domingo, dezembro 28

O Tempo da Profecia de Daniel 13ª Lição - 1ª Parte - Em Edição CPAD – 4º TRIMESTRE 2014

O Tempo da Profecia de Daniel
1ª Parte - Em Edição
Editor Pr Osvarela
Tema do Trimestre: A Integridade Moral E Espiritual
CPAD – 4º TRIMESTRE 2014
- O Legado Do Livro De Daniel Para A Igreja Hoje.
OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
- Compreender o tempo do cumprimento da profecia entregue a Daniel.
- Explicar a doutrina da ressurreição do corpo na Bíblia.
- Reconhecer a nossa limitação e finitude como seres humanos.
COMPREENDA:
O enfoque na interpretação dos dias finais do povo hebreu encontra em Dn as chaves que ajudam a desvendar os mistérios de assuntos como o Anticristo, a grande tribulação, a segunda vinda de Cristo, os Tempos dos Gentios, as ressurreições futuras e juízos.
As profecias (ainda estão por se cumprir) são tratadas e giram em torno daquilo que chamamos de:
Dois Eixos Principais:
1º Eixo- o destino futuro da cidade de Jerusalém;
2º Eixo- o destino futuro do povo de Daniel; judeus nacionais (9.24).
TEXTO ÁUREO
Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição2 Ts 2: 3
LEITURA BIBLICA
Daniel 12: 1-4, 7-9, 11-13; Daniel 12: 1-4
E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro.
E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.
Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente.
E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará.
Daniel 12:7-9
E ouvi o homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio, o qual levantou ao céu a sua mão direita e a sua mão esquerda, e jurou por aquele que vive eternamente que isso seria para um tempo, tempos e metade do tempo, e quando tiverem acabado de espalhar o poder do povo santo, todas estas coisas serão cumpridas.
Eu, pois, ouvi, mas não entendi; por isso eu disse: Senhor meu, qual será o fim destas coisas?
E ele disse: Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim.
Daniel 12:11-13
E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias.
Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias.
Tu, porém, vai até ao fim; porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias.
O Tempo Do Evento:
Tempo Do Fim
Período Da Tribulação
O Kerigma
 “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno”.
1 Coríntios 15:1
Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado;
A substancia do Kerigma é a ressurreição que dá vida a pregação paulina:
1 Coríntios 15:3-8
Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras,
E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.
E que foi visto por Cefas, e depois pelos doze.
Depois foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também.
Depois foi visto por Tiago, depois por todos os apóstolos.
E por derradeiro de todos me apareceu também a mim, como a um abortivo.
1 Coríntios 15:11-12
Então, ou seja eu ou sejam eles, assim pregamos e assim haveis crido. Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos?
Vivemos a expectativa da Ressurreição com Cristo.
Resumo do Reino eternal e vitória de Jesus sobre a Morte, o que lhe deu poder para destruir toda a potestade maligna que ainda permeia e domina o mundo natural dos homens e que atuará com maior força durante aquele tempo: “um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo;
“E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.”
A ressurreição dos mortos é fundamental para compreensão da completa Doutrina da Salvação, que é o Plano de Redenção divino, que insere a derrota final de todas as forças do reino parasita do mal de forma definitiva. Sem este entendimento o homem salvo e Igreja não pode entender uma parte fundamental do mistério, que Daniel obteve de forma especial de um capítulo revelativo, importante, na Vitória final do Kurios sobre todas as forças e Potestades. 
1 Coríntios 15:19-28
Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.
Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem.
Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem.
Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.
Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda.
Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força.
Porque convém que reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés.
Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte.
Porque todas as coisas sujeitou debaixo de seus pés. Mas, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas.
E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos.
Neste caso, a importância da Revelação do capitulo 12 de Daniel é fundamental, pois posiciona:
- o Tempo – “E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo...”
- a Qualidade deste Tempo – Tempo de Angústia
Tempo é uma retórica permanente no Livro de Daniel e toma forma de Revelação final a partir do Capítulo 8.
Vamos encontrar diversas e coerentes e contextuais formas de Daniel explicar e ouvir falar de TEMPO, no estilo e contexto deste atual tema:
É importante ressaltar que a Bíblia através de seus outros livros vai contextualizar, no mesmo conteúdo profético e escatológico todas e as principais narrativas com TEMPO, do livro de Daniel!
Estamos falando e tratando do Tempo do Fim.
O tempo final, do qual Daniel recebe explicação refere-se primeiro a seu Povo: “...e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro.
Trata-se de uma revelação referencial ao Remanescente do povo, durante os dias, aqui no conteúdo geral escatológico universal, incluindo a pré-tribulação e eventos anteriores e ulteriores a manifestação do Anticristo. Característica do remanescente hebreu, “uns poucos”.
Remanescente no conteúdo Veterotestamentário sempre tem a ver com a visão do Dia do Senhor, para Israel. E com a História da Salvação, seja a sozo, neotestamentária, como o livramento no Dia do Senhor no contexto vétero, com base ao futuro da Fé em Yaweh.
O Remanescente hebreu será declarado, povo hebreu, conforme os livros da geração, da mesma forma como o foram durante os eventos dos livros de Esdras e Neemias.
Poder-se-ia concluir que haverá algum tipo de recenseamento processado pelas autoridades mundiais, sob a influência do Anticristo, seja para serviços do Templo (a ser erigido), quanto para recenseamento mundial, para domínio cadastral da população Mundial.
Podemos inferir, pelo conteúdo Tessalônico da Epístola paulina, que esta forma, já existe, e possibilita-nos verificar historicamente, que desde o Recenseamento dos Augustos, nos Idos de Jesus, é muito mais viável, pela quantidade de informações possíveis de serem colhidas pelas ferramentas digitais, sejam de identificação ou mesmo de localização de pessoas e objetos. É algo que acredito estar criando as condições para o cadastro dos hebreus remanescente com absoluta veracidade, jamais possível, e para os que pensam em alguma Teoria conspiratória dos inimigos de Israel ela é possível de ser, ou estar sendo elaborada com alta tecnologia israelense (uma mera suposição, viável).
Veja algumas posições sobre Remanescente:
1. Remanescente Histórico: Este remanescente consiste de qualquer grupo que tenha escapado a uma catástrofe a qual tenha ameaçado sua sobrevivência. (2Rs 19:31; 25:11; 2Cr 34:21; Jr 24:8; 52:15; Ez 9:8; 11:13; 2Rs 25:22; Jr 40-44; Ag 1:12, 14; 2:2; Zc 8:6,11-12).
2. Remanescente Fiel: Este remanescente é caracterizado como uma comunidade que mantém relacionamento com Deus, espiritualidade e fé verdadeiros.
Noé e sua família. (Gênesis 7 a 9; II Pedro 3).
Sete mil de Israel que não dobraram os joelhos a Baal (1Rs 19:18).
3. Remanescente Escatológico: Isaías, mais do que qualquer outro profeta, relaciona as profecias messiânicas com a teologia do remanescente específico.
Isaías prediz que o Messias, na condição de “o Renovo do Senhor”, preservará um remanescente “santo” ou “santa semente” em Sião em meio ao fogo do juízo.
Uns poucos se converterão ao Senhor (Is 4:2-4; 6:13; 10:20-22; 30:15; 28:16; cf. Rm 9:33; 10:11).
Para Isaías, as características do fiel remanescente são fé e obediência voluntária a Deus e ao Messias (Is 1:18-19; 7:9, 53).
Isaías, pessoalmente, experimentou essas duas características quando foi chamado (Is 6:1-8).
O povo remanescente escatológico ou messiânico poderá incluirá outros que não são israelitas, chamados gentios, que decidem adorar o Deus de Israel e buscam Seu Messias como o “estandarte dos povos”, mas já é outra fase do Estudo Escatológico (Is 11:10-11; 56:3-8). Joel 2:31-32.
Para Isaías e seus contemporâneos profetas, o remanescente escatológico não só aceita o Messias como Salvador, e o adora com um novo coração. (Is 2:1-4; Mq 4:1-5; 66:19; Zc 14:16; Mq 2:12-13; 5:2-4; 7:18-19; Jl 2:32; Sf 3:9, 12-13; Jr 31:31-34; Ez 36:24-27).
Etimologia
σωζω / σώζω. sozo. sozo. v. salvar, ou seja, entregar ou proteger.
Termo hebreu yeter - “remanescente”.
Em Apocalipse 12:17 o adjetivo grego traduzido como “remanescente” é loipos; o que permanece ou resta.
A definição mais simples de remanescente é “aquilo que resta de uma comunidade após a ocorrência de uma catástrofe”. Obviamente, essa definição é pobre diante da relevância e importância teológica do conceito. Gerhard F. Hasel
Segundo os dicionários gregos, ele se refere “ao que permanece”, ou “o que sobrou” após ser tomada uma determinada ação, e pode ser traduzido por “o resto” (Apocalipse 9:20), “o remanescente”, ou “os que restaram” (veja Apocalipse 11:13).
Loipos pertence à família de palavras diretamente relacionadas à ideia de remanescente.
O verbo leipo significa “deixar para trás/terminar; faltar” (Tito 1:5; 3:13) e é encontrado em muitas variações compostas.
Por exemplo: kataleipo = “deixar para trás”, “deixar uma lembrança” (veja Romanos 11:4); hupoleipo = “deixar uma lembrança” (veja Romanos 11:3), e perileipomai = “deixar para trás” (veja 1Tessalonicenses 4:15 e 17).
O verbo e o composto verbal diferente podem ser usados para expressar a ideia do remanescente, para “o que permanece ou resta
Tempo do fim que resultará na condenação do homem do mal que dominará por tempo determinado.
Essa preocupação com um remanescente fiel no texto bíblico, como em Apocalipse, junto com o uso da terminologia bíblica e o ensino que Deus sempre preservou para Si no conflito cósmico, um remanescente fiel, apoia a conclusão de que o termo loipos em Apocalipse 12:17 está se referindo ao remanescente de Deus no momento em que ‘o grande conflito’ estará chegando ao seu ápice quando haverá a necessária manifestação do Messias para livramento do Povo hebreu, em um Tempo de angústia.
É necessário recorrer a Teologia paulina para entender que a Igreja não cumpre a agenda proposta a Israel, nas questões do Fim. Era isto que se revelava a Daniel, e servia para determinar posições, tanto do “Teu Povo”, quanto dos dias do Fim e Dias de Angústia, embora sirva de pano de fundo literal e metafórico para os dias do fim.
Determinado refere-se a tempo dado ao Mal para agir para que as coisas devidas a serem realizadas possam se realizar e para que Deus não seja dado como Juiz apressado.
Israel deve e está atendendo a Agenda que a própria nação criou, ao rejeitar, com o “endurecimento” o Messias (Rm. 11).
“...e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo...”
Portanto, a Revelação de Daniel sobre o tempo apropriado refere-se ao cumprimento da dura etapa desta Agenda Nacional hebraica que se dará nos estertores da manifestação da malignidade da ação da futura aliança de Israel com o Anticristo, que será rompida no momento de maior gravidade, pelo qual Israel jamais passou aqui na Terra, com a Manifestação do Messias Glorioso nos Ares com a Igreja, para que Israel confesse que Ele é o Messias, ou Mashia.
Isaías seu profeta, o profeta messiânico mostra que a Verdade foi revelada a Israel, mas a Salvação através do Messias não seria entendida no Tempo da Plenitude (Gl4.4) estabelecido por Deus: “Mas nem todos têm obedecido ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem creu na nossa pregação?” Romanos 10:16.
O profeta Isaias continuou a explicar o “endurecimento” que Paulo demonstra em sua Epístola aos Romanos, nos versos seguintes, o que modificou a Agenda inicial da Ação do Messias e Deus os pôs em emulação (Romanos 11.11), como diz Paulo confirmando Isaías “Eu vos porei em ciúmes”:
“De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus. Mas digo: Porventura não ouviram? Sim, por certo, pois Por toda a terra saiu a voz deles, E as suas palavras até aos confins do mundo. Mas digo: Porventura Israel não o soube? Primeiramente diz Moisés: Eu vos porei em ciúmes com aqueles que não são povo, Com gente insensata vos provocarei à ira. E Isaías ousadamente diz: Fui achado pelos que não me buscavam, Fui manifestado aos que por mim não perguntavam. Mas para Israel diz: Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente. Romanos 10:17-21
Sendo assim, livrar-se-á o Remanescente Escatológico predito por Isaías, ao relacionar as profecias messiânicas com a teologia do remanescente específico.
Isaías prediz que o Messias, na condição de “o Renovo do Senhor”, preservará um remanescente “santo” ou “santa semente” em Sião em meio ao fogo do juízo
Ele, O Senhor é um Juiz Justo e Fiel e dá tempo, ao Tempo Determinado para que tudo que foi profetizado, e o foi para que o Mal seja possível de ser extirpado e julgado pelas suas ações ao longo do Idos e Eras do AEON Eternal desde o Princípio, permitido por Deus, pelo arbítrio de todas as criaturas criadas com pensamento livre para decidir como agir, seja para o Bem ou para o Mal.
E disse: Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira; pois isso pertence ao tempo determinado do fim. Daniel 8:19
E a visão da tarde e da manhã que foi falada, é verdadeira. Tu, porém, cerra a visão, porque se refere a dias muito distantes. Daniel 8:26
Também estes dois reis terão o coração atento para fazerem o mal, e a uma mesma mesa falarão a mentira; mas isso não prosperará, porque ainda verá o fim no tempo determinado. Daniel 11:27
E alguns dos entendidos cairão, para serem provados, purificados, e embranquecidos, até ao fim do tempo, porque será ainda para o tempo determinado. Daniel 11:35
E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará. Daniel 12:4
E ele disse ao homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio: Quando será o fim destas maravilhas? Daniel 12:6
E ele disse: Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim. Daniel 12:9
Tu, porém, vai até ao fim; porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias. Daniel 12:13
O Tempo e o Escape:
- a possibilidade de escape – “mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro”.
Romanos 10:8-10 Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos, A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
- a grande esperança dos que já dorme e dos que dormirão (morreram, ou morrerão) – “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente.”
Paulo apresenta a questão solucionada, ao explicar, ainda que de forma de narrativa, por vezes irônica, aos que o questionavam a forma correta entendermos a causa da Morte vicária de Cristo.
Esta morte vai além da questão ‘sozo’ da alma, mas permeia e se sustenta na própria forma da ressurreição do corpo de Jesus da sepultura física e dos laços da Morte. De tal forma, que todos quanto o aceitam podem e tem direito a serem ressurreto ao tempo de sua vitória final, descrita no texto Veterotestamentário de Daniel, como tenho colocado, ‘evangelicalismo’ Veterotestamentário do livro de Daniel, ao descrever em sua narrativa a ressurreição, “naquele Tempo” dos “que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno” sobre a Redenção em Cristo e ao desprezo eterno dos que não aceitarem a Cristo.
É a noção e explicação da antítese pecado-justiça em pleno AT, servidão- liberdade que são formas conhecidas neste contexto. Daniel insere a libertação final dos laços da Morte, com a Ressureição, que se daria pela própria ressureição do Filho do Homem (Daniel 7:13-14 Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído.)
Sim. Pois, Daniel coloca como condição de aceitação e escolha o fato de “vida eterna e vergonha e desprezo eterno”, ao ressaltar:
... todo aquele que for achado escrito no livro.
E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.
Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento;”
É necessário estar inscrito no Livro.
Para ser ressurreto para uma vida eterna de gozo “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno”.
Interessante, que ao analisarmos a Escritura de Daniel nos deparemos com tal ordem de condenação e definição da vida futura dos homens. Sendo, que esta será uma vertente e leito natural das Escrituras dos Evangelhos, mormente do Apóstolo Paulo.
Neste ponto poderíamos inferir que o Tempo é atual é Tempo da igreja é tempo do Evangelho da Cruz, a situação temporal que define a vida eterna, explicada na Revelação de Daniel.
A forma como Daniel é atual mostra que estamos vivenciando o Tempo: “... muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará.” Daniel 12:4.
Nunca foi tão atual esta parte da Revelação.
O Movimento Escatológico está em pleno andamento! E ele pressupõe a questão da “Paurosia” e da Ressurreição dos Mortos.
Coloco o termo “parousia” como presença, a forma inicial para a fase da anunciação. Porém, quero ressaltar que o uso evangélico paulino é ligado a visão helênica, que refere-se ao uso técnico-politico (Decreto do reino de Pérgamo para entrda de Átalo iii -138-133 a.C. para sua entrada solene), que designa a festiva entrada na cidade dos soberanos (reis, imperadores, magistrados superiores) e ao sentido religioso, que infere: presença ou manifestação da divindade, assim a Revelação de Daniel tem este sentido duplo, aqui nesta análise e estudo.
Da mesma forma, podemos inferir que esta entrada ode ser utilizada como introdução do homem do pecado, o Anticristo, ou a “presença” citada por Paulo em Tessalonicenses “Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição2 Ts 2: 3
A Paurosia é um evento que marca uma nova etapa político ou religiosa e está prestes, a Igreja necessita conhecer os sinais e compreendê-los de forma completa, para isto Daniel é a Voz e o Legado.
2 Tessalonicenses 2:8-10 E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem.
Além da manifestação prevista por Daniel e alinhada por Paulo, há a vinda com sinais e de maneira “festiva” para sua plena atuação no Tempo determinado.
Daniel o revela ainda de forma incipiente, mas reveladora de tal forma que nós pudéssemos entender, nós e os crentes de todas as épocas, incluindo o seu povo, Israel, muito embora, neste trecho da Revelação não seja diretamente a eles, mas os incluiu indiretamente, pois não há Movimento escatológico sem o Povo Hebreu!
Entenda, isto sem hebraísmo exagerado, ou entenda que o Povo de Israel proporcionou, esta, Revelação, pois foi a busca de informações sobre o destino de seu Povo que levou Daniel a jejuar 21 dias (Daniel 10.2.ss) por expostas e elas chegaram, além do que ele jamais imaginara.
Que Livro?
E peço-te também a ti, meu verdadeiro companheiro, que ajudes essas mulheres que trabalharam comigo no evangelho, e com Clemente, e com os meus outros cooperadores, cujos nomes estão no livro da vida”. Filipenses 4:3
Sejam riscados do livro dos vivos, e não sejam inscritos com os justos”. Salmos 69:28
A Verdade e o Engano: A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 2 Tessalonicenses 2:8-10
Sábios? Infere ter, obter e aceitar conhecimento de uma verdade relativa ao Evento. Isto lhes dará condição de aceitação no processo da Ressuscitação.Expondo e demonstrando que convinha que o Cristo padecesse e ressuscitasse dentre os mortos. E este Jesus, que vos anuncio, dizia ele, é o Cristo”. Atos 17:3
A conquista da Vida Eterna se dá, na forma Evangélica, no sentido do “God’spel” Divino cristocêntrico pelo conhecimento de que há necessidade de nascer para viver de forma eterna, com direito a uma vida plena de gozo e paz: “E perguntou-lhe um certo príncipe, dizendo: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar a vida eterna?” Lucas 18:18
Lucas 20:35-37
Mas os que forem havidos por dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, nem hão de casar, nem ser dados em casamento;
Porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos, e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.
E que os mortos hão de ressuscitar também o mostrou Moisés junto da sarça, quando chama ao Senhor Deus de Abraão, e Deus de Isaque, e Deus de Jacó.
Marcos 9:9-32
E, descendo eles do monte, ordenou-lhes que a ninguém contassem o que tinham visto, até que o Filho do homem ressuscitasse dentre os mortos.
E eles retiveram o caso entre si, perguntando uns aos outros que seria aquilo, ressuscitar dentre os mortos... Porque ensinava os seus discípulos, e lhes dizia: O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-lo-ão; e, morto ele, ressuscitará ao terceiro dia. Mas eles não entendiam esta palavra, e receavam interrogá-lo.
            EM EDIÇÃO E INCONCLUSO
Bibliografia
Espada Cortante
Bíblia Plenitude
Gerhard F. Hasel
MS Pr. Cirilo Gonçalves
Tríplice conceito de remanescente
Interpretação Eclesiológica do Remanescente de Israel

Apontamentos do autor Osvarela

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical