sábado, junho 11

A Tolerância Cristã – 2ª Parte - Lição 11 CPAD 2º Trimestre 2016

A Tolerância Cristã – 2ª Parte
Lição Bíblica Da Escola Dominical.
Lição 11 CPAD 2º Trimestre 2016
Estudo de Pastor Osvarela
Texto Áureo
“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo”. Romanos 14. 17
Leitura Bíblica
Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes.
O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu.
Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar.
Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.
Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus. Romanos 14:1-6
Continuação:
I – A Graça não julga
Koinonia em risco por Um Dia.
Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar.”
Os “fracos” são objeto de julgamento, segundo a narrativa de Paulo, na Epístola aos Romanos. Nesta série de estudo o que pontua nosso pensamento é a Maravilhosa Graça. A Graça é maravilhosa exatamente por não julgar, mas por perdoar, não podemos nos esquecer. Embora esta ação da Graça não desfaça a ação da Justiça.
Mas, não somos nós que vamos deixar a intolerância agir em nossa posição no interior da Igreja para julgar os chamados enfermos, os “fracos”. Pois quando nos colocamos nesta posição, impedimos a ação da Graça. Além, de nos colocarmos na posição de juízes, ao invés de irmãos e impedimos a ação de um dos grandes pilares da Igreja, a Koinonia.
Sob esta ótica devemos analisar a demonstração de Paulo sobre a fraqueza que era motivo de restrição de uns crentes sobre os outros. Paulo queria evitar que numa Igreja miscigenada pelas origens de sua membresia, judeus e gentios, os chamados bárbaros segundo a visão romanista.
A intolerância poderia ser impedimento pra manifestações da Graça divina entre eles.
Adornos, cabelos, comidas “kosher”, circuncisão, bebidas [vinho], guardar luas e sábados, ritualismo do judaísmo e resquícios do paganismo.
Considerações sobre Kosher: Literalmente significa ”próprio ou correto”. É o termo usado para descrever o alimento permitido de acordo com as leis alimentares judaicas. Os detalhes de kashrut (o conjunto de leis relativos a comidas e bebidas) são muito extensos.
AS LEIS DERIVAM-SE DAS SEGUINTES REGRAS BÁSICAS:
Certos animais não podem ser consumidos de forma alguma. Essa restrição inclui a carne, os órgãos, os ovos e o leite desses animais. Mesmo os animais permitidos só podem ser ingeridos se forem abatidos de acordo com as regras da lei judaica. Todo sangue deve ser drenado da carne antes de comer. Algumas partes de animais permitidos não podem ser ingeridas. Carne não pode ser ingerida junto com leite. Peixes, frutas, vegetais e grãos podem ser comidos tanto com carne quanto com leite. Os utensílios que estiveram em contato com carne não podem ser utilizados com leite e vice-versa. Produtos a base de uva fabricados por um não judeu não podem ser consumidos. Somente os peixes que possuem escamas e nadadeiras podem ser consumidos. Todos os tipos de moluscos e frutos do mar são proibidos. Os vegetais e grãos devem ser rigorosamente supervisionados para que não haja vermes ou insetos.
Continuando:
II - Afirmação da superioridade da fé sobre a razão
Além de, diversidade de entendimento sobre como agir. Uns apresentando liberdade, aparentemente exagerada, sobre estas coisas, com entendimento alargado da ação da salvação pela Graça.
Outros buscando manter seus costumes e ritos da antiga forma de viver, antes da salvação pela Graça, sob a visão de que estes costumes os ajudariam a serem melhores crentes e ajudariam a servir a Deus em piedade.
Talvez uma busca do “pietismo”, não como movimento, mas como “afirmação da superioridade da fé sobre a razão”.
A busca de uma Igreja em que a unanimidade fosse a base do comportamento dos crentes, talvez na busca da mesma unanimidade da Igreja mãe ou da Igreja antioquena, e total koinonia é a base da escrita paulina. Tudo isto, sob o entendimento bíblico de que Deus não faz acepção e não se deixa levar por costumes e modo de viver.
A ótica é que Deus é o Senhor da Igreja e dos crentes e não se deixa levar por um ou outro modo de vida, pois aceitou a cada um conforme a sua maneira de viver e deu dons igualitariamente. É uma insistência para aplicação das determinações do Concílio de Jerusalém, em busca da comunhão e forma igualitária de servir ao Senhor. Os cristãos judeus insistiam na prática da lei e desejavam impor as mesmas aos cristãos gentios como forma de pietismo e santidade.
III – Unir a Igreja
Um Dia faz diferença?
A comunhão da igreja de Roma era importante no planejamento de Paulo para sua próxima Viagem missionária, cujo alvo era a distante Espanha.
Se vermos a questão sob esta lógica podemos entender melhor esta questão:
A questão da lei: A igreja cristã poderia manter o dia de descanso no sábado e servir a Cristo, porém se guardasse um só preceito da lei seria obrigada de todos os outros (Tiago 2.10) e estaria servindo a dois senhores”. Mateus 6.24
A Epístola aos Romanos era a boa oportunidade para um contato mais próximo com uma comunidade que não o vira face a face, para expor melhor sua fé em Cristo, sua teologia [doutrina] acerca da salvação e sua apostolicidade, sempre discutida, ao longo do seu exercício, com ênfase no meio judeu-cristão, e desta forma forjar uma ligação apostolar que lhe permitiria, ser bem recebido e seu apoio para execução do Plano de evangelização da Europa peninsular, na Espanha, província mais ocidental do Império Romano.
Quem mais poderia escrever estas linhas, entre os escritores escolhidos pelo Espírito Santo?
Pedro foi excludente por si, mesmo, segundo a Epístola aos Gálatas.
Paulo? Um romano de nascimento, local, e hebreu de ventre, um cidadão do Mundo. Em síntese, Paulo é um judeu da diáspora ligado às culturas judaica e grega.
Claro, que a ótica é vesga, pois o Espírito escolhe a quem quer.
Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente”.
Muito antes de Constantino se converter a Igreja Primitiva já fazia seus cultos no domingo.
Na Igreja Cristã primitiva, os cristãos judeus continuaram a guardar o sábado, assim como outros pontos da Lei mosaica, os cristãos mantiveram o domingo como dia de descanso, o Dia do Senhor, pelo menos 300 anos antes de Constantino estabelece-lo como dia de descanso. Paulo sempre ressaltou que o sábado judeu não era obrigatório para os cristãos”. Enciclopédia Britânica.
Paulo sofria pela sua liberalidade em relação a Lei e costumes, inclusive rituais do Templo, embora frequentasse o mesmo em suas visitas a Jerusalém.
“Depois, passados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém ... levando também comigo Tito... lhes expus o evangelho, que prego entre os gentios ... Mas nem ainda Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se; E isto por causa dos falsos irmãos que se intrometeram, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão; Aos quais nem ainda por uma hora cedemos com sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós. E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa (quais tenham sido noutro tempo, não se me dá; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me comunicaram; Antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me estava confiado, como a Pedro o da circuncisão...” Gálatas 2:1-7
Podemos entender isto ao lermos outras Epístolas paulinas, que contém informações sobre esta forma de entendimento, como lemos no texto acima.
Esta confusa forma de entender os costumes de cada membro, em função de sua origem criava sensações de maior ou menor crença e fé entre os membros da Igreja em Roma.
A diversidade provocada pela atitude de uns para com os outros levava-os a sensação, como em nossos dias encontramos, os santarrões e os crentes acusados de menos crentes em relação àqueles.
Paulo não quer regular um ou outro Dia, mas ele queria que estas diferenças, por causa de um Dia não fosse impedimento para a Unidade da Igreja, ou de valoração de um crente romano, para com um outro apenas porque um guardava o Sábado e outro não guardava e mesmo assim era abençoado por Deus, o que causava na mente do que guardava, e na do que não guardava, o Dia confusão quanto a sua Fé, ou serviço agradável para com o Senhor Jesus.
Entender o Plano de Salvação, começando com os judeus através da Lei e concluindo com todos os povos em Cristo através da Graça”.
“Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam”. Romanos 10:12
Era em função da visão judaica em relação ao paganismo em antítese à visão helenista inculcada nas mentes de cada cristão, judeu ou gentio. Mas, a Graça santifica tanto o cristão judeu, quanto ao cristão romano, ou gentio.
A santidade um pressuposto da salvação não esta no Dia, “pela  Graça, sois salvos”, mas é cultual, no servir ao Senhor, usando o “mitte” paulino na Pessoa, do Senhor Jesus, o Kyrios, a nossa santificação, sob a visão da tese que o Cristianismo é a antítese e a redução do judaísmo e do paganismo, em Cristo, que salva a todas as Gentes. Sendo (aqui) Santificação: “a atividade de Cristo que nos santifica pela salvação” L.Cerfaux – rodapé fls 233
“E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”. 1 Tessalonicenses 5.23
“Paulo (chamado apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus), e o irmão Sóstenes, À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso” 1 Coríntios 1:1,2
A necessidade de termos um culto racional, leva Paulo a orientar aquela Comunidade sobre deixar de lado, toda e qualquer divergência por Dia.
Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”. Romanos 12:1
O rogo de Paulo era para não deixar um Dia tirar a comunhão e separar a Igreja.
É uma lição para nossos dias, quando muitos “dias” [metáfora] tem impedido a comunhão de uns para com os outros.
Uns acham que não pode ter um tipo de culto, seja com periodicidade, chamado de “campanha”, etc... seriam muitos os exemplos, mas o que nos interessa é entender que servimos e somos do Senhor. Estilos de liturgia diferentes não podem separar o Corpo de Cristo! “...aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso” 1 Coríntios 1:1,2
Diferenças
Costume do sábado judeu – uma cultura de ser um dia para usar a melhor roupa, após ir ao culto [antes à Sinagoga, à tarde] e desfrutar da melhor refeição.
Idas ao Templo em Dias de Festas do Calendário Judaico. Antes de tudo uma festa e dia de encontrar os parentes mais distantes, que vinham e se reuniam em Jerusalém. Na Páscoa se estima que cerca de 2.500.000 (dois milhões e meio) de pessoas viajavam para Jerusalém.
Não respeito ao sábado judeu, que traz ainda confusão quanto ao dia do Domingo, o Dominus Dei. Não vou detalhar, aqui.
Período de festas pagãs, com comida oferecidas aos ídolos, que se confundiam com feriados nacionais e grandiosidade de festas em Roma.
Culto ao Imperador
Cristianismo visto como um culto do Movimento de Jesus, um judeu.
Liberdade total Em Cristo
Fonte:
O sábado para o judeu e o domingo para o cristão – Estudos Gospel Mais
IBES – Grego - Thiago Thimoteo - Bacharel em Teologia
Usos e costumes dos tempos bíblicos – Ralph Gover

Cristo na Teologia de Paulo L. Cerfaux
Apontamentos do autor

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical