sexta-feira, junho 1

Pastor Que Pregava Segurando Cobras Morre De Mordida De Cascavel - Em Português - In English.


Pastor Que Pregava Segurando Cobras
Morre De Mordida De Cascavel
Notícia postada na mídia americana em 30 maio de 2012, às 05:37.
"Prometi ao Senhor, que eu faria tudo ao meu alcance para sempre manter a fé avançando", disse ele em outubro.

"Eu passo muito tempo indo a um monte de lugares que manipulando serpentes para mantê-los motivados. Eu estou tentando conseguir alguém que quer ou possa se envolver.”
FINAL:
Seu funeral será realizado sábado em sua igreja ‘House, Of the Lord Jesus’, em Matoaka, uma cidade ao norte de Bluefield.
Seu aniversário foi sábado.
Wolford tinha 15 anos quando viu seu pai morrer aos 39 anos de uma picada de cascavel em quase exatamente as mesmas circunstâncias.
- Falta de entendimento da Palavra de Deus
Numa demonstração da falta de entendimento sobre a Palavra de Deus, fica demonstrada no inusitado fato, ocorrido na Virginia Central – EUA – com um pastor, Mack Wolford, que pregava segurando cobras em suas mãos.
Baseando a sua forma litúrgica em Marcos 16:15-18. E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.
E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;
Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão.
Ao passar uma cascavel de suas mãos para a de um outro seguidor foi picado e morreu envenenado.
A Bíblia estaria errada?
Claro que não!
Existem algumas Igrejas de culto, dito cristão, que utilizam em suas celebrações da manipulação de serpentes, assim como também há na Itália, um padroeiro, um ‘santo’ católico que é venerado e sua imagem apresentada em ‘culto’, coberta de serpentes vivas.
São as distorções do uso e da interpretação das Escrituras.
Primeiro pela falta de conhecimento teológico, ou pelo conhecimento distorcido, pelo qual não se interpreta o Texto Bíblico nas três vertentes, pelas quais ele deva ser interpretado.
Sem este conhecimento, passam a usar apenas uma vertente interpretativa, ou literal, ou alegórica deixando de lado a máxima para todo o estudioso das Santas Escrituras: A Bíblia interpreta a própria Bíblia, muito embora, ainda assim se distorça a interpretação bíblica.
O texto que o dito pastor utilizava era claramente interpretada de forma distorcida, nenhuma profecia, considerando assim, como Pedro fala em sua Epistola, é de particular interpretação.
Juntando-se ao fato de que os sinais, acompanham o crente na hora necessária e não são para espetaculizar – ou seja, dar Espetáculo, com base nas Escrituras - nenhum culto, ou demonstração de que haja alguém tão poderoso com a capacidade de se colocar em posição de risco da própria vida, como ocorreu com Mark e antes havia acontecido com seu pai – daí a minha ilação inicial, sobre igrejas que tem este ritual, com serpentes –
Não, senhore [a]es!
A Bíblia é Uma Regra de Fé!
E não de demonstração de Poder e domínio de homem algum!
Nem de Diversão de grupos, como aponta a notícia, em Parques de Diversão.
O Poder – Power – foi concedido para proteção e socorro dos crentes, para a Glória de Deus e não de dos homens.
Tenha-se por base o fato descrito em Atos dos Apóstolos – capítulo 28 – naquela que seria a última viagem do Apóstolo Paulo.
O texto bíblico narra que a viagem tumultuada levou ao naufrágio a embarcação que conduzia Paulo e outros presos a Roma.
Paulo chegando à ilha [leia o texto – Atos 28] foi picado por uma víbora, e simplesmente lançou-a ao fogo sacudindo a sua mão.
Todos sabem o que ocorreu e como Paulo sobreviveu ao... note: Ao Ataque da víbora – ele não ficou manuseando a víbora, mas foi atacado por ela.
Aí está o fulcro do texto de Marcos, expresso por Jesus Cristo.
Esta é uma situação na qual o texto, bíblico interpreta ao próprio texto [texto e contexto, para não haver pretexto e espetáculo deprimente, como este].
Tenhamos noção, cuidado, saibamos manejar as Escrituras para que a nossa Fé seja ridicularizada e sofra prejuízo, mais do que já está sofrendo nos últimos dias.
Sim! É sinal dos tempos.
Assim como tenho a impressão, que Wolford se sentia um predestinado a manter a crença de seu pai, e não se preocupou em Examinar as Escrituras.
João 5:39. Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;
Cuidemos das Escrituras e a tenhamos como Regra e Orientação divina, sob a direção do Espírito Santo.
Conhecimento e Sabedoria e Inteligência. Isaías 11.
É um fato tal qual ao de Simão em Atos dos Apóstolos ao ver os sinais de poder, que se realizava pelos Apóstolos - Atos 8:9-22. E estava ali um certo homem, chamado Simão, que anteriormente exercera naquela cidade a arte mágica, e tinha iludido o povo de Samaria, ...;Ao qual todos atendiam, desde o menor até ao maior, dizendo: Este é a grande virtude de Deus.E atendiam-no, porque já desde muito tempo os havia iludido com artes mágicas.
E creu até o próprio Simão; e, sendo batizado ...; e, vendo os sinais e as grandes maravilhas que se faziam, estava atônito.
Os apóstolos, ... enviaram para lá Pedro e João.
Os quais, tendo descido, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo ... lhes impuseram as mãos, e receberam o Espírito Santo.
E Simão, vendo que pela imposição das mãos dos apóstolos era dado o Espírito Santo, lhes ofereceu dinheiro,
Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição...Tu não tens parte nem sorte nesta palavra, porque o teu coração não é reto diante de Deus. Arrepende-te, pois, dessa tua iniquidade, e ora a Deus, para que porventura te seja perdoado o pensamento do teu coração; 
LEIA A MATÉRIA EM PORTUGUES E INGLÊS
É curta, mas é serve de alerta para muitos crentes, que tem corrido atrás de novidades sem conhecer o uso e poder da Palavra de Deus é D’Ele para edificação da Igreja e não de espetáculo.
Mack Wolford, um pastor evangélico da Virgínia Ocidental (EUA), costumava pregar segurando cobras.
Ele planejava um megaevento em que, segundo ele, as pessoas manifestariam o dom de línguas desconhecidas, manipulariam cobras e se divertiriam em um parque.
Só que, um dia após completar 44 anos, Mack foi mordido por uma cascavel e morreu.
Ele foi ferido ao tentar passar a cobra a uma fiel na igreja.
O líder religioso justificava na Bíblia a prática perigosa com as cobras - uma forma de demonstrar o poder da sua fé.
"E haverá sinais que acompanharão os que creem: em meu nome expulsarão demônios, falarão novas línguas, segurarão serpentes e poderão beber venenos mortíferos sem que eles produzam qualquer dano. Além disso, colocarão as mãos sobre doentes, e estes ficarão sãos."
Marcos 16:17-18
O pastor foi levado a um hospital em Bluefield, mas não resistiu ao ferimento e faleceu, noticiou o "Bangor Daily News". 
A história é ainda mais trágica: o pai de Mack, que costumava também segurar serpentes, morreu em 1983 - picado por um réptil.

ENGLISH

Serpent-handling pastor dies from rattlesnake bite

By Julia Duin, Special to The Washington Post
Posted May 30, 2012, at 5:37 a.m.
I promised the Lord I’d do everything in my power to keep the faith going,” he said in October. “I spend a lot of time going a lot of places that handle serpents to keep them motivated. I’m trying to get anybody I can get involved.”
His funeral will be held Saturday at his church, House of the Lord Jesus, in Matoaka, a town just north of Bluefield.
Mack Wolford, a flamboyant Pentecostal pastor from West Virginia,  hoped the outdoor service he had planned for Sunday at an isolated state park would be a “homecoming like the old days,” full of folks speaking in tongues, handling snakes and having a “great time.” But it was not the sort of homecoming he foresaw.
Instead, Wolford, who had turned 44 the previous day, was bitten by a rattlesnake he had owned for years. He died late Sunday evening.
Mark Randall “Mack” Wolford was known all over Appalachia as a daring man of conviction. He believed that the Bible mandates that Christians handle serpents to test their faith in God — and that, if they are bitten, they trust in God alone to heal them.
He and other adherents cited Mark 16:17-18 as the reason for their practice: “And these signs will follow those who believe: in My name they will cast out demons; they will speak with new tongues; they will take up serpents; and if they drink anything deadly, it will by no means hurt them; they will lay their hands on the sick, and they will recover.”
The son of a serpent handler who had himself died in 1983 after being bitten, Wolford was trying to keep the practice alive, both in West Virginia, where it is legal, and in neighboring states where it is not. He was the kind of man reporters love: articulate, friendly and appreciative of media attention. Many serpent-handling Pentecostals retreat from journalists, but Mack didn’t. He’d take them on snake-hunting expeditions.
Last Sunday started as a festive outdoor worship service on a sunny afternoon at Panther Wildlife Management Area, a state park roughly 80 miles west of Bluefield, W.Va. In the preceding days, Wolford had posted several teasers on his Facebook page asking people to attend.
“I am looking for a great time this Sunday,” he wrote May 22. “It is going to be a homecoming like the old days. Good ‘ole raised in the holler or mountain ridge running, Holy Ghost-filled speaking-in-tongues sign believers.”
“Praise the Lord and pass the rattlesnakes, brother” he wrote on May 23. He also invited his extended family, who had largely given up the practice of serpent handling, to come to the park.
“At one time or another, we had handled [snakes], but we had backslid,” his sister, Robin Vanover, said late Monday evening. “His birthday was Saturday and all he wanted to do is get his brothers and sisters in church together.”
And so they were gathered at this evangelistic hootenanny of Christian praise and worship. About 30 minutes into the service, his sister said, Wolford had been passing a yellow timber rattlesnake to a church member and his mother.
“He laid it on the ground,” she said, “and he sat down next to the snake, and it bit him on the thigh.”
The festivities came to a halt shortly thereafter and Wolford was taken back to a relative’s house in Bluefield to recover, as he always had when suffering from previous snake bites. By late afternoon, it was clear that this time was different, and desperate messages began flying about on Facebook asking for prayer.
Wolford got progressively worse. Paramedics transported him to the Bluefield Regional Medical Center, where he was pronounced dead early Monday morning. It could not be determined when the paramedics were called.
Wolford was 15 when he saw his dad die at age 39 of a rattlesnake bite in almost exactly the same circumstances.
“He lived 10 1/2hours,” Wolford told The Washington Post last fall. “When he got bit, he said he wanted to die in the church. Three hours after he was bitten, his kidneys shut down. After a while, your heart stops. I hated to see him go, but he died for what he believed in.”
According to people who witnessed Mack Wolford’s death, history repeated itself. He was bitten roughly at 1:30 p.m.; he died around 11 that night.
One of the people present was Lauren Pond, 26, a freelance photographer from the District of Columbia. She had been photographing serpent handlers in the area for more than a year, including for The Post, and stayed at Wolford’s home last November.
“He helped me to understand the faith instead of just documenting it,” she said Tuesday. “He was one of the most open pastors I’ve ever met. He was a friend and a teacher.”
The family allowed her to stay near Wolford’s side Sunday night, and she’s still recovering from having witnessed the pastor’s agonizing death. “I didn’t see the bite,” she said. “I saw the aftermath.”
In a Post interview for last year’s story, Jim Murphy, curator of the Reptile Discovery Center at the National Zoo, described what happens when a rattlesnake bites.
The pain is “excruciating” when there is a bite, he said. “The venom attacks the nervous system. It’s vicious and gruesome when it hits.”
But Mack Wolford refused to fear the creatures. He slung poisonous snakes around his neck, danced with them, even laid down on or near them. He displayed spots on his right hand where copperheads had sunk their fangs. His home in Bluefield had a spare bedroom filled with at least eight venomous snakes: usually rattlers, water moccasins and copperheads that he fed rats and mice. He was passionate about wanting to help churches in nearby states — including North Carolina and Tennessee, where the practice is illegal — start up their own serpent-handling services.
I promised the Lord I’d do everything in my power to keep the faith going,” he said in October. “I spend a lot of time going a lot of places that handle serpents to keep them motivated. I’m trying to get anybody I can get involved.”
His funeral will be held Saturday at his church, House of the Lord Jesus, in Matoaka, a town just north of Bluefield.
The Bangor Daily Maior to Washington Post
Manipulando Serpente Pastor morre de picada de cascavel – tradução livre
Por Julia Duin, Especial para o The Washington Post
Postado 30 maio de 2012, às 05:37
Pastor Mack Wolford handles a rattlesnake during a service at the Church of the Lord Jesus in Matoaka, W.Va., in 2011.
"Prometi ao Senhor, eu faria tudo ao meu alcance para manter a fé indo", disse ele em outubro. "Eu passo muito tempo indo um monte de lugares que manipulam serpentes para mantê-los motivados. Eu estou tentando conseguir alguém que pode se envolver. "
Seu funeral será realizado sábado em sua igreja House, do Senhor Jesus, em Matoaka, uma cidade ao norte de Bluefield.
Mack Wolford, um pastor pentecostal de West Virginia, espera que o serviço ao ar livre que ele tinha planejado para o domingo em um parque de estado isolado seria um "regresso a casa como nos velhos tempos," cheio de pessoas falando em línguas, manusear cobras e ter um grande " tempo. "Mas não era o tipo de regresso a casa que ele previu.
Em vez disso, Wolford, que fez 44 anos no dia anterior, foi mordido por uma cascavel que ele tinha possuído por anos. Ele morreu domingo à noite, tarde.
Mark Randall "Mack" Wolford era conhecido em toda região dos Apalaches como um homem ousado de convicção. Ele acreditava que os mandatos da Bíblia que serpentes cristãos identificador para testar sua fé em Deus - e que, se for mordido, eles confiam em Deus para curá-las.
Ele e outros adeptos citado Marcos 16:17-18 como a razão para a sua prática: "Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, ele vai de forma alguma prejudicá-los, eles vão colocar suas mãos sobre os enfermos, eles ficarão curados ".
O filho de um manipulador de serpente que tinha morreu em 1983, depois de ser mordido, Wolford estava tentando manter viva a prática, tanto em West Virginia, onde ela é legal, e em estados vizinhos onde não é. Ele era o tipo de repórteres homem amar: articulado, simpático e apreciador da atenção da mídia. Muitos serpente de manipulação de pentecostais recuar de jornalistas, mas Mack não. Ele levá-los a serpente caça-expedições.
No domingo passado começou como um culto de adoração festiva ao ar livre em uma tarde ensolarada na Pantera Área de Gestão de Vida Selvagem, um parque estadual cerca de 80 quilômetros a oeste de Bluefield, Virgínia Ocidental Nos dias anteriores, Wolford tinha postado teasers vários na sua página do Facebook pedindo que as pessoas comparecer.
"Eu estou procurando um grande momento neste domingo", ele escreveu 22 de maio. "Vai ser um regresso a casa como nos velhos tempos. Ole 'boa levantada no holler ou cume da montanha correndo, Espírito Santo crentes cheios de língua em línguas de sinais. "
"Louvado seja o Senhor e passar a cascavéis irmão", escreveu ele em 23 de maio. Ele também convidou sua família, que em grande parte abandonado a prática de manipulação de serpente, para vir ao parque.
"Em um momento ou outro, tínhamos tratado [serpentes], mas tinha apostatado", sua irmã, Robin Vanover, disse noite de segunda-feira. "Seu aniversário foi sábado e tudo o que ele queria fazer é pegar seus irmãos e irmãs na igreja juntos."
E assim eles foram reunidos nesta concentração evangelística de louvor e adoração cristã. Cerca de 30 minutos para o serviço, disse sua irmã, Wolford estava passando uma cascavel de cor madeira amarelo para um membro da igreja e sua mãe.
"Ele colocou-o no chão", disse ela, "e ele se sentou ao lado da serpente, e ela o mordeu na coxa."
As festividades foram interrompidas pouco tempo depois e Wolford foi levado de volta para casa de um parente em Bluefield a se recuperar, como sempre se fazia quando sofreu picadas de cobras anteriormente.
Ao final da tarde, ficou claro que desta vez foi diferente, e as mensagens desesperadas começaram a voar no Facebook pedindo oração.
Wolford foi progressivamente piorando.
Os paramédicos transportaram-lo para o Regional Bluefield Medical Center, onde foi declarado morto na segunda de manhã cedo. Não poderia ser determinada quando os paramédicos foram chamados.
Wolford tinha 15 anos quando viu seu pai morrer aos 39 anos de uma picada de cascavel em quase exatamente as mesmas circunstâncias.
"Ele viveu 10 ½ horas", Wolford disse ao Washington Post no ano passado. "Quando ele chegou pouco, ele disse que queria morrer na igreja. Três horas depois de ter sido mordido, seus rins desligado. Depois de um tempo, seu coração pára. Eu odiava vê-lo ir, mas ele morreu por que ele acreditava pol "
Segundo pessoas que testemunharam a morte Mack Wolford, a história se repetiu. Ele foi mordido em aproximadamente 1:30 da tarde – pm -, ele morreu por volta de 11 naquela noite.
Uma das pessoas presentes era Lauren Pond, de 26 anos, fotógrafo freelance do Distrito de Columbia. Ela tinha sido fotografar manipuladores de serpentes na área há mais de um ano, inclusive para o cargo, e ficava em casa Wolford em novembro passado.
"Ele me ajudou a compreender a fé em vez de apenas documentá-lo", disse terça-feira. "Ele era um dos pastores mais abertos que eu já conheci. Ele era um amigo e um professor. "
A família permitiu a ela para ficar perto de lado Wolford da noite de domingo, e ela ainda está se recuperando de ter testemunhado a morte agonizante do pastor. "Eu não vi a mordida", disse ela. "Eu vi o resultado."
Em uma entrevista Mensagem para a história do ano passado, Jim Murphy, curador do Centro de Descoberta do réptil no jardim zoológico nacional, descreveu o que acontece quando um mordidas de cascavel.
A dor é "excruciante" quando há uma mordida, disse ele. "O veneno ataca o sistema nervoso. É cruel e horrível quando se atinge. "
Mas Mack Wolford recusou-se a temer as criaturas.
 Jogou cobras venenosas em torno de seu pescoço, dançou com elas, ou perto delas.
Ele mostrou os pontos na mão direita, onde viboras tinha afundado suas presas.
Sua casa em Bluefield tinha um quarto vago preenchido com pelo menos oito cobras venenosas: geralmente ali alimentaram ratos e camundongos.
Ele era apaixonado por querer ajudar as igrejas em estados vizinhos, incluindo Carolina do Norte e Tennessee, onde a prática é ilegal - iniciar os seus próprios serviços de manipulação de serpente.
"Prometi ao Senhor, eu faria tudo ao meu alcance para manter a fé avançando", disse ele em outubro.
"Eu passo muito tempo indo um monte de lugares que manipulam serpentes para mantê-los motivados.
Eu estou tentando conseguir alguém que pode se envolver. "
Seu funeral será realizado sábado em sua igreja House, do Senhor Jesus, em Matoaka, uma cidade ao norte de Bluefield.

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical