sábado, junho 27

A Ressurreição de Jesus - 2ª Parte - Lição 13 CPAD

A Ressurreição de Jesus - 2ª Parte
Lição 13 CPAD
Estudo Subsídio Pr Osvarela
2º TRIMESTRE/2015
Texto Áureo:
Lucas 24.5 E, estando elas muito atemorizadas, e abaixando o rosto para o chão, eles lhes disseram: Por que buscais o vivente entre os mortos?
Leitura Bíblica Em Classe
Lucas 24:1-8 E no primeiro dia da semana, muito de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado, e algumas outras com elas.
E acharam a pedra revolvida do sepulcro.
E, entrando, não acharam o corpo do Senhor Jesus.
E aconteceu que, estando elas muito perplexas a esse respeito, eis que pararam junto delas dois homens, com vestes resplandecentes.
E, estando elas muito atemorizadas, e abaixando o rosto para o chão, eles lhes disseram: Por que buscais o vivente entre os mortos?
Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos como vos falou, estando ainda na Galiléia,
Dizendo: Convém que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscite.
E lembraram-se das suas palavras.
 “A ressurreição de Jesus e o Cristianismo permanecem de pé ou caem por terra juntos!” Theodosus Harnak por Josh McDowell.
A visão da ressurreição, como fato real e duradouro é uma vertente que a diferencia das demais ressurreições ocorridas, até hoje sob a égide da ação divina, em nome de Jesus.
“E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.” 1 Coríntios 15:17
A Teologia paulina, a qual acho que me alinho, vê a ressurreição de Jesus, do modo   que descrevemos no parágrafo, acima.
Tanto a ressurreição quanto a morte de Jesus são fundamentos teológicos plenos de verdade e de conteúdo da verdadeira teologia divina.
O capitulo 15 da Epístola I aos Corintos é uma potente análise da Ressurreição de Jesus.
“Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. E que foi visto por Cefas, e depois pelos doze. Depois foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também. Depois foi visto por Tiago, depois por todos os apóstolos.” 1 Coríntios 15:3-7
Paulo coloca claro, no inicio do século d.C que a Escrituras assim previam. A Escritura a que ele se refere é a Veterotestamentária – Moises, Os escritos e Os Profetas.
É sob esta ótica que ele reafirma que a ressurreição de Jesus era um fato concreto da conclusão ou plenitude das escrituras, ainda que os judeus não entendessem isto.
É bom destacar que não podemos ser adeptos do Docetismo, nem do gnosticismo, que atuou por anos no seio da Igreja. Paulo deixa claro sua posição.
Docetismo - (do grego δοκέω [dokeō], "para parecer") - substantivo masculino - HIST.REL. doutrina existente nos séculos II e III que negava a existência de um corpo material a Jesus Cristo, que seria apenas espírito.
A ressurreição de Jesus é algo que temos que ela ressalta a nossa natureza humana, como seres anthropos criados por Deus.
O Gnosticismo defendia que o corpo de Jesus Cristo era uma ilusão, e que sua crucificação teria sido apenas aparente. Não existiam "docetas" enquanto seita ou religião específica, mas como uma corrente de pensamento que atravessou diversos estratos da Igreja.
Mas, a questão não é sobre a humanidade/divindade de Jesus, mas sim sobre a ressurreição que como fato nos ajudou a uma questão que transcende ao físico humano, com a possibilidade real de uma novidade na vida do home, quanto à salvação e a Vida Eterna.
A realidade da Ressurreição de Jesus é fundamento do Evangelho ao longo dos séculos e da própria manutenção e vida da Igreja. Paulo, como outros teólogos, entre eles os mais modernos dizem, (como Paulo escreve ainda que de maneira a ironizar, aos seus pretensos opositores doutrinários) e eu me aponto como alinhado à estes pensamentos e autores, que:
A ressurreição de Jesus e o Cristianismo permanecem de pé ou caem por terra juntos!” Theodosus Harnak por Josh McDowell.
“Então, ou seja eu ou sejam eles, assim pregamos e assim haveis crido. Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.” 1 Coríntios 15:11-14
A quatro grandes religiões do Mundo tem seus fundadores mortos.
Em nenhuma delas a figura da Ressurreição não parece como fundamento ou há descrição em escritos posteriores.
   a-    Judaísmo – Abraão morreu por volta 1900 a.C.
   b-    O Cristianismo – Jesus Cristo
   c-     Islamismo
Maomé – Morreu em 632 a.D aos sessenta anos de idade, em Medina.
   d-    O Budismo religião nascida na Índia.
Sidarta Gautama, O Buda morreu e foi cremado pelos seus discípulos.
O Mahaparinibbana Sutta literatura mais antiga que fala sobre a sua morte, e a menciona como “aquela morte, da qual nada resta...” segundo o Wilbur Smith. O professor Childers diz que em nenhuma escritura da língua pali (língua da região do Buda, falada no norte da Índia Central), ou outras há qualquer menção que Buda tenha aparecido a seus discípulos, ou seguidores.
Assim, a ressurreição de Jesus se torna historicamente de forma universal como a grande diferença entre todas, as religiões, já que o Judaísmo não aceitou e conspirou contra ela.
“E, quando iam, eis que alguns da guarda, chegando à cidade, anunciaram aos príncipes dos sacerdotes todas as coisas que haviam acontecido. E, congregados eles com os anciãos, e tomando conselho entre si, deram muito dinheiro aos soldados, Dizendo: Dizei: Vieram de noite os seus discípulos e, dormindo nós, o furtaram. E, se isto chegar a ser ouvido pelo presidente, nós o persuadiremos, e vos poremos em segurança. E eles, recebendo o dinheiro, fizeram como estavam instruídos. E foi divulgado este dito entre os judeus, até ao dia de hoje.” Mateus 28:11-15
Além disto, a sua Ressurreição trouxe certeza as suas palavras, ao afirmar que morreria, mas ao terceiro dia ressuscitaria, sem conflitar com as passagens que informam que Deus o ressuscitou, que se veja na Cristologia a posição do Filho na Trindade e em outras passagens, nas quais Ele afirma, na passagem do mesmo capítulo, que cito, abaixo: “Eu e o Pai somos Um” João 10.30, ou
A grandeza da ressurreição de Jesus se dá no milagre, D’Ele ter autoridade e Poder para por si ressurgir dentre os mortos. Este entendimento se coaduna com a visão que este Estudo quer levar ao leitor sobre a importância da ressurreição e a sua ligação mística com todos os eventos do Universo, sejam físicos, cósmicos e/ou do Mundo espiritual, como dito na 1ª Parte.
“Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai.” João 10: 17,18
Havia autoridade do Pai obtida dentro do Plano da Salvação e durante a Kenosis. Este é um entendimento de minha parte.
Se não faço as obras de meu Pai, não me acrediteis. Mas, se as faço, e não credes em mim, crede nas obras; para que conheçais e acrediteis que o Pai está em mim e eu nele.” João 10:37,38
A "Almeida Corrigida e Revisada, Fiel ...", traduz kenoo por "esvaziou".
Kenosis (ke/nwse - ekénose, ekenõsen) é um conceito na teologia cristã que trata do esvaziamento da vontade própria de uma pessoa e a aceitação do desejo divino de Deus. É encontrado no Novo Testamento como o esvaziamento de Jesus. Doutrina do esvaziamento do ‘logos’ divino.
O termo "kenosis" vem da palavra grega para a doutrina do auto-esvaziamento de Cristo em sua encarnação. A kenosis foi uma auto-renúncia, não um esvaziamento de sua divindade e nem uma troca de divindade pela humanidade. Filipenses 2:7 nos diz que Jesus "esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens." Jesus não cessou de ser Deus durante o Seu ministério terreno. Entretanto, Ele deixou de lado a Sua glória celestial de uma relação face a face com Deus. Ele também deixou de lado a Sua autoridade independente. Durante o Seu ministério terreno, Cristo se submeteu completamente à vontade do Pai.
A Importância da Ressurreição e a Vida Eterna
“E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão.” João 10: 28
Jesus sabia que a sua Morte e a posterior ressurreição seria o embasamento da Rocha, Ele mesmo, para garantia da Vida Eterna, pós-túmulo para todos os salvos, antes e depois deste ato divino, cumprindo o Plano Eternal.
O Segundo Adão, Jesus Cristo ressurreto tem poder para dar vida eterna a todos. Enquanto em contraposição, o primeiro Adão trouxe a figura da Morte para todos, Jesus ao ressurgir dentre os mortos se revela em transmitir a Via apara todos que N’Ele crêem.
Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.” 1 Coríntios 15:21,22
Por isto Ele disse:
“Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?” João 11:25,26

2ª PARTE

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical