sexta-feira, fevereiro 7

A TRAVESSIA DO MAR VERMELHO Edição - 2ª Parte Lição CPAD/2014

A TRAVESSIA DO MAR VERMELHO

Edição da 2ª Parte da Lição do mesmo título – CPAD/2014 : Osvarela
O Momento da Travessia
No lado Hebreu
Eles estavam preparados.
A Páscoa de maneira metafórica aponta para a preparação pelo Sangue do Cordeiro. Todo o que estiver sob este Sangue está fora da ação da Morte. Morte, aqui é a ação sobre a Vida. Assim, todo quanto participa deste Ato se assemelha aos Hebreus ao aspergir o sangue do cordeiro pascal nas ombreiras de suas portas.
O Sangue de Cristo é o sangue da aspersão na vida do que o aceita e se prepara para deixar o Egito – este Mundo.
Durante toda a Noite havia uma intensa tensão no arraial dos hebreus.
Sl 105:38 - O Egito se alegrou quando eles saíram, porque o seu temor caíra sobre eles.
Após a saída do Egito de forma apressada, (pela ordem dada após a noite da morte dos primogênitos, sob o choro em todas as casas) no momento imediato após a Primeira Celebração da Páscoa, enquanto a massa do pão estava esperando para levedar.
Êxodo 12 33,39 E os egípcios apertavam ao povo, apressando-se para lançá-los da terra; porque diziam: Todos seremos mortos. E o povo tomou a sua massa, antes que levedasse, e as suas amassadeiras atadas em suas roupas sobre seus ombros. Fizeram, pois, os filhos de Israel conforme à palavra de Moisés, e pediram aos egípcios joias de prata, e joias de ouro, e roupas. E o Senhor deu ao povo graças aos olhos dos egípcios, e estes lhe davam o que pediam; e despojaram aos egípcios.
Estes se sentiram aliviados com a saída do povo de Goshén - Sl 105:38 - O Egito se alegrou quando eles saíram, porque o seu temor caíra sobre eles.
As mulheres pegaram a massa de pão e colocaram nas costas, os que tinham despojos dados pelos seus assustados vizinhos egípcios, o que mostra a completa adaptação à vida no Egito, os hebreus marcharam em tropa, ou seja, de forma disciplinada em formação:
Ex. 13.18 Mas Deus fez o povo rodear pelo caminho do deserto do Mar Vermelho; e armados, os filhos de Israel subiram da terra do Egito.
A expressão armados refere-se à caminhada e formação tipo militar para que houvesse uma formação controlada. Os Hebreus saíram apressados, mas não sem ordenação, de tal modo que havia ordem na caminhada.
Liderança e Homens à frente, mulheres, crianças e idosos, no centro da formação e ao lado grupos de homens para protegerem o centro da massa. Eles estavam agrupados por patriarcados, ou seja, famílias segundo sua descendência e casa.
Deus mesmo se dispôs a ajudá-los nesta ordem de caminhada, posicionando tal qual o General, na Frente e atrás, sob a forma de Coluna e Nuvem.
Ex. 13.21,22 E o Senhor ia adiante deles, de dia numa coluna de nuvem para os guiar pelo caminho, e de noite numa coluna de fogo para os iluminar, para que caminhassem de dia e de noite. Nunca tirou de diante do povo a coluna de nuvem, de dia, nem a coluna de fogo, de noite.
Ao longo das tratativas entre Deus- Moises- Arão e Faraó o povo preparou as suas lembranças, guardadas por 4 séculos, entre elas os corpos de seus Patriarcas:
Desde Jacó sepultado em Macpela (local de disputa até os nossos dias)
- Corpo de José –
Gn.50.24-26 E disse José a seus irmãos: Eu morro; mas Deus certamente vos visitará, e vos fará subir desta terra à terra que jurou a Abraão, a Isaque e a Jacó. E José fez jurar os filhos de Israel, dizendo: Certamente vos visitará Deus, e fareis transportar os meus ossos daqui. E morreu José da idade de cento e dez anos, e o embalsamaram e o puseram num caixão no Egito.
Colocamos o caso do corpo de Jacó como uma das provas e das lembranças de sua Terra, muito embora tenham permanecido no Egito.
- Corpo de Jacó – eis uma narrativa poderosa em ação. A mesma mostra que mesmo após a seca o povo hebreu decidiu morar no Egito.
Tiveram a oportunidade de deixar a Terra de Gosen e se estabelecerem nas áreas de propriedade da Abraão.
José obteve a autorização do Faraó (estranhamente ele não obteve acesso direto ao Faraó, mostra um pouco do poder do Faraó e da qualificação de José; talvez como um Ministro que teve autoridade interina, para resolução da crise da fome e da seca e somente para este evento, mas mostra o seu prestígio diante do que faraó colocou a sua disposição para este sepultamento) para ir sepultar o seu Pai Jacó e com ele e os seus irmãos foram os egípcios em um cortejo belíssimo e muito grande. Esta narrativa nos mostra a interação e aculturamento do povo hebreu de tal maneira, que eles foram chamados de egípcios.
Gn.50.4-14       Passados, pois, os dias de seu choro, falou José à casa de Faraó, dizendo: ... rogo-vos que faleis aos ouvidos de Faraó, dizendo: Meu pai me fez jurar, dizendo: [...]E Faraó disse: Sobe, e sepulta a teu pai como ele te fez jurar. ... e subiram com ele todos os servos de Faraó, os anciãos da sua casa, e todos os anciãos da terra do Egito. Como também toda a casa de José, e seus irmãos, e a casa de seu pai; somente deixaram na terra de Gósen os seus meninos, e as suas ovelhas e as suas vacas. E subiram também com ele, tanto carros como gente a cavalo; e o cortejo foi grandíssimo. [...] E vendo os moradores da terra, os cananeus, o luto na eira de Atade, disseram: É este o pranto grande dos egípcios. Por isso chamou-se-lhe Abel-Mizraim, que está além do Jordão. [...] Depois de haver sepultado seu pai, voltou José para o Egito, ele e seus irmãos, e todos os que com ele subiram a sepultar seu pai.
Isto nos mostra, quando Deus decide o homem não tem capacidade de desfazer a Ordem de Deus – “peregrina será a tua descendência ...430 anos”.
Ainda que entendamos que esta posição não descaracteriza a ação temporal necessária, como dissemos em estudo anterior, que a estada neste período determinado por Deus lhes era necessária como preparação, e que naquele momento a saída do Egito não lhes era positiva ou até mesmo uma necessidade premente. Eis porque as Escrituras Veterotestamentárias nos informam da benção sobre o Egito.  Isaías 19.25 O Senhor dos Exércitos os abençoará, dizendo: "Bendito sejam o Egito, meu povo, a Assíria, obra de minhas mãos, e Israel, minha herança".
Ciência Egípcia à disposição dos Patriarcas.
O translado do corpo de Jacó não foi uma ação qualquer. A narrativa bíblica nos mostra que o seu corpo foi preparado e embalsamado pelos maiores especialistas nesta ciência, os egípcios. Gn. 50.2,3
 – Gn.47.28-30 E Jacó viveu na terra do Egito dezessete anos, de sorte que os dias de Jacó, os anos da sua vida, foram cento e quarenta e sete anos. Chegando-se, pois, o tempo da morte de Israel, chamou a José, seu filho, e disse-lhe: Se agora tenho achado graça em teus olhos, rogo-te que ponhas a tua mão debaixo da minha coxa, e usa comigo de beneficência e verdade; rogo-te que não me enterres no Egito, Mas que eu jaza com os meus pais; por isso me levarás do Egito e me enterrarás na sepultura deles. E ele disse: Farei conforme a tua palavra.
Gn.49.29-33 Depois ordenou-lhes, e disse-lhes: ... sepultai-me com meus pais, na cova que está no campo de Efrom, o heteu, ...na terra de Canaã, [...]Acabando, pois, Jacó de dar instruções a seus filhos, encolheu os pés na cama, e expirou, e foi congregado ao seu povo.
- Corpos de seus ancestrais, por tribo, seguindo o preceito dado por José.
Percorreram o caminho:
Ex 13. 17 E aconteceu que, quando Faraó deixou ir o povo, Deus não os levou pelo caminho da terra dos filisteus, que estava mais perto; porque Deus disse: Para que porventura o povo não se arrependa, vendo a guerra, e volte ao Egito.
Ex. 13.20 Assim partiram de Sucote, e acamparam-se em Etã, à entrada do deserto.
A Rota
Mapa mostra o trajeto defendido e em grande parte comprovado por Ronald Wyatt. O local chamado Etham (ou Etã) é próximo da cidade hoje conhecida como El Thamad.
O caminho para a terra dos filisteus (faixa de Gaza) era o mais curto, mas para não haver confrontos a ordem foi seguir pelo caminho do deserto próximo do Mar Vermelho (Êxodo 13.17). Mesmo assim, até hoje a verdadeira rota do Êxodo é discutida entre os estudiosos da História e da Teologia.
As medidas atuais de onde seria realizada a travessia são as seguintes:
- Ao sul do Canal de Suez – Largura: 286 metros
- Ao norte do Canal de Suez – Largura: 343 metros
A profundidade média atual do Canal de Suez é de 8 a 12 metros de altura.
No outro Lado dos Egípcios.
Após a Ordem de saída sob o impacto das mortes dos primogênitos de todas as casas no Egito Faraó cai em si (coração mudado) e decide ir a caça dos hebreus.
Nem se poderia dizer que ele estava preocupado com a perda da mão-de-obra, mas sim com o ódio da perda dos seus primogênitos, o que mostra a sua posição de indignação contra aquele povo e seu Deus, que o haviam levado a uma posição de perdedor e conseguido sob o Poder do Deus Invisível e desconhecido dissuadi-lo de reter o povo, em qualquer situação, impondo-lhe condições à sua autoridade e divindade como um deus egípcio.
Nenhum povo usou a carruagem como os egípcios, eles a usavam de maneira eficaz. Isto se nota na narrativa de quem vivera no Egito – Moises - e conhecera por sua posição a arte de guerra dos egípcios, a destacando no trecho bíblico:
Ex 14. 6-8 E aprontou o seu carro, e tomou consigo o seu povo; E tomou seiscentos carros escolhidos, e todos os carros do Egito, e os capitães sobre eles todos. Porque o Senhor endureceu o coração de Faraó, rei do Egito, para que perseguisse aos filhos de Israel; porém os filhos de Israel saíram com alta mão.
Carros e Cavaleiros
A Arqueologia e os estudiosos de guerras antigas descobriram que a carruagem de guerra egípcia era diferenciada das demais carruagens usadas por povos que utilizavam esta arma de Infantaria, sejam os mesopotâmios e/ou hititas.
A ciência bélica egípcia conseguiu inscrever a sua Força armada nas maiores guerras, como a guerra em que foram utilizadas 6.000 carruagens (Raamsés II - A batalha de Kadesh) sendo responsável por conquistas na história do Egito sob os faraós.
-Design
-A carruagem egípcia era mais leve;
-Trocaram o eixo da carruagem;
O condutor ficava mais próximo;
-Aumentaram a proteção dos animais e dos guerreiros com uso de mais placas de bronze;
A Utilização E Tripulação.
Os demais povos (ex. hititas) usavam as suas carruagens para saírem de encontro ao inimigo e usavam armamento convencional para época, lanças e espadas. Os egípcios mudaram a tripulação de soldados armados apenas para ataque próximo e colocaram arqueiros; assim quando as flechas acabavam, eles se tornavam o atacante de luta frontal e próxima usando uma lança curta para atacar seus inimigos em uma distância segura, com agilidade.isto proporcionava a duplicidade e segurança das tropas com ataques à distância e luta próxima,mas sob os carros protegidos.
Ex 1. 6-10 Faleceu José, e todos os seus irmãos, e toda aquela geração. E os filhos de Israel frutificaram, aumentaram muito, e multiplicaram-se, e foram fortalecidos grandemente; de maneira que a terra se encheu deles. E levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não conhecera a José; O qual disse ao seu povo: Eis que o povo dos filhos de Israel é muito, e mais poderoso do que nós. Eia, usemos de sabedoria para com eles, para que não se multipliquem, e aconteça que, vindo guerra, eles também se ajuntem com os nossos inimigos, e pelejem contra nós, e subam da terra.
Esta era a força perseguidora aos Hebreus, o melhor Exército contra um povo que jamais enfrentara uma guerra. Podemos supor que inúmeros hebreus possam eventualmente ter lutado no exército egípcio, mas a narrativa não nos dá maiores detalhes sobre isto, e seria uma hipótese distante pois eles eram basicamente um povo escravo de valor laboral e vigiados para não formar uma força bélica interna e se voltarem contra os egípcios, como mostra o texto.
A faixa renderizada (destaque em azul quadriculado) mostra um possível local de travessia com características possíveis para a passagem dos Hebreus. Não quer dizer que fosse um local raso, com águas que dessem pé ao povo, mas um trecho menos profundo.
Contudo se preciso fosse, Deus teria feito o povo atravessar nas profundidades mais baixas do Mar!
Local da Parada para Travessia;
Local onde Faraó teria avistado o acampamento dos hebreus na praia antes da travessia (Êxodo 14.9-10). É o único caminho para a praia.
A vista do mar nesta área.
As imagens abaixo foram montadas por mapeamento topográfico, e mostram que o mar é profundo ao sul (1700 m) e ao norte (900 m) da praia formando uma espécie de ponte submersa (cerca de 110 m de profundidade)! No fundo foram encontradas rochas agrupadas em linha reta na beira desta planície fazendo-a parecer uma estrada.
A distância entre a costa egípcia e a árabe é de cerca de 18 Km e calcula-se que a largura do caminho feito pelo afastamento das águas tenha aproximadamente 900 metros. Levando-se em consideração o forte vento nas laterais e que uma pessoa leve 3 horas e meia para percorrer essa distância, estima-se que a travessia de quase 3 milhões de pessoas possa ter levado umas 6 horas.
Mudando o foco
Na realidade o nosso interesse é no Milagre do Evento.
Enquanto o povo estava distribuído em uma faixa de terra, entre o mar e as montanhas, e atrás “vem Faraó” se veem agora sob uma decisão, como dito na Edição anterior dete Estudo.
Mas, Deus tinha preparado algo maravilhoso para o povo e para Moises!
As reclamações chegavam a Moises de todas as tribos e famílias, alem daqueles que saíram junto – o vulgo.
Moises vai inquirir a Deus sobre a situação. Quantas vezes somos assim, não entendemos a direção para a qual fomos levados, e inquirimos a Deus qual o próxima ação a ser realizada, faça como Moises, em “beco sem saída” busque a direção de tua vida em Deus
Ex 14.2 Fala aos filhos de Israel que voltem, e que se acampem diante de Pi-Hairote, entre Migdol e o mar, diante de Baal-Zefom; em frente dele assentareis o campo junto ao mar.
Como dito acima, o povo pode assentar o seu 3º (terceiro) Acampamento desde a saída, ou seja, dispuseram suas famílias acampadas em ordem numa formação de segurança, porém estavam defronte ao Mar e não entendiam porque.
Acampamentos antes de chegar ao Mar Vermelho.
1º (primeiro) Acampamento – Sucote.
סכות Cukkowth ou סכת Cukkoth - - Sucote = “tendas”;  n pl pr loc.
- o primeiro lugar de parada dos israelitas quando saíram do Egito
2º (segundo) Acampamento Etam (Etham)
אתם ’Etham – termo de derivação egípcia; n pr loc. Etã = “com eles: a relha de arado deles”. A expressão lembra a atividade agrícola com o uso de animais de tração – bois – atividade dos hebreus, citada por Jose quando seu pai desceu ao Egito numa caravana de 70 almas, como diz o texto bíblico.
1) um lugar de parada para Israel durante o êxodo
Ex 14.20 Assim partiram de Sucote, e acamparam-se em Etã, à entrada do deserto.
Os acampamentos se tornaram necessários para comer e beber e outras necessidades físicas e de decisões pelo Líder Moises.
A Arqueologia mostra que este lugar, possivelmente é o local da foto abaixo.
3º acampamento - Pi-Hairote
החירת Pi ha-Chiyroth - Pi-Hairote = “lugar onde cresce caniço” - fem. pl. de um substantivo com a intercalação do artigo; n. pr. loc.
Foi o local do 3º acampamento dos israelitas depois que partiram de Gósen, no Egito, e o último antes de atravessarem o Mar Vermelho.Vide foto acima.
Edição continuada...
Fonte:
Eber Ventura
Tempo do fim 2 – Êxodo acessado em 06/02/2014
Bíblia Chamada
Apontamentos
Fotos diversas Internet

Bíblia Plenitude

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical