi levado por dois dos primeiros cristãos santos, um mártir sob o imperador Adriano, o outro martirizado sob Diocleciano. O nome era comum no Império Bizantino, sendo suportado por uma decisão da imperatriz do século 11. Como um nome Inglês, Zoe só tem sido usada desde o século 19. Ele geralmente tem sido mais comum entre os cristãos do Oriente (em diferentes grafias).
Contexto bíblico
Origem - grego.
Pronúncia - zo-ay.
O zoe palavra é usada 134 vezes no Novo Testamento para indicar a vida eterna.
Eternal life (zoe) is the whole future of the redeemed, and the final glory and reward to which the children of God enter.
A vida eterna (Zoe) é todo o futuro dos redimidos, e a glória final e a recompensa para a qual o[s] filho[s] de Deus entra[m]. tradução livre
Jesus diz que ele é o caminho, e a verdade e a vida (zoe).
Lucas 16:9, 1Tm 6:12, Rm 6:22, Gl 6:8, 1 Tm 1:16, Rm 5:21, João 14:6.
No Novo Testamento grego:
Zoe retrata a vida dada por Deus por Nosso Senhor Jesus Cristo, a todos que N’Ele crêem!
“Aquele que crê no Filho tem a vida eterna;”  João 3.36
Zao - a forma verbal – “..., nos movemos e temos a nossa existência "(Atos 17:25-28 NASV)
Πράξεις 17:28. Για σ 'αυτόν ζούμε και κινούμαστε και υπάρχουν, όπως επίσης κάποιες από τις δικές σας ποιητές έχουν πει, γιατί είναι επίσης απόγονοι του.
Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. 1 João 5:12.
O Léxico. 
A palavra grega para "vida" é zoe. Esta é a raiz das palavras inglesas "jardim zoológico" e "Zoologia".
Zoe é usado para o estado de ser e estar animado que é comum a toda a humanidade, se salva ou não salvos.
Zoe é o ensino neotestamentario que nos diz que Zoe – Vida é o próprio Deus Pai. 
O Seu Filho, Jesus o chama de "a vida [zao] Pai" (João 6:57), indicando que a vida zoe é a própria vida que Deus tem em si mesmo. 
Como o Pai, O Filho também, tem este atributo deste poder de vida, como O Unigênito do Pai: "Porque, assim como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu ao Filho também ter a vida em si mesmo" João 5:2.
Podemos encontrar zoe muitas vezes modificado, pelo adjetivo ‘aionios’. Neste caso contendo um pré-fixo de Eterno, ou eternidade, inferindo Infinitude, Infinito!
Após termo visto a questão etimológica, iniciamos ao entendimento, da percpção necessária a questão de Vida com Cristo.
Vida com Cristo não é absolutamente destituída de provações plenas.
A vida plena com Cristo é uma vida na qual somos adestrados a vivenciá-la, como uma vida na qual todos os sentimentos antropológicos são exercitados, e trazidos a obediência à Cristo, ou em Cristo por aqueles que o aceitaram.
Como?
Porque a vida com Cristo, não é medida pelo: ter ou não ter.
Assim, é impossível antever uma vida com Cristo somente na fartura, na ausência dos problemas, na ausência da prosperidade, no exercício vivencial das vontades do corpo, da consciência sem culpa [porque todos pecaram....].
Hc. 3.16-19 -;Ouvindo-o eu, o meu ventre se comoveu, à sua voz tremeram os meus lábios; entrou a podridão nos meus ossos, e estremeci dentro de mim; no dia da angústia descansarei, quando subir contra o povo que invadirá com suas tropas. Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação. O Senhor Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas.
Viver uma vida antihabacuqueana, ou seja, uma vida na qual só se vive plenamente se não houver dissabores em nossos passos.
Os Passos, da vida cristã plena, são passos, nos quais são admitidos todos os tipos de percalços, por onde nos passarmos, eles serão vividos, na mesma alegria, quando não existem, ou nos não atingem.
Vivendo em Corpo as Aflições:
Filipenses 1:27-30. Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que estais num mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho. E em nada vos espanteis dos que resistem, o que para eles, na verdade, é indício de perdição, mas para vós de salvação, e isto de Deus. Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele,Tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto e agora ouvis estar em mim.
Até porque a vida plena supõe viver plenamente, a dor do Corpo.Osvarela
Tg 5:16 - Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.
Chorar com os que choram e alegrar-se com os que se alegram é algo notoriamente evidencial, sobre a vida plena em Cristo:
Rm 12:15 - Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram;
Somos corpos, as dores do Corpo [Eclésia – Ekklesia], nos faz permeáveis, a dores em todo o nosso viver e não nos isenta como membro do corpo de uma vida sem sofrimento.
A vida comunitária está ligada, a atitude do cristão frente ao sofrimento dos membros da comunidade – Igreja.
Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição.
-A vida Plena com Cristo é parte natural do viver cristão.
Tanto o Senhor Jesus, quanto seus apóstolos constataram isto e disto testificaram.
Sendo assim, a parábola do Rico e Lázaro, e outros textos neotestamentários, como lemos no texto de Tiago 5, mostram que o viver em riqueza [ embora não condenável, ser rico, mas viver em busca da mesma, é condenável, tanto quanto viver pela e para a ela] como objetivo único é frustração impeditiva de se ter uma Vida Plena com Cristo!
Perecíveis e essencialmente terrenas, nos impedem de ver o futuro pós Iminência.
-Qual deve ser o nosso tesouro, ou a guarda de bens nesta vida, para o dia futuro do Senhor?
Tiago nos orienta sobre tal método de guardar e viver em função a vida futura com Cristo, O Senhor de nossas vidas:   
Tg 5:1-3.EIA, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai, por vossas misérias, que sobre vós hão de vir. As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas de traça. O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem dará testemunho contra vós, e comerá como fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias.
Da mesma, forma a linguagem veterotestamentária nos aponta para este viver, sem expectativa, além do mundo físico e de riquezas e vida apenas de satisfação pessoal. Sl. 73
Embora as riquezas sejam e estão nos tesouros insondáveis do ‘aeon’ do Eterno!
Deve-se assim, entender e exercitar na práxis da vida cristã o texto paulino da Lição:
Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade”.
-Viver nas Aflições:
É difícil entender esta vida, como satisfatória ou plena, ao analisá-la sob o aspecto da alma, consciência humana.
É difícil entender uma vida com sofrimentos, com necessidades, com doenças, com parcos recursos, sem viver os prazeres que estão disponíveis a todo o mortal.
Sem atentar para a concupiscente oferta física e atrativa da gula, da bebida farta [oinos’], do multiplicado viver mundano.
A Morte E O Viver A Vida Plena E Os Sofrimentos – é ter uma constatação, que nos é apresentada, como uma equação infinita, de vida cristã, sob o aspecto do sofrimento ‘huper’ instalado, até a morte, do cristão.
Romanos 6:11-9. Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor.Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus.Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos; Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele.
Como assim?
Sob o ângulo anterior ao texto, acima utilizado, O Apóstolo Paulo ensina-nos, orientando-nos, sobre a conduta do cristão, desde o dia da eleição, o que não isenta das consequências vinculada, a esta conduta até ao Dia do Senhor.
E para os que morrerem no Senhor fatalmente passando pela morte.
O hiato do ciclo de vida do homem infere esta passagem, fatal.
Isto passa pelos sofrimentos e seus efeitos sobre a vida do cristão, diante dos mesmos.
Filipenses 2:15-18. Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo; Retendo a palavra da vida, para que no dia de Cristo possa gloriar-me de não ter corrido nem trabalhado em vão. E, ainda que seja oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da vossa fé, folgo e me regozijo com todos vós.E vós também regozijai-vos e alegrai-vos comigo por isto mesmo.
A nossa relação com o exterior da Igreja, deve ser encarda sob o ângulo da superioridade [“Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa”, sob o ponto de vista da eleição e espiritual, sem menosprezo a ninguém, porém sob a conduta como cristãos] – Fp.2.15 - por um lado e por outro pela experiência do sofrimento, que modela. Filipenses 1:29.Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele...
É neste quadro de vivência humana, que o cristão deve viver a Vida Plena Nas aflições.
Seria impensável ao ser humano viver nesta vida sob esta ânsia e expectação, quase sendo obrigado a viver em êxtase completo, com os sentidos torporizados.
Mas, não é esta a experiência do convertido e salvo em Cristo.
Não é esta a proposta do Evangelho Cristocêntrico.
Base desta Epístola paulina aos Filipenses, escrita, como acima, na prisão, pelo Apóstolo.
Tendo a escrito a palavra “Senhor” por noves vezes, Paulo, quer informar-nos sobre a soberania e vida de Cristo, na vida do cristão, o qual, sob este aspecto de glória e esperança em sua vida pode ser compensado em virtude e Graça, por esta presença, vivendo no Senhor e para o Senhor!
A convicção da soberania absoluta de Cristo impulsionou toda a atividade missionária de Paulo e o faz entender, a nós também, sobre o governo e domínio de Cristo em nossos corações, como a base cristológica da Vida Plena Na Aflição, como escreve sobre isto na Carta irmã, Aos Colossenses.
- Para Paulo, Cristo era mais do que um exemplo;
Ele era a própria vida do apóstolo.
Não vamos encontrar escritor neotestamentário, mais cristocêntrico, do que João, pelo menos em extensão literária, haja vista, as Joaninas e O Evangelho de Jesus Segundo Escreveu São João – O Apóstolo.
Assim, para o Apóstolo Paulo: “Cristo é a soma e a substancia da vida [Bíblia Plenitude]”;
-A Vida Plena não é a vida sem tribulações, mas é a Vida Plena de Cristo.
-A Vida Plena não é a ausência de dores, mas se as vivemos, somos consolados, ou as vivemos por Cristo e em Cristo.
-A Vida Plena não é a vida da abundancia financeira, mas a vida Plena da abundante Graça.
Só se vive a Vida Plena nas Aflições, quando somos alcançados pela Graça abundante.
Romanos 5:20. Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;
O Apóstolo Paulo a vivenciou, em seu pleroma [πλήρωμα], porque em algum momento de sua caminhada, querendo ver-se livre da aflição na carne, ouviu:
A Abundante Graça Que Faz o Fraco Forte:
“...A minha Graça, te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza..” 
II Corintios 12:10-9. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.
[...] E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.
Esta foi a renovação revelacional do Apóstolo, quanto ao viver Cristo e entender o quanto estava, até aquele momento longe do entendimento teológico, que o não fazia entender a proteção, a guarda, a preciosa esperança, na qual se envolvera, apesar de todas as guerras, que combatera até aquele momento, estava sob a égide da Graça Redentora e Salvífica, que o poderia ajudar, até ao fim do combate, ao declarar:
II Corintios 12:15. Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar ... ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado.
Exemplo de Vida Plena Nas Aflições:
Sou paulino, pois encontro, como o autor da Lição do semestre, os exemplos de Paulo, como lenitivo e ensino canônico para nossas vidas.
Quem poderia cantar na prisão após 40 chibatas, menos uma e ainda evangelizar o seu carcereiro?
Assim, Paulo nos ensina neste texto tema desta Lição 13.
“...Ninguém me assistiu na minha defesa, mas o Senhor esteve comigo...”
II Timóteo 4:16-18. Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam[...] Mas o Senhor assistiu-me e fortaleceu-me, [...] e fiquei livre da boca do leão. E o SENHOR me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém.
O Salmo 73 é prodigo na sua narrativa quanto à observação, natural, do viver sem bens, poderes, saúde, e até mesmo aparente falta de alegria, ao olharmos os que não vivem uma vida de servo do Altíssimo.
-vs.3. Pois eu tinha inveja dos néscios, quando via a prosperidade dos ímpios.
A expectativa antropológica é naturalmente viver uma vida sem decepções.
Isto seria natural pelas evidencias bíblicas da criação de um ‘anthropos’ para viver uma vida de plenitude, no ambiente criado e preparado, após a decadência da Terra [Gn 1.1].
A Vida Plena Nas Aflições:
Romanos 7:24. Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?
Até na morte a Carta aos Filipenses é, como é descrita pela teologia – A Carta da Alegria – O Apóstolo Paulo pode encontrar e dar ênfase, para o momento mais cruel para ser vivido em termos de aflição do ser humano.
Ele que escrevera: “...onde está Ó Morte a tua vitória...” pode escrever conforme lemos, que até a Morte, tornou-se amiga, pois ela seria o veículo de transporte para maior experiência mística com Cristo.
Paulo com esta visão, do exemplo, de que a relação com Cristo não se baseia no imitativo, pois ele aponta para Cristo como, O Salvador, mas aponta para a condição da realidade da vida cristã, viver a práxis cristológica: viver no novo estado, que é o estado da salvação em Cristo, pois somos salvos! Fp. 2.5.ss
A Alegria definitiva surge da comunhão com Cristo ressuscitado e glorificado. Por toda a carta, Paulo fala da alegria do Senhor, enfatizando que somente através de Cristo se alcança a alegria, como ocorre com todas as outras graças cristãs. Essencial para essa alegria é a convicção confiante de autoridade de Cristo, baseada na experiência do poder de sua ressurreição. Devido essa convicção, a vida de Paulo ganhou sentido. Mesmo a morte tornou-se uma amiga, pois o levaria a uma maior experiência da presença de Cristo (1.21-23).” Bíblia Plenitude.
Desta forma, podemos entender que não há na Vida Plena de Aflições, situações mal resolvidas, ou que nos impeçam ter alegria no viver em Cristo.
Logicamente, que não estou dizendo que nosso corpo, alma, não sentirão dores e seremos inexpugnáveis, a estas coisas da vida natural, mas afirmando, que podemos superar, em Cristo até este nosso último Inimigo, ao antever o que nos espera nas Mansões celestiais.
CONTINUA...
FONTES:

Apontadas no texto;

As demais serão apontadas ao termino da edição do mesmo;

IEC Jardim da Luz – Campo Grande – RJ – Josemar Bessa – foto de Spurgeon

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical