quinta-feira, fevereiro 4

Microcefalia Uma Ameaça A Gravidez. Esperança!

'Sou a exceção da exceção', diz jornalista com microcefalia, Ana Carolina Dias Cáceres
“Ele apanha os sábios na sua própria astúcia; e o conselho dos perversos se precipita.” Jó 5:13
Sejam à uma confundidos e envergonhados os que buscam a minha vida para destruí-la; tornem atrás e confundam-se os que me querem mal.” Salmos 40:14
“Comecei a estudar com sete anos. Aos nove eu lia e escrevia, e a partir de então sempre acompanhei minha turma. Estudei com a mesma turma até me formar. Nunca fui reprovada, minhas notas sempre foram acima de 7. Tenho cicatriz na cabeça. As pessoas perguntam. Quando falo "microcefalia", olham com aquela cara, muito por causa do nome. Por isso escrevi um livro sobre o assunto, para que saibam o que é. Me preocupo com o surto de microcefalia porque o tratamento não é fácil e não é barato.”
Tempos de pestilências.
E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.Lucas 21:11
em tempos de discussão sobre a grave incidência do Aedes Aegypti, que dissemina vírus de várias doenças graves, como Dengue e Chikungunya e a o zika Vírus, que ao contaminar mulheres grávidas pode levá-las, durante a gravidez, a gerarem anomalias nos bebês, entre estas anomalias, a grave má-formação, conhecido de microcefalia, ou seja, o nascimento de bebês com o diâmetro do crânio, menor que 30 cm [tem variado, conforme a visão de médicos, em nosso território nacional], que pode danificar a formação do cérebro destas crianças.
Não há vacina para deter o Vírus e há uma expansão exponencial de casos, em todas as Américas e já chegou, através de viajantes na Europa. O Brasil e a Colômbia tem o maior número de casos. O Brasil está tentando uma ação com os EUA para tentar uma vacina. No Brasil os Institutos acham que levará 3 (três) anos para obter uma Vacina eficaz.
Obs.: Não deixe água parada em sua casa e avise aos seus vizinhos para fazerem o mesmo!
em meio a tudo isto uma jovem jornalista lança um livro sobre a discriminação, e dá esperança as mães de bebês nascidos com esta má-formação, Ana Carolina Dias Cáceres, 24 é a voz de esperança, que hoje mesmo já apareceu inclusive nas TV’s entre os programas no estúdio i no globo news.
As crianças nascidas com esta má formação devem receber atenção médica especial, principalmente quanto a sua visão e ter fisioterapia, para estímulos sensoriais, para ativar seu neuro-sistema.
A situação é Grave.
Com o avanço da dengue e o medo da zika, prefeituras pelo país estão buscando médicos e montando hospitais de campanha para tratar pacientes infectados pelo mosquito Aedes Aegypti, que transmite as duas doenças.
A medida está sendo adotada em cidades de São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso Do Sul e do Paraná, que tentam atender à alta demanda de pacientes com sintomas de dengue na Rede Pública.
Para tentar convencer os profissionais a atuar de forma temporária, há prefeituras que oferecem até R$ 1.200 por dia de trabalho.
Cidades com epidemia ou em estado de emergência têm dificuldade para encontrar médicos – inclusive para repor os quadros habituais.
É o caso de Ribeirão Preto (SP), que registrou 927 casos só nos primeiros 15 dias do ano, decretou emergência e prevê gastar R$ 15,8 milhões para conter a doença.
Cidades
 (...) Depoimento a THIAGO AMÂNCIO - DE SÃO PAULO - 04/02/2016  02h00
RESUMO Ana Carolina Dias Cáceres, 24, nasceu com microcefalia. Em 2015, concluiu a faculdade de jornalismo, contrariando previsões de médicos que a atenderam na infância. Ela passou por cinco cirurgias para o desenvolvimento normal do cérebro.
Seu caso é menos grave que os relacionados ao vírus da zika. Antes indignada com a ação no STF pelo direito ao aborto para grávidas com o vírus, Ana diz ter repensado o assunto. Ela contou sua historia no livro "Selfie: Em Meu Autorretrato, a Microcefalia é Diferença e Motivação".
         
                                                                                                                                                  Renan Kubota/Folhapress - Ana, 24, diagnosticada com microcefalia quando recém-nascida, segura livro que escreveu sobre o tema
Quando nasci, não tinha essa tecnologia toda. Minha mãe fez seis ultrassons, e nenhum apontou que eu tinha microcefalia ou qualquer outro tipo de problema. Ela só soube depois do parto, e mesmo assim após dois diagnósticos. No primeiro falaram que eu tinha síndrome de Down. A identificação da microcefalia partiu de um neurocirurgião, que me acompanhou por 14 anos.
Nos exames, aparece que minha cabeça tinha 27,4 cm. A microcefalia se deu por cranioestenose. O crânio era todo fechado e não teria espaço para o cérebro crescer. A minha síndrome é genética, não é por vírus ou bactérias.
O neurocirurgião tinha estudado fora e conhecia o tratamento. Ele sugeriu um procedimento cirúrgico para o desenvolvimento ser o menos problemático possível. Eu tinha nove dias de vida, e a cirurgia durou nove horas. Eu também tinha afundamento no rosto. Corrigiram. Tive duas paradas cardíacas. Fiz mais quatro cirurgias. O médico tirava parte do osso, e ele crescia novamente. Tinha que ir lá e serrar, até o cérebro se desenvolver todo.
Aos sete, o médico sugeriu uma prótese. Só que meu organismo a rejeitou. Aos nove, retirei e até hoje estou sem. Fiquei sem nada na testa, só pele e massa encefálica. Não tenho o osso, preciso ter cuidado com quedas e batidas. Tive convulsões até os meus 12 anos. Hoje, só uma gripe o tempo todo.
Nunca sofri preconceito grave. Meu pai teve preocupação em me colocar em uma escola mais acolhedora. Criança tem brincadeiras com qualquer pessoa diferente, ‘bullying’. A fisionomia é diferente, a face é assimétrica, um olho é maior que o outro. Mas nunca foi nada demais. E eu tinha que ficar mais quietinha, não podia ficar pulando.
Comecei a estudar com sete anos. Aos nove eu lia e escrevia, e a partir de então sempre acompanhei minha turma. Estudei com a mesma turma até me formar. Nunca fui reprovada, minhas notas sempre foram acima de 7. Tenho cicatriz na cabeça. As pessoas perguntam. Quando falo "microcefalia", olham com aquela cara, muito por causa do nome. Por isso escrevi um livro sobre o assunto, para que saibam o que é.
Me preocupo com o surto de microcefalia porque o tratamento não é fácil e não é barato. Não é só um médico, tem fisioterapia, psicólogo. Antes, era um caso a cada 40 mil nascimentos, segundo dados da OMS, algo raríssimo. Hoje aumentou muito.
O país não tem infraestrutura para atender a essa demanda, não tem profissionais o bastante. Não é por falta de vontade, é pelo alto número. Países mais desenvolvidos também teriam problemas.
Quando soube da ação no STF para permitir o aborto em caso de Zika, me indignei. Depois conversei com a Débora Diniz, que é quem lidera o grupo que leva a ação, e ela me explicou que o projeto tende a dar apoio a essas mães e dar a opção à mulher.
Se ela estiver grávida e tiver sido diagnosticada com zika nos primeiros meses de gravidez, é dar a opção, associada à informação. Tem que se informar. E só com o diagnóstico preciso de zika.
Eu, particularmente, sou contra. Se estivesse grávida, eu não abortaria. Mas tem muitas mães que pegam zika por falta de informação e não têm acesso às tecnologias que meu pai tinha. Vai da consciência de cada pessoa.

Eu estou defendendo o lado que me representa, das crianças e mães. Defendo que o Estado dê toda estrutura e apoio a essas famílias. Sou a exceção da exceção. Além de ser uma síndrome rara, sou exceção porque tive um médico que conhecia bem a síndrome e sabia o tratamento certo. E porque meus pais não desistiram no primeiro diagnóstico. Folha; BBC

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical